Tudo vai bem?

883

A moçada que defende o governo insiste em dizer que tudo vai bem, no melhor dos mundos. Mas os fatos insistem em desmenti-los. Vejam só este indicador: a produção de veículos no Brasil caiu 7,1% em novembro ante igual mês do ano passado, informou nesta quinta-feira, 5, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Foram produzidas 227,5 mil unidades no penúltimo mês do ano, em soma que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Em relação a outubro, o total fabricado representa queda de 21,7%. No acumulado do ano, de janeiro a novembro, o setor já soma 2,77 milhões de unidades, crescimento de 2,7% em comparação a igual período de 2018.

Na geração de emprego, as montadoras têm apresentado resultados negativos. Em novembro, foram fechadas 1.305 vagas. Em 12 meses, são 4.835 postos de trabalho encerrados. Hoje, o setor conta com 126.419 empregados, queda de 3,7% em relação ao número registrado em novembro do ano passado.

Os dados de vendas divulgados pela Anfavea confirmam os números da Fenabrave, publicados na segunda-feira. O mercado cresceu 4,9% em novembro ante igual mês do ano passado. Foram 242,3 mil unidades vendidas, baixa de 4,3% em relação a outubro. No acumulado do ano, são 2,52 milhões de licenciamentos, avanço de 8,3%.

Prestígio

O ministro Sergio Moro pode medir o seu prestígio em Curitiba na sexta feira. Foi muito aplaudido no evento alusivo ao Dia Nacional da Justiça e da Família, que é comemorado no dia 08 de dezembro. O evento contou com uma palestra do vice-presidente da República, Gal. Hamilton Mourão, e com a participação do ministro da Justiça.

Qual é, Moro?

Durante evento sobre combate à corrupção o ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, saiu em defesa ao presidente Bolsonaro, indicando que ele poderá ser mesmo o vice na tentativa de reeleição de 2022. “O presidente Bolsonaro é uma pessoa muito íntegra, todo mundo que conhece atesta isso. Claro que a gente sabe que numa máquina gigantesca da administração federal podem surgir casos de desvios de conduta e de corrupção”.

Fora do PT

Um veterano político do PT, Wasny de Roure, que foi presidente da sigla no Distrito Federal, fez suas malas e migrou para o PDT. Sua saída se deve a má conduta do PT, principalmente quando focou a pauta no ex-presidente Lula. Ao ser questionado se votaria mesmo assim no ex-chefe do governo, foi direto: “Primeiro precisamos construir um projeto nacional com prioridades claras e reaglutinar a esquerda em condições de dialogar com partidos do centro”.

Herança

José Antunes Sobrinho, dono da Nova Participações, tem sofrido para conseguir financiamento para a conclusão da Usina Hidrelétrica São Roque, em Santa Catarina. O Projeto até é elogiado, mas o problema ainda é o nome de batismo da empresa: Engevix.

Protesto musical

MP de Bolsonaro quer acabar com arrecadação de direitos autorais (pelo Ecad) em quarto de hotel e cabines de navios. Com a medida, a classe artística deixará de recolher R$ 110 milhões por ano. O veterano João Roberto Kelly, campeão de marchinhas carnavalescas, criou mais uma: “Alô, alô, capitão / Um minuto, por favor/ Deixe esse papo de lado/ E pense no coitado do compositor”.

Candidatas

O governo federal deverá lançar uma campanha de incentivo a candidaturas de mulheres nas eleições de 2020. Quem cuida do assunto é a ministra Damares Alves. Levantamento feito pela Pasta junto a 1.300 municípios mostra que cidades sem vereadoras raramente dispõem de instâncias de proteção à mulher.

Big business

A Braskem tem três anos para ser vendida, mas agora a empresa Zaraplast controlada pela família Dayan, deverá comprar a companhia ou pelo menos, a parte que é da Odebrecht, num passo que está sendo comentado muito na comunidade judaica. O grupo Dayan é também controlador do Banco Daycoval, que anda avançando no mercado financeiro

Trilhos complicados

No TCU, o final da novela da renovação da concessão da Malha Paulista ainda está longe. Falta o sinal verde da ANTT, onde o processo se arrasta feito um réptil há quase dois anos. O Rumo Logística, responsável pela ferrovia, conta com o apoio do ministro Tarcísio Freitas e isso tudo depende de um investimento de R$ 6 bilhões.

