Ao lançar ontem o Plano Safra 2014/2015, que prevê R$ 156,1 bilhões em recursos para custeio, comercialização e programas de investimento, a presidenta Dilma Rousseff disse que o governo vai garantir recursos adicionais para o setor caso a demanda supere o valor disponibilizado. Ela também explicou que a estratégia do país é ampliar a produção com base no aumento da produtividade mais que pela incorporação de novas áreas.
“Todas as medidas de estímulo ao investimento buscam dar sustentação a uma questão fundamental para o país, garantir a produtividade. Garantir que a produção aumente mais que a incorporação de novas áreas. Vamos dar sempre prioridade aos investimentos em favor do aumento dessa produtividade que se traduz em uma melhoria da competitividade para o Brasil em relação aos demais produtores de alimentos”, disse a presidenta.

Dilma ressaltou ainda que a safra brasileira manteve a tendência de crescimento, apesar dos contratempos climáticos em importantes áreas agrícolas do país.

Na cerimônia de lançamento do plano, o ministro da Agricultura, Neri Geller, disse que, na safra atual (2013/2014), também há expectativa de superação do volume de recursos anunciados pelo governo. Geller disse que, dos R$ 136 bilhões disponibilizados para a safra 2013/2014, R$ 127 bilhões já foram liberados aos produtores, em dez meses. “Se continuar nesse ritmo, podemos ultrapassar R$ 150 bilhões”, disse.

A presidenta lembrou ainda que este é o primeiro plano safra sob a vigência do Código Florestal. “Cumprindo as previsões do código, vamos garantir algo fundamental: o Brasil vai continuar na liderança do agronegócio internacional, vai continuar sendo um produtor de alimentos com grande liderança em várias áreas, mas, além disso, vai ter outro título, o de país produtor agropecuário que mais respeita o meio ambiente”.
Durante o discurso, Dilma falou sobre os desafios de logística do país para escoar a produção brasileira.