Sem surpresa

621

Há mais de ano todos sabiam que, se eleito, Ratinho nomearia seu mais fiel escudeiro, Guto Silva, chefe da Casa Civil. Não deu outra. Atual vice-presidente da Assembleia Legislativa, Guto Silva é o mais próximos dos escudeiros leais ao novo governador.

Sinal de que Ratinho vai escolher tecnocratas para as secretarias fim. Mas para as funções políticas e de articulação vai nomear gente muito próxima. Não que Guto Silva não tenha preparo. Ao contrário, ele é formado em Administração de Empresas com Habilitação em Comércio Exterior pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), é doutorando em Gestão de Negócios pela Universidad de Missiones (Posadas, Argentina) e tem MBA em Gestão de Negócios pela FAE Business School de Curitiba. Também é professor de pós-Graduação na área de comércio exterior e de graduação na área de administração.

O futuro chefe da Casa Civil tem 41 anos, é consultor especial do SEBRAE para assuntos internacionais e autor de livros sobre logística, comércio exterior e gestão global. Tem uma ampla experiência como negociador internacional. Visitou e desenvolveu planejamentos de exportação e importação em 39 países.

Malta deita e rola

Magno Malta não conseguiu se reeleger, talvez por isso ele está a aproveitar até a última gota o seu reinado no Senado. Até novembro ele gastou R$ 363.667,44 de sua cota parlamentar. O valor já é 16% maior do gasto de todo o ano de 2017. Só em passagens foram R$ 261.254,16.

Hora do espanto

Deonilson Roldo vai depor no dia 13 de dezembro na Lava-Jato. Jorge Theodocio Atherino também foi intimado. Os dois fazem parte do círculo mais próximo de Beto Richa, o Ministério Público diz que Atherino solicitava pagamento de propina, recebia os valores da Odebrecht e os repassava a agentes públicos e privados do Paraná.

Endoidou?

Desde ontem, tuitando sobre o risco de vida que o pai corre, Carlos Bolsonaro agora parece que tenta desfazer o que fez em postagem anterior, em que falava que a ‘a morte do pai interessa aos que estão perto’. Publicou questão sobre a facada que o pai levou e a relação de Adélio Bispo com a esquerda.

Confusão aumenta.

A insatisfação com o nome do futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, rola solta em alguns grupos de diplomatas brasileiros no WhatsApp. Por lá ele é chamado de “pastor das Relações Exteriores” e os comentários publicáveis dão conta de que ele conhece o povo brasileiro pela TV.

Magoado

Magno Malta deixou Brasília dizendo estar “magoado e machucado”, após ter sido preterido mais uma vez por Bolsonaro. A facada da vez foi a indicação de Osmar Terra para o Ministério da Cidadania. Malta reclamou de estar entre os últimos a serem convocados. “Vou receber a marmita?”. Ele não foi reeleito e acusa os filhos de Bolsonaro e o general Hamilton Mourão pelo veto ao seu nome.

Inconstitucional’

Deputado não abre mão de nada. Ratinho Junior visitou Ademar Traiano dias atrás para discutir proposta de redução do repasse de recursos para o Legislativo. Traiano colocou a Procuradoria Jurídica do Legislativo para trabalhar. Veio a conclusão: a mudança é inconstitucional. Ele ainda fará outra tentativa na Procuradoria Geral do Estado, mas já mandou um parecer que parece imutável: Assembleia e deputados entendem que a medida não tem viabilidade jurídica.

Oriovisto critica

Em nota divulgada em suas redes sociais, o Senador Eleito Oriovisto Guimarães atacou a ajuda de custo do Senado e garantiu que recusará o privilégio.

PF prende Pezão

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, foi preso por volta das 6h desta quinta-feira (29) no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do estado. A operação é baseada na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro do ex-governador Sérgio Cabral, que está preso. Também há buscas no Palácio Guanabara, sede do governo, e na casa de Pezão em Piraí, no Sul do estado, base do governador.

