Ana Paula Detzel

A inserção na escola pode ser considerada a primeira experiência de vida social e cultural das crianças, longe da presença constante de seus pais ou responsáveis. O espaço escolar é um ambiente novo, com muitas coisas para conhecer e relações interpessoais a serem desenvolvidas. Para crianças tão pequenas, trata-se de conhecer um lugar muito diferente do que foi vivenciado até então.

Diante de tão grande desafio, a forma como cada criança irá reagir é uma caixinha de surpresas. Os primeiros dias de aula fazem com que elas comecem a utilizar o pouco conhecimento que já adquiriram sobre as relações sociais. Algumas choram, outras podem demonstrar atitudes agressivas, de isolamento. Outras gritam, mostram desespero. Porém, algumas tiram de letra, demonstrando tranquilidade e confiança. Com tamanha mudança, é compreensível que os pais também sofram. Cabe à escola, em parceria com os pais, buscar recursos para amenizar o sofrimento durante a fase de adaptação, tornando este período mais ameno, alegre e prazeroso. Isso é possível!

É importante lembrar que cada criança é única e a demanda deve ser atendida dentro de suas necessidades. O diálogo com os professores e demais educadores da escola é fundamental, pois garante a inserção no ambiente escolar dentro daquilo que ela é capaz de enfrentar. Uma conversa prévia, de preferência antes do primeiro dia de aula pode ser muito proveitosa. Neste momento, pais ou responsáveis podem contar um pouco sobre a história de seus filhos, ajudando os professores a se planejar para que saibam como agir com cada um de seus alunos. Ao mesmo tempo, essa atitude garante a tranquilidade que os pais precisam para agir conforme as orientações da escola.

Essa tranquilidade, por parte dos responsáveis pelos pequenos, facilitará a chegada no ambiente escolar. Visitar a escola antes do início das aulas, mostrando os espaços e principalmente, deixando claro que a escolha também é motivo de muita alegria para os pais, é um movimento interessante. A criança percebe facilmente quando seus pais estão mais tranquilos e quando a escola está pronta para recebê-la.

Levar a criança para que participe da compra dos materiais, experimente o uniforme, escolha a lancheira e a mochila são movimentos facilitadores para o inicio da formação de vínculos, tão fundamental para uma vida escolar de sucesso. Poucos dias antes do início das aulas, é importante conversar de uma forma simples e direta, contando que escolheram a escola com muito carinho e que ela vai se divertir, fazer novos amigos, conhecer novas brincadeiras e que os professores estarão sempre a ajudando. Mesmo as crianças muito pequenas precisam participar deste diálogo, para que se sintam acolhidas e seguras. Falem apenas o que o filho precisa saber, evitando causar-lhe ansiedade. Ressaltem que ao final do período voltarão para buscá-lo.

Mesmo diante de toda a preparação, quando o primeiro dia de aula chegar, as crianças que até o momento mostraram-se alegres, podem reagir com insegurança. Nesse momento, a determinação dos pais é de fundamental importância. Combinem com os professores qual será o tempo de permanência das crianças em sala de aula, sendo que não precisam ficar o período inteiro desde o primeiro dia.

É importante deixar um espaço de tempo, conforme a necessidade de cada criança, para que os professores se aproximem e comecem a criar vínculos. Quando os pais permanecem todo o tempo junto, com a criança no colo, os adultos da escola têm mais dificuldade para iniciar estas relações. E quando eles voltam para a sala de aula cada vez que os filhos choram, eles percebem que conseguem a atenção que desejam para ter os pais ao seu lado, o que torna este momento mais estendido. A frequência diária também é muito importante, evitando faltas ou atrasos, para que a criança comece a perceber a rotina da qual fará parte e, consequentemente, sinta-se segura como alguém que faz parte deste espaço.

Não existe um tempo padrão para o período de inserção/adaptação da criança na escola. Algumas ficam bem desde o primeiro dia, outras começam bem e passadas as novidades dos primeiros dias começam a chorar, algumas choram por uma ou duas semanas e outras levam um tempo maior para se tranquilizarem. Mais uma vez, o diálogo com os professores se faz importante para que combinem diariamente qual vai ser o próximo passo, levando em consideração a disposição e a necessidade de cada um. Por último, lembre-se que chorar não significa que a criança não goste da escola, mas sim que está se adaptando a um mundinho novo que lhe trará muitas aprendizagens e alegrias futuramente.

Ana Paula Detzel, coordenadora de segmento da Educação Infantil e do Primeiro Ano do Ensino Fundamental do Colégio Marista Santa Maria.