O senador Alvaro Dias (PR) afirmou que a reforma da Previdência “não deve ser comemorada por ninguém”, e que ela vai exigir um “sacrifício” da sociedade. Mesmo assim, a reforma é necessária para garantir a aposentadoria, completou.

“Ela [a reforma da Previdência] vai exigir que as pessoas trabalhem mais, paguem mais, para receber menos. Mas o objetivo é dizer ‘no futuro você não vai correr o risco, você terá a sua aposentadoria’. Isso é que justifica a aprovação dessa reforma da Previdência, que é resultado da incompetência dos governantes, dos desvios de finalidade”, disse Álvaro Dias.

A aprovação da reforma, segundo o senador, ainda deve passar pelos estados e municípios. Se isso não acontecer, Dias fala que a Previdência ficará “mutilada”.” Se você não inclui os estados e municípios, você faz uma reforma insuficiente. Por isso, o senado terá que trabalhar com esta realidade”, esclareceu.

Para que isso aconteça, os estados e municípios precisam aprovar o que já passou pela Câmara dos Deputados. “Nós vamos aprovar [o que veio da Câmara], e isso será promulgado e entrará em vigor”, explicou o senador, também ao dizer sobre a proposta paralela de inclusão dos estados e municípios. “Nós apresentaremos uma proposta paralela, que vai incluir os estados e municípios. Isso volta para a Câmara [dos Deputados], que terá que aprovar a inclusão”, completou.

Emenda parlamentar

O presidente Jair Bolsonaro liberou, às vésperas da votação da reforma da previdência na Câmara dos Deputados, um valor recorde de emedas parlamentares, que chega a mais de R$ 1 bilhão. Álvaro Dias disse que se o presidente pretende realizar essas ações, deve anunciar com antecedência e transparência.

Explicações públicas

“Que, se necessário, convoque uma cadeia de emissora de rádio e televisão, primeiramente para agradecer o povo por aceitar essa reforma da Previdência (…) E diga ‘o governo vai liberar tantos milhões, por intermédio dos senadores, para ajudar estados e municípios’. Mas seja transparente, anuncie”, esclareceu o senador, ao falar também da impressão de “toma lá, dá cá” que ficou na Câmara.

Sem toma lá, dá cá

“E vai liberar para os que votaram contra a reforma da Previdência. Não se trata de ‘toma lá, da cá’. Por que ficou essa a impressão, que o governo liberou recursos para que os deputados votassem a reforma da Previdência e nós não queremos que isso ocorra no senado”, disse.

Hard Rock Hotel

As Agências do Trabalhador dos municípios de Primeiro de Maio e de Sertaneja, na região Norte do Paraná, vão intermediar aproximadamente 400 vagas de emprego para o empreendimento Hard Rock Hotel Ilha do Sol. Os trabalhadores serão selecionados para trabalhar no empreendimento após sua inauguração, prevista para ocorrer a partir de 2020 e 2021.

Bolsonaro questiona

O presidente Jair Bolsonaro declarou que a lei permite indicações políticas para o comando de embaixadas no exterior e questionou a “pressão em cima” do filho, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que deve ser indicado como embaixador do Brasil em Washington, nos Estados Unidos. Bolsonaro deu as declarações ao sair do Palácio da Alvorada. O presidente já declarou que está definida a escolha do filho para o comando da embaixada, contudo a indicação ainda não foi oficializada. O presidente voltou a afirmar que o filho tem condições de ser embaixador e questionou a “pressão” contra a escolha.

Duhalde visita Lula

Lula recebeu a visita de Eduardo Duhalde, ex-presidente da Argentina, na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba. A visita está programada para as 16 horas. Duhalde estará acompanhado por Emir Sader, um velho entusiasta do condenado.

Pega na mentira

Apesar de ter citado uma pós-graduação em Economia como credencial que justificaria sua indicação ao posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro não concluiu o curso. Criticado após o presidente Jair Bolsonaro dizer que poderia indicá-lo ao cargo, o deputado tem tentado provar suas qualificações para a cadeira. As informações são de O Globo.

Mises

O Instituto Mises Brasil, que oferece a pós-graduação lato sensu “Escola Austríaca de Economia” em parceria com o Centro Universitário Ítalo Brasileiro, confirmou ao GLOBO que Eduardo “ainda cursa a pós-graduação”. O curso tem duração de 18 meses, e o deputado federal o iniciou em março de 2016.

Contra a indicação

Eleitores estão criticando a indicação do filho do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador nos Estados Unidos. “Não há nenhuma dúvida que eu voto contra, voto favorável a tudo que é bom para o país”, afirmou Álvaro Dias.

O senador também disse que não faz oposição ao governo por prazer. “Ao contrário, estou colaborando com o governo, ajudando o governo. Estou sugerindo, contribuindo, votando favoravelmente ao governo. Mas nesse caso, eu antecipo meu voto”, esclareceu.

