Os grandes partidos de centro-esquerda, MDB e PSDB, derrotados na eleição de outubro, fazem autocrítica e se preparam para a sucessão geracional que possa faze-los renascer das cinzas. No MDB, o próprio Requião convocou eleições ao diretório estadual. Ele deve deixar a presidência do partido e entrega-lo para um político da nova geração, neste caso João Arruda, que foi candidato a governador. Há outros dois candidatos ao posto, mas são considerados sem chances: Sérgio Souza e o assessor de gabinete de Requião, Sergio Ricci.
No PSDB, jovens lideranças se re´nem com frequência para tratar do futuro do partido depois da debacle causada pelo processo de investigações da Lava Jato e da consequente derrota eleitoral. Sob o comando do prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, e do vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel, o grupo trabalha para assumir o comando. Essa corrente está alinhada com os governadores eleitos João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS). “Estamos unindo prefeitos e lideranças do partido no Estado para um renascimento do PSDB, com uma nova plataforma e almejando voos mais altos. Queremos começar vida nova, arregimentando lideranças em um projeto estadual, passando pela eleição de novos prefeitos”, declara o prefeito Marcelo Rangel.

Só os novos
Dos renovadores do PSDB também participam os deputados estaduais Paulo Litro e Evandro Junior, Luiz Hauly Filho, Phelipe Mansur, entre outros líderes da nova geração tucana.

Longe da realidade
O governo de transição bradou que o preenchimento da quase totalidade das vagas deixadas pelos cubanos do Mais Médicos era a solução do problema. O futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já se manifestou e disse que não é bem assim. Primeiro é preciso ver se os inscritos se apresentarão para o trabalho. Depois, tem um outro problema, ele é contra a convocação de médicos recém-formados, beneficiados pelo Fies, para atuação no programa.

Moro na defesa
“É até estranho dizer isso, mas não vislumbro no presidente eleito um risco de autoritarismo ou risco à democracia. Não se está aqui simplesmente trocando uma posição ideológica autoritária por uma posição autoritária de sentido contrário. O presidente eleito durante as eleições, reiteradamente, fez afirmações acerca do seu compromisso com a democracia e com o estado de direito. É estranho um pouco dizer isso, mas, já que existe uma imagem distorcida em relação ao presidente eleito, eu jamais aceitaria uma posição no governo se vislumbrasse também qualquer risco de discriminação de minorias”. Sergio Moro, durante participação em palestra ministrada na Espanha.

Novos tribunais
O colapso dos serviços no Tribunal Regional Federal da 1ª Região deverá reativar no início do governo Jair Bolsonaro o lobby para a criação de novos tribunais federais, apesar da grave crise econômica. O maior dos cinco TRFs não dá conta dos processos para julgar, recursos vindos de 13 estados e do Distrito Federal.

No desvio
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada fez pesquisa e veio o resultado: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam (nem-nem), é um dos maiores percentuais entre nove países da América Latina e Caribe. As razões do cenário de acordo com o estudo: problemas com habilidades cognitivas e socioemocionais, falta de políticas públicas, obrigações familiares com parentes e filhos.

Sem emprego
O estudo aponta que 31% dos jovens estão procurando trabalho, principalmente os homens, e mais da metade, 64%, dedicam-se a trabalhos de cuidados domésticos e familiares, principalmente as mulheres. No Brasil há cerca de 33 milhões de jovens com idade entre 15 e 24 anos, o que corresponde a mais de 17% da população.

Fim do trem-bala
Oito anos de vida, R$ 70 milhões de recursos públicos por ano, 140 funcionários, e quase nada de resultados. Parece que a Empresa de Planejamento e Logística (que foi criada para tratar do desenvolvimento de trem-bala que nunca aconteceu, com autorização de Lula para a União garantir o financiamento de até R$ 20 bilhões no projeto) parece que está com os dias contados. Onyx Lorenzoni ao se referir à estatal concluiu “A EPL é uma barbaridade”.

