IVAN MARTÍNEZ-VARGAS
FOLHAPRESS – O banco Santander avalia que a taxa básica de juros deverá se manter baixa no Brasil, o que contribuirá para que a carteira de crédito do banco, que atualmente é de R$ 317,62 bilhões, cresça 10% ao ano até 2022.
De acordo com o presidente do Santander, Sérgio Rial, o crescimento do número de clientes pessoas físicas será o principal motor da alta do crédito.
Ele projeta uma alta de 7% ao ano para o total de clientes até 2022, que hoje é de 25,5 milhões.
“Há uma crença de que os juros devem permanecer baixos no Brasil e isso muda nossas perspectivas, não era algo que estava claro há cinco anos”, disse o executivo, que falou a investidores na sede do banco na tarde desta terça-feira (8).
O banco quer crescer especialmente fora dos centros urbanos. A prioridade tem sido, segundo ele, abrir agências menores no interior do Brasil. Em contrapartida, o banco deverá fechar estruturas em regiões mais bem povoadas.
Ele também espera expansão no crédito imobiliário. Para Rial, a tendência é que programas de crédito subsidiado como o Minha Casa, Minha Vida reduzam de tamanho e que os bancos privados aumentem sua participação no segmento habitacional.
A instituição também coloca as operações de cartões de crédito e de maquininhas entre as prioridades.
O Santander quer vender maquininhas da Getnet a 1 milhão de pessoas físicas. A meta, diz Rial, é conquistar o segundo lugar no setor de cartões e consolidar ao menos 15% de participação de mercado. Hoje, o banco ocupa a terceira posição.
O crédito consignado e as operações de microfinanças centralizadas na marca Prospera também serão usadas para potencializar a venda de maquininhas. A marca tem hoje 368 mil clientes e deve chegar a 1 milhão em 2022, de acordo com o Santander.
O banco lançou durante o evento o Getpay, aplicativo voltado a lojistas que permite o recebimento de valores sem o uso de máquina de cartões.
“A fábrica de DOC e TED vai desaparecer: 80% das nossas transações já são feitas por meios digitais”, afirmou Rial.
O Santander vai lançar uma plataforma global de máquinas de cartão com base na experiência da Getnet. Segundo o executivo, o México será o primeiro país a implementá-la.
O executivo também afirmou que o banco tem reformulado suas formas de atendimento ao usuário. Citou que no call center, por exemplo, 8 em cada 10 ligações são atendidas por meio de robôs, sem necessidade de conversa com humano.
“Passamos de um modelo ‘all you can eat’ [‘tudo o que você puder comer’, em tradução livre] para um de cardápio. O banco digital não oferece atendimento 24 h, se não te cobraria por isso”, disse.