Ora, pois, o presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), diz que o presidente Jair Bolsonaro não tem noção de prioridade e do que é importante para o país. O deputado criticou o fato de Bolsonaro vir nesta manhã ao Congresso para entregar projeto de lei que aumenta o número de pontos permitidos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

“Depois reclamam quando digo que o presidente Bolsonaro não tem noção de prioridade e do que é importante pro país. Enquanto estamos num seminário sobre reforma da Previdência ele está vindo pra Câmara apresentar PL que trata de aumentar pontos na carteira de maus motoristas”, escreveu Ramos no Twitter.

O presidente da comissão tem feito críticas à maneira como o Executivo tem conduzido a articulação na Câmara. Ele chegou a declarar que tem antipatia pelo governo, mas que esta é menor que sua responsabilidade com a reforma. Ramos faz parte do grupo do centrão que está mais insatisfeito com o governo. O PL (ex-PR) junto com o PP e o DEM, tem liderado as derrotas que têm sido impostas pelo Legislativo neste início de governo.

CPI da JMK

Os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da JMK elegeram por unanimidade o deputado Soldado Fruet (PROS) como presidente e o deputado Delegado Jacovós (PR) com relator do grupo de trabalho. A vice-presidência ficou com o deputado Tião Medeiros (PTB). A CPI vai investigar os contratos do Governo do Paraná com a empresa, que é responsável pela manutenção e gestão de frotas de veículos oficiais do Executivo paranaense. A reunião de instalação da CPI ocorreu na tarde desta terça-feira (04) na Sala de Reuniões da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) e foi comandada pelo segundo vice-presidente do Legislativo, deputado Tercílio Turini (PPS).

Muito barulho

A resistência que o pessoal da reserva da Polícia Militar demonstra em relação à troca de comando na Secretaria da Segurança Pública não encontra eco na maior parte da turma da ativa. Oficiais que tocam o dia a dia da corporação entendem que a saída o general Luiz Felipe Carbonell e a entrada do coronel do exército Rômulo Marinho Soares não vai alterar a estrutura operacional e organizacional.

Por nada

Todos os comandantes dos órgãos de segurança serão mantidos, até porque a resposta dada por eles é do agrado do governador Ratinho Junior. Hoje, durante reunião com o secretariado foi feito um balanço das ações policiais nos primeiros cinco meses do ano. Em resumo, o Paraná contabilizou menos homicídios, menos roubos, mais prisões e mais apreensões de drogas.

William Waack na CNN

Aos poucos a CNN Brasil vai apresentando o seu time de atrações. Anunciado há pouco, William Waack comandará um telejornal diário em horário nobre. A CNN local também contará com Evaristo Costa, em Londres, à frente de uma Revista Eletrônica.

Políticos são corruptos

 

O brasileiro é direitista e democrata, segundo a pesquisa encomendada pela Universidade Vanderbilt, em parceria com a FGV, informa O Antagonista. Os dados mostram que, para 29% dos brasileiros, todos os políticos são corruptos. Para outros 50%, mais da metade dos políticos são corruptos. Para 15%, metade. Para 6%, menos da metade. Só 1% respondeu que nenhum político é corrupto.

Sem registros

Os dois ex-funcionários ligados a Fabrício Queiroz empregados no gabinete do vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente Jair Bolsonaro, nunca emitiram crachá funcional ou registraram entrada como visitantes na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. O órgão afirma que qualquer servidor da Casa precisa fazer uma das duas coisas para comprovar que tem frequência, mesmo que exerça funções externas – um deles era motorista.

“Centrão é a solução”

Integrante do Partido Progressista, Ricardo Barros se posiciona como membro do chamado “centrão” – partidos com posicionamentos distintos da esquerda e da direita. Questionado, em entrevista à Jovem Pan Curitiba, sobre o papel dessa posição, o parlamentar acredita que o centrão é a solução para o país:

Distintos

“São partidos de centro com posicionamentos distintos da esquerda e da direita, com outra visão de política para o país, outro programa partidário e votam dentro da sua visão. O centrão não é problema nenhum, o centrão é a solução. Sem os votos do centrão nada vai ser aprovado”, destaca Barros.

 “Vaca louca”

O Ministério da Agricultura do Brasil suspendeu exportações de carne bovina do país à China após a confirmação de um caso atípico de doença de “vaca louca” em Mato Grosso, afirmou nesta segunda-feira o representante de uma importante empresa exportadora. A suspensão é uma medida preventiva que atende ao protocolo sanitário entre os dois países e foi confirmada oficialmente pelo Ministério. Segundo nota do ministério, a expectativa é de que vendas de carne bovina para os principais clientes do Brasil sejam retomadas em breve, pois a suspensão é “protocolar e não de risco sanitário”.

