Especular é parte do jornalismo, especialmente o colunismo. A especulação tem muitas vertentes, e os  nomes e realidades  que trabalha  devem ter lastros  seguros.

A especulação jornalística  compromissada com seu público deve refletir realidades que podem ou não se confirmar. Mas merecem  ser consideradas, embora em muitos casos estejam  protegidas ou ‘escondidas’ sob sutilezas que só o tempo acabará por expor claramente.

No momento, não apenas jornalistas especulam sobre a composição da nova direção da Prefeitura de Curitiba. Um dos temas dominantes no mundo da política local é a composição da futura equipe que administrará Curitiba por 4 anos, homens e mulheres que terão de gerir (com sabedoria, espera-se) um orçamento de R$ 5 bilhões.

Se Ratinho Junior ganhar a eleição do dia 28, quem serão os seus mais previsíveis auxiliares? E a mesma pergunta vale  no caso de o  vitorioso  ser Gustavo Fruet.

REQUIÃO, IPPUC E ADUR

A coluna ouviu muitas fontes, observou movimentações de bastidores e, até, trabalhos desenvolvidos na surdina, de homens e mulheres fazendo ‘lobby’ em favor de seus indicados.

Para começar, admito que o político que fez a primeira adesão a Ratinho no segundo turno, o senador Roberto Requião, ainda não apresentou a “conta”. Mas o ‘dia do troco’ vai chegar, se a vitória passar pela soleira de Carlos Massa Filho. E chegará  num pacote “irrecusável”. O primeiro da lista de RR  seria o seu hoje inseparável  Rafael Greca de Macedo.

Para o ex-prefeito, funcionário de carreira do IPPUC e servindo hoje ao gabinete de Requião, será pedido o comando do Instituto que projetou, com Lerner, Curitiba no mundo todo.

Mas a grande cota, absolutamente pessoal de Ratinho é o empresário Renato Adur, o  coordenador da campanha do PSC. Homem de amplas posses, vinicultor com grandes pretensões de mercado internacional, é também editor de livros. Sua Editora, a Base, está entre as grandes fornecedoras do MEC.

Por entender muito bem de finanças, Adur tem lugar mais ou menos certo no universo de Ratinho: Secretaria Municipal de Finanças (ou Fazenda).

Como um estreante na vida administrativa de uma metrópole poderá desprezar tanta bagagem como a de Adur?

OS OUTROS POSSÍVEIS

Assim, sujeita a chuvas e trovoadas, neste 19 de outubro de 2012, a coluna   cita como outros  possíveis auxiliares do  primeiro ‘staff’ de  Ratinho (se ele for eleito)  os seguintes nomes que o apoiam e trabalham sua candidatura:

Governo: Marcos Domakoski, professor da UFPR,  empresário do ramo de papel, ex-presidente da Associação Comercial, é homem de largo trânsito nas áreas sociais e empresariais que contam. É apontado como um dos formuladores do ideário econômico do Junior.

O nome é muito forte, com facilidade é apontado como um secretário ideal de Indústria e Comércio e até mesmo de Planejamento do Município (se a Secretaria for mantida).

Comunicação Social: Luiz Manfredini ou Ruth Bolognese, os dois jornalistas com origem em jornal. Ele é também escritor de ficção e  conhecido pela formação política sólida.

Manfredini é o escudeiro intelectual por excelência a comandar o ‘pensamento’ de Carlos Massa Filho. Quando Ratinho atende a compromissos jornalísticos muito importantes – como entrevistas a jornais, rádios e televisões – a presença e a orientação de Manfredini são indispensáveis.

Ruth entra como nome alternativo ao de Manfredini, mas não se descarta a possibilidade de ser indicada para posições “paralelas” à da área de comunicação. Quem sabe, uma diretoria da Fundação Cultura de Curitiba para a irriquieta e competente ruiva?

