Basílica de Santa Terezinha, em Lisieux

Com as atenções voltadas para as pessoas que buscam, cada vez mais, conhecer ou rever lugares considerados sagrados – os chamados santuários -, a França elegeu, este ano, o Turismo e a Espiritualidade para formar com Turismo Urbano e Patrimônio e Cultura o tripé de sustentação da promoção de seus sempre atraentes destinos.

E Curitiba, que para a cônsul da França, Emilie Dely, presente ao encontro, é “a mais francesa das capitais brasileiras”, fez parte do roteiro organizado pela Atout France, agência de desenvolvimento turístico daquele país. Nos salões do hotel Bourbon, operadores de viagens, redes hoteleiras e organizações oficiais de turismo e a Air France KLM, apresentaram aos profissionais do segmento e à imprensa uma panorâmica dos três temas. O evento foi coordenado por Ricardo Bueno Hida, adjunto do diretor de Comunicação e Promoção da Atout France.

O quesito Espiritualidade, por exemplo, é o que mais atrai visitantes, alcançando 44% de todo o turismo na França, que contabiliza 50 mil edifícios religiosos – mosteiros, catedrais, igrejas, sinagogas e mesquitas, entre outros -, e 10 mil lugares classificados como Monumentos Históricos Protegidos. Em 207 deles, onde a frequência é registrada, em 2011, foram cerca de 50 milhões de visitas, confirmando a opinião do presidente da Associação das Cidades-Santuários da França, Géraldine Ballot, de que “há definitivamente uma tendência profunda em prol do turismo espiritual. Um entusiasmo muito além da prática religiosa”.

Desses lugares, três receberam 56,5% das visitas: a catedral de Notre-Dame de Paris (13,6 milhões), basílica de Sacre-Coeur, também em Paris (10,5 milhões), e a catedral de Notre Dame de Strasbourg (3,5 milhões).

Santuário de Lourdes, com a procissão das velas

A Atout France lista uma série de destinos, onde história, tradição, mistérios e religiosidade se combinam para atrair os visitantes. Entre eles, Lisieux, na Normandia, com a catedral de Saint Pierre, do século 12, e a basílica de Santa Teresinha; Chartres, perto de Paris e dos castelos do Loire, com sua catedral do século 13; Cascassone, no sul, com a maior fortaleza medieval da Europa; Lourdes, o segundo maior pólo hoteleiro da França, com os santuários de Notre-Dame e a famosa procissão de velas; Le Puy-em-Velay, na região de Auverne, ponto de partida de uma das principais rotas de peregrinação a Santiago de Compostela, e onde está o Mont Saint Michel, Patrimônio Mundial da Unesco, banhado pelo mar, onde se registram as maiores marés da Europa. E muitos outros, espalhados pelo mapa da França, que um bom agente de viagens saberá indicar. Em todos esses lugares, a programação ao longo do ano é intensa, com um calendário de eventos bem organizado.

Campanha contempla 24 cidades

O Brasil é um emissor de turistas muito importante para a França, como destacou Ricardo Bueno Hida, do Atout France. Em 2012, o país recebeu 650 mil brasileiros (4,5% a mais do que em 2011), que por lá deixaram cerce da um bilhão de dólares.  A agência de promoção do turismo francês estima que para este ano o crescimento seja de 3% e a meta é chegar em 1,5 milhão de brasileiros já no início dos anos 2020.

Para isso, está sendo lançada no Brasil a campanha “A França é nossa”, que vai divulgar uma rede de 24 cidades importantes, “24 maneiras de experimentar a França”: Amiens, Lille, Metz, Nancy, Strasbourg, Mulhouse, Dijon, Reims, Clermont-Ferrand, Saint-Etiènne, Avignon, Aix-en-Provence, Marselha, Nice, Nimes, Montpellier, Toulouse, Bordeaux, Poitiers, Angers, Nantes, Rennes, Le Havre e Versalhes. A ideia é oferecer uma alternativa para Paris, durante curta ou média estada na França.