Ainda de acordo com Álvaro Dias, ele é a favor da meritocracia e não basta ser filho do presidente. “É a embaixada mais importante do mundo. Não basta ser filho do presidente, não basta ser filho de ninguém. Tem que ser da diplomacia, tem que ter mérito, tem que estar preparado para a função”, concluiu.

Contas represadas

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/PR) e o Ministério Público (MP) anunciaram a intenção de definir um programa de trabalho conjunto para agilizar o julgamento de prestações de contas de prefeitos que estão represados nas câmaras municipais. Levantamento realizado pelo TCE aponta que ainda existem 1.058 contas anuais de prefeitos a serem julgadas pelas câmaras, relativas ao período de 2007 a 2017. Atualmente, apenas 85 das 399 câmaras estão em dia com seu processo legislativo, ou seja, julgaram todas as contas do município. Em compensação, existem 17 câmaras (4,3%) que não informaram nenhum julgamento.

Reincluir estados na reforma

A reinclusão dos estados e dos municípios na reforma da Previdência pelo Senado ajudaria o país, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em entrevista a jornalistas em Santa Fé, Argentina, onde ocorre a reunião de cúpula do Mercosul, ele elogiou a ideia de reinserir as prefeituras e os governos estaduais na reforma por meio de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) paralela. As informações são da Agência Brasil.

A fritura de Aécio

Uma ala do PSDB em Brasília estranhou a guerra no ninho tucano contra Aécio Neves e o silêncio sobre o ex-governador Marconi Perillo. Ambos passaram os últimos anos enrolados em casos de corrupção na Justiça, mas a diferença de tratamento é visível. Em 2017, Aécio, que é réu no Supremo pelos crimes de corrupção e obstrução de Justiça, foi afastado do mandato pela Corte na esteira das investigações da delação de Joesley Batista. Já Perillo foi preso no ano passado pela Polícia Federal na operação que apura o recebimento de 12 milhões de reais em propinas da Odebrecht.

Moro interferiu

O capítulo da “Vaza Jato” revelado nesta quinta-feira, 18, numa parceria da Folha de São Paulo com o siteThe Intercept Brasil volta a um tema já revelado pela revista Veja: a interferência do então juiz, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, na negociação de delações.

Contra anulação

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou, hoje (17), ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), parecer contrário ao pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para anular a condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP). O parecer foi assinado pelo subprocurador Nívio de Freitas Silva Filho. Lula está preso desde 7 de abril do ano passado, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, pela condenação no caso.

Contra Toffoli

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, poderá recorrer da decisão do presidente do Supremo, Dias Toffoli, que paralisa inquéritos e ações penais que tenham usado dados de órgãos como Coaf, Receita e Banco Central, sem autorização judicial prévia. Forças-tarefas do Ministério Público pedem análise urgente do caso pelo STF. Um recurso da PGR deverá levar a decisão monocrática de Toffoli ao julgamento do plenário. Para quem tem memória curta: os resultados surpreendentes da Lava Jato só foram possíveis com atuação organizada do Coaf, com Receita e Polícia Federal e Banco Central.

Resultados

No Brasil, a utilização de meios eletrônicos que permitem o acompanhamento e o rastreamento instantâneo de operações financeiras é tudo recente. Desde o mensalão, a Lava Jato foi a única força de combate sistemático à lavagem de dinheiro. E tem apenas cinco anos, com 285 condenações, penas de 3.100 anos de prisão e R$ 13 bilhões recuperados somente em acordos de colaboração.

Impunidade

Nove entre dez juristas acham que, se a decisão de Dias Toffoli em favor do senador Flávio Bolsonaro prevalecer, o Coaf deixa de ter qualquer importância. Ou seja: não podendo apontar indícios de lavagem de dinheiro ou outros crimes financeiros para PF e MP sem autorização judicial, o órgão não servirá mais para combater a corrupção.

Rene Garcia, o diferente

O atual secretário estadual da Fazenda, Rene Garcia, é um dos poucos integrantes do primeiro escalão do Governo Ratinho Junior, que não aparece em nenhum conselho de estatais.  Rene Garcia destoa de seus antecessores, em especial Mauro Ricardo, que era titular da pasta na gestão Beto Richa e acumulava vários cargos em conselhos de estatais, somando ao seu salário próximo a R$ 100 mil.

“Rene Garcia é praticamente o único que não onera o erário público”, comentou um analista da cena política nativa. “Ele não faz parte da farra dos conselhos por questão de ética e princípios dos cinco itens da Administração Pública que são conhecidos pelo LIMPE -Legalidade, Impessoabilidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência”, completou.

