“Renan é um risco”, adverte empresário Mário Petrelli

400

Mário Petrelli: pela à unidade, contra Renan

O empresário Mário Petrelli, referencial da vida paranaense – com ação notável no mundo empresarial dos seguros e fundador da RIC Comunicação -, me escreve, desabafando e fazendo advertência:

– “Renan Calheiros, se eleito Presidente do Senado, mesmo que prometa a aprovação da Reforma da Previdência, é um risco institucional. Sabemos que a Reforma da Previdência é de extrema importância, mas ela virá com ou sem Renan. Porém ele eleito Presidente do Senado é, sem dúvida, um desafio, pois quando ele diz que a prisão de Lula ‘é uma ilegalidade’ está afrontando o nosso grande paranaense Sérgio Moro”.

PATRIOTISMO

Em sua carta-desabafo, Mário Petrelli diz:

Sei do seu patriotismo e da sua vontade de ajudar o Brasil.

O Brasil neste momento em que busca a recuperação da ética, luta contra a corrupção e os desmandos, e que teve a felicidade de ver o nosso grande patriota, o Juiz Sérgio Moro, exonerar-se de uma carreira brilhante, assumindo, pelo bem da segurança, combate à corrupção e manutenção da ética e, principalmente, pela manutenção da Lava Jato, o Ministério da Justiça e Segurança.

DESTRUIU LEIS

Caro Murá:

Renan Calheiros, que já foi Presidente do Senado por quatro vezes, companheiro anterior de Collor, é plantonista de Presidente do Senado sempre que as oportunidades surgem e por imprudência dos Senadores;

Renan Calheiros é aquele que de maneira dramática e drástica, no impeachment de Dilma, com outro, quebrou a legislação. Destruíram as leis, quando deixaram de cassar os direitos políticos da ex-Presidente.

Foi preciso que o povo mineiro, com sua altivez, rejeitasse e repugnasse a volta da ex-presidente à vida política (não a elegendo para o Senado).

DESAFIO À SOCIEDADE

Agora, Renan, desafia a sociedade, e pior ainda, desafia diretamente o nosso primeiro condenador de Lula (Moro), o TRF4, o STJ e o STF, quando prega que ‘a prisão de Lula é inconstitucional, ilegal e arbitrária’.

E ele pretende ser novamente Presidente do Senado!

A Sociedade Civil tem reagido à altura e jornalistas como o Nêumanne e tantos outros o têm mostrado muito bem.

Eu, ainda ao amanhecer de hoje (sábado), estou tendo o prazer de ligar para a Secretária Executiva Manuela pedindo que lhe passe esta mensagem, Murá.

E assevero que Renan, se eleito Presidente do Senado – mesmo que prometa a aprovação da Reforma da Previdência – é um risco institucional.

Sabemos que a Reforma da Previdência é de extrema importância, que ela virá com ou sem Renan.

Porém a eleição dele a Presidente do Senado é, sem dúvida, um desafio.

Pois não há como esquecer que quando ele condena a prisão de Lula, considerando-a uma ilegalidade, está afrontando o nosso grande paranaense Sérgio Moro (e todo o judiciário que condenou Lula).

SEM SEGUNDO TURNO

É importante que o Senado e a nação saibam que o Regimento Interno daquela Casa não permite 2º turno; e se vários candidatos disputarem a Presidência, isso será, sem dúvida, perigoso, um risco à moral pública dele (Renan) fazer mais votos.

O Senado possui 81 membros, 27, ou seja 1/3 permaneceram, dos antigos só 8 foram reeleitos. Sendo assim 27+8 significa 35, os novos são 46, se tivermos mais candidatos concorrendo a tendência é que ele faça o primeiro lugar e será novamente o Presidente do Senado, do Congresso e pautador das matérias de importância no Senado e no Congresso.

Renan Calheiros: perigo iminente; Alvaro Dias: apelo à união; Simone Tebet: um nome a considerar; René Dotti: nome sempre presente…

TASSO E ÁLVARO

Caro Murá:

Vários se lançaram candidatos, todos de respeito, citando principalmente o Tasso Jereissati, o paranaense Álvaro Dias; assim como o grande guerreiro, inteligente e já Senador anteriormente Esperidião Amim; e agora a coragem de Simone Tebet, Senadora do MS (seu Pai, Ramez Tebet, já presidiu o Congresso com honradez), ela desafiando o Cacique Renan se lançou candidata.

Lembro ainda que a Simone foi, no Senado, uma grande guerreira para o degredo de Dilma, que Renan protegeu.

CAMPANHA POR UM SÓ NOME

Todos lembram quando o oficial de justiça foi entregar o ofício do Supremo ao Renan e ele escondia-se em casa, também a casa do povo brasileiro.

