A imprensa divulgou um resumo sobre o que Ratinho Junior fez em sua primeira semana de governo. Aí vai:

– Demissão de aproximadamente 3 mil servidores comissionados remanescentes da gestão anterior.

– Determinação aos secretários para que reduzam em 20% as despesas de todas as pastas, especialmente as fixas. A cada 30 dias, os secretários deverão prestar contas da situação.

– Suspensão do contrato de aluguel de um avião para deslocamento do governador. Será utilizada uma outra aeronave já disponível através de convênio com a Copel.

– Suspensão de todos os contratos e licitações firmados nos últimos 60 dias e análise dos processos.

– Discussão junto ao governo federal para que o estado assuma os aeroportos do interior. O objetivo é concedê-los à iniciativa privada, para que sejam modernizados.

– Estudos para elaboração de projetos de infraestrutura no valor de R$ 200 milhões. Para isso, no entanto, será feita uma avaliação dos recursos disponíveis para essa finalidade.

– Elaboração dos projetos que regulamentam a reforma administrativa, a serem enviados à Assembleia Legislativa no início do período legislativo, em fevereiro.  

Fora da política

Aos amigos e companheiros de temporada no litoral paranaense, o ex-governador Beto Richa tem confidenciado que não tem mais interesse em continuar na Política. Está fora. Definitivamente.

               Pepe na área

Réu na Rádio Patrulha, o ex-Secretário de Infraestrutura e Logística Pepe Richa voltou à cena após longo período distante dos holofotes – temporada em que não foi localizado por Oficiais de Justiça, enviados pela 13.ª Vara Criminal de Curitiba, para tratar de pormenores e trâmites burocráticos da Operação. Pepe aproveita o verão no litoral paranaense para rever amigos. No registro acima, Pepe e Beto Richa recebidos no Balneário de Bateras pelo Deputado Estadual Romanelli e a esposa Fabiana Campos.

Greca deixa hospital

Rafael Greca está em casa. Deixou o hospital Marcelino Champagnat, onde foi submetido a uma cirurgia do intestino e ficou internado por 10 dias. Agora, Greca terá de repousar e abandonar de vez os hábitos alimentares que aliam quantidade a cardápios pesadíssimos. Greca acredita que volta à Prefeitura no dia 14/01.

Com a corda toda

O procurador Roberson Pozzobon avisa: “Pode ter certeza que em 2019 haverá novas fases da operação. A população pode esperar ainda antes do carnaval novas medidas da Lava Jato, medidas importantes no combate à corrupção, investigação de grandes esquemas de corrupção. Estamos agora em recesso, que encerrou em 6 de janeiro. A partir de agora, a operação Lava Jato segue a pleno vapor.” Pozzobon lembra que as eleições de 2018 deixaram muitos políticos sem mandato e perderam foro privilegiado.

Na Petrobras

    No Paraná, a Lava Jato avançou para áreas da Petrobrás ainda com corrupção e que estavam fora do radar, como o mercado de combustíveis, com grandes empresas petroleiras internacionais. Houve também um avanço nas investigações de um esquema grande de corrupção em rodovias e pedágios, que envolvia o governo estadual.

Reforço na fronteira

O governador Ratinho Jr adiantou que vai reforçar a segurança na fronteira de Foz do Iguaçu com o Paraguai e Argentina e também vai criar o que chamou de “Cidade da Polícia” e a “Escola Segura”. “Temos que ter uma política de fronteira muito forte. Esse trabalho precisa ser unificado com policiamento federal, militar e com o exército integrado a essas polícias. (Vamos) buscar investimento e ter o material técnico qualificado para dar o melhor ambiente de trabalho para os nossos policiais, com boas viaturas, bons armamentos”, disse Ratinho.

Produção alta

Em 2018, as cooperativas paranaenses faturaram 83,5 bilhões de reais, um crescimento de 18,9% em relação a 2017. O crescimento impressiona em um ano marcado pela greve dos caminhoneiros, com o PIB brasileiro devendo crescer algo entre 1,2% e 1,5% e o setor agropecuário tendo uma pequena retração na comparação com o ano anterior.

“Que se matem”

Deputado federal eleito mais votado no Paraná, Sargento Fahur usou uma rede social para desejar que membros de facções rivais no Ceará se matem nos presídios. O comentário foi feito após o Conselho Penitenciário do estado nordestino ter alertado o governo federal sobre os riscos de pôr rivais em um mesmo espaço nas penitenciárias. “Pronto, agora um indivíduo entra para uma facção criminosa e o estado ainda tem de respeitar a escolha dele, colocando ele junto com seus coleguinhas. Vá à m… Que se matem todas essas tranqueiras”, disse. As informações são de Murilo Ramos na coluna Expresso/Época.

