Ora, pois, como as coisas mudam. O ministro Sérgio Moro é, hoje, a grande pedra no sapato do presidente Jair Bolsonaro. E vice-versa: Moro tem de aguentar Bolsonaro e está aguentando a chance de protagonizar alguma mudança nesse cenário. Agora, há quem aposte que Bolsonaro vai deslocar para o front contra Moro seus filhos. É uma conhecida manobra, só que num embate de Carlos Bolsonaro contra Moro, por exemplo, o filho do Chefe do Governo acabaria ridicularizado. Mais: novas manifestações de rua no próximo dia 25 serão em apoio a Moro, à Lava Jato e ao pacote anticrime – e contra ministros do Supremo.

A hipótese de afastar Sérgio Moro de seu ministério seria mais complicado para Bolsonaro. O ex-juiz poderia fazer, de fora, todas as críticas que não pode fazer enquanto dentro, das ações (e falações) presidenciais. E, quase que naturalmente Moro poderia se transformar no maior rival da campanha de reeleição do Chefe do Governo. Até hoje, em quaisquer pesquisas, o nome de Sérgio Moro sempre aparece em primeiro lugar numa corrida à Presidência.

Lula solto dia 27?

A Segunda Turma do STF se reúne para analisar pedido da defesa para suspender, na primeira instância, ação em que é acusado de receber R$ 12,5 milhões da Odebrecht, na forma de um imóvel para sediar seu instituto e um apartamento vizinho à sua residência em São Bernardo do Campo. A aposta em Brasília é que os ministros aproveitarão a oportunidade para soltar Lula.

Clima pesado

Ainda não se desanuviou o clima político na Assembleia Legislativa. O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa, deputado Tadeu Veneri , retirou-se da sessão em homenagem à ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, que recebeu o título de Cidadã Benemérita do Paraná. “O fascismo não se homenageia. O fascismo se combate”, disse Veneri.

Não participa

Tadeu Veneri disse à ministra que não se sentia à vontade em participar de uma sessão em que se homenageia a representante de um governo que tem uma concepção de direitos humanos muito diferente daquela que acredita. Veneri votou contra a proposta de concessão do título à Damares por entender que as ações deste governo na área de direitos humanos não podem ser respaldadas por uma sociedade democrática.

Lava Jato prorrogada

A Procuradora-Geral da República Raquel Dodge prorrogou a força-tarefa da Operação Lava Jato por mais um ano. A portaria que oficializa a medida será publicada nesta terça-feira 13, e será posteriormente submetida à aprovação do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF). As informações são da Veja.

Pedágio mais barato

A força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná informou, nesta segunda-feira (12), que fechou acordo de leniência com a Ecorodovias S.A., controladora das concessionárias Ecovia e Ecocataratas. As empresas são responsáveis por trechos da BR-277, tanto na ligação de Curitiba com o Litoral do Paraná, como entre Guarapuava e Foz do Iguaçu.

Reajuste do Bolsa Família

O governo federal precisa adotar medidas urgentes para diminuir a desigualdade de renda do país, que sobe desde 2014, como efeito da crise e do desemprego, defende o deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PSB). “O governo precisa focar em políticas públicas que colaborem para a redução da pobreza e da desigualdade”, disse Romanelli.

Justiça social

“Isso não só uma questão de justiça social, mas uma forma de estimular a economia, sob pena de termos novamente uma década perdida no combate à desigualdade, como ocorreu anos 80, após o fracasso do Plano Cruzado, quando houve inflação e desigualdade em taxas recordes”, completa o deputado.

Itaipu tem recorde

Itaipu, além de ser a usina que mais gera energia no mundo, acaba de registrar também a sua mais alta taxa de produtividade – a relação direta entre a produção de energia e a água que passa pelas turbinas. Nunca a hidrelétrica aproveitou tão bem a água disponível em seu reservatório como em julho de 2019, quando atingiu a melhor produtividade em toda a sua história, num só mês, com 1,100 mil megawatts médios por metro cúbico de água por segundo (MWmed/m³/s). O recorde anterior, de 1,098 MWmed/m³/s, era de julho de 2018.

