Transição tranquila

466

Não há rusgas ou controvérsias entre o time de Ratinho Jr e o de Cida Borghetti, como é comum acontecer nos processos de transição. O governador eleito Ratinho Jr classifica de “bom trabalho” o da governadora Cida Borghetti no comando do Estado e destaca a “boa transição” e a disposição da governadora com a equipe do futuro governo. “Nós estamos fazendo uma boa transição. A governadora Cida Borghetti colocou toda sua equipe à disposição, tem nos dado todos os relatórios e nós estamos fazendo isso de uma maneira muito tranquila. Isso mostra a maturidade política do nosso Estado, até porque temos um bom relacionamento”, disse.

Para Cida Borghetti, Ratinho Jr rasgou elogios. “A senhora representou muito bem os homens e mulheres paranaenses e a todos nós. Eu fiquei muito orgulhoso de estar recebendo o bastão da senhora e espero poder dar continuidade a esse bom trabalho que a senhora faz como governadora”, disse Ratinho Jr na abertura do encontro de prefeitos, organizado pela AMP, em Foz do Iguaçu.

No discurso, reafirmou sua posição. “Eu quero fazer a minha homenagem a governadora Cida Borghetti. Eu e a governadora sempre tivemos um respeito mútuo, fomos sempre muito amigos, trabalhamos na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal”, completou Ratinho a uma plateia formada por mil lideranças, entre prefeitos, vice-prefeitos, deputados, secretários e dirigentes públicos.

Caixa fornido

“O Governo (do Estado) tem um recurso de R$ 5 bilhões Obviamente que tem compromissos a serem honrados: folha de dezembro e janeiro, e décimo terceiro. Mas segundo o secretário da Fazenda (Luiz Bovo), teremos R$ 700 milhões para investimento e infraestrutura e para começar o ano de uma maneira tranquila e já planejando para os quatro próximos anos”, completou Ratinho Junior.

Hambúrguer

Ratinho Jr conversou com o apresentador Luciano Huck no Rio de Janeiro. Huck, que desistiu de se candidatar à presidência da República, está envolvido com a política há algum tempo. Entre ele Ratinho, o papo girou em torno da preocupação de realizar na prática a melhor maneira de o Estado servir ao cidadão. Huck também tem outras preocupações no Estado, ele é sócio de Júnior Durski, aquele do Madero, com 140 filiais em todo o Brasil.

Contra a fraude

A Polícia Federal deflagrou a operação Crotalus para desarticular uma organização criminosa que fraudava benefícios do INSS. O rombo é alto. Os mandados de busca e apreensão foram em Curitiba, São José dos Pinhais, Cascavel e Marechal Cândido Rondon no Paraná e em Bombinhas, em Santa Catarina, além de um mandado de prisão em nome de um dos investigados, porém relacionado a outra investigação em crime de moeda falsa.

O esquema

O lance acontecia a partir da criação de pessoas físicas e jurídicas fictícias, falsificação de diversos documentos públicos, abertura de contas bancárias, aquisição de financiamentos de veículos em nome de pessoas fictícias, entre diversas outras práticas criminosas.

Bateu, levou

O MBL projetou a frase “Vergonha STF” no prédio do Supremo em Brasília na noite de terça-feira, 4. O protesto foi feito no mesmo dia em que o advogado Cristiano Caiado foi detido depois de dizer a Ricardo Lewandowski, num voo, que o STF era uma vergonha.

Recorde

A Itaipu Binacional vai quebrar mais um recorde em 2018, só que dessa vez no turismo. Pela primeira vez na história da visitação, iniciada em 1977, a usina deve receber mais de 1 milhão de turistas em um único ano. A expectativa é que esse número seja atingido por volta do dia 20 de dezembro. O anúncio foi feito pelo diretor-geral Marcos Stamm, durante o lançamento de novos atrativos do Complexo Turístico Itaipu (CTI).

