Os senadores da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) devem fazer uma audiência pública para discutir especificamente o programa habitacional Minha Casa.

Os senadores da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) devem fazer uma audiência pública para discutir especificamente o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, lançado pelo governo federal na última quarta-feira com o propósito de financiar a construção de um milhão de casas. Essa intenção foi manifestada pelo senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) durante reunião da Comissão nesta quinta-feira, quando o senador Fernando Collor (PTB-AL), que preside a CI, leu carta da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, encaminhando os detalhes do plano aos integrantes da comissão.

Flexa Ribeiro disse que não é contrário ao plano, mas considera que ele precisa ser muito bem explicado para que não pairem dúvidas sobre a real intenção do governo com o programa.

"Esse plano parece superficial, pois se fala em construção de um milhão de casas sem prazo definido. Nós precisamos saber se não é um estelionato eleitoral, porque me parece mais um programa midiático", criticou Flexa.

Também o senador Marconi Perillo (PSDB-GO) falou que sua percepção é que o plano Minha Casa, Minha Vida é mais um programa de marketing e não tem características de efetividade. Ele citou exemplos de programas lançados pelo governo, como os Programas Fome Zero e o de Aceleração do Crescimento (PAC) que, a seu ver, não estão sendo concretizados.

Ainda o senador Jayme Campos (DEM-MT) afirmou não estar convencido da capacidade de execução do programa. Ele recomendou que o governo atente antes para a questão da regularização fundiária. Preocupação similar foi citada pelo senador Gilberto Goellner (DEM-MT), para quem o programa não pode deixar de atender as necessidades de moradia dos moradores dos pequenos povoados, vilas e distritos do país. Para Goellner, o meio rural não pode ser esquecido pelo programa.