Rafael Sica em HQ, gravura e pintura

1167

Depois de Fortaleza e Rio de Janeiro, o acervo do artista gaúcho Rafael Sica vem a Curitiba, ganhando espaço na galeria da Caixa Cultural. Serão expostos originais de história em quadrinhos, gravuras, painéis, cadernos de estudos e pinturas, totalizando mais de 200 obras.

A Caixa Cultural Curitiba, que desde 2004 oferece opções gratuitas ou a preços populares, estimulando a inclusão e a cidadania, conta com duas galerias, um teatro, uma sala de oficinas e teve 144 atrações em 2018. A CEF investiu mais de  385 milhões reais em cultura nos últimos cinco anos em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Realizada pela CEF, da mostra O Ordinário Rafael Sica, constará ainda um grande painel que o artista, às 16h do próximo dia 22, desenhará perante o público. Rara chance de ver em trabalho o dono de um traço único que preza a riqueza de detalhes e sem .

 

 

 

As tiras de Rafael Sica são minicontos surrealistas, abordando neuroses das grandes cidades e a massificação das pessoas afogadas na rotina pós-moderna, como repara a curadoria de Weaver Lima, que se dedica a exposições na área dos quadrinhos.

“Existe uma narrativa, mas é gráfica, visual. Exige que o leitor complete o trabalho. Fui tirando o texto das tiras, diminuindo o número de palavras, fui me dando conta de como isso potencializava as interpretações”, explica Sica.

Rafael Sica, nascido em 1979 em Pelotas, no início dos anos 2000 passou a publicar no jornal Folha de S. Paulo e na internet,  lançando o blog Ordinário. Ele venceu por duas vezes o Prêmio HQ Mix nas categorias Novo Talento (2005) e Web Quadrinhos (2009). Em 2017,  participou do Projeto Baiacu, criado por Angeli e Laerte – uma residência artística na Casa do Sol, do Instituto Hilda Hilst, que resultou na revista Baiacu (Editoras Cachalote e Todavia, 2017).

Sica também é um dos criadores da Parada Gráfica, evento anual que acontece em Porto Alegre- RS e reúne artistas da cena gráfica brasileira.

Em 2008, realizou Cinza-Choque, sua primeira exposição individual (Museu do Trabalho, em Porto Alegre-RS), publicou em diversas editoras do país: “Ordinário” (Companhia das Letras, 2011); “Tobogã” (Ed. Narval, 2013); “Novela” (BebelBooks, 2014); “FIM – Fácil e Ilustrado Manifesto” (Editora Beleléu, 2015); “Fachadas” (Editora Lote 42, 2017).

Agende-se: 22 de janeiro,  19h, coquetel de abertura da exposição com lançamento de catálogo e presença do artista. Em 20 de fevereiro, 19h, lançamento da revista de HQ Ipsolone, de Rafael Sica, e palestra com o artista sob mediação de Fabio Zimbres. A Caixa Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 280 ). Visitação pública de 23 de janeiro a 24 de março, de  terça a sábado, das 10 às 20h, e domingo, das 10 às 19h. Entrada franca. Não recomendado para menores de 14 anos. Fone (41) 2118-5114/5427.