Linha dura

O vice, general Hamilton Mourão, comentou sobre a investigação aberta contra Onyx Lorenzoni, o homem da Casa Civil de Bolsonaro. “Uma vez que seja comprovado que houve ilicitude, é óbvio que terá que se retirar do governo. Mas, por enquanto, é uma investigação”. Bolsonaro pediu para que Mourão adote uma postura mais discreta e deixe de comentar o noticiário nacional.

Caixa-preta BNDES

“Se o povo brasileiro acha que o Petrolão foi o maior escândalo de todos os tempos do país, esperem até ver o que fizeram no BNDES”, dizia uma imagem que viralizou no WhatsApp dias antes do segundo turno das eleições presidenciais. O alcance foi extenso. Nos dias 22 e 23 de outubro, na semana que antecedeu a escolha do próximo presidente, o BNDES foi o principal tema de conversa de centenas de grupos públicos acompanhados pelo projeto Monitor do WhatsApp – metade das 60 imagens mais compartilhadas nesses dias foram sobre o banco de desenvolvimento brasileiro. Mas, afinal, existe uma “caixa-preta” do BNDES? E o que ela poderia revelar?

Consolação

Descartado para ministro, o senador Magno Malta (PR-ES), se quiser, será presidente do conselho do Sesi nacional, cargo até agora ocupado pelo ex-deputado João Henrique Souza, o novo presidente do Sebrae.

Escreveu, não leu…

Quem quiser agradar a nova procuradora-geral de Justiça do DF, Fabiana Costa, nem ouse dizer que ela é sósia da icônica atriz Audrey Hepburn. Basta andar na linha que estará de bom tamanho.

Fritura

O serpentário espalha que o embaixador Otávio Brandelli, futuro secretário-geral do Itamaraty, é petista de carteirinha só porque foi presidente do INPI por indicação de Aloizio Mercadante.

Pede pra sair, 013

Com a anulação da suspeita licitação de R$118 milhões para “agências de promoção” a 21 dias do fim do governo, aguarda-se no Banco do Brasil que o diretor de Marketing, Alexandre Alves, peça o boné.

Farra do Malta

Servidores da Empresa de Planejamento e Logística estão indignados com a farra de gastos em fim de governo, em especial com o passeio do diretor de Gestão da estatal, Maurício Malta, que garantiu viagem de dez dias em Portugal para se despedir do cargo em comissão. Sem indicativo de permanência após o início do governo Bolsonaro, ele ainda levou o auxiliar favorito, André de Jesus, o Gerente de Pessoas.

Sem compromisso

A principal crítica é a participação de servidores comissionados, sem vínculo, em cursos de transparência, compliance e anticorrupção. O passeio para participar do ‘Advanced Studies Program’ vai nos custar mais de R$30 mil, entre passagens, hospedagem, inscrição e diárias.

Rei das milhas

Malta fez outras 11 viagens “a serviço” da estatal criada em 2010 para tocar o “trem-bala” e hoje se dedica a elaborar projetos de logística. A EPL chama o passeio de capacitação e diz haver “compromisso de compartilhamento da experiência” com outros servidores.

Bancos sem culpa

Nova peça publicitária da Febraban – Federação Brasileira de Bancos, que ocupa páginas dupla dos jornais, quer passar a mensagem que as instituições financeiras do país não têm a menor culpa dos estratosféricos juros cobrados pelo sistema (cheque especial e cartão de crédito podem chegar a 300% ao ano). Na assinatura da peça, está a surpreendente frase: “Os juros precisam baixar para o Brasil crescer mais”. No mesmo anúncio, a entidade dos bancos exibe a capa de um livreto que está enviando ao Executivo, Legislativo e Judiciário com o título: “Como fazer os juros serem mais baixos no Brasil”. Quem entende aposta: os bancos não reduzirão os juros e isso tudo é para ver se a imagem melhora.

Concentração

Ainda bancos: Paulo Guedes quer vender pedaços do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal para reduzir a concentração bancária. A medida poderá ter efeito contrário. Hoje, bancos estrangeiros têm dificuldade de entrar no Brasil, especialmente no segmento de varejo. Ou seja: no caso da venda dos pedaços do BB e da Caixa, quem levará serão mesmos os três grupos privados do país – Bradesco, Itaú e Santander. Para quem não sabe: atualmente, cinco grandes bancos somam mais de R$ 6,2 trilhões em ativos, mais de 80% do total do sistema financeiro.