Mesada

Carlos Miranda detalhou o pagamento de mesada de R$ 150 mil para Pezão na época em que ele era vice do então governador Sérgio Cabral. Também houve pagamento de 13º de propina e ainda dois pagamentos de R$ 1 milhão como prêmio. A ação é mais uma etapa da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Verba do Senado

Só ao que se refere à Cota Parlamentar, o ranking de 2018 dos nossos senadores está assim:

– Alvaro Dias: R$ 28.559,43

– Gleisi Hoffmann: R$ 244.757,18

– Roberto Requião: 273.128,75

 

Correio caro

Uma cifra curiosa é a usada para os Correios (que não entra na Cota Parlamentar, é conta a parte):

– Alvaro Dias: R$ 20.043,86

– Gleisi Hoffmann: R$ 28.299,78

– Roberto Requião: R$ 42.631,62

Canuto ministro

O atual secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto, será o futuro ministro do Desenvolvimento Regional, pasta a ser criada pelo Jair Bolsonaro. O anúncio da indicação de Canuto, servidor efetivo do Ministério do Planejamento, foi feito pelo próprio Bolsonaro, pelo Twitter.

Cida contra o pedágio

A governadora Cida Borghetti anunciou que o Estado vai solicitar à Justiça Federal que não autorize o reajuste das tarifas de pedágio no Anel de Integração. “Por todas as situações que acompanhamos, com as ações envolvendo a operação Integração acredito que o reajuste das tarifas vai aumentar ainda mais o prejuízo para a economia do nosso Estado”, afirmou a governadora.

 Mudança para Jerusalém

O anúncio da troca de endereço da embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém não foi feito pelo futuro ministro das Relações Exteriores, nem pelo futuro presidente da República. Veio do deputado Eduardo Bolsonaro. Ao ser questionado sobre as cobranças do agronegócio, que teme perder espaço na exportação para países árabes, Eduardo afirmou que “todo mundo conhece Jair Bolsonaro” e “ele falou bastante isso na campanha”. “Se isso pode interferir alguma coisa, temos que ter alguma maneira de tentar suprir esse tipo de retaliação..”

Outro chanceler

O deputado federal Eduardo Bolsonaro foi a Washington, conversou com o Conselheiro-Senior Jared Kushner (ele é genro de Trump e os dois já se conheciam), garantiu que a embaixada brasileira em Israel vai para Jerusalém mesmo, não se importando com reação de países árabes e até anunciou um plano de metas, especificamente na área comercial, para ser cumprido pelos embaixadores. Seu pai, o presidente eleito Jair Bolsonaro, já havia dito que nada ainda estava resolvido sobre Jerusalém e o chanceler anunciado Ernesto Araújo ainda não falou nada sobre esse “plano de metas”. Eduardo não tem nenhum cargo no governo.

Reação

Ainda a suposta transferência da embaixada brasileira para Jerusalém e possível reação de países árabes: até setembro o Brasil exportou para esse bloco US$ 13,4 bilhões, ficando com um superávit de US$ 2,98 bilhões. Eduardo Bolsonaro também quer bloquear bens da Venezuela e Cuba, só que o Itamaraty informa que o Brasil adota medidas do tipo quando implementa resoluções da ONU e que, atualmente, não há sanções da ONU contra países da América Latina.

Muito caro

A decisão do Brasil de retirar a oferta para sediar a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP-25, foi do novo governo de Jair Bolsonaro. O Ministério das Relações Exteriores consultou o futuro chanceler Ernesto Araújo, que levou o assunto ao presidente eleito. Para sediar o evento, o presidente eleito teria de se comprometer a bancar seus custos, estimados em US$100 milhões (R$400 milhões). Mas poderia atingir quase meio bilhão de reais.

Assim não dá

Apesar de oferecer o Brasil para sediar a COP-25, o governo Michel Temer só colocou R$15 milhões no orçamento de 2019 para o evento.

Que dinheiro?

Para juntar quase meio bilhão de reais dos custos da COP-25, o governo teria de sacar dinheiro do Tesouro e do Fundo do Clima.

Trabalho inútil

O Itamaraty teve trabalho para garantir a COP-25 no Brasil. Conseguiu apoio unânime no continente, inclusive da intratável Venezuela.

Só que não

A confirmação do evento foi celebrada pelo governo Temer como prova da “liderança mundial” do Brasil em iniciativas sobre o tema.

Procurador diverge

Procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira discorda da posição predominante dos ministros de não avaliar ações para afastar candidatos fichas sujas de disputas pela direção em órgãos do Sistema S. Recentemente, o TCU se negou a avaliar a eleição da CNC, confederação do comércio que recebe do governo federal R$10 bilhões anuais em recursos públicos.

TCU não pode permitir

“Não deve o TCU permitir que tal investidura ocorra mediante a prática de graves irregularidades”, opinou Júlio Marcelo em parecer.