Ainda dessa disputadíssima área, a da mídia, há outro nome de larga aceitação nos meios de comunicação social: o jornalista Walter Werner Schmidt, braço direito de Renato Adur.

Mas nunca nos esqueçamos que o pai de Ratinho terá palavra decisiva em certos setores vitais de eventual governo do filho. Especialmente  poderá  influenciar, se o filho for prefeito, no mundo da mídia oficial da cidade.

Para porta-voz do eventual Governo Ratinho, há pelo menos um nome que se apresenta como constante ao lado dele. É o ex-vereador Jopê, radialista, homem de raízes  populares e que muita gente imaginava  descartado pela política.

Jotapê circula com desenvoltura, apresentando-se como um dos coordenadores da campanha, especialmente em encontros de funcionários públicos do Estado com o candidato, como vêm acontecendo.

Ação Social: se eleito, Ratinho pode convidar Margarita Sansone para ocupar a Fundação de Ação Social, posição que a mulher de Rafael Greca já ocupou em administração anterior. Ou, quem sabe, até mesmo poderá propor-lhe  a Presidência da Fundação Cultural.

Dizem os observadores que o nome da jornalista do jornal Impacto (onde escreve coluna social) faria parte de um “pacote” de gentilezas que Ratinho estaria obrigado a devolver a Greca de Macedo, que o apóia (embora Greca  tenha sido o quarto na escala dos mais votados do primeiro turno e apresentasse o mais alto índice de rejeição entre os candidatos a prefeito).

Grande guru: se eleito Ratinho, não se espere que necessariamente seu grande guru, o ex-deputado federal Marcelo Almeida, ocupe alguma secretaria municipal. Até pode. Mas o que é dado como certo é que ele será uma espécie de ‘alter ego’ político de Ratinho. Afinal, não é segredo de ninguém que foi com Marcelo, empresário de alto cacife financeiro, que nasceu a candidatura de Carlos Massa Filho. A união dos dois cumpre um papel importantíssimo para ambos:

Marcelo sabe articular apoiadores para o candidato, especialmente no mundo dos negócios e, em contrapartida, cacifa-se para tentar a Câmara dos Deputados de novo. Quer dizer: Ratinho tem o trânsito nas massas de eleitores que, apesar de seus muitos talentos, Marcelo não conseguiu captar em 3 eleições.

Articulação de Secretarias: nessa área, vital, especialmente para novato Ratinho, um nome experiente deve ser achado. A área , com Ratinho, poderá gerar uma secretaria municipal extraordinária, fazendo a articulação de todas as pastas.

A posição requererá pessoa de experiência comprovada, como Lineu Tomass, que tem um currículo apreciável, montado no Governo Requião, nesse segmento. Mas Lineu, quietamente, parece ter-se credenciado aos olhos do prefeiturável como curinga, homem de muitos talentos.

IPPUC: a menina dos olhos de qualquer candidato a prefeito de Curitiba é o IPPUC, o Instituto de Planejamento Urbano de Curitiba. O vice de Ratinho, o arquiteto Mesquita,  seria  alternativa ao nome de Greca para presidir  o IPPUC.

Mas não se descarte a possibilidade de Ratinho, se eleito, chamar para a posição gente  ‘master’, como o arquiteto e urbanista Manoel Coelho. Este não se engajou na campanha de Ratinho, mas o prefeiturável  considera muito suas opiniões.

(prossegue na edição de amanhã).


FOTO DE SUPOSTO MENDIGO GERA EXPECTATIVA

O sem-teto Rafael, antigo modelo.