Frota é expulso do PSL

O PSL decidiu expulsar o deputado Alexandre Frota (SP) da legenda. Eleito na onda do bolsonarismo para o primeiro mandato, com 156 mil votos, Frota não tem poupado críticas ao presidente Jair Bolsonaro.  “A decisão foi pela desfiliação do deputado”, afirmou o presidente da legenda, Luciano Bivar (PE). Segundo ele, Frota foi enquadrado em artigo do regimento que fala sobre desalinhamento partidário. Segundo Bivar, a expulsão está relacionada às declarações do deputado sobre o presidente Bolsonaro e sobre seus correligionários, e não a seu voto na reforma da Previdência.

Pirâmide financeira é  crime

A realização de fraudes com sistema de pirâmide financeira poderá ser incluída como crime no Código Penal. É o que prevê o Projeto de Lei 4.233/2019, em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Pirâmides financeiras são um tipo de crime de estelionato baseado em um esquema que depende do recrutamento progressivo de outras pessoas para o negócio, até atingir um nível insustentável em que a entrada de novos recursos não consegue mais alimentar a pirâmide. Assim, muitas pessoas são enganadas com a promessa de altos rendimentos conquistados de modo fácil.

Ainda a nomeação

O Ministério Público Federal no Distrito Federal ajuizou ação civil pública para que a União seja obrigada a observar uma série de critérios em indicações a cargos de embaixador que recaiam em escolhidos de fora da carreira diplomática. A ação, distribuída para a 16.ª Vara Federal em Brasília, se dá em meio à possível indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, à Embaixada do Brasil nos EUA. A Procuradoria pediu ainda que o governo seja obrigado a revogar ou sustar trâmites praticados ‘em desconformidade com tais determinações’.

Contratos auditados

Indicação à Prefeitura de Curitiba, aprovada pelos vereadores da capital nesta segunda-feira (12), propõe a auditoria de todos os contratos de locação da administração municipal, direta ou indireta, firmados desde 2005. Caso sejam detectadas irregularidades, o autor da sugestão, Professor Euler (PSD), sugere ainda que o Executivo apresente ações de ressarcimento, com urgência. “O dano ao erário é imprescritível”, alegou.

Protocolado

Segundo Euler, a indicação foi protocolada na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) após resposta a pedido de informações de sua iniciativa, de que o gasto mensal com contratos de locação chega a R$ 2 milhões. Ele questionou os valores pagos pelo aluguel da sede da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab-CT), localizada na rua Barão do Rio Branco, número 45 – contrato revisto pela atual gestão, em 2017.

Obras para municípios

O deputado Romanelli (PSB) acompanhou nesta segunda-feira, 12, a apresentação dos detalhes do Plano Mais Cidades que prevê investimentos que podem chegar a R$ 162 milhões em obras e equipamentos em todos os municípios do Paraná. “São recursos que fazem parte das sobras do orçamento anual da Assembleia Legislativa devolvidos ao Estado e aplicados em obras, compras de equipamentos, entre outros projetos e programas nas cidades paranaenses”, disse Romanelli.

Amigo de infância

Depois que usou a caneta para acabar com os problemas do senador Flávio Bolsonaro, o presidente do Supremo, Dias Toffoli, virou “amigo de infância” do Chefe do Governo. Falam-se diariamente e Toffoli é convidado para a maioria das ações públicas de Bolsonaro. O presidente já chegou a dizer, em rodas íntimas: “Toffoli é dos nossos!”.