Deu no que deu

A omissão dos ministros beneficiou novos dirigentes da CNC como José Tadros, presidente, que responde a 62 processos no próprio TCU. Eleito na CNC sob os auspícios do TCU, José Tadros se candidatou à presidência do conselho do Sebrae, cujo orçamento é R$3,4 bilhões.

Técnico na Cultura

Ex-secretário nacional de Infraestrutura Cultural, o pernambucano Alfredo Bertini é o preferido para ministro da Cultura dos valentes eleitores de Bolsonaro no meio. Técnico, gestor experiente e afinado com os ideais liberais, colaborou reservadamente com Paulo Guedes.

Eleição sem chapas

Será individual, e não por chapa, a eleição para cada um dos cargos de direção no Sebrae Nacional, nesta quinta (29). O favorito para diretor-presidente é João Henrique Souza, um craque como gestor. Deputado não-reeleito e ex-ministro, Carlos Melles (DEM-MG) registrou candidatura com pinta de contar com apoio do governo Bolsonaro. Mas o futuro multi-ministro Paulo Guedes (Fazenda) tinha outro nome.

Prisão ilusória

A manutenção da condenação e pena de 8 anos e 10 meses de prisão a José Dirceu é daquelas que nada mudam. O ex-ministro petista tem outra condenação em 2ª instância, mas está livre por decisão do STF.

Então é Natal

Convenientemente, a negociação salarial de funcionários de empresas aéreas coincide com festas e férias de fim de ano, tornando a greve um elemento de chantagem. A pelega faz assembleia nesta quinta.

Sensibilidade seletiva

O ministro Ricardo Lewandowski (STF), que votou a favor do aumento do próprio salário, com impacto bilionário nas contas públicas, diz estar preocupado com custo de presos na atual situação financeira do Brasil.

Fonte segura

Ex-ministro da Justiça, o ministro Alexandre de Moraes (STF) disse que 70% da mulheres são presas por tráfico de drogas. Muitas aderem ao crime, diz ele, para pagar pela “segurança” dos companheiros presos.

Quase 80 anos

No Brasil, o imposto sindical foi criado na década de 1940, na ditadura Vargas, e só foi extinto com a reforma trabalhista do governo Temer, em 2017. São quase 80 anos de cobranças contra o trabalhador.

Nos churrascos

Em Washington, esta semana, uma repórter perguntou a Eduardo Bolsonaro se ele terá algum cargo no governo e ele negou. Só que reafirmou que “manterá a influência sobre o pai”. O método será simples: “Falarei sempre com ele nos churrascos de família”.

 

Bem guardado

Outro filho do presidente eleito, o vereador Carlos Bolsonaro, que não suporta Gustavo Bebianno, já reassumiu seu cargo na Câmara fluminense. E bem guardado: anda com dois seguranças colados que, durante expediente, permanecem na porta de seu gabinete, o que jamais ocorreu na história da Casa.

 

Barbie de Oz

No programa Amor & Sexo desta semana, recheado de integrantes do bloco LGBT, a drag queen Pabllo Vittar apareceu com um vestidinho cor-de-rosa, com laçarotes, cabelos da mesma cor, cantando Over de Rainbow, clássico do filme O Mágico de Oz. Atrás, uma super projeção de cena do filme com Judy Garland na pele de Dorothy, a menina que vai a Oz, cantando a música. No final, Pabllo agradeceu, puxando a saia para o lado. Só faltou o cãozinho Totó.

 

Versão adaptada

O presidente Michel Temer só sancionou o aumento de 16,3% nos salários dos ministros do Supremo, depois que o ministro Luiz Fux, numa guinada surpreendente, suspendeu definitivamente o pagamento de auxílio-moradia aos integrantes da Alta Corte. Na internet, analistas mais lúcidos consideram a manobra uma espécie adaptada do famoso “toma lá, dá cá”.

 

Também boné

O genro de Trump, Jared Kushner, presenteou Eduardo Bolsonaro, em Washington, com um dos primeiros bonés confeccionados sobre as próximas eleições presidenciais onde se lia a inscrição “Trump 2020”. E, claro posou para fotos que ganharam exposição nas redes sociais do lado de cá. Detalhe: Eduardo trouxe outro boné “de presente” a seu pai.

 

Limpeza

O governo Bolsonaro discute propostas para alternar as regras de nomeação de dirigentes da Anatel, ANP, Aneel e outras. Acha que a excessiva politização desses órgãos tornou-se um fator de engessamento das decisões regulatórias, ou seja, um entrave à execução de projetos estruturantes. Bolsonaro quer nomes da iniciativa privada para comandar as agências reguladoras.