Desvios na Universidade

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) confirmou a condenação de primeira instância por improbidade administrativa de uma ex-diretora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), no campus de Foz do Iguaçu. Idvani Valéria Sena de Souza Grabarsch, que se aposentou em 2012, conforme o Portal da Transparência do Governo do Paraná, foi condenada em março de 2018 a perda do cargo público, suspensão dos direitos políticos por cinco anos e pagamento de multa.

Mais uma

No começo da semana, jornais, emissoras de rádio e TV e mídia digital informavam que o MC Reaça, também instrutor de boxe, que criou uma música para Bolsonaro na campanha, espancou sua jovem amante grávida (foi parar no hospital) e acabou se suicidando, deixando recado para sua esposa, pedindo perdão. E pedia ainda que ela ajudasse na criação do filho que estava na barriga da amante. Quem acompanhou, achou tudo pura covardia. Menos o presidente Bolsonaro em mensagem: “Tinha o sonho de mudar o país e apostou em seu nome por meio de seu grande talento. Será lembrado pelo dom, pela humildade e por seu amor pelo Brasil”.

 

Apareceu

Agora, nas redes sociais, já aparece a foto de Najila Trindade de Sousa, 26 anos, apontado como a modelo que processa Neymar Jr. por estupro, agressão sexual e exibição de fotos íntimas na internet sem autorização (é crime). Junto, informações de que ela estaria em difícil situação financeira, sendo despejada e processada por falta de pagamento pela Escola Panamericana de Arte. Detalhe: o jogador não queria vazar fotos íntima da moça na internet. À contragosto, o autor da proeza foi seu pai, também responsável por problemas que o filho tem com a Receita Federal.

 

Gozação

A revista Veja faz gozações com tropeções gramaticais de Bolsonaro em sua última edição. Na capa, dá destaque a expressão que o presidente repete, aportuguesado: é “Talkei”, no lugar de “Tá okey”. Depois, repete fala do Chefe do Governo sobre uma pessoal chamada “Netanael”. É quando ele se refere ao premiê Benjamin Netanyahu.

 

Estreante

Agora, também a funkeira Ludimilla, que coleciona tatuagens nos braços, sai do armário e apresenta sua namorada Brunna Gonçalves. Até já ganhou as bênçãos de sua mãe.

 

“Tempinho”.

Depois que Rodrigo Maia, presidente da Câmara, deu entrevista dizendo que o Executivo não tem uma agenda formulada para o Brasil (quase metade de seus eleitores reconhecem isso) e que “o país está caminhando para o colapso”, uma série de apagadores de incêndio saíram em campo na defesa de Bolsonaro. A deputada Joice Hasselmann, líder do governo no Congresso, foi uma que garantiu que “o governo tem uma agenda ampla” e emendou (melhor seria que tivesse ficado calada): “Começamos agora. É preciso dar um tempinho”.

 

Piada

A fala de Joice Hasselmann virou gozação entre congressistas. Muitos diziam que, entrando em seu sexto mês de governo, Bolsonaro deveria explicar “esse tempinho” aos industriais paralisados e sem confiança e aos 13,2 milhões de desempregados, fora outros milhões de desencantados que sobrevivem à custa de bicos.

 

Outro campo

De um lado, o técnico Tite aparece avisando que não vai opinar sobre o episódio sexual de Neymar (e nem revelará conversas secretas que teve com o jogador, embora ninguém lhe pedisse isso); de outro, a CBF avisa que colocará seus advogados à disposição do craque nesse campo, bem diferente do outro, verde, onde rola a bola. É uma disposição fora do jogo, por assim dizer: a CBF coloca seus advogados em campos estranhos, especialmente para ex-presidentes acusados de corrupção.

 

Sujeito a vaias

Hoje, no estádio Mané Garrincha, em Brasília tem Brasil vs. Catar e o presidente Jair Bolsonaro decidiu colocar sua popularidade em teste. Vai estar lá na tribuna de honra e sua presença será anunciada pelo sistema de som. Outros presidentes, de Dilma a Temer, só para começo de conversa, tiveram de engolir, em situações semelhantes, grandes vaias. O Capitão acha que sobreviverá.

 

Na frente

Em meio a uma coleção de gafes diplomáticas (investiu contra o prefeito de Londres e contra Meghan Markle, mulher do príncipe Harry), o presidente Donald Trump conseguiu até andar mais de um passo à frente da rainha Elizabeth, em duas oportunidades, o que significa uma ofensa aos rituais da realeza.

 

Concorda

O ex-ministro da Educação, Ricardo Vélez, fez uma palestra em Juiz de Fora, em Minas Gerais, num evento chamado “Colóquio Antero de Quental” e disse que “olavetes repetem vicio petista de estarem preocupados com a guerra cultural”. Mesmo assim, concorda com muitas críticas de Olavo de Carvalho, que indicou e teve de engolir sua demissão, depois de conversa com Bolsonaro.

