A Previdência Social fechou 2007 com déficit (saldo negativo) de R$ 46,004 bilhões, 2,4% a mais do que em 2006 (R$ 44,927 bilhões). No período, foram arrecadados R$ 143,709 bilhões e gastos R$ 189,713 bilhões.

Do total do déficit, R$ 2,719 bilhões corresponderam ao adiantamento de benefícios referentes a janeiro de 2008, que foram pagos em dezembro e contabilizados em 2007. Se não fosse isso, o déficit seria de R$ 43,284 bilhões em 2007 – inferior ao de 2006, com a marca inédita de o resultado ser, pela primeira vez, menor que um ano anterior.

O ministro da Previdência, Luiz Marinho, informou que, mesmo com a antecipação de parte do pagamento dos beneficiários em dezembro, a necessidade de financiamento do RGPS (Regime Geral de Previdência Social) caiu de 1,8% do PIB (Produto Interno Bruto), em 2006, para 1,75% em 2007. Segundo o ministério, caso parte do pagamento não tivesse sido antecipada de janeiro para dezembro, o déficit teria ficado em 1,62% do PIB.

Marinho disse acreditar na manutenção da tendência de redução do déficit este ano, mesmo com a crise da economia americana. Segundo ele, embora haja impacto por conta da crise, a economia brasileira está sólida e robusta, totalmente capaz de responder aos desafios externos.

"A economia brasileira não é mais dependente do mercado internacional, principalmente dos Estados Unidos, como no passado. Há um ligeiro impacto na bolsa, mas as empresas irão se ajustar. Além do aumento na demanda interna, nos últimos anos conquistamos outros mercados", disse o ministro.

 

Mercado de trabalho

O ministro atribuiu a "inversão da tendência de crescimento do déficit da Previdência Social" ao crescimento da economia e ao desempenho do mercado de trabalho em 2007, que, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), foi o melhor ano da história.

"Com o crescimento da economia nos últimos anos e as medidas de gestão entramos em um processo de reversão do déficit. A retomada da economia tem dois efeitos, melhora a cobertura previdenciária, com a inclusão de mais trabalhadores, e melhora a arrecadação", afirmou Marinho.

O ministro explicou que, com base no novo conceito de contabilidade da Previdência, o déficit em 2007 foi de R$ 537,7 milhões. "Por esta metodologia são contabilizados como receita os aportes do Tesouro Nacional para cobrir os gastos com o pagamento de aposentadorias rurais, as renúncias fiscais para entidades filantrópicas e a parcela da arrecadação do Simples", explicou o ministério.