Fatiado, não

Qualquer economista bem intencionado está assustado com a nova decisão de Jair Bolsonaro de tentar fazer a reforma da Previdência fatiada, começando pela idade mínima e novas regras para servidores. Todos apostam que esse não é, nem um pouco, o melhor caminho e traduz, na realidade, a falta de volume de parlamentares suficiente no Congresso para aprovar uma reforma no seu total. A maioria acha que ficarão pendentes partes vitais que serão empurradas com a barriga que, aliás, o presidente eleito não tem.

 

Bons de bola

Dois nomes do cenário nacional já estão sendo sondados por grandes instituições financeiras: de um lado Ilan Goldfajn, ainda presidente do Banco Central, que deixará o cargo provavelmente em março; de outro, Ivan Monteiro, presidente da Petrobras, que sai na estatal no final do mês. Deverão cumprir período de quarentena e, certamente, receberão salários dobrados (ou seja, mais do que isso) na iniciativa privada.

 

Confiança

Enquanto o ministro Edson Fachin autoriza investigação mais profunda em torno de denúncias sobre dinheiro da JBS para campanha de Onyx Lorenzoni, o futuro ministro Sérgio Moro sai na defesa do chefe da Casa Civil no novo governo, garantindo que ele merece sua “confiança pessoal”. Muita gente faz comparação ao ex-diretor da PF, Fernando Segóvia, que falou sobre processo contra Michel Temer dizendo que não havia nada – e acabou caindo do cavalo.

 

Não sabe nada

O prefeito Bruno Covas não assume publicamente, mas aos mais chegados confessa que não tem menor ideia da situação dos 185 viadutos e pontes da cidade de São Paulo. O levantamento ainda está sendo feito – e isso não significa providências imediatas – e Covas não tem um serviço de manutenção contratado para reformas. E não tem há dois anos.

 

Sem experiências

Cerca de 80% dos indicados para o ministério de Bolsonaro não tem nenhuma experiência no Executivo. E nem mesmo o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, que chocou congressistas quando disse que só pensaria no Orçamento em 2019. Não sabia que as receitas e despesas do governo são definidas no governo anterior. Mais: Guedes sabe que a fusão de pastas é boa para vender uma imagem de austeridade, não para reduzir despesas – e nunca assumiria isso.

 

Olho no espaço

Aos 38 anos de idade, o Programa de Atividades Espaciais (PNAE), está passando por reformulação. Uma delas foi a criação, no começo do ano, do Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro para fixas novas diretrizes e metas – e muita gente acha que as mudanças darão em nada. Hoje, o país gasta perto de US$ 150 milhões anuais em pesquisas espaciais, enquanto Rússia e China investem, respectivamente, US$ 5,4 bilhões e US$ 3,4 bilhões.

 

Sem toalha

Conhecidos chefs e restaurateurs não desaprovam a mesa sem tolha do café da manhã oferecido por Bolsonaro para o norte-americano John Bolton e muitos aboliram a toalha em suas casas, enquanto outros optaram por jogos americanos. Há os que dizem que a toalha saiu de moda, além de significar menos gastos (tecido, lavagem e manutenção). Detalhe: cantinas italianas (todas) trabalham com toalhas em suas mesas. As de xadrez vermelho (e também verde) fazem parte da tradição.

 

Candidata

As relações entre a ainda senadora Marta Suplicy e o MDB (leia-se: suas lideranças que lhe dão o menor espaço) estão praticamente encerradas e no começo do ano que vem, ela deverá migrar para outro partido com novos planos eleitorais. O PSD de Gilberto Kassab é o principal interessado, mas também Paulinho da Força gostaria de ter Marta em suas fileiras. Mais: ela quer concorrer à prefeitura de São Paulo em 2020. Bruno Covas, pelo menos, ela tem certeza que tira da frente.

