Dr. Luiz Antonio Negrão Dias recebeu a Medalha de Honra ao Mérito da Cirurgia Oncológica do Brasil     

O cirurgião oncológico, Luiz Antonio Negrão Dias, recebeu, na última semana, no Rio de Janeiro, a Medalha de Honra ao Mérito da Cirurgia Oncológica do Brasil, como reconhecimento profissional pelos trabalhos prestados em prol da oncologia no pais. Negrão, que é membro do Serviço de Cirurgia Abdominal do Hospital Erasto Gaertner (HEG), é também presidente do Conselho Administrativo da Liga Paranaense de Combate ao Câncer (mantenedora do HEG). A homenagem foi feita durante a II Semana Brasileira de Oncologia e o XIV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica.

O evento reuniu mais de dois mil especialistas em cirurgia oncológica do Brasil, que puderam trocar experiências com profissionais de toda a América Latina, convidados de diversos países além da interação com oncologistas clínicos e radio-oncologistas. O tema principal que norteou os debates foi “O paciente oncológico como um todo”, já que os cânceres, no geral, representam doenças graves com impactos sociais e econômicos marcantes tanto para o paciente e seus familiares como também para a sociedade civil. A cirurgia representa a melhor opção terapêutica para maioria dos tumores sólidos em seus estádios iniciais, com doença ainda localizada.

Trajetória
A relação do médico Luiz Antonio Negrão Dias com o Hospital Erasto Gaertner começa na década de 1980, quando ainda era acadêmico de Medicina na instituição. Sempre chamou a atenção pela liderança nata e pela vontade de fazer a diferença na vida de pacientes e seus familiares, tanto que, em 1987, obteve o primeiro lugar na 28ª Reunião Anual de Cancerologia, no Hospital A.C. Camargo (SP). O trabalho, elaborado em conjunto com o médico Dr. Massakazu Kato, tratava do tema “Aspectos Epidemiológicos do Câncer de Cólon e Reto”. Foi a primeira vez que um estudo científico do HEG tinha este destaque na famosa instituição de saúde de São Paulo.

Recém-formado pela Universidade Federal do Paraná (1988), Dr. Luiz Antonio iniciou o Curso de Especialização em Cirurgia Oncológica no Erasto Gaertner e passou a participar ativamente nas atividades do hospital. Já como residente, ganhou o prêmio “Jorge Fairbanks Barbosa”, concedido pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

Com sua vocação para agregar pessoas e formar equipes, em janeiro de 1992 foi nomeado responsável pelas unidades de internamento das Alas B e D. Naquele tempo, as alas, a UTI e o Centro Cirúrgico tinham um médico responsável e funcionavam de maneira autônoma. A partir dali, Dr. Luiz Antonio iniciou a reestruturação do setor, que era o único a contar com profissionais uniformizados.

Uma das marcas do oncologista sempre foi dar o seu melhor e a sua contribuição para a entidade, cujos pacientes, por vezes, sofriam as consequências de um tratamento agressivo contra o câncer. Pensando na dificuldade dos pacientes ostomizados ele criou, em 1933, o GIME (Grupo de Interesse Multidisciplinar em Estomaterapia), formado por profissionais das mais diversas especialidades. Dois anos mais tarde, lançou um vídeo de orientação, especialmente direcionado a estes pacientes, chamado “Alimentação para os Ostomizados”, envolvendo o setor de Nutrição. Também vale destacar que foi responsável pela organização do 1º Seminário de Estomaterapia, em setembro de 1994.

Já em julho de 1994, Negrão Dias assumiu a presidência da CCIH (Comissão de Controle de Infecção Hospitalar), incentivando a realização do 1º Encontro Nacional das CCIHs dos Hospitais de Câncer, por entender a necessidade da união dessas comissões para discutir suas dificuldades e resultados. Com personalidade competitiva, Dr. Luiz Antonio Negrão Dias já lapidava o espírito para a tarefa que iria empreender. Para tal, investiu na sua formação profissional, concluindo, em 1999, o Mestrado pela Universidade de São Paulo (USP). Naquele tempo, o futuro da instituição já aninhava a alma do médico. Em uma entrevista para o informativo interno, logo após concluir o mestrado, afirmou: & ldquo;Pessoalmente, acredito que o futuro da Liga Paranaense de Combate ao Câncer, envolvendo as unidades do Hospital Erasto Gaertner e Centro de Projetos de Ensino e Pesquisa, poderá oferecer cursos de pós-graduação em Oncologia e por isso registramos mais esse motivo para que profissionais façam seus cursos de mestrado”. Esta frase mais tarde viria a se concretizar, com a profusão de especializações, novas residências e cursos de pós-graduação criadas pela entidade.

Luiz Antonio Negrão Dias participou, ainda, de momentos marcantes na história do Hospital Erasto Gaertner, como a modernização da instituição do ponto de vista administrativo. A consolidação disso aconteceu em 2003, quando foi aprovado o novo estatuto da instituição, bem como um novo Conselho de Administração e Fiscal, que exigia a eleição de seus membros. Nessa mesma ocasião, foi elaborado um cronograma, dando as diretrizes básicas da moderna Liga Paranaense de Combate ao Câncer.

O médico foi também superintendente do Erasto Gaertner entre 2003 e 2006. Sua gestão foi marcada pela modernização e profissionalização da instituição, sem deixar de fortalecer a identidade do HEG como referência na área e também a missão que representa os valores do hospital até os dias de hoje: de combater o câncer com humanismo, ciência e afeto.

Atualmente, Negrão é presidente do Conselho de Administração da LPCC, além de membro titular do Serviço de Cirurgia Abdominal do Hospital Erasto Gaertner. Destaca-se, além disso, por sua atuação na área acadêmica, com muitos trabalhos publicados e participações em eventos nacionais e internacionais. É professor responsável pela disciplina de Oncologia do Curso de Medicina da Universidade Positivo, professor de pós-graduação na Universidade Positivo e Tuiuti do Paraná. É membro do Consinca (Conselho Consultivo do Inca – Instituto Nacional do Câncer). Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia e já ocupou o cargo de vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncol ógica. Também foi presidente do XVIII Congresso Brasileiro de Cancerologia.