Mauro Ricardo, antecessor de Rene Garcia, se destacou como o mais guloso de todos na hora de “agregar” valor ao seu salário e como o eterno secretário de gestões do PSDB. Sua mania, aperfeiçoada no Paraná, nao cessou. Hoje ele continua com o mesmo hábito, na gestão Bruno Covas na Prefeitura de São Paulo.

Como secretário do Governo Municipal, é o único que acumula três conselhos, cada um soma R$ 6 mil mensais por participação em uma reunião a cada 30 dias. O saldo final de tudo isto é um salário de R$ 37.332,00, ante R$ 24.165,87 do prefeito Bruno Covas.

Candidato

Gustavo Bebianno, que comandou a campanha de Bolsonaro, foi secretário do Governo e depois demitido pelo presidente, quer se candidatar a prefeito do Rio, pelo PSL, partido que pilotou. Hoje, só faz críticas ao governo e virou um nome da oposição.

“Embaixador mirim”

Em Santa Fé, na Argentina, para onde foi para a 54ª Cúpula do Mercosul, o presidente apresentou seu filho mais novo e que ainda não ingressou na política, Jair Renan, como “embaixador mirim”, em tom de brincadeira. Ele é conhecido como “Bolsokid” e tem apenas 160 mil seguidores no Instagram. E é filiado do PSC, mesmo partido do irmão vereador, Carlos.

Contra-ataque

O ex-astrólogo Olavo de Carvalho, que tem tido períodos de sua vida denunciados pela filha Heloisa, resolveu contra-atacar. Está usando as redes sociais para dizer que “a filha tem problemas porque foi criada por um petista histórico”. À propósito, Carvalho ainda está às voltas com sérias dificuldades financeiras, especialmente uma alta conta de um hospital de lá.

FHC entrevistador

O Grupo Votorantim está em conversações com Fernando Henrique Cardoso para que ele comande um programa de entrevistas em rede social, algo parecido com o Diálogos, com Mário Sérgio Conti, na GloboNews. O ex-presidente já levaria com ele seu patrimônio em mídias digitais: cerca de 620 mil seguidores no Facebook e no Twitter.

Trombada

O Carrefour está fechando a venda de um imóvel de dois mil metros quadrados no bairro da Usina, no Rio, onde poderá ser construído um condomínio. O prédio está abandonado desde 2005, quando os franceses fecharam o hipermercado, por conta da violência na região, cercada de comunidades. O Carrefour perdeu nesse negócio mais de R$ 100 milhões.

Filho de peixe

Uma das figuras famosas da internet, Luca Bueno, filho de Galvão Bueno, conversa com um canal pago para apresentar um programa dedicado ao público jovem. No YouTube, Luca já tem mais de 800 mil seguidores.

Mesmo peso

Tabata Amaral (PDT-SP), foi suspensa pelo partido segundo julgamento da executiva da sigla no segundo semestre. O partido levará até 60 dias para decidir se expulsará ou não os deputados que votaram a favor da reforma, até lá ninguém pode falar pelo partido. Mas uma análise feita por uma ferramenta do jornal O Estado de S.Paulo, o Basômetro mostra que a deputada foi tão governista quanto o partido. Ela tem 41% de votos a favor ao governo e o PDT tem 40%.

Ministros também

O novo sistema de bloqueio de celulares que está sendo implantado pelo GSI não ficará restrito ao Planalto. Por recomendação do general Augusto Heleno, será instalado nos gabinetes de todos os ministros, começando pela Justiça.

Super fusão

Assim como aconteceu no setor bancário – Bradesco, Itaú e Unibanco – o novo presidente do BNDES, Gustavo Montezano, acha que, no setor das grandes empreiteiras, hoje, há lugar para fusão de duas e a terceira fica sem cadeira. Ele trabalha nesse sentido com três das antigas big five – Odebrecht, Camargo Correa e Andrade Gutierrez, únicas que dão sinais de reinicio de suas obras. Ao BNDES caberia acompanhar a fusão de duas e embalá-la de forma sustentável sem favorecimentos.

Novo problema

Agora, Jair Bolsonaro cogita indicar Nestor Forster para a embaixada do Brasil em Roma. Hoje, em Washington, Forster, ligado a Olavo de Carvalho, era o favorito para assumir a embaixada brasileira nos EUA. No caso da nomeação do filho Eduardo para o cargo, a ida de Forster a Roma implicaria da “desindicação” de Hélio Ramos, próximo de Rodrigo Maia.

“Fila de espera”

Hoje, o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) detém nove nomeações de embaixadores brasileiros que estão na “fila de espera” de votação, que não inclui esses em sabatina na Comissão de Relações Exteriores. Este ano, o Senado aprovou apenas quatro diplomatas.