 

Nas nuvens

Balanço do setor: os Estados Unidos transportam 870 milhões de passageiros em suas aeronaves por ano. Ou seja, cada cidadão faz em média 2,5 voos de avião por ano. Na Europa são 700 milhões de viajantes por ano, com 1,4 viagem per capita. Na América Latina, são 270 milhões de passageiros por ano, menos de 0,5 voo per capita. Contudo, prognósticos para os próximos anos indicam que esse número poderá ser triplicado.

 

Nova frota

Ainda o mundo da aviação civil: 2018 é o ano de consolidação da Avianca, comandada pelo boliviano German Efromovich. A companhia negocia uma joint venture com a United Airlines e está montando nova frota no Brasil. Onde detém 14% do mercado. A situação financeira da empresa não é das mais animadoras, mas Efromovich garante que a dívida está sob controle.

 

Desafio

O primeiro grande desafio do novo governo será a reforma da Previdência (e não em fatias) para reduzir o déficit de R$ 268,8 bilhões do ano passado. A Previdência urbana e rural tem um rombo de R$ 182,4 bilhões e atende quase 30 milhões de pessoas. Já o Regime da Previdência dos Servidores Públicos tem déficit de R$ 86,4 bilhões e só atende a 1,1 milhão de pessoas.

 

Ameaça

A Ouvidora Nacional dos Direitos Humanos, Larissa Oliveira Rêgo e a coordenadora-geral da Gestão do Disque Direitos Humanos Laura Guedes de Souza estão voando para Lisboa e Viena para “uma visita técnica de prospecção”. O problema é que o Ministérios dos Direitos Humanos deverá ser extinto antes mesmo de aproveita ensinamentos obtidos por seus servidores na Europa.

 

Sem regalias

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, já está usando uniforme dos detentos da Unidade Prisional da Polícia Militar: short preto e camisa branca. E já teve seu (poucos) cabelo cortado. Sua cela tem 15 metros quadrados, mas nenhuma das mordomias concedidas a Lula (tem vaso e chuveiro individual). Artigos de higiene pessoal foram levados por familiares. Detalhe: Pezão ainda está no chamado período de remissão, ou seja, de exames e consultas a cada quatro meses por conta do câncer que teve.

 

Recado errado

Na primeira reunião com líderes de bancadas no Congresso, quando não prometeu nada a ninguém, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse aos parlamentares que esperava contar com “a boa vontade deles para o PT não voltar em 2022”. Recado errado: para o MDB e o PRB só começo de conversa, o PT foi muito lucrativo em seus últimos anos de poder.

 

Privatizações

Concessões, privatizações e venda de imóveis do patrimônio da União será outro passo a ser dado, certamente com esforço, por Paulo Guedes. O Brasil tem 138 estatais que possuem 508 mil servidores e movimentam R$ 1,3 trilhão, mais de cinco vezes o PIB do Uruguai. São consideradas um prato cheio para criar recursos e reduzir a trilionária dívida do Brasil. Na contramão, contudo, há dezenas de entidades que não deixarão barato.

 

Contra exportador

Restituição do ICM é uma verdadeira guerra para o exportador brasileiro. Uma em cada três empresas exportadoras (32,9%) que pede ressarcimento de crédito do ICMS não consegue reaver os tributos, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria. Entre os que conseguem, 34,5% o recebem em até um ano. Outros 14,8% apenas depois de dois anos.

 

Amigos de infância

O ainda presidente do Senado, Eunício Oliveira, está segurando projeto que institui o voto aberto para a presidência do Senado. Atende pedido de Renan Calheiros, reeleito senador (Eunício não conseguiu), que quer disputar a presidência da Casa, no ano que vem – só que sem voto aberto. Eunício e Renan, nesses dias, viraram “amigos de infância”.

 

Acertado

O apresentador Carlos Massa, o Ratinho esteve em Brasília, nesses dias, com certa discrição, para acertar a data em que o presidente eleito Jair Bolsonaro aparecerá em seu programa no SBT falando sobre seu futuro governo. O plano de Bolsonaro inclui participação em diversos programas populares, até no de Luciana Gimenez, na Rede TV!.

