A disputa pela presidência do Senado deve ter novos movimentos nos próximos dias. Nesta semana, o líder do PSDB na Casa, senador Arthur Virgílio (AM), deve se reunir.

A disputa pela presidência do Senado deve ter novos movimentos nos próximos dias. Nesta semana, o líder do PSDB na Casa, senador Arthur Virgílio (AM), deve se reunir com o candidato do PT ao cargo, Tião Viana (AC). O petista vai buscar o apoio dos tucanos à sua candidatura.

Virgílio também deve conversar, nos próximos dias, com o candidato do PMDB à presidência do Senado, José Sarney (AP). O dia da reunião ainda não foi confirmado.

Também está prevista para esta semana uma reunião entre os senadores do PSDB para fechar questão em relação ao nome que a sigla vai apoiar na disputa pela presidência do Senado.

O PSDB é considerado o fiel da balança no jogo da sucessão no Senado. Segundo Virgílio, o partido deve votar em um só candidato.

O PSDB condiciona seu apoio à candidatura de Sarney a três cargos. Se os tucanos forem atendidos desistirão do candidato do PT, Tião Viana (AC).

Para que fique ao lado de Sarney, o PSDB reivindica a primeira vice-presidência, que seria ocupada pelo senador Marconi Perilo (PSDB-GO). Além disso, o partido exige as comissões de Assuntos Econômicos, a ser presidida por Tasso Jereissati (PSDB-CE), e de Relações Exteriores, que ficaria sob comando de Eduardo Azeredo (PSDB-MG).

As reivindicações já foram apresentadas a Sarney, que condicionou uma possível resposta afirmativa a um acerto com todos os partidos que o apoiam

Lula
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva preferia Tião a Sarney. Mas se rendeu à realidade. Com isso, o PMDB deverá comandar as duas Casas do Congresso, com Michel Temer (SP) na Câmara e Sarney no Senado.

De acordo com a coluna, Lula engole isso para tentar vitaminar a provável candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência da República em 2010.