O Palacete dos Leões está expondo Pinturas Vazias – Paolo Ridolfi, com curadoria e texto de Mariana von Hartenthal, residente em Lisboa A mostra, abrindo o calendário  do Edital de Artes Visuais 2019-2020 do BRDE, pode ser vista até dia 23 deste mês. Residente em Maringá-PR, o artista vive entre telas e tintas há trinta anos em Maringá-PR, onde nasceu

Nesta inédita exposição, ele apresenta obras da série Pinturas Vazias, em que aprofunda a ideia de pintura pela pintura. “Tenho pensado em alguns aspectos físicos da pintura, tais como peso, tamanho, forma, pressão e sobre como a tinta e o suporte se relacionam, como um age sobre o outro. Interessa-me o campo que a pintura ocupa e ocuparia, o limite algumas vezes sutil desde a matéria até onde a energia que dela emana alcança”, explica.

Mariana von Hartenthal, doutora em história da arte, descreve: “As Pinturas Vazias aqui reunidas são invólucros, envelopes e pacotes, embrulhos vazios significados pelo olhar que sempre procura – e fabrica – sentido para o que vê. Uma caixa envolvendo um frágil quadro de madeira funciona como uma analogia incompleta da tela que, feita em plástico transparente, não recebe tinta e guarda o chassis que deveria sustentá-la, em um questionamento da ideia de estrutura que une as Vazias.

Pedaços da lona utilizada na confecção da tela de pintura, cobertos por camadas de tinta, são soldados ou colados para criar invólucros densos de conteúdo inacessível. Outra caixa transparente envolve um embrulho confeccionado em papel alumínio, moldado de forma a replicar o padrão bico-de-jaca que Paolo Ridolfi frequentemente utiliza.

Um invólucro contendo outro, a caixa de acabamento polido e uniforme parece querer alinhar o pacote irregular em seu interior. Outra caixa, esta de cobre, marcada como se o artista a houvesse martelado na intenção frustrada de abrir à força um pacote precioso, está prestes a se desfazer.

Deformação e desintegração afligem várias das Vazias: formas saem do esquadro, escorrem de si mesmas, tornam-se flácidas. Desafiando a utopia de um mundo harmonicamente organizado tão cara ao abstracionismo geométrico, sugerem um equilíbrio precário, como no pacote de lona branca que escorre da moldura de cobre que insiste em estruturá-lo”.

Visitação: até 23 de agosto, de terça a sexta, das 12h30 às 18h30, no Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões (Av. João Gualberto, 570 – Alto da Glória). Entrada gratuita