Meu caro Murá, é preciso que o Brasil e os Senadores do Paraná, Álvaro que tem carreira política grandiosa, e os dois novos, o grande Oriovisto, intelectual, honrado e competentíssimo, e o nosso Flávio, que já foi Senador e conhece as histórias, façam campanha a favor de um único nome para derrotar Renan. Tudo pelo bem da moralidade e a não contestação da ordem jurídica, legislativa e, principalmente, do nosso grande Ministro Sérgio Moro, Juiz iniciou e deu grandeza à Lava Jato mudando a história do Brasil.

HORA DA UNIDADE

A união derrotará Renan, a desunião facilitará sua vitória.

Quem não deve não teme!

O povo não suportará, o Brasil se desmoralizará com eventual vitória de Renan.

E pior, de que terá valido o sacrifício de uma carreira meritória por parte de nossa “Bandeira”, o Ministro Moro?

Querido amigo, este é o meu protesto que passo, ditando, pela Manuela.

Pelo respeito e admiração que tenho por você, tomo a liberdade de enviar cópia para o querido amigo Nêumanne, para o grande jornalista Noblat, para o amigo Paulo Delgado, além de enviar amanhã também ao Alexandre Garcia. Considero todos vocês grandes defensores da ética, do Brasil e da continuação da Lava Jato.

Essa é minha proclamação e, não poderia deixar de passar ao meu querido colega de faculdade, mestre do Direito e maior nome do Direito Penal vivo, René Dotti.

P.S.: Caro Murá, este e-mail é do Cidadão Brasileiro, Advogado e Empresário Mario Petrelli, não assino como fundador e Presidente Emérito do Grupo RIC. É meu pensamento pessoal, que reflete a postura do povo brasileiro e da participação que tenho na vida política, há muitos anos, como estudioso. Grande abraço

MÁRIO PETRELLI,

Florianópolis


Juíza limita religiosos em visitas ao ex-presidente

Lula da Silva: muitas questões espirituais…; e Dom Peruzzo: Igreja presente

A justiça federal considerou estranho que tantos líderes religiosos tenham estado na relação de ministros de cultos diversos que vinham frequentando a cela de Lula, na Polícia Federal, à guisa de oferecer-lhe assistência espiritual.

Por isso, a juíza federal a que cabe atender às condições de prisão de Lula em Curitiba, acabou com essa pluralidade religiosa. Como também despachou contra a possibilidade de Fernando Haddad continuar frequentando a cela do ex-presidente na condição e advogado de Lula.

A juíza não considera Haddad como advogado de Lula e limitou as suas visitas ao preso. Fica sujeito, doravante, às restrições impostas a outros visitantes, quanto a dias e horas.

NOVO CAMINHO POSSÍVEL

Não faço a defesa de Lula.

Opino, no entanto, que o ex-presidente, que se mostra muito bem servido, com frequência, por um pai de santo, do candomblé, tem todo direito a uma variada experimentação religiosa, tal como o vem fazendo.

Afinal, o sobrenatural e o transcendental que os visitantes proclamam a Luiz Ignácio é coisa séria, comporta muita e demorada experimentação.

DIREITOS HUMANOS?

Arrisco a dizer: dentro dessa linha de argumentação, os advogados de Lula poderão ter sucesso na justiça. O poderão mesmo desfraldar uma boa bandeira, a dos chamados direitos humanos, assunto tão caro na linguagem petista.

Em adendo: Sei, por ter ouvido do arcebispo Dom José Antonio Peruzzo, que o pároco de Santa Cândida está escalado para assistência a Lula, quinzenalmente.


Empresas podem ofertar especialização, garante MEC

Empresas e institutos públicos e privados estão autorizados pelo MEC a ministrar cursos de especialização em todo país.

A autorização do Ministério da Educação é de abril de 2018. A possibilidade é dada a empresas do mundo do trabalho “de reconhecida qualidade, que poderão ofertar cursos de especialização”.


CCJ, joia da coroa, alvo de Felipe Francischini

Felipe Francischini: de olho na Comissão; e Eduardo Bolsonaro

O deputado curitibano Felipe Francischini (PSL) filho do deputado estadual Fernando Francischini, está na briga de “foice no escuro” que parlamentares pró Governo promovem em torno da Presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

A CCJ, joia da coroa com a qual Rodrigo Maia conta para ganhar apoios, é a mais ambicionada na Câmara. É o ‘pulmão’ da Câmara.

 

 

 


Cascavel fica como exemplar em saneamento

Cascavel

Cascavel, Paraná, é praticamente uma das únicas cidades do país a zerar o déficit de serviços básicos de saneamento. Isso é o que garante o último ranking do Instituto Trata Brasil, elaborado com GO Associados.

Para a instituição, a cidade de Cascavel subiu seis posições e ficou em segundo lugar entre as 100 maiores cidades brasileiras, atrás apenas de Franca, São Paulo.


Multilog em Curitiba

A empresa de logística Multilog programa investir este ano R$ 60 milhões para ampliar seu crescimento, em 20% em relação ao ano passado. Pra tanto, estão previstas construções de armazéns em SP, Santa Catarina e Curitiba.