A coluna  nem sempre consegue competir, em termos de urgência, com  outros veículos. Como a coluna  é “fechada” cedo, a grande repercussão do Face, a descoberta do sem-teto Rafael, um  ex-modelo, pinta de galã, repercutiu antes, inclusive em jornais.
Mas aqui vão a foto do moço e o olhar de colaboradores da coluna sobre o assunto:

“Indy Zanardo” (que não se sabe quem é, se nome real ou fictício) inseriu no Facebook e já atingiu quase 20.000 compartilhamentos a foto de suposto mendigo na Praça Tiradentes. “Indy” diz apenas que” este rapaz chegou ate mim nas ruas de Curitiba e me pediu se eu poderia tirar uma foto dele e eu perguntei para quê.
Ele me respondeu : para colocar na “rádio”, quem sabe eu fico famoso …

Na “rádio” eu nao posso por, mas aqui no mural do meu Face sim, e ele será famoso entre meus amigos”…

REPERCUSSÃO

A repercussão nas redes sociais foi além dos amigos de “Indy” e muito maior do que se poderia esperar. Muita gente acha que é um golpe publicitário, pois o jovem parece charmoso demais para ser mendigo verdadeiro. Outros aproveitaram para fazer piada visual de máu gosto, colocando o rosto do prefeito Luciano Ducci na fotografia, numa paródia maldosa e que, felizmente, não obteve nem um milésimo da repercussão da foto sobre a qual foi feita a impiedosa montagem. Aguarda-se o esclarecimento do mistério nas próximas horas. Repórteres de meios de comunicação estiveram, hoje. percorrendo a Praça Tiradentes e ruas adjacentes, mas não viram sinal do mendigo que teria sido fotografado por “Indy”…

COLECIONADORES

É importante registrar: o programa Nossa História, na Rádio E Paraná, semana passada, foi dos mais interessantes dos produzidos por Zélia Sell.  Tratou de moedas, cartões-postais, discos e gibis, os objetos antigos, fundamentais na reconstrução de  épocas passadas . O  programa “Nossa História” reuniu dessa vez colecionadores que contaram   detalhes interessantes da vida cotidiana revelados pelas coleções.

Transmitido no sábado às 19:00 horas e reapresentado no domingo às  8 da.manhã,pela rádio E-Paraná Am 630, “Nossa História”, “a história contada por quem sabe”, e que em novembro completa 10 anos no ar,  tem produção e apresentação de Zèlia Sell e Guilherme Nascimento. Pela internet, pode ser ouvido ao vivo na página: www.e-parana.pr.gov.br
/

CARTAS


RECORDANDO O JORNAL

Sua alma de jornalista continua aguçada, como nos nossos tempos de I&C.Meus parabéns pelos textos  da coluna.  É uma honra ter aprendido a escrever sob sua orientação. Tereza Gomes, São Paulo, jornalista, ex-editora de Você.

“TENHO MEDO…” SOBRE ELEIÇÕES

Senhor jornalista, Confesso que estou com medo dessa eleição para prefeito de Curitiba. De um lado, o cidadão Ratinho, num dia elogia e se gaba de ser peça essencial ao lado do PT; no outro desanca o partido de Lula. Quem o entende? Mas mais me preocupam  são as  noticíis do tipo “Fernando e Sorocaba aderiram a Ratinho” e que Zezé de Camargo e Luciano estão na campanha do PSC com jingles e apoios. Enfim, puro apelo popularesco num tempo em que o mundo discute o futuro das metrópoles, a qualidade ambiental, a educação atrasadíssima que o Brasil fornece aos seus filhos, quando devíamos estar nos preparando para competir com sociedades extremamente desafiadoras, como, só três exemplos,  Coréia, Cingapura, Índia. E viva o pleito… Tenho medo também de Gustavo, embora o reconheça preparado, dono de bom currículo. Não posso esquecer que sua participação nas CPIs que descobriram ladroagens nos deram muita esperança de que a dignidade na vida pública voltaria. Assim, a  participação de antigos “incriminados” do Fruet, agora em sua campanha, não me anima muito… Sou curitibana, temporariamente morando na Paulicéia. Margarete Dias da Luz, São Paulo, SP

HORA DOS “CATADORES”