Pepe indica testemunha
Irmão do ex-governador do Paraná Beto Richa, Pepe Richa encaminhou à Justiça uma reposta às acusações do Ministério Público de que cometeu, na condição de ex-secretário de Infraestrutura, irregularidades na contratação de empresas. O que chamou a atenção foi Pepe ter indicado o ex-senador José Aníbal como uma de suas testemunha de defesa. Pepe – que ficou preso entre o final de setembro e começo de outubro em um desdobramento da Operação Lava Jato – está sumido há mais de um mês.

Paranaguá-Antofagasta
Ratinho Junior tem um encontro hoje (04/12) com o presidente eleito Jair Bolsonaro para discutir projetos de infraestrutura. Durante o encontro, que acontece logo mais às 14h30 em Brasília, o governador eleito do Paraná incluirá na pauta a construção de um projeto comum entre governo federal e governo do estado para viabilizar um novo corredor de exportação ligando o porto de Antofogasta, no norte do Chile, com o porto de Paranaguá.

Novo projeto
Rosangela Moro, mulher do futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, iniciou projeto para ajudar concurseiros que passaram nas provas, mas não foram convocados. “Estudou? Passou? Não levou? Podemos ajudar”.

Lorenzoni investigado
Edson Fachin aceitou pedido da procuradora-geral da República Raquel Dodge para investigar pagamento de caixa dois do grupo J&F para o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro chefe da Casa Civil do governo Jair Bolsonaro.

Calheiros procura
Renan Calheiros está procurando novos companheiros para o MDB. A ideia é fortalecer a bancada do partido no Senado e garantir a presidência da Casa. Ele convidou Rose de Freitas (ES) e Elmano Férrer (PI) do Podemos para se filiar à sigla. O MDB ainda tem a maior bancada do Senado, mas caiu de 19 eleitos em 2014 para 12 neste ano. Renan costura de todos os lados e já conseguiu apoio até de alguns tucanos.

Fala, Lula
O ministro do STF, Ricardo Lewandowski, afirma que não há mais obstáculos que impeçam entrevista de Lula à imprensa. Rolou um novo despacho em que Lewandowski pede que ao presidente do Supremo, Dias Toffoli, o imediato cumprimento da decisão que liberou entrevista de Lula. Em meio ao período eleitoral, Lewandowski autorizou a conversa de Lula com jornalistas, mas liminares dos ministros Dias Toffoli, presidente, e Luiz Fux, vice-presidente, suspenderam os efeitos da decisão do colega.

Temer na Justiça
A investigação que vasculha se Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco receberam uma graninha da Odebrecht chegou a conclusão de que eles levaram R$ 2,5 milhões da empreiteira. O que fizeram com a grana, ninguém sabe. “As possibilidades são infinitas”, escreveu a Procuradoria-geral da República em texto que encaminhou para o STF. “Os valores podem ter sido destinados a cobrir despesas de campanha… ou guardados pelos investigados em suas residências, ou usados para comprar bens”. O que fizeram com o dinheiro, não tem relevância, disse Raquel Dodge, o que importa mesmo é a “consumação do crime de corrupção”.

Simepar confirma
Num primeiro momento, o Sistema Meteorológico do Paraná descartou a hipótese de um tornado ter atingido Itaperuçu na última sexta-feira. Mas refez os cálculos e a tempestade foi classificada como um tornado F1, com ventos chegando até 120 km/h. O radar meteorológico de Teixeira Soares não detectou sinais típicos de tornado, porém, depois da visita de uma equipe do Simepar na cidade, não houve jeito de manter a primeira informação. Foi justificado que a ‘instabilidade’ apontada pelo radar, provavelmente aconteceu por conta distância, de 100 km, entre o equipamento e o município.

Segundo escalão
O ainda senador Magno Malta, que não se reelegeu e nem foi brindado com um ministério até agora, apesar de ter sido sempre um dos maiores aliados de Bolsonaro (ele não quis ser vice achando que seria reeleito senador), está afastado do núcleo principal do futuro governo. Reclama que se sente humilhado pela distância criada por Bolsonaro, supostamente influenciado pelos militares próximos. Espera um chamado do velho amigo que já avisou que “ministério não vai dar” e que está procurando um espaço para ele no segundo escalão do governo.