 

Barrado no baile

O Jornal Nacional de segunda-feira (3), quando o noticioso apresentou resenha da rodada do futebol do fim de semana, incluindo a festa do Palmeiras, não incluiu nenhuma cena em que deveria aparecer o presidente eleito Jair Bolsonaro comemorando com o verdão e Luis Felipe Scolari. Detalhe: ordens superiores.

 

Mais um

Mais um nome quer disputar a presidência do Senado ano que vem: Espiridião Amin (PP-SC). Seu nome foi até citado, entre outros, por Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que tem a intenção de neutralizar a candidatura de Renan Calheiros.

 

Novos ataques

Uma das filhas de Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro que já conseguiu indicar dois ministros, Heloisa de Carvalho, conta que ele criou os filhos fora da escola numa comunidade islâmica, que só foi alfabetizada adolescente – e pelo Mobral – e se casou numa mesquita aos 16 anos. Em 1980, não frequentava escola e quando a família viveu cinco anos numa comunidade, seu pai era adepto de poligamia.

 

Fralda

A cantora Luiza Possi deu entrevista a um programa do YouTube e confessou que, há anos, costuma dormir com uma fralda de pano. No começo, seu marido até estranhou e depois, se acostumou e aprovou. A fralda de Luiza tem até nome: “Falfi”.

 

Café frio

Num encontro com entidades do Biodiesel, o presidente Michel Temer fez um discurso e confirmou que, em final de governo, o telefone toca menos, muitos (até considerados) amigos somem “e a história do café frio é verdade”. A lenda diz que, às vésperas da saída do governo, um presidente e eventualmente suas visitas são obrigados a tomar café frio porque o pessoal da Copa já saiu. Mas, arrematou: “No meu gabinete, fiquem sossegados, ainda tem café quente e servem água”.

 

Pode sair

Circulam boatos sobre a suposta saída do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso do PSDB, caso a sigla resolva a apoiar o governo de Bolsonaro. Dizem que alguns correligionário avisam que ele pode sair mesmo, porque, aos 87 anos, não tem muito a acrescentar para o partido e tão pouco concorrerá à algum cargo eletivo. Pode ficar de longe como conselheiro, se quiser.

 

Não é elogiável

O ser perguntando de como ficará a imagem do governo sobre as acusações que caem sobre o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o futuro titular do Gabinete de Segurança Institucional, o general Augusto Heleno avaliou: “Olha, não é elogiável. Mas não considero prejudicial. O próprio ministro disse que é uma boa oportunidade para se explicar, o presidente também falou. Agora, não é uma notícia alvissareira”.

 

Não se remenda

Parece que o governo de Michel Temer não se remendará nem no final do mandado. Depois de aprovar o aumento de 16,3$ aos ministros do Supremo, que deverá ter efeito cascata, o governo deixará mais uma dívida para o próximo. Está marcado para o próximo dia 10 a contratação de planos de saúde para servidores. Além disso existe, uma licitação para contratação de uma empresa de serviços prediais por R$ 11,7 milhões que será aprovada ainda este ano.  Há quem desconfie desta licitação.

 

Tucano no ninho

O futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, convidou a pediatra Mayra Pinheiro para participar de sua pasta, num segundo escalão. Ela poderá assumir a Secretaria da Gestão do Trabalho e da Educação da Saúde. Mayra Pinheiro é afiliada ao PSDB.

 

Último discurso

O candidato derrotado ao Planalto Ciro Gomes (PDT) fez um último discurso ao vivo em seu Facebook este ano. Nele pediu para que parem com o discurso de golpe. “Vamos encerrar essa crônica petista de chamar todo mundo de “golpista” e “jogar o jogo democrático”. Neste momento como houve um enorme terror feito pela cúpula do PT de que há um risco a democracia, temos que estimular o Jair Bolsonaro a jogar o jogo democrático”. Ciro deverá ser novamente candidato à presidência em 2022.