Força Nacional

O ministro da Justiça, Sergio Moro, autorizou o envio da Força Nacional de Segurança para o Ceará diante do agravamento da crise de segurança pública no estado.

 

Pedágio

Com contratos importantes em fase final, os principais grupos que operam rodovias no país passarão por uma renovação nos próximos três anos e já se preparam para disputar os próximos leilões. Até 2021, chegarão ao fim ao menos oito concessões relevantes que terão de ser licitadas novamente. Juntas, elas somam cerca de 2.400 quilômetros de vias, e suas operações geram caixa de aproximadamente R$ 2 bilhões por ano, segundo dados das concessionárias de 2017.

Gastança

A cota parlamentar para exercício do mandato tem como apelido ‘cotão’ e como objetivo indenizar as excelências em despesas com passagens aéreas; telefonia; serviços postais; manutenção de escritórios de apoio à atividade parlamentar; assinatura de publicações; fornecimento de alimentação ao parlamentar; hospedagem; outras despesas com locomoção, contemplando locação ou fretamento de aeronaves, veículos automotores e embarcações.

Paga mais

O cotão paga outras despesas. Como serviços de táxi, pedágio e estacionamento e passagens terrestres, marítimas ou fluviais; combustíveis e lubrificantes; serviços de segurança; contratação de consultorias e trabalhos técnicos; divulgação da atividade parlamentar, exceto nos 120 dias anteriores às eleições; participação do parlamentar em cursos, palestras, seminários, simpósios, congressos ou eventos congêneres; e a complementação do auxílio-moradia.

Paranaenses gastam

Pois, pois, os deputados do Paraná gastaram em 2018, mais de R$ 10,6 milhões do cotão. O valor é equivalente a R$ 333.955,43 por parlamentar. O “campeão” de gastos no ano passado foi o deputado Nelson Meurer, que usou R$ 449.929,20 da verba. Meurer foi o primeiro e até agora único político com mandato condenado pelo Supremo Tribunal Federal no âmbito da Lava Jato. Mas ele segue livre.

Alinhado

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, segue em boa recuperação no Hospital Marcelino Champagnat, segundo informou a própria instituição médica. Mesmo internado (deixou a UTI na última quinta-feira e agora está em recuperação num quarto), o governante permanece bastante ativo nas redes sociais. Por exemplo, destacou o alinhamento da Prefeitura de Curitiba com o Governo Federal, agora comandado por Jair Bolsonaro (PSL).

‘Muito além do jardim’

A ministra Damares não deve estar entendo a reação contrária a ideias como “menino veste azul e menina veste rosa”. É que certamente ela vivia cercada só por pessoas que compartilhavam sua visão. Sair da “bolha” não deve ser fácil. Do Ancelmo Gois.

À direita

Pesquisa realizada por telefone entre os dias 23 e 26 de dezembro encomendada pela Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais e divulgada na coluna de Ancelmo Gois, do Globo, revela que:

– 35% da população se considera ‘de direita’;

– 33% ‘de centro’;

– 10% ‘de esquerda’.

Fica em cana

Deonilson Roldo, ex-secretário de Comunicação e ex-chefe de Gabinete de Beto Richa e o empresário Jorge Atherino tiveram o pedido de Habeas Corpus negado pelo Juiz da 23.ª Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, Paulo Sérgio Ribeiro. Roldo e Atherino são dois dos principais investigados na Operação Piloto, que apura direcionamento favorável a Odebrecht na licitação para obras na PR-323.

De fora

Não foi apenas o deputado Eduardo Bolsonaro que ficou de fora – e só soube depois de tudo devidamente acertado – do acordo entre PSL e Rodrigo Maia referente à recondução do presidente da Câmara Federal a seu próprio cargo. Também o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ficou mais que irritado quando soube do acordado, que inclui duas comissões e participação da Mesa Diretora. O pessoal do PT igualmente não gostou: estava encaminhando outro acordo com Rodrigo Maia e agora recuou porque acha que, ao lado do PSL ficará com cara de situação.

Não apareceu

Para acertar o acordo com Rodrigo Maia, Luciano Bivar, presidente do PSL reuniu-se com a bancada do partido na Câmara e ganhou a aprovação de todos. Eduardo Bolsonaro, que sempre foi contra qualquer tipo de apoio a Maia, não apareceu e está estremecido com Bivar, que nem o consultou. Se a rixa permanecer, Eduardo também não ganhará cargos nas comissões.

Outras cores

Algumas cadeiras do Alvorada têm assento vermelho estão sendo trocadas por outras com assento azul.

Preferência

A primeira entrevista exclusiva dada por Jair Bolsonaro, nesses dias, depois da posse, foi para Carlos Nascimento, do SBT, emissora pela qual o Chefe do Governo tem muito apreço (e a seu dono Silvio Santos). No Jornal Nacional, William Bonner repetiu trechos da entrevista – e citou a fonte. Bolsonaro tem um pé atrás com a Globo e também gosta da Record.