Black Friday brasileira

O Planalto está fazendo planos para criação de uma Black Friday brasileira. A Secom já começa a conversar com lojistas, de todos os portes e até o setor hoteleiro entraria no acordo. A intenção é promover grandes descontos, baseados na proposta norte-americana na semana de Sete de Setembro. Seria uma semana de vendas com grandes descontos e poderá ser batizada de “Semana do Brasil”.

Balanço

Hoje, o governo está completando 200 dias de administração e ontem (18) foi feito um evento para fazer um balanço deste período. Além do presidente quase todos os ministros estavam. Ausentes eram  Damares Alves,  ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, que está em agenda nos Estados Unidos, Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública, que está de licença, assim como o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que está na Flórida e Ricardo Salles, do ministro do Meio Ambiente, que viajou para Fernando de Noronha para tratar do ingresso cobrado para frequentar a ilha.

Ao ataque

O ministro da Educação, Abraham Weintraub anunciou esta semana o programa Future-se que amplia a participação de verbas privadas no orçamento universitário. Só que os opositores não enxergam desta maneira e começaram a atacar. Para eles, será o caminho mais curto e escondido para privatizar universidades federais.

Recordista

Davi Alcolumbre, presidente do Senado, garante que a produção da Casa, “é a maior dos últimos 25 anos”. E emenda: “No plenário, aprovamos 134 matérias, entre proposta à emenda da Constituição, medidas provisórias e projetos de lei. E as comissões e subcomissões realizaram 374 reuniões e emitiram 487 pareceres”.

Surfista

Enquanto por aqui continuam articulações, sujeitas a críticas, para sua indicação como embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Eduardo Bolsonaro viajou, com a mulher Heloísa, para a Indonésia, em período de férias. Vai aproveitar o recesso parlamentar para surfar no país asiático. Se tiver muito sucesso, inclui no currículo.

Convite

Agora, o governador João Doria, que virou meio dono do PSDB, acaba de convidar o deputado federal Alexandre Frota para ingressar no partido. Em mensagem pelo WhatsApp elogiou o parlamentar e disse que se esforçará para ter Frota no “Novo PSDB”. Detalhe: João Doria nunca viu um vídeo com ação de Frota. Ele é um tanto pudico nessa área.

Fiel

O juiz carioca Marcelo Bretas garante que não está trabalhando para virar procurador-geral da República, no lugar de Raque Dodge. Mas admite que seria uma honra: “Quem ficaria triste com uma promoção dessas”. E mais: “Nãos sou terrivelmente, mas sou fiel”.

Agitado

Tarde dessas, num programa chamado Fofocalizando, no SBT, que agora também se dedica a casos policiais, o participante Décio Piccinini falava sobre assunto mais sério e era interrompido, várias vezes, por Léo Dias, também participante. A certa altura, Piccinini perdeu a calma e mandou Léo “calar a boca”. Pessoal da equipe técnica, disse que Léo estava “agitado, falava muito depressa, saindo do assunto”. Dias já esteve, diversas vezes, internado por consumo de drogas.

Carona

Pegando carona no episódio de deputados do PDT que votaram pela reforma da Previdência e foram afastados do partido incluindo Tabata Amaral, que está em alta, o ex-ministro Ciro Gomes resolveu pegar pesado na parlamentar. Tabata preferiu não reagir, talvez uma “questão de respeito pela idade”. Ela tem 25 anos e Ciro, 61.

Brincadeira

Danilo Gentili, que tem programa de entrevistas no SBT, já levou o presidente Bolsonaro lá (onde ele exibiu suas cicatrizes), criticou a hipótese de Eduardo Bolsonaro virar embaixador e no dia seguinte, avisou que estava sendo demitido por causa disso. Era brincadeira e resultou a favor de Gentile pelo volume de mensagens enviadas ao SBT protestando contra sua “saída”.

Inelegibilidade

O destaque ficou por conta do jornal espanhol El País, numa matéria com especialistas Constitucional e Eleitoral: se virar embaixador, Eduardo Bolsonaro ficará inelegível até 2024; se Jair Bolsonaro for reeleito em 2022, sua ilegibilidade vai até 2028.

Voto aberto

Ainda sobre a possível indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada em Washington: senadores que são contrários a ela estão articulando para que isso acontecer, a votação para indicação dele seja feita em voto aberto.

Deverão ser expulsos

Ao contrário do PDT, o PSB deverá agir mais rápido para os 11 deputados que votaram a favor da reforma descumprindo a ordem da sigla. Cada um será julgado de forma individual. Já foram comunicados da decisão e terão 10 dias para apresentarem sua defesa. Os que foram julgados mais infiéis serão expulsos. O presidente do PSB, Carlos Siqueira, irá também analisar o histórico de votação de cada deputado.

Frases

 “A reforma da Previdência não deve ser comemorada por ninguém. Mesmo assim, ela é necessária.”

Alvaro Dias, senador