De leitor que pede seja identificado apenas por iniciais ASS, “com medo de represálias”: Não é apenas a Cavo (vc noticiou em sua coluna dias passados) que recolheu placas de propaganda do Gustavo Fruet. Ontem à tarde, 17,  transitando pela Engenheiros Rebouças, nas proximidades da Vila Pinto, flagrei um catador de lixo reciclável, recolhendo placas do Gustavo Fruet colocando-as no seu carrinho. Por curiosidade, decidir passar ao redor daquela Vila, desde o Jardim Botânico até a Rua João Negrão e constatei: não havia uma placa sequer do Gustavo. Por coincidência, no sábado à tarde, segundo me informaram , por lá foi realizado um mini comício pró Ratinho. Abraço-o, sempre lhe cumprimentando pela formidável coluna que leva seu nome.

 

RELATO DE CAMPANHA

(espaço reservado às campanhas de Ratinho Junior e Gustavo Fruet)

Da Assessoria de Ratinho Junior:

“RATINHO JUNIOR ESCLARECE QUE NÃO É ALGOZ DO PT

O candidato Ratinho Junior esclarece que não irá receber a alcunha de algoz do PT. Até porque foi ele o candidato que mais defendeu o Governo Lula e Dilma no primeiro turno e continuará fazendo isso nesta outra etapa da campanha. No próprio plano de governo defende parcerias com o governo federal e seus programas. Sempre defendeu, na Câmara Federal, programas como PAC, Minha Casa, Minha Vida, Bolsa Família, Pré-Sal, entre outros. Ao contrário de Gustavo Fruet, que por diversas vezes criticou esses programas. Ratinho Junior lembra, também, que sempre respeitou a militância petista e , inclusive, tem entre seus coordenadores de campanha filados do partido. “Minha crítica é voltada à aliança que o PT em fez em Curitiba. Justamente, aí sim, com um algoz de Lula, Dilma e tantos outros. Critico o PT de gravata e não a militância. E minha crítica se faz no sentido da incoerência e oportunismo das lideranças petistas locais que prefeririam alguém que nomeou Lula de corrupto, justamente o presidente que tantas mudanças positivas garantiu a milhares de brasileiros. O candidato atualmente apoiado pela cúpula petista chamou o PAC – Programa de Aceleração do Crescimento – de estelionato eleitoral. Porém, agora fala de forma oportunista que usará os programas. Desta forma, o que eu condenei foi o oportunismo e o chegar ao poder a qualquer custo. A minha candidatura e o meu projeto continuam independentes. Construí minhas alianças e minha candidatura sem padrinhos políticos e sem vender minha consciência. E, principalmente, sem trocar apoios por cargos. As pessoas que aderiram ao nosso projeto foi porque acreditam que ele é o melhor e o mais comprometido com a população de Curitiba. Ao contrário do projeto do concorrente que foi construído para servir como trampolim político para 2014”.

Da Assessoria de Gustavo Fruet:

“CANDIDATURA DE GUSTAVO FRUET MOSTRA FORÇA E ATRAI MULTIDÃO AO THALIA

Ministros, senadores, lideranças estaduais e municipais também mostraram apoio à Coligação Curitiba Quer Mais

No grande encontro da Thalia, lideranças nacionais.

Mostrando a força de Gustavo Fruet na campanha à Prefeitura de Curitiba, uma multidão acompanhou o ato político de apoio a sua candidatura realizado na Sociedade Thalia, na noite de quarta-feira (17). O evento teve a participação de lideranças nacionais como os ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil), Paulo Bernardo (Comunicações), Alexandre Padilha (Saúde), os senadores Cristovam Buarque e Sérgio Souza, o prefeito reeleito de Porto Alegre Jose Fortunati, além de autoridades estaduais e municipais dos partidos que compõem a Coligação Curitiba Quer Mais e vereadores dos partidos que apoiam Fruet no 2º turno da eleição 2012.