Homeopatas do Paraná defendem especialidade

Isso Fischer: pela legalidade

Os médicos homeopatas do Paraná querem fazer com que a lei que garante a Homeopatia como especialidade médica – reconhecida pelo CFM -, seja respeitada aqui também. O que não estaria acontecendo.

Uma fonte da categoria garante que já encaminharam ao MP/PR representação pedindo providências: leigos estariam exercendo “a profissão de homeopata”, depois de ganharem ‘diploma’ de uma ilegal “escola de homeopatia”, totalmente fake.

A Associação de Homeopatia do Paraná, presidida pelo referencial médico Isso Fischer, está de olho na defesa da especialidade.

A propósito: Mandetta, o movo ministro da Saúde, quando secretário de Saúde em Mato Grosso, introduziu a especialidade Homeopatia na rede pública.


OPINIÃO DE VALOR

Brasil acima de tudo

Por Antenor Demeterco Junior (*)

Richard Nixon: liderança do Brasil; Benjamin Netanyahu: proximidade oportuna

O Presidente eleito Jair M. Bolsonaro desconvidou os governantes da Venezuela e de Cuba de comparecerem à sua posse. E, por outro lado, compareceu à solenidade o Primeiro Ministro de Israel Benjamin Netanyahu. As animosidades que cercam os relacionamentos entre estes diversos governantes merecem ser trazidas ao público em geral, uma vez que são conhecidas, discretamente, das agências de informações (Serviço Secreto) e dos leitores da jornalista venezuelana Vanessa Neumann, que as escancarou no livro “Lucros de Sangue – como o consumidor financia o terrorismo”. Campos opostos na política (esquerda e direita) e na religião (xiitas e sunitas) têm, na realidade, suas delimitações apagadas quando o dinheiro flui por narcodutos por veias abertas da empobrecida América Latina. A apreensão de um laptop do comandante das FARC – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – em 2008, comprovou que o governo de Hugo Cháves fornecia apoio material ao tráfico de drogas e a operações terroristas na Colômbia (cf.p.47).

COCAÍNA PARA O MÉXICO

Seus partidários enviavam cocaína colombiana para carteis mexicanos (alimentando, assim, massacres na América Central e ao longo da fronteira sudoeste dos Estados Unidos) e para o grupo terrorista libanês Hezbollah, ligado ao Irã (cf.p.48). Este grupo tem envolvimento em ataques contra americanos no Oriente Médio (241 fuzileiros mortos em 1983) e contra judeus em Buenos Aires (29 mortos e 242 feridos em 1992 e 85 mortos em 1994).

GRUPO TERRORISTA

O “Partido de Deus” (para nós do mundo português), constitui ao mesmo tempo um grupo terrorista e um partido político, como resistência armada dos muçulmanos xiitas (baseados no Irã) contra os muçulmanos sunitas (baseados na Arábia Saudita). O caldeirão da confusão do Oriente Médio é explosivo, com a droga correndo solta para o mundo, passando pelo Brasil, desbordando para o terrorismo internacional e para setores da brigarada incontrolável entre grupos religiosos extremistas.

ISRAEL E BRASIL

Não é à toa que o Primeiro Ministro israelense empenha-se em boas relações com o Brasil, ciente que grande parte de seus problemas fluem do narcoduto financeiro latino-americano. Relações muito próximas com alguns vizinhos do nosso país são comprometedoras, e não por razões meramente ideológicas.

Antenor Demeterco Junior: advertências

LEMBRANDO NIXON

O presidente Nixon pode ter desagradado a muitos abaixo do Equador, mas foi incisivo para o presidente Médici, então visitante na Casa Branca:

“Para onde se inclinar o Brasil, se inclinará o resto da América Latina”. Tudo indica que nos próximos anos os narcomarxistas da vizinhança enfrentarão problemas em suas atividades.

(*) ANTENOR DEMETERCO JUNIOR, advogado, desembargador aposentado do TJ-PR, estudioso da História do século 20.

 

 


Simepar vai avaliar a situação de 461 barragens existentes no Paraná

O Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) vai avaliar a situação das 461 barragens existentes no território paranaense, a pedido do Governo do Estado. (Foto: Jaelson Lucas / ANPr)

O Simepar foi escolhido para auxiliar no processo porque o órgão, sediado no Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, desenvolve atividades de serviços nas áreas de meteorologia, hidrologia e meio ambiente.

O Governo do Estado fará um contrato de gestão com o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) para avaliar a situação das 461 barragens existentes no território paranaense. Em paralelo, duas unidades que abrigam resíduos minerais, em Cerro Azul e Campo Largo, serão vistoriadas nessa semana. Os trabalhos serão monitorados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental e Turismo (SEDAT).

O Simepar foi escolhido para auxiliar no processo porque o órgão, sediado no Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, desenvolve atividades de serviços nas áreas de meteorologia, hidrologia e meio ambiente.

A maioria das barragens localizadas no Paraná são para uso de irrigação, abastecimento de água, geração de energia, proteção de meio ambiente e recreação.