“Escravidão moderna”

O deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) gosta de regalias. Em vez de trabalhar em Brasília, viajou à Suíça com a namorada Fátima Bernardes, empenhado em denunciar descaso do governo com “escravidão moderna”. Túlio deverá ser candidato a prefeito do Recife, no ano que vem. de novo, Fátima deverá ser a maior cabo eleitoral.

Codinome

Pouca gente sabe: o codinome do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, em algumas listas, anotações e e-mails reservados, é “kibe”. E é uma homenagem às suas origens.

Patrulha

Uma das maiores poetas em língua inglesa do século 20, a americana Elisabeth Bishop, que deverá ser homenageada pela Flip do ano que vem, vem sendo alfo da maior patrulha – e por vários motivos. Ela era lésbica e alcoólatra (teve longa relação com a brasileira Lota Macedo Soares), apoiou a deposição de Jango e era admiradora de Castelo Branco, nos tempos da ditadura militar. Ou seja: jogava em várias posições. Já estão sendo organizadas investidas contra essa homenagem da Flip – e algumas bem pesadas.

Em crescimento

O brasileiro é uma das populações mais despreocupadas com a saúde. Recorrem aos médicos em casos graves ou de urgência. E tudo isso pode explicar porque pelo mau funcionamento dos hospitais públicos e pelo alto custo de um plano de saúde, que grande parte da população não pode pagar. Só que um levantamento do Governo Federal aponta que 1,4 milhão pessoas, ou seja, 11,5% da população idosa foi diagnosticada com Alzheimer. E a tendência é que esse número aumente ainda mais e até 2050 possa chegar a seis milhões.

Alerta

Ainda sobre Alzheimer no Brasil: especialista alertam que se doença for diagnosticada cedo, é possível diminuir os impactos de seus sintomas e os sinais podem ser tratados com intervenções terapêuticas, proporcionando melhor qualidade de vida ao paciente.

7 bilhões

O governo federal fez um PEC de fusão e extinção de municípios com menos de 5.000 habitantes. Um estudo feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), mostra que a proposta pode produzir a perda de arrecadação de até R$ 7 bilhões anuais para os 1.820 municípios.  O perfil de grande parte dos envolvidos é rural e tem a agropecuária como principal fonte de riqueza.

Do lado de cá

O Paraguai tem a maior indústria do tabaco da América Latina: 80 bilhões de unidades de cigarro em 2019. O Paraguai, contudo, só consome 3 bilhões de unidade e exporta legalmente 5 bilhões por ano. As outras 72 bilhões de unidades são contrabandeadas para países vizinhos e a maior parte para o Brasil.

Devagar

Dois ministérios pouco ajudam na articulação para aprovar projetos importantes – como a MP da Liberdade Econômica ou a reforma da Previdência – e também não conseguem segurar sucessivos vetos em outras medidas enviadas pelo Planalto: de um lado, a Casa Civil e Onyx Lorenzoni; de outros a Secretaria do Governo e o general Luiz Eduardo Ramos. Onyx tem ciúmes de Paulo Guedes e Ramos não tem know-how da área.

Ameaçados

Os grandes bancos estão reclamando porque sua supremacia começa a ser ameaçada: de um lado, o BC adota linha firme na defesa da concorrência (e veta a incorporação da XP pelo Itaú-Unibanco) e limita o poder no mercado (exemplo: 8% de juros no cheque especial); de outro avançam novos competidores, como cooperativas e fintechs. As grandes instituições batem o pé diante do que chamam de desigualdade competitiva.

Cortando o ponto

Embaixadores, ministros, conselheiros, secretários sem posto e os encostados no famoso DEC – Departamento de Escadas e Corredores do Itamaraty têm que dar expediente em tempo integral, se não têm seus salários descontados em razão das faltas. Até diplomatas-professores que integram bancas de mestrado ou fazem palestras não tem as faltas abonadas. Imagina-se o que todos eles acham do chanceler Ernesto Araújo.

Já existe

Muitos deputados estão dispostos a aprovar a prisão em segunda instância; em contrapartida, aprovariam também uma lei explicitando que a delação premiada não pode ser usada como prova. Estão fora do ar: o paragrafo 16 do artigo quarto da Lei 12.850 conhecida como Lei das Organizações Criminosas já prevê que “nenhuma sentença condenatória será preferida com fundamento apenas nas declarações do agente colaborador”. O ministro Marco Aurélio Mello foi o relator no Supremo quando analisou a vigência da lei.

Frases

“Alguém ainda acredita que a recuperação da economia brasileira se dará em prazo curto.”