Para guardar

Frases dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff (não há quem esqueça “a meta da meta”) foram colecionadas e viraram parte de almanaques de curiosidades, se é que se pode falar assim. Em oito meses, Jair Bolsonaro é recordista dessas falas. A última foi remetida quando a conversa era sobre meio ambiente: “É só você deixar de comer um pouquinho. Você fala para mim de poluição ambiental. E só fazer coco, dia sim, dia não, que melhora bastante a nossa vida também”.

Discussão

O mais surpreendente dessa inusitada fala é que, nos dias seguintes, surgiram discussões sérias sobre o “dia sim, dia não” e suas consequências. Até médicos entraram na dança para opinarem sobre o funcionamento intestinal e suas complicações. Os bolsonaristas mais fanáticos, por outro lado, já estariam fazendo experiencias para demonstrar seu apoio às recomendações presidenciais.

Outro

Um dia depois, o mesmo Bolsonaro resolveu atirar contra jornalistas, o que não chega a ser novidade. Há, contudo, nas entrelinhas até mesmo uma recomendação macabra contra excesso desses profissionais: “Querem tirar o “excesso” do Código Penal. Afinal atirar num bandido duas ou mais vezes dever ser motivo de comemoração (sinal que o policial está vivo) e não de condenação. Já os excessos dos jornalistas…”.

Onde está?

Há quem diga que não interessa mais onde está Queiroz. A nova pergunta é “Queiroz está vivo?”. A polícia do Rio tem que responder essa questão e explicar como é que um homem sob investigação consegue permanecer desaparecido por tanto tempo.

Armas-escudo

Na recente Marcha para Jesus, em Brasília, o presidente Bolsonaro apareceu, em meio a grande multidão, usando colete à prova de balas e cercado por seguranças que ostentavam as famosas armas-escudo. São espécies de escudos, em forma de grandes pastas, que os homens de segurança ficam colocando em volta de Bolsonaro.

Na ONU

Até mesmo em rodas mais próximas de Bolsonaro, no Planalto, o discurso que Bolsonaro fará, em setembro, na abertura da Assembleia Geral da ONU, desperta preocupação. O Chefe do Governo já avisou que ele mesmo está providenciando a fala e assessores poderão ajudá-lo depois de pronto. Novas citações à ditadura militar que ele certamente fará poderão ter repercussões muito negativa ao país.

Apostas

A Globo faz apostas – e que podem não dar certo – em mudanças de apresentadores: Maria Julia (Maju) Coutinho, sozinha, no comando do Jornal Hoje, é um risco; Sandra Annenberg ao lado de Glória Maria no Globo Repórter é um desperdício (só vale se fazer as mesmas viagens que Glória Maria); Sérgio Chapellin fará muita falta pela postura e aval nas informações. Um avanço politicamente correto: duas negras em posições-chave.

Não fará falta

Para entusiastas das “garotas do tempo”, a saída de Maju Coutinho do Jornal Nacional e outros noticiosos reafirmará Eliana Marques no posto. O estilo de Maju foi divertido apenas durante um tempo, incluindo algumas novidades sobre manifestações do tempo.

Somos trouxas

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) está revoltada com algumas notícias sobre o Brasil. Em seu Twitter afirmou que está com “nojo de tudo isso”. “Cansada de tanta safadeza, eu fiz um discurso na Assembleia, dizendo que ‘temos cara de trouxas’, mas não somos trouxas. Depois de ler a matéria de capa da Crusoé, concluo que talvez sejamos trouxas mesmo. É uma vergonha! Dá uma revolta imensa!”.

Novo partido

O senador Jorge Kajuru, que havia se desfilado do PSB dia 2 de julho, afirmando que poderia ficar um tempo sem partido acaba de se filiar a uma nova sigla. Kajuru agora pertence ao Patriotas, optando pela agremiação por causa de Jorcelino Braga, ex-companheiro parlamentar do antigo PRP, que está na sigla.  “Volto pelo Braga, pois não aceito partido que exige votar por mim e ainda quer que eu seja inimigo do presidente Bolsonaro”.