 

Vende-se

Os acionistas da Galvão Engenharia estão abrindo conversações para venda de parte ou mesmo do controle do grupo. A China Communications Construction Company, que comprou 80% da Concremat, é uma das candidatas. A Galvão Engenharia carrega todas as sequelas da Lava Jato, permanece no index da Petrobras e tenta fechar um acordo de leniência com o TCU.

 

Emprego novo

O ex-governador de Goiás e candidato derrotado do Senado (teve apenas 7% dos votos) Marconi Perillo (PSDB) abriu uma consultoria com sua mulher Valéria e já está prestando serviços para a Companhia Siderúrgica Nacional que, há algum tempo, empregou também Ciro Gomes quando estava sem cargo público. O governador eleito de São Paulo, João Doria, teria articulado a contratação de Perillo, graças à sua amizade com Benjamin Steinbruch.

 

Olho nos trilhos

O general Hamilton Mourão está conversando com a Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos: quer elaborar um plano estratégico de mobilidade urbana. Mourão já recebeu da entidade propostas e pleitos para a viabilização do projeto, entre os quais a revisão dos marcos regulatórios do setor, incentivos à modernização e ampliação das malhas metroviária e de trens urbanos e adoção de modais sustentáveis, como VLT.

 

Retrato

Hoje, o Brasil conta com uma rede de 30.129 quilômetros de extensão em ferrovias, sendo operados por cerca de nove concessionárias, número considerado ínfimo para um país de dimensões continentais. De toda essa extensão, apenas 12 mil quilômetros são utilizados. Em São Paulo, de 5,9 mil quilômetros, apenas 2 mil estão ativos. São dados da Ferrofrente.

 

Pente-fino

O futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno afirmou que pretende fazer um operação pente-fino nos contratos da Secretaria da Comunicação Social da Presidência (Secom). E já escalou o general Floriano Peixoto Vieira Neto. “Ele é acima de qualquer suspeita e tem esta função executiva”.

 

Rótulos

Por conta do preenchimento de cargos importantes no Ministério da Justiça e Segurança Pública por delegados que, durante anos, estiveram ao lado de Sérgio Moro no Paraná, a Pasta já foi batizada de “República do Paraná”. Alguns, mais gozadores, brincam como o rótulo “República do Leite Quente” (deve-se pronunciar com sotaque paranaense). Já no Ministério da Economia, por conta da indicação de economistas formados pela mesma instituição onde Paulo Guedes fez seu doutorado, prolifera o apelido de “time de Chicago” ou “Chigaco Oldies”.

 

Bloco pornô

Na próxima novela das 19h na Globo, Verão 90, os personagens de Humberto Martins (Herculano) e Cláudia Raia (Lidiane) são ex-atores de pornochanchadas. Nos tempos de combate, eram chamados artisticamente de Hércules Gatão e Lidi Pantera. As telespectadoras do horário, certamente, adorarão imaginar como seria a performance dos dois diante das câmeras.

 

Números

O número do desembolso do BNDES previsto para este ano vai fazer o banco voltar aos níveis de 1999, quando emprestou R$ 70,4 bilhões. O pico de desembolso desse período foi em 2010, quando o banco emprestou R$ 275,6 bilhões; em segundo posto, 2013 com R$ 247,8 bilhões.

 

Rombo

O rombo da previdência municipal na cidade de São Paulo quintuplicou nos últimos sete anos. O gasto com a previdência, contando contribuição patronal e o déficit, corresponde em 2018 a 90% da arrecadação do IPTU (Imposto sobre Propriedade Territorial). Em 2019, chegará a 100% da arrecadação do IPTU da cidade. O prefeito Bruno Covas não tem a menor ideia do que fazer.

 

Caindo do céu

Eliseu Padilha, hoje chefe da Casa Civil do governo Temer, poderá assumir uma secretaria no governo de Ibaneis Rocha no Distrito Federal. A indicação permitiria a Padilha manter o foro privilegiado no ano que vem. O governo Ibaneis Rocha, a propósito, já carrega um jeitão da gestão Temer. O ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, vai para a presidência do Instituto Brasília Ambiental e outro que irá para o governo de Ibaneis é o coronel da PM Eumar Novacki, secretário executivo do Ministério da Agricultura.

 

Pró-esquerda

Na primeira semana de dezembro grupo de 14 senadores liderado por Cid Gomes e Randolfe Rodrigues lançará documento sobre o que será a atuação do bloco na Casa. A ideia é uma espécie de manifesto do minguado campo da esquerda. E eles até esperam grande repercussão.