Novela colorida

A declaração da ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, dizendo que “meninas vestem rosa e meninos vestem azul”, provocou uma verdadeira novela nas redes sociais, embora ela logo tivesse dito que se tratava de uma metáfora. Angélica e Luciano Huck apareceram vestindo, respectivamente azul e rosa e também Caetano Veloso pegou uma beirada surgindo com uma camiseta cor de rosa.  Num evento, no mesmo dia, a primeira-dama Michele Bolsonaro aparecia com um vestido azul – e nem sabia da declaração de Damares.

Questão de decisão

Entre alguns políticos que, igualmente, participaram da novela do azul e rosa (fora as instituições LGBT, que se consideraram insultadas com a definição de Damares), estava a senadora Kátia Abreu (PDT-TO), candidata derrotada a vice na chapa de Ciro Gomes, que ironizou: “Damares precisa decidir se vai ser ministra ou estilista. Ao que eu saiba, direitos humanos não é espaço de moda”.

Ninguém aguenta

Lembrando que, até 2018, tramitavam cerca de quatro milhões de ações trabalhistas por ano no país, e isso “ninguém aguenta”, o presidente Jair Bolsonaro repetiu no SBT que deverá acabar com a Justiça do Trabalho. Afirma que há excesso de proteção do trabalhador e defendeu a flexibilização de direitos trabalhistas. Para Bolsonaro, “a mão de obra no Brasil é muito cara, é pouco para quem recebe e muito para quem paga”.

Algo em comum

A vontade de Olavo de Carvalho de expulsar todos os correspondentes estrangeiros do Brasil lembra um antecedente nos tempos de Lula. Larry Rohter, correspondente do The New York Times, falou sobre as tendências etílicas do então presidente que resolveu expulsá-lo do país. Foi convencido pelo então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, que não era o caminho. Rohter, depois de anos, relatou a mesma tendência num livro que escreveu sobre seus tempos no Brasil.

Guerra é guerra

Veteranos caciques do PSDB estão se encontrando e arquitetando a formação de uma resistência para impedir que o novo governador de São Paulo, João Doria acabe dominando o partido – e especialmente porque pretende se candidatar ao Planalto em 2022. Prefeitos de cidades importantes também estão aderindo ao movimento e todos de olho na convenção que escolherá o novo presidente da sigla em março. Mais: há quem aposte que Geraldo Alckmin logo estará em campanha para voltar ao governo de São Paulo.

Sandálias

Considerando que Paulo Guedes, em seus discursos, têm mantido tom autoritário, revelando que está convencido de que poderá adotar quaisquer medidas (e muitas deverão ser submetidas ao Congresso), está sendo constituído grande grupo de parlamentares de contra-ofensiva. A ideia, que inclui o plano B de Guedes, caso não consiga aprovar a reforma da Previdência, é fazer baixar a bola do ministro.  Alguns até acham que ele deveria usar “sandálias da humildade”.

 

Agenda

A divulgação da agenda oficial de compromissos do novo presidente Jair Bolsonaro, ainda está em fase de adaptação. Alguns compromissos do Chefe do Governo, como por exemplo, um jantar de boas vindas das Forças Armadas oferecido ao Capitão, no qual ele participou, na semana passada nem foi divulgado. Há quem garanta que alguns compromissos não serão divulgados para manter segurança do presidente.

 

Mais um filho

O cantor, produtor e estilista Kanye West confirmou em suas redes sociais que  ele e Kim Kardashian vão ter quarto filho por meio de barriga de aluguel. Será o segundo de barriga de aluguel: sua filha Chicago, de 11 meses também veio ao mundo pelo mesmo método, após Kim descobrir que não poderia ter mais filhos de forma natural.  Kim e Kanye também são pais de North, 5 anos, e Saint (3 anos).

 

Nuvens negras

A última edição da revista The Economist traça um quadro pessimista para a economia brasileira nos próximos tempos, na contramão de empresários torcedores do governo de Bolsonaro que apostam na sua recuperação. Os mais lúcidos têm se mantido e continuarão se mantendo em regime de expectativa – com e sem dose de esperança.

 

Quase desconhecido

Quem estava na pose de Castello Branco na presidência da Petrobras, muito discretamente, era o ex-banqueiro Luiz Cesar Fernandes, 74 anos, ele já foi considerado um dos homens mais ricos do país e atualmente, enfrenta dificuldade. Para quem tem memória curta: em 1983, ele fundou o Pactual – e Paulo Guedes era seu sócio.

