Sou da opinião de que todos devem ser tratados da mesma forma, desde que todos façam o que deve ser feito, ou seja, trabalhar, cumprir as leis e ser um bom cidadão.
Temos que acabar com essa demagogia de que tudo é culpa da sociedade, que os bandidos são frutos da diferença social.

Conheço muita gente, e nunca vi ser a classe social que direcionou ou levou alguém para o lado da marginalidade. O que leva alguém a se tornar bandido é a sua formação moral. E isso não depende da sociedade, mas sim da família. Educação é “berço”, e não é a renda de uma família que vai formar bons ou maus cidadãos, mas o apoio e acompanhamento dos pais e do outro lado o respeito às leis, leis essas que devem ser para defender o cidadão de bem, e não os marginais, quer sejam eles bandidos a mão armada, ou criminosos do “colarinho branco”..

E essas ONGs que defendem bandidos, mas não se dignam a defender o cidadão de bem, dá a entender que para receber sua atenção tem que ser vagabundo e marginal.
Quando a polícia prende um ladrão, se for de menor ele já começa com seu discurso, “eu sou menor, conheço meus direitos”, mas a vítima não pode fazer e nem falar nada, a não ser, rezar para não se tornar mais um número entre os mortos por esses marginais que sabem que serão protegidos por grupos de “direitos humanos”, mas que não os vejo defenderem os “humanos direitos”.

Quando um policial é ferido durante um confronto, esses “representantes da sociedade”, apenas dizem, que esse risco de ser ferido faz parte da profissão que escolheu, mas quero perguntar a eles, porque quando um marginal é baleado pela polícia, também não encaram da mesma forma, pois se escolheu ser bandido, levar tiro da polícia, também faz parte do risco da vida que escolheu.

Como disse, todos devem ser tratados de forma igual!

E nunca esqueçam que PREVENIR é sempre a melhor opção.

Para mais informações ou sugestões de pauta, encaminhe seu e-mail para coronelcosta181@gmail.com