Nada combinado
Ainda Magno Malta: só agora é que se sabe que aquela oração (iniciativa dele) feita na casa do presidente eleito no condomínio da Barra, logo após ser consolidada sua vitória, não estava combinada com Bolsonaro, que, na hora, não teve alternativa a não ser aguardar a pregação de Malta. Algumas figuras próximas de Bolsonaro entenderam o lado religioso da ocasião, mas reclamaram que o senador queria mesmo “era aparecer” – como apareceu. E depois, sumiu ou “foi sumido”, segundo alguns.

Que tiro é esse?
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, decidiu reivindicar o esmo aumento de 16,3% dado aos ministros do Supremo para todos os procuradores (primeira etapa) e, depois, para todos os integrantes da classe jurídica. E mais: Dodge ainda defende a manutenção de auxílio-moradia para os mesmos funcionários do Judiciário citados por ela em sua reivindicação. Se o STF não se manifestar, insistirá para que o assunto – surpresa – vá ao plenário da Alta Corte.

Lá fora
Tem muito mais gente no mundo preocupada com questões de comportamento, se que se pode chamar assim: Taiwan, um dos países mais progressistas da Ásia, acaba de aprovar em plebiscito restrições a casamento entre pessoas do mesmo sexo e retirada de conteúdo sobre homossexualidade de livros escolares do ensino fundamental.

Guerra interna
O futuro ministro Paulo Guedes e o núcleo militar que cerca Bolsonaro estão aliados contra a dupla Onyx Lorenzoni-Gustavo Bebianno em torno do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Considerada um centro de excelência na administração federal, a secretaria do PPI está sendo disputado pelos dois grupos na reta final de montagem do governo. Lorenzoni e Bebianno ocuparão gabinetes no quarto andar do Planalto e querem exercer o comando do programa de concessões, que ficaria com Bebianno.

Mais continências
Depois de bater continências ao norte-americano John Bolton, no domingo foi a vez do presidente eleito responder à continência batida pelo jogador do Palmeiras, Felipe Melo. Ou seja: está virando um cumprimento coloquial entre civis por iniciativa de Bolsonaro. No lado oficial militar bate continência a seus superior, que responde ou não. Soldado bate continência para sargento – e não o contrário.

Ceia na porta
O candidato derrotado ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, está organizando grupo de correligionários de Lula para participarem nas noites de dia 24 próximo e dia 31, ou seja, Natal e virada de ano, de ceias às portas da superintendência da PF em Curitiba – para que o ex-presidente não se sinta só nessas ocasiões.

Sem toalha
Quem arrumou a mesa para o café da manhã com John Bolton, assessor de Segurança Nacional de Trump, na casa do condomínio da Barra, no Rio, foi o próprio Bolsonaro, que colocou pães, geleias, sucos em caixinha e até bananas sem nenhuma toalha, o que teria encantado o visitante. Há quem diga que essa postura é utilizada por muitos setores da vida nos Estados Unidos. FHC conta que, há anos, foi recebido por Hillary e Bill Clinton na casa deles para um lanche nas mesmas bases: sem empregados e sem toalha na mesa.

Amazônia siliconada
A amazonense Mayra Dias vai representar o Brasil no concurso de Miss Universo, dentro de duas semanas em Bangkok, onde já está há dias. Ela quer mostrar “a importância de preservar a nossa Amazônia ao mundo”, até mesmo nas roupas que usará que tem “a cara do Brasil”, segundo Mayra. Lá, ela é colega de quarto, da concorrente angolana e virou amiga das misses de Guatemala e Portugal. Detalhe: a maioria das roupas de Mayra tem um super decote para homenagear seus seios turbinados. Hoje em dia, silicone é permitido nesses concursos.

De volta
Fernando Haddad, derrotado nas eleições presidenciais, deu uma palestra, nesses dias, na Columbia University, intitulada “Brazil Talk”, em Nova York. E disse que a oposição não pode torcer para o governo dar errado e com isso, ganhar o poder. “A melhor coisa do mundo é ganhar de quem está indo bem. A gente tem que trabalhar com a hipótese de eles darem certo. E da gente dar mais certo do que eles”. Está avisando que tentará a Presidência de novo em 2022.