Outro João

O marqueteiro João Santana, responsável pelas campanhas presidenciais do PT em 2006, 2010 e 2014, vive em regime semiaberto desde abril e só poderá voltar a atuar em marketing político a partir de outubro de 2020. Enquanto isso, com colossal cabeleira black e barba comprida, estilo profeta, decidiu cantar. Vai atuar como backing vocal num álbum que está sendo produzido em São Paulo. Em julho, com autorização judicial, saiu de Camaçari ao lado da mulher Mônica, também vivendo em regime semiaberto, para tocar o projeto num estúdio em São Paulo, com parceiros, amigos dos tempos (1970) no grupo Bendegó.

Cardápio amargo

Na semana passada, Davi Alcolumbre, presidente do Senado, reuniu num almoço o presidente da Câmara, Rodrigo Maia e o ministro da Economia, Paulo Guedes, para ver se conseguiam acabar com suas mágoas. A conversas foi bem até certo tempo, esquentou quase a mesa virou e ficou mais suave na sobremesa. Só que nem todas as mágoas foram passadas a limpo.

Sem reservas

Para quem gosta de número: em junho de 2019, o BC carregava um estoque de dívida externa (pública e privada) no valor de US$ 868,1 bilhões (deveres monetários do BC em moedas estrangeiras). Em junho também, o salto de caixa em moedas estrangeiras em poder do BC era de US$ 388,1 bilhões (haveres monetários do BC em moedas estrangeiras). O BC tinha um saldo devedor em moedas estrangeiras correspondentes a US$ 298,0 bilhões.

Elegância

O presidente Jair Bolsonaro agora trata jornalista que faz perguntas mais explícitas como “mané”.

Novela

A avó da primeira-dama Michele Bolsonaro na fila de esperar num corredor do Hospital Regional de Ceilândia, aguardando sua vez de ser atendida depois de dois dias (só foi transferida depois e operada da bacia por ação da Folha de S.Paulo) e aguardando uma cirurgia na perna direita há cinco anos, virou uma novela e ganhou espaço até na imprensa mundial. Maria Aparecida Firmo Ferreira, 78 anos, mora na favela Sol Nascente, tem movimentação limitada e depende até de terceiros para sua higiene pessoal.

Toma lá, dá cá

Certamente não tem nada a ver com esquema “toma lá, dá cá”, sempre usado entre Executivo e Legislativo, que Bolsonaro garante não existir em seu governo: alguns senadores, que deverão no futuro sabatinar Eduardo Bolsonaro para a embaixada brasileira em Washington, estão sendo brindados por gente do Planalto que lhes oferece cargos de segundo e terceiro escalão. Deve ser coincidência.

Ameaça mundial

Matéria do The New Republic (depois do The Guardian, El País e Economist) sobre o Brasil e o desmatamento acelerado na Amazônia, acaba por considerar o país “uma ameaça maior do que o Irã ou a China”.

Mais amostras

Ainda o “toma lá, dá cá”: na mesa do general Luiz Eduardo Ramos, da Secretária do Governo, repousam indicações do DEM, do PP e do MDB para Iphan, que está longe de figurar entre as mercadorias mais cobiçadas da prateleira.

Esquenta

O senador Nelson Trad (PSD-MS) acredita que pode existir algum empate na aprovação do nome de Eduardo Bolsonaro para a embaixada de Washington. Mas garante que Eduardo poderá surpreender na sabatina. “O preparo é fundamental. Estive com Eduardo e ele me pareceu muito determinado, disse que estava assistindo a outras sabatinas”.

Tem que melhorar

Ainda sobre a indicação de Eduardo para a embaixada: o possível relator da indicação, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) mandou avisar que, se o governo quer a aprovação do nome de Eduardo para a embaixada de Washington, a relação entre o Senado e o Executivo tem que melhor. Senadores reclamam do tratamento que recebem dos ministros e assessores. “Há muita reclamação dos senadores. Existe uma dificuldade enorme de ministros e assessores para receber os senadores. Essa relação já devia ter melhorado antes para facilitar a vida do presidente”.

