Nenhum dos 13 deputados estaduais do PMDB quer mais os ex-governadores Roberto Requião ou Orlando Pessuti no comando do diretório do partido. Nesta terça-feira (15), eles se reuniram para discutir o futuro político e, por unanimidade, chegaram à conclusão da exclusão da dupla.

Os deputados entendem que a troca de farpas entre Requião e Pessuti é prejudicial ao coletivo.

Pois, pois, é por isso que dizem que gentileza gera gentileza… Mas a verdade é que nem sempre a máxima é aplicada à realidade, ainda mais se tratando do senador Requião.

Convidada

Aumenta a cada dia o prestígio da senadora petista Gleisi Hoffmann com o Governo Federal. Ontem (16), ela foi convidada para o almoço de recepção do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. O evento restrito será no sábado (19), no Itamaraty e ao que dizem, os convites estão bastante disputados. No evento, não será permitido nada de tietagem. Enquanto no Rio de Janeiro o povão será proibido de acompanhar o discurso de Obama levando mochilas e sacolas, em Brasília está vetado o uso de câmeras fotográficas e celulares.

Bom exemplo

Pra quem não sabia como seria governar, até que o palhaço Tiririca está dando bom exemplo na Câmara dos Deputados. O novato gastou só R$ 42,03 em março, com serviços postais e em janeiro, pediu reembolso de R$ 519 por duas passagens aéreas. Já o deputado Waldemar Costa Neto (PR-SP), que lançou Tiririca na política, gastou R$ 17,6 mil em janeiro, com escritório, seguranças e telefonia.

Balanço

Os prefeitos de Antonina, Morretes e Paranaguá estiveram com o governador Beto Richa na manhã de ontem (16). Os prefeitos apresentaram balanço prévio dos prejuízos e agradeceram o apoio do Governo do Estado na reconstrução das cidades. “A situação do Litoral é a nossa prioridade. Vamos trabalhar com eficiência e agilidade para que todos os problemas sejam solucionados. A situação realmente é emergencial, principalmente na área de infraestrutura e habitação”, disse o governador, poucas horas antes de receber o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho.

Integração

A pedido do governador Beto Richa, os presidentes da Sanepar, Fernando Ghignone, e da Copel, Lindolfo Zimmer, iniciaram um planejamento de ações conjuntas para ampliar e incrementar os serviços que as estatais, individualmente, já prestam a população paranaense. Trata-se de uma iniciativa pioneira na história das duas companhias. A ideia é realizar um trabalho integrado. Para iniciar a tarefa as duas diretorias fizeram a primeira reunião na sede da Copel. Na pauta, uma discussão preliminar sobre os pontos em que é viável a obtenção da sinergia desejada.

Nome da vez

Segundo as orientações de membros do comando do PT para seus militantes, pode-se concluir que o nome mais forte e que une as várias correntes do partido é o deputado estadual Tadeu Veneri. A orientação seria para que os militantes comecem a ajudar na formulação da proposta de governo de Veneri, já que neste momento ele seria o nome da vez.

Operação Predador

As Polícias Civil e Militar e os Grupos Especiais de Combate ao Crime Organizados (Gaeco) do Paraná, São Paulo e Minas Gerais deflagraram a Operação Predador, que tem como objetivo coibir a ação de quadrilhas responsáveis por adulterar combustível e praticar crimes contra ordem econômica, financeira e concorrência desleal. Já foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e 13 prisões foram efetuadas.

Radares

A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou nesta terça-feira (15) a criação de uma Comissão Especial de Investigação (CEI) para apurar irregularidades nos contratos das prefeituras do Estado com as empresas que fabricam e exploram radares e lombadas eletrônicas. Proposta pelo deputado Leonaldo Paranhos (PSC) a CEI vai verificar as denúncias e os equipamentos, o teor dos contratos e das licitações e se houve um estudo de viabilidade para a instalação do equipamento em diferentes localidades.

Radares II

O presidente da Comissão de Direito de Trânsito da OAB/PR, Marcelo Araújo, prevê uma longa batalha jurídica em torno do rompimento do contrato de operação de radares entre a prefeitura de Curitiba e a Consilux. Ele comparou a situação a discussão judicial entre o governo do Estado, deflagrada na gestão Roberto Requião, e as concessionárias do pedágio. “Haverá uma reação da empresa. Eventuais ônus indenizatórios vão acabar sendo objeto de uma discussão judicial que pode se prolongar por bastante tempo”, afirmou.