 

Aposta

Os petistas mais chegados ao ex-presidente Lula estão apostando que o Supremo não concederá liberdade ao presidiário, no pedido que será analisado na semana que vem. O recurso está apoiado no fato de que Sérgio Moro ganhou um ministério no governo de Jair Bolsonaro por serviços prestados contra o PT. Esses mesmos petistas acham que o STF não vai querer comprar briga com o futuro super ministro.

 

Recuperação judicial

A Odebrecht, que acaba de anunciar um calote de US$ 11,4 milhões de juros de sua dívida, tentará reestruturar seu colossal vermelho, hoje estimado com R$ 50 bilhões. Contudo, a possibilidade cada vez maior é mesmo da Odebrecht partir para a recuperação judicial.

 

Civilizada

Na abertura de uma reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, com a presença do futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni e os atuais ministros Eduardo Guardia, da Fazenda, Eliseu Padilha, da Casa Civil e Esteve Colnago, do Planejamento, o presidente Michel Temer elogiou a transição dos governos. “Devo reconhecer, nós todos que temos uma longa estrada política, que eu penso que, há muito tempo, não se fazia uma transição tão cordial e tão civilizada como aquela que está sendo feita nestes últimos tempos”.

 

Para presidência

O PSDB irá trocar de comando em junho do ano que vem. O atual presidente do partido Geraldo Alckmin, não deve tentar reeleição. Alguns tucanos mais veteranos não querem ver alguns correligionários no comando por isso grupo lançou o nome da deputada federal Yeda Crusius para presidente da agremiação. Há quem garanta que Yeda tem muitos admiradores e pode ganhar.

 

Mais pressão

A ira contra o PT não acabou com a derrota do partido nas eleições. O presidente do Conselho de Administração do Insper, Claudio Haddad (não é parente), está sendo constrangido por empresários que apoiam a instituição e que já manifestaram o desejo de ver Fernando Haddad fora do corpo docente. O candidato derrotado à Presidência leciona as disciplinas de administração e gestão pública nos cursos de pós-graduação e tirou uma licença de 90 dias. Como reserva, Fernando Haddad tem a cadeira da USP.

 

Outra reforma

As associações de previdência complementar estão montando um fundo setorial que, na prática, vai significar a “abertura” de entidades que, por definição, operam sob regime fechado. A ideia é que familiares dos associados das respectivas fundações possam aderia à nova carteira. O projeto está sendo costurado pela Associação Brasileira de Entidades Fechadas de Previdência Completar e deverá se estender às suas 299 afiliadas.

 

Ameaças

O deputado federal eleito e ex-ator pornô Alexandre Frota foi ao programa Conexão Repórter e garantiu que vive recebendo ameaças, desde os tempos em que foi favorável ao impeachment de Dilma Rousseff. Tem posição político-religiosa semelhante a de Jair Bolsonaro e teme ter o mesmo destino de Marielle Franco. Frota é alto, forte e nem por isso está dispensando os serviços de segurança pessoal, por enquanto formada apenas por um guarda-costas.

 

Aprovado

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou o projeto de lei que irá descriminalizar o cultivo da cannabis sativa para uso pessoal e terapêutico, desde que exista prescrição médica. Fora do contexto, ou seja, será tratada como crime.

 

Pedra no sapato

O governo de Bolsonaro não esperava por essa: Paula Prux, formada em Direito e casada como futuro ministro da Educação, Ricardo Veléz Rodriguez, defende os direitos dos transexuais e combate o preconceito dos mesmos. Paula até já escreveu texto em defesa da classe. Já seu marido tem opinião totalmente contrária, não incentiva a violência, mas defende os valores das famílias tradicionais.

 

No embalo

Dos 513 deputados federais eleitos em outubro, apenas 27 conseguiram se eleger com seus próprios votos. Os demais entraram graças ao quociente eleitoral, que soma os votos dados aos candidatos de partidos ou coligações – e trata de distribuir entre todos. Quanto mais forte o partido ou a coligação, maior chance de fazer grande bancada. Então 486 deputados foram eleitos com menos votos do que outros que ficaram de fora.

 

Outro barco

Guilherme Afif Domingos está deixando a presidência do Sebrae nacional. Ele foi um dos fundadores do PSD, ao lado do ministro Gilberto Kassab, que será chefe da Casa Civil do governo de João Doria. Resumo da ópera: há quem aposte que Afif será convidado para um posto no futuro governo paulista.