 

Perda

Os advogados de Lula estão pedindo, em juízo, o afastamento do desembargador João Pedro Gebran Neto da 8ª Turma do TRF-4 no julgamento de novo round do sítio de Atibaia. Querem que ele se declare impedido “por perda de imparcialidade”, relembrando todos os episódios em que Gebran se esforçou em manter a prisão do ex-presidente, sempre apoiado na sentença de Sérgio Moro.

 

Uns e outros

Governadores e as bancadas estaduais querem que a reforma da Previdência seja imposta pelo governo federal em seus estados. De cara, terão o álibi de terem sido obrigados a cumprir, mas terão também os eventuais benefícios da reforma, sem o desgaste que ela certamente poderá acarretar. A proposta do governo abraça servidores estaduais e municipais. Detalhe: o bloco contrário é formado especialmente por governadores do Nordeste, região petista que não elegeram Bolsonaro e, pelo que se vê, misturam estações, a se usar expressão popular.

 

Lá em cima

O The New York Times acaba de publicar grande matéria onde constata que, nos Estados Unidos, quando maior o número de pessoas armadas, maior a quantidade de mortes por armas. Na área doméstica, o feminicídio ganha facilidades. A razão para o aumento do volume de mortes não são homicídios. São – surpresa – suicídios.

 

Pós-traumático

Ainda o TEPT – Transtorno de Estresse Pós-Traumático, que estaria afetando supostamente o presidente Jair Bolsonaro por conta do atentado em Juiz de Fora: nos Estados Unidos, a taxa ao longa da vida para TEPT é de 8,7%. Ocorre mais em veteranos de guerra e profissões arriscadas como bombeiros, policiais e socorristas. O transtorno pode ocorrer após a exposição a episódio concreto ou ameaça de morte, lesão grave ou violência sexual. Tratamento: terapia e medicamentos.

 

Outro tom

Juliana Paes, a Maria da Paz da novela A dona do pedaço, parece ter encontrado outro (e melhor) tom depois do embate íntimo com Amadeu (Marcos Palmeira). Pode ser que, doravante, a personagem encontre seu limite, deixando exageros e caricaturas à margem.

 

Mega números

Qualquer coisa que Neymar poste no Instagram, de cara, alcança 119 milhões de seguidores. Ele está entre as dez maiores celebridades da plataforma e, no mundo do esporte, perde apenas para Cristiano Ronaldo (169 milhões) e Messi (121 milhões). Mais: hoje, o Instagram é regido por normas e muita legislação. Ou seja: fora estupro, expor fotos e diálogos íntimos numa ferramenta com esse alcance, segundo especialistas, vai além de qualquer defesa considerada razoável.

 

Nada de assessor

Dono de imensa fortuna e considerado uma máquina de ganhar dinheiro (agora, alguns patrocinadores acenderam a luz vermelha num ano em que ele ganharia cerca de R$ 100 milhões), episódios como dizer para colega de equipe: “Você sabe com quem está falando?”, dar um soco em torcedor ou importar, com tudo pago, uma mulher do Brasil para a França, revela um adulto arrogante, não mais um adolescente – e, acima de tudo, um produto sem o menor assessoramento. Com o pai, não pode contar: ele apoia tudo (afinal, zela mais pela mina doméstica).

 

Reeleição

Na entrevista de Veja, Bolsonaro volta a reclamar da vida de presidente, agora chamada de “Kryptonita”. Antes já rotulou de “prisão domiciliar”, “abacaxi” e que “não há nada mais chato do que viver no Alvorada”. Mesmo assim, já fala abertamente em reeleição. Se a nova Previdência passa, em 2022, ele será um grande problema para João Doria e Rodrigo Maia.

 

Campanha

A atriz Regina Duarte, 72 anos, que reclamou no programa de Pedro Bial que anda sendo chamada de “fascista” porque votou e apoia Bolsonaro, fará uma campanha, a convite da ministra Damares Alves, para o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, sobre suicido e automutilação. Os temas já foram discutidos num vídeo de Luiza Brunet.

 

Novo jornal

Joel Datena e Laura Ferreira serão os âncoras de novo noticioso da Band chamado de Bora São Paulo, mais voltado para a cidade. Analistas de plantão consideram o título, que tenta ser popular, um engano: de cara, tira parte da credibilidade que qualquer jornal de televisão deve ter. Deve ter sido ideia conjunto do festival de diretores da emissora que não tem o que fazer.

 

Outra campanha

Também o pacote anticrime de Sérgio Moro ganhará uma campanha publicitária, que usará depoimentos e casos reais de vítimas da violência. Moro conta com o apoio dos brasileiros – faltam os votos no Congresso Nacional. O objetivo básico da campanha, contudo é turbinar a popularidade do governo.