Novo estilo
O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em entrevista, disse que o governo Bolsonaro irá governar de um jeito bem diferente dos últimos governos. Segundo Lorenzoni, o governo Bolsonaro não irá ter “toma lá, dá cá” tradicional. “Está se criando uma nova fórmula de relacionamento, sem distribuição de cargos”.

Três pastas
Ainda Lorenzoni: ele afirmou que o Ministério do Trabalho deixará de existir, mas as funções serão divididas em três pastas: Cidadania, Economia e Justiça. E deu um pouco mais de detalhes: com Sérgio Moro ficarão as concessões de cartas sindicais e fiscalização do trabalho escravo. A estrutura política ligada diretamente a emprego ficará sob o comando de Paulo Guedes e Osmar Terra.

Testemunhas
O Livro de Jô: Uma Autobiografia Desautorizada – Volume 2, de Jô Soares, é mais uma coletânea de episódios divertidos e surpreendentes envolvendo figuras conhecidas que circulavam durantes décadas, à sua volta. Numa delas, Jô conta que um conhecido homem de TV deu uma festa de arromba para comemorar o aniversário da mulher. Na hora do parabéns, deu-lhe um anel de brilhantes e pediu silencio porque revelaria uma surpresa. Aí ligou um gravador e exibiu fita com a mulher e o amante fazendo sexo. Ele não revela nomes: diz que todos estão mortos. Muitos convidados estão mais que vivos.

FHC, maçom
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso não leu o livro Jardim das Aflições, de 1995, de Olavo de Carvalho (ele vem sendo acusado por uma de suas filhas nas redes sociais), mas um amigo lhe contou que o guru de Bolsonaro diz que ele só se elegeu no ano anterior vencendo Lula porque recebeu “uma iniciativa maçônica”. Para o autor, só por causa do Real FHC não teria vencido. O ex-presidente não quer nenhuma polêmica em torno disso: quer mais distância de Olavo.

“Presente”
A deputada federal eleita Joice Hasselmann (mais de um milhão de votos) teria encontrado em sua cama uma cabeça de porco, mais uma peruca loira, tipo “presente da Máfia”. Junto, bilhete ameaçando sua vida. Joice tratou de postar fotos nas redes sociais, avisando que não tem medo de nada. Detalhe: muita gente acha que foi ela mesma que criou o “episódio”.

Outro cargo
A candidata derrotada a vice-presidência na chapa de Geraldo Alckmin, Ana Amélia, está sendo cotada para integrar o governo Bolsonaro, só que até agora nenhum convite surgiu. Seu mandato se encerra no dia 1º de fevereiro de 2019 e para garantir um trabalho, já oferece seus serviços ao governador eleito do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. A proposta foi bem recebida, mas ainda sem resposta.

Com colete
Carlos Bolsonaro, o O2, filho do presidente eleito e vereador no Rio, já de volta a Câmara Municipal de lá, agora só anda de colete à prova de bala e reforçou sua segurança. Só anda acompanhado por dois profissionais, armados e seu carro é blindado.

Saia justa
A apresentadora Luciana Gimenez está atravessando um período de saia justa na Rede TV! onde trabalha há anos. depois de se separar do sócio minoritário da emissora, Marcelo de Carvalho, que agora namora Simone Abdelnur, Luciana está sentindo silenciosas manobras de Daniela Albuquerque, mulher de Amilcare Dallevo para derrubá-la. Daniela, inclusive, é muito amiga de Simone e também tem um programa na Rede TV!.

“Moro de saia”

A ex-juiza Selma Arruda, eleita senadora em Mato Grosso pelo PSL de Bolsonaro, está sendo investigada pelo Ministério Público Eleitoral por problemas supostos de irregularidade da origem do dinheiro de sua campanha. Há cópias de cheques dados para ela e seus marqueteiros – e não declarados supostamente. Detalhe: por suas sentenças no estado, ela é conhecida como “Moro de saia”.

Não toleram

Nem o filho O2, Carlos Bolsonaro e tampouco o filho O3, Eduardo Bolsonaro, não gostam de serem chamados de “Bolsonarinhos”. Acham que o tom é de desprestigio.