 

Outro lado

O discurso de Michele Bolsonaro na posse de seu marido no parlatório, apesar de aplaudido, não agradou interpretes de libras, que vem lutando para regulamentar a profissão e não conseguem.  Esse bloco acha que só caridade não adianta e apostam em políticas públicas que mudam a vida não só de surdos como também de portadores de outras tantas deficiências físicas e mentais.

 

Passeata

Integrantes de entidades LGBT e outras similares estão tentando arregimentar internautas para participarem de grande passeata no próximo dia 10, em São Paulo, com meninos vestidos de rosa e meninas vestindo azul. Os mais irônicos acham que também motoristas poderiam participar, devidamente vestidos de laranja.

 

Buscando apoio

Luciano Bivar, presidente do PSL, que fechou acordo com Rodrigo Maia na eleição para recondução do deputado ao cargo de presidente da Câmara, está em busca de outros apoios para que a vitória de Maia se concretize. Ele conversou com deputados do PSDB e MDB. Mais: garantiu que o apoio à Maia não tem nada em troca, ou seja, nada da política “toma lá, dá cá”.

 

Elegância

Na posse do marido no governo do Rio de Janeiro, a mulher de Wilson Witzel, Helena Witzel, usou um vestido comprado numa loja por R$ 499 (tinha na reserva outro, comprado a R$ 399). Já Witzel usava um terno de tecido italiano, fio 120, da Sarto Cavalieri Alfaiataria. O alfaiate foi Antonio Nguini.  Lá, ternos sob medida, fora o tecido, não custam menos do que R$ 3.500.

 

Novas conversas

Depois de acertar o apoio do PSL para sua reeleição na presidência da Câmara Federal, Rodrigo Maia está iniciando negociações com Gilberto Kassab, do PSD e Valdemar Costa Neto, meio dono o PR, que já apoiam sua reeleição e formarão ao lado de Maia para enfrentar ou convencer o bloco da oposição. Há quem aposte no retorno do “toma lá, dá cá”.

 

Previdência

Na primeira reunião ministerial do governo, Paulo Guedes apresentou a situação da Previdência, mas não detalhou se será enviado novo projeto à Câmara ou se fará adaptações do projeto enviado por Michel Temer. Os mais bem informados garantem que haverá algumas alterações, mas o projeto será mesmo do governo anterior. Motivo: o grupo de Guedes não fez nenhum projeto novo.

 

Caiu fora

Renan Calheiros continua arquitetando – e com relativo sucesso – sua eleição para a presidência do Senado. A candidatura do Major Olímpio (quatro milhões de votos) não é para valer: ele sabe que não conseguiria se eleger.

 

Em casa

De volta a São Paulo, o ex-presidente Michel Temer, resolveu passar os primeiros dias em casa. Não saiu para nada e nesta semana, poderá seguir o mesmo esquema, recebendo somente seus advogados para conversar sobre processo dos portos.

 

Motivo religioso

Um dos primeiros atos de Jair Bolsonaro foi sancionar a lei que permite que os estudantes, tanto da rede pública quanto privada, possam faltar as aulas e as provas por motivos religiosos.  De acordo com publicação do Diário Oficial da União, as aulas e provas deverão ser repostas sem custo nenhum ou substituídas por trabalhos escritos. A lei entra em vigor em 60 dias e as instituições de ensino terão até dois anos para se adaptarem a mudança.

 

De despedida

Rejeitado nas últimas eleições, Eunício Oliveira, ainda presidente do Senado, tomou uma atitude de apagar as luzes de 2018 que beneficiará ele próprio e outros 23 senadores que deixarão suas cadeiras daqui algumas semanas, além de mais de dezenas de políticos que passaram pelo Senado em legislaturas passadas: derrubou uma regra em vigor há 15 anos que limitava gastos de despesas médicas para ex-senadores.

 

Resultado

Roberto Castello Branco assume a presidência da Petrobras no lugar de Ivan Monteiro, que assumiu a diretoria financeira da estatal em 2015, com a ação valendo R$ 9. Entrega o comando da empresa com o papel, valendo R$ 26. No período, seu valor de mercado, passou de R$ 118 bilhões para R$ 330 bilhões.

 

Dupla do barulho

O ministro da Economia, Paulo Guedes, apoia e defende a candidatura de Rodrigo Maia à reeleição na presidência da Câmara. E – surpresa – tem usado Alexandre Frota para algumas missões de convencimento em seu nome.

 

Nova imagem

Nos corredores do Planalto, circula os mais divertidos comentários sobre a “mudança de imagem” de Levy Fidelix, dono do PRTB, partido ao qual pertence o vice Hamilton Mourão. Tudo porque ele substituiu a tinta preta dos fios que cobrem sua cabeça (os que sobraram) e do colossal bigode por tinta acaju. Pessoalmente, Fidelix acha que “remoçou”.

COMPARTILHAR
AnteriorCharge 08-01-2019
PróximoCaixas pretas