 

Olho no futuro

A deputada Joice Hasselmann, líder do governo no Congresso, pediu a Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, o comando do partido na capital paulista. Está de olho na possibilidade de disputar a prefeitura da cidade, no ano que vem – e com apoio (pelo menos, até agora) do governador João Doria. Por conta disso, Bruno Covas, candidato à reeleição, já perdeu o sono.

 

Fechando embaixadas

Ernesto Araújo está fechando inúteis embaixadas abertas por Lula. De cara, cinco Roseau (Dominica), St. John’s (Antiqua e Barbida), St. George’s (Granada), Basseterre (São Cristóvão e Névis) e Kingstown (São Vicente e Granadinas). Logo, mais duas: Monróvia (Libéria) e Freetown (Serra Leoa). Lula abriu 67 embaixadas no exterior, ou seja, ainda tem muitas para serem fechadas.

 

Inconformada

Nos últimos dias, Luana Piovani não para de postar todos os tipos de comentários sobre o romance entre Anitta e seu ex-marido Pedro Scooby. Nas entrelinhas, está escondido o inconformismo de Luana, que soube do affair através de um programa de televisão, em Portugal, onde mora com os três filhos. Luana, à propósito, tem 42 anos e Anitta, 26.

 

Apelido

O deputado e ex-ator Alexandre Frota, que está surpreendendo muita gente no desempenho de suas funções parlamentares, acaba de ganhar um apelido em rodas mais antigas de colegas de Câmara: Cicciolino. Para quem tem memória curta: Ciciolina era o apelido de uma atriz pornô que igualmente de elegeu deputada na Itália e ganhou popularidade no mundo inteiro.

 

De novo

Gleisi Hoffmann faz o que Lula manda: agora, está empenhada no lançamento da candidatura de Fernando Haddad, derrotado nas eleições presidenciais (mesmo assim, levou 47 milhões de votos) à prefeitura de São Paulo, no ano que vem. Ele já ocupou o cargo e foi derrotado na tentativa de reeleição por João Doria, ainda no primeiro turno. Haddad não gosta da ideia

 

Resposta vaga

O governo tenta de tudo para tentar conseguir o apoio dos brasileiros para a reforma da Previdência. Jair Bolsonaro tem ido a programas populares para falar do tema. E agora lança mensagens propaganda mais popular, só que algumas estão deixando a desejar. A publicidade feita para TV Minutos, que circula nos metrôs da cidade de São Paulo, mostram perguntas que seriam dúvidas da população com respostas vagas. Um exemplo: a pergunta “quem ganha menos vai pagar menos?”, resposta “sim” e, aí, aparece uma imagem como se fosse um carimbo com os dizeres “isso é verdade”.

 

Sem prioridades

Marcelo Ramos (PR-AM), presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência, está a ponto de entregar o cargo: não aguenta mais tanto amadorismo do presidente Jair Bolsonaro em suas ações à frente do governo.  E no Twitter desabafou: “Depois reclamam quando digo que o presidente Bolsonaro não tem noção de prioridade e do que é importante pro país. Enquanto estamos num Seminário sobre Reforma da Previdência ele está vindo pra Câmara apresentar PL que trata de aumentar pontos na carteira de maus motoristas”.

Vai aumentar desemprego

Exigir contribuição de empresas na capitalização, como quer o relator do texto da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), vai gerar o desemprego entre jovens, afirmou nesta terça-feira (4) o ministro Paulo Guedes na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara. Guedes foi convocado a explicar aos membros da comissão os impactos financeiros e econômicos da reforma da Previdência. “Pode botar [encargo sobre as empresas], mas começa a ter desemprego entre os jovens também”, afirmou o ministro.

Empregado deve pagar

Moreira defende que o empregador também pague para a aposentadoria do trabalhador no novo regime previdenciário, no qual cada um é responsável por fazer a própria poupança. A reforma enviada pelo presidente Jair Bolsonaro prevê a possibilidade de contribuição patronal, mas não há a obrigação para o pagamento desses recursos. Para o relator, somente com a parte do empregado, há risco de o trabalhador não poupar o suficiente para a aposentadoria.

Geração de emprego

Na opinião do ministro, se a capitalização for aprovada sem a previsão de contribuição patronal, haverá uma forte geração de emprego entre jovens. Guedes também falou sobre as prioridades do governo após a aprovação da reforma da Previdência. Segundo ele, será feito um esforço para encaminhar, via Senado, o pacto federativo para rever o papel da União, enquanto a Câmara foca na reforma tributária.

Frases

“Há inexperiência, falta de aptidão para governar e um desconhecimento da coisa pública. Nunca vivi isso.”

Tasso Jereissati, senador (PSDB-CE)