Corinthiano

O senador reeleito Major Olímpio (nove milhões de votos), muito chegado a Jair Bolsonaro, foi também a festa de entrega do troféu ao Palmeiras, no domingo, pela conquista do Campeonato Brasileiro, onde o presidente posou até erguendo a taça, ao lado dos jogadores e de Luis Felipe Scolarri. O Major Olímpio acompanha tudo, mas sem nenhuma alegria: ele é corinthiano.

Cargo recusado

O governador eleito João Dória ofereceu um cargo em seu governo ao ex-governador e candidato derrotado à Presidente, Geraldo Alckmin, depois da vitória no segundo turno – e ele não aceitou. A oferta foi feita há semanas, antes do segundo turno – e igualmente não aceitou. Vai dar aulas, fazer palestras e pensar em 2020.

Tipo Anitta

Gisele Itié vai participar na próxima temporada da série Me chama de Bruna (Fox Premium), protagonizada por Maria Bopp. Será uma cantora inspirada em Anitta com o nome de Jana B. E deverá aparecer em cenas íntimas, no estilo das que fez na série Mandrake.

Na fila

Jair Bolsonaro também deverá brindar o juiz carioca Marcelo Bretas, que comanda a Lava Jato no Rio, com uma cadeira em Alta Corte. Poderá ser no STJ ou no STF.

Outro encontro

O presidente norte-americano, Donald Trump deverá vir para o Brasil para a posse de Jair Bolsonaro. Outro encontro entre os dois Chefes do Governos já está marcado e deverá ocorrer em março. Bolsonaro deverá passar primeiro por mais uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, que ocorrerá entre janeiro e fevereiro. Então, só depois deverá encontrar com Trump.

Fiel

Na última sexta-feira (30) faleceu o ex-presidente dos Estados Unidos George H. W. Bush, conhecido como Bush pai, morreu aos 94 anos. E como não poderia ser diferente, várias homenagens foram prestadas. Só que uma cena chamou atenção e até ganhou as páginas dos jornais e na internet: foi a imagem da labradora Sully, deitada ao lado do caixão, durante o velório. Segundo assessores, a cachorra sempre foi fiel e companheira ao ex-presidente.

Voto decisivo

Será hoje o julgamento do habeas corpus de Lula e que estaria empatado na Segunda Turma do Supremo: Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski à favor; Edson Fachin e Cármen Lúcia, contra. O voto de Celso de Mello será decisivo.

Repouso

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, está com febre alta, resultante de infecção viral nas vias respiratórias. Seus médicos recomendaram repouso absoluto. Por isso, ele não participará do evento “Grandes desafios da América Ibérica”, em Madri, organizado pela Fundación Internacional para la Libertad, presidida por Mário Vargas Llosa.

Lá é cá

Com o novo salário de R$ 39,3 mil a partir de 2019, o rendimento dos ministros do Supremo será 18 vezes a renda do brasileiro em média, que é de R$ 2.155, 00. O UOL comparou esses dados com a Suprema Corte dos Estados Unidos: lá, os ministros recebem cerca de R$ 85 mil mensais, só que esse valor equivale a quatro vezes o salário médio norte-americano.

Golden share

O deputado federal Eduardo Bolsonaro disse, em entrevista a rádio Red da Colômbia, que o governo de seu pai poderá lançar mão de privatizações de empresas estratégicas usando o mecanismo de Golden share.

Estaremos preparados

Ainda entrevista de Eduardo Bolsonaro: ele também disse que sabe que a esquerda tentará de todas as maneiras atrapalhar o governo do pai, mas que eles estarão preparados. “A esquerda vai tentar parar a todo o momento as reformas, o crescimento econômico. Se o Congresso não aprovar as reformas, ao menos vamos ter tentado. Temos de colocar as reformas adiante e comunicar os eleitores para que eles pressionem seus deputados para que eles as aprovem”.

Aprovam

Um levantamento feito pela Paraná Pesquisas aponta que 70,8% dos entrevistados concordaram com a saída dos cubanos no programa Mais Médicos, 24,8% desaprovam e 4,3% não souberam responder.

Frases

“É até estranho dizer isso, mas não vislumbro no presidente eleito um risco de autoritarismo ou risco à democracia.”

Sérgio Moro

COMPARTILHAR
AnteriorCentrão, o bloqueio
PróximoNotas natalinas