Museu Histórico Padre Carlos Weiss, antiga estação ferroviária de Londrina, uma das atrações da Rota do Café

A Rota do Café, projeto de turismo que objetiva resgatar a cultura e a história de uma das regiões produtoras de café mais importantes do mundo, o Norte do Paraná, está ganhando uma nova atração: os contadores de história, que vão narrando aos visitantes, de forma lúdica, fatos importantes que fizeram a fama daqueles caminhos. E para preparar esses contadores, o Sebrae criou um Workshop de Contação de História, cuja primeira edição foi realizada dia 10 de junho.

Para o consultor do Sebrae/PR e gestor do Projeto Rota do Café, Sérgio Garcia Ozorio, o roteiro reconstrói a história do Paraná. “A Rota é o encontro do passado e do presente. E recuperar nossa memória por meio de bons contadores de história será mais um atrativo do roteiro. Nossa intenção é profissionalizar cada vez mais o projeto e promover o desenvolvimento dos municípios por meio do turismo. A cafeicultura ainda está viva na região e é capaz de atrair riquezas, gerar empregos e renda”.

A Rota do Café é uma interessante uma viagem por fazendas históricas e produtivas, espaços de lazer e cultura, santuários ecológicos, pousadas, restaurantes e a diversos locais que revelam a história e os aromas do café na região e no Brasil. Ao todo, são 30 empreendimentos em 15 municípios.

Igreja de Nossa Senhora da Paz, em Ibiporã, construída com doações de sacas de café

A região de terra roxa nasceu e cresceu graças à cultura cafeeira. A extensa floresta inexplorada se transformou em cafezal, em meados dos anos 1940, gerando riqueza para o Paraná. A produção em grande escala do grão tornou o Estado próspero e urbanizado e atraiu migrantes paulistas e mineiros, além de imigrantes da Europa e da Ásia. Nos anos 1970, a região era a maior produtora de café do Brasil e o ciclo da cafeicultura pode ser comparado ao ciclo da cana de açúcar, no Brasil Colonial.

O projeto Rota do Café teve início em 2007. Durante 20 meses, passou por fases como diagnóstico, definição de produtos turísticos, sensibilização dos envolvidos, roteiro experimental, qualificação dos serviços turísticos, precificação, comercialização e promoção.