Temos abordado em nossas matérias, palestras e cursos de vinhos que ministramos sobre as uvas que compõem este maravilhoso mundo de Baco dando-nos caldos maravilhosos mais os problemas que envolvem este mundo para sua expansão bem como os avanços do setor para se tornarem melhores, e agora citamos um artigo de nosso prezado colega enófilo, colunista de vinhos do prestigioso Jornal Valor Econômico em seu suplemento de final de semana de 08 de fevereiro PP, Jorge Lucki, para um maior conhecimento de que as entidades e profissionais ligados a este mundo do vinho no Brasil se unem no intuito comum de fazê-lo crescer.  Nosso país tem melhorado muito no aspecto vinho nestas últimas décadas e o mais incrível é que, a despeito das adversidades, taxações absurdas, o interesse por vinho e o nível de conhecimento sobre o assunto cresceu, bem mais, no entanto, que o consumo, graças a maior divulgação do que é o vinho e sua finalidade por parte da imprensa, colunistas e palestrantes como nós e sommeliers de Adegas. Seu preço excessivamente alto (aqui no Brasil), fruto quase que exclusivamente da tributação (ainda que tenha subido ultimamente!), impede que o ganho do poder aquisitivo da população se traduza em aumento de consumo – levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) dá conta que a carga tributária média incidente sobre uma garrafa de vinho importado passa de 65% (espumantes e fortificados é ainda mais alta) e nos nacionais, 55%. Apesar do consumo per capita no Brasil ser considerado baixo – mal alcança 1,9 litros por habitante/ano, muito aquém de Portugal e França, que beiram os 50 litros, assim como nossos vizinhos, Argentina e Uruguai, que consomem por volta de 35 litros/ano e do Chile, quase 20 litros/ano – é preciso reconhecer que, em termos qualitativos, o setor cresceu nas últimas décadas. Tanto a produção nacional, sobretudo de espumantes, quanto no que se refere a importados, área que subiu de menos de 40 milhões de garrafas em 2000 para quase 160 milhões no ano de 2017. Embora o volume represente cerca de 0,5 litro no consumo per capita no período, ainda é pouco em comparação com a parcela composta pelos vinhos elaborados com uvas não viníferas, legalmente denominados”vinhos de mesa” (os dados oficiais levam em conta ambos) , os vinhos de garrafão, dos quais “Sangue de boi” é uma das marcas campeãs. Em princípio poderia se esperar uma gradual migração deste consumidor para os vinhos de uvas viníferas, os chamados “vinhos finos”. Independentemente de preço, isso não tem acontecido por serem produtos distintos para paladares diferentes.  O desafio do setor no Brasil não é convencer quem bebe vinho de garrafão a mudar de padrão. Esse, bem ou mal, bebe vinho. A questão é aumentar o consumo e a cultura do vinho no Brasil que a cada ano melhora elaborando vinhos de alta qualidade tanto no Vale dos Vinhedos no RGS que já obteve um galardão de Denominação de Origem como no Nordeste no Vale do São Francisco, denominado o Vinho do Sertão, com ótimos vinhos, caso único no mundo plantando uvas e com vinhos excelente no Paralelo 8 e outras regiões que se destacam. Foi com esse objetivo que a Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Bebida (ABBA), Instituto Brasileiro do Vinho (IBRAVIN) Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL), lamentavelmente ausente a Associação Brasileira de Sommeliers, elo direto de uma categoria de consumidores mais elitizada em Adegas e restaurantes, onde orientam estes clientes, aonde existem, pois muitos ainda não alcançaram a importância deste profissional até para o aumento de vendas, se uniram para criarem a PRÓ-VINHO, uma iniciativa interprofissional que vai desenvolver estratégias para atrair novos consumidores e aumentar a freqüência com que apreciadores esporádicos consomem a bebida. Bela iniciativa, uma união de todos para um fim comum, o reconhecimento do vinho brasileiro.

Osvaldo Nascimento Juniors.:

Advogado, Empresário, Enófilo, Sommelier, Consultor e Professor de Cursos de Vinhos, Palestrante, autor do livro sobre Vinhos VINUM VITA EST – A HISTÓRIA VISTA PELO VINHO, sucesso de vendas em nossos cursos e palestras, editado pela Editora Prismas de Curitiba, um convite ao leitor (a) a uma viagem cultural e didática pelo apaixonante universo da Enologia.

 

 

 

COMPARTILHAR
AnteriorSempre do contra
PróximoFalecimentos 18.03.2019