A terceira

O presidente Jair Bolsonaro nomeou o professor Janir Alves Soares, o novo reitor da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. É a terceira indicação que o Chefe do Governo faz indo contra a escolha da maioria.

Mais cobrado

Eduardo Bolsonaro, resolveu se manifestar sobre a indicação do seu nome para a embaixada de Washington. “Irei para os Estados Unidos sabendo da responsabilidade. Sabendo que eu serei, provavelmente, o embaixador mais cobrado do mundo”.

Subindo tom

O ex-presidente Lula não gostou de saber que Eike Batista conseguiu habeas corpus depois de pouco mais de 48 horas de sua prisão cobrou uma posição mais firme de seus advogados. E um subiu o tom avisando que o ex-bilionário havia sido condenado somente em primeira instância.

Degenerado

O vereador Gilberto Natalini (PV-SP), que foi torturado com choques (perdeu metade da audição) na ditadura militar pelo famoso Coronel Brilhante Ustra, ficou mais do que indignado com o almoço dado, em caráter oficial, à viúva dele, por Bolsonaro, no Planalto. E não deixou por menos: “Quem defende tortura, como Bolsonaro, é louco degenerado ou não pertence mais à espécie humana. Ustra era o terror, o cara da bestialidade”.

Só no Brasil

Alexandre Nardoni, condenado a 30 anos de prisão pelo assassinato da própria filha Isabella, em 2008, deixou a penitenciaria do Tremembé para uma saidinha do Dia dos Pais. Está em regime semiaberto e sem escolta para encontrar Carolina Jatobá, também cumprindo pena de 35 anos em regime semiaberto desde 2017.

Retrato

É o Brasil: são 725 mil encarcerados num sistema com menos de 370 mil vagas. 11% foram condenados por assassinato e mais 1/4 e 2/3 por drogas. 290 mil são presos provisórios e 37% serão absolvidos ou condenados a penas alternativas. Cada preso custa R$ 2.400 por mês para o bolso do contribuinte, incluindo famílias das vítimas.

Novo livro

Frei Betto acaba de lançar seu 67º livro. Chama-se Minha avó e seus mistérios e traz 56 histórias curtas, algumas curtíssimas. São pérolas de Dona Zilma. Algumas delas: “A velhice começa pelas pernas. Toda existência é um caminho constante”; “Evite quem destrói sonhos. Esse tipo de gente tem medo do futuro”; “O melhor da velhice é não ter morrido jovem”.

Para inglês ver

O presidente da CUT, Vagner Freitas e da Força Sindical, Miguel Torres, ainda não decidiram se vão ou não participar da série de audiências entre líderes sindicais e senadores, esta semana. O objeto da conversa, a reforma da Previdência, já são favas contadas. Freitas e Torres sabem que iriam ao Senado apenas cumprir tabela, no estilo “só para inglês ver”. E nesse contexto, melhor seria a ausência dos encontros: passaria a ter algum simbolismo.

Agora, Ecad

Mesmo sendo entidade privada, o governo Bolsonaro decidiu investigar o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição – Ecad que, no ano passado, faturou mais de R$ 100 milhões a título de comissão de 10% sobre R$ 1,1 bilhão arrecadados. O Ecad diz que os quase R$ 100 milhões são para “despesas operacionais e administrativas” e que 85% da arrecadação (R$ 971 milhões em 2018) são de “direito autorais”. Detalhe: o Ecad cobra e não admite contestação.

O que é?

Quase um quarto da população brasileira não sabe como funciona o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS. Levantamento da Paraná Pesquisas revela que 24,7% do total de entrevistados admitiram não saber nem para que serve o FGTS.

Frases

    “A sensação que dá é que o governo está vendendo almoço para comprar o jantar.”

Bruno Dantas, ministro do TCU.