“Quero agradecer a cada um de vocês aqui presentes – lideranças, militância e demais apoiadores – pelo empenho e participação neste ato. Não se constrói um projeto para uma grande cidade como Curitiba de forma solitária, por isso estou em paz com as alianças que construímos nesta eleição. Nossa Curitiba será a capital de todos os paranaenses, a cidade do diálogo, do futuro, igualitária e com forte investimento social. Vamos fazer a mudança segura em Curitiba com uma gestão voltada para o povo”, afirmou Fruet.

“Em cada vila ou bairro que visitamos, sentimos que as pessoas acreditam cada vez mais em nossas propostas. Isto nos anima ainda mais nesta campanha. Curitiba vai eleger o Gustavo, um prefeito que a nossa cidade merece”, confirmou Mírian Gonçalves, candidata a vice-prefeita. Algumas das principais lideranças da política nacional garantiram seu apoio ao candidato do PDT e deram seu depoimento sobre a importância de elegê-lo prefeito da capital paranaense. “Governar bem Curitiba será uma grande contribuição ao Paraná e tenho certeza que o Gustavo será um grande prefeito desta cidade. Ele é o mais preparado e experiente e vai devolver a Curitiba o orgulho de ser uma cidade referência no Brasil e no mundo”, revelou Gleisi Hoffmann, ministra da Casa Civil. “Ele tem as melhores propostas para a capital paranaense. O Brasil precisa de Curitiba em boas mãos e isso acontecerá com o Gustavo”, completou o senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

PAULO BERNARDO

O ministro das Comunicações Paulo Bernardo lembrou que há um clima vencedor na campanha da Coligação Curitiba Quer Mais. “Mas vamos continuar trabalhando igual ao 1º turno, indo as ruas e conquistando ainda mais votos. Curitiba já está convencida que o Gustavo é o melhor candidato”, confirmou.

O ministro da Sáude Alexandre Padilha ressaltou que a campanha não deve se guiar pelas pesquisas. “O Fruet já mostrou, no 1º turno, que quem decide realmente é o povo. A mobilização deve ser ainda maior no 2º turno. Precisamos eleger o Gustavo para Curitiba poder aproveitar ao máximo o bom momento do governo Dilma Rousseff”, revelou, lembrando, ainda, que a cidade paranaense não pode optar pelo improviso. “O Fruet tem as propostas mais viáveis, tem experiência e força política e fará um governo muito responsável, a favor da população”, continuou. O senador Sérgio Souza (PMDB-PR) também confirmou seu apoio a Gustavo Fruet e Mirian Gonçalves. “Curitiba não vai errar. A cidade precisa de um choque de gestão para se reinventar e Gustavo representa esta mudanças”, afirmou. “O Fruet é uma das grandes lideranças trabalhistas do Brasil”, lembrou José Fortunati (PDT), prefeito reeleito de Porto Alegre. “Ele tem capacidade política e postura ética e fará um governo corajoso e ousado, com muito respeito à população curitibana”, completou.

APOIO NA CÂMARA

Ao final do encontro, Gustavo Fruet confirmou que já conta com o apoio de 25 dos 38 vereadores eleitos para a Câmara Municipal de Curitiba. “Após o 1º turno não recorremos a caciques da política paranaense. Fomos atrás de lideranças dos bairros, de vereadores eleitos e não eleitos e também dos suplentes. Os apoios obtidos vão nos garantir uma base de sustentação para aplicarmos todas as propostas que elaboramos para Curitiba”, revelou.

“Estou convencido de que tudo o que fizemos valeu a pena. Este grande ato político mostra que nossa aliança tem sustentação e credibilidade. Não vamos decepcionar os eleitores. Iremos cumprir os quatro anos de mandato e fazer uma gestão voltada para o povo de Curitiba”, conclui o futuro prefeito da capital paranaense.”

 


/
Esta coluna é publicada diariamente no jornal Indústria&Comércio.

Para acessar a coluna diretamente, basta acessar

http://www.icnews.com.br/editoria/colunistas/aroldo-mura