Os partidos deflagraram no Senado a corrida por cargos na Mesa Diretora da Casa Legislativa e nas comissões permanentes.

Os partidos deflagraram no Senado a corrida por cargos na Mesa Diretora da Casa Legislativa e nas comissões permanentes. Além da disputa pela presidência da Câmara e do Senado, os parlamentares lutam por indicações em cargos estratégicos que possam beneficiar as legendas nos próximos dois anos.

No Senado, o PSDB negocia cargos em troca do apoio do partido aos senadores Tião Viana (PT-AC) ou José Sarney (PMDB-AP). Os tucanos estão dispostos a definir o voto da bancada de acordo com a oferta do candidato, mas reivindicam a primeira-vice presidência do Senado e as presidências da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) e a CRE (Comissão de Relações Exteriores).

O partido pretende indicar o senador Marconi Perillo (PSDB-GO) para a 1ª vice-presidência, enquanto os senadores Tasso Jeiressati (PSDB-CE) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG) ficariam, respectivamente, com as presidências da CAE e da CRE.

O DEM, por sua vez, não está disposto a abrir mão da presidência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a mais cobiçada da Casa, que atualmente está com o senador Marco Maciel (DEM-PE). A presidência da CCJ, no entanto, foi prometida pelo PMDB ao senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), que deixou a disputa pela presidência da Casa em favor de Sarney.

O PMDB já admite ceder a presidência da CCJ em troca do apoio da bancada do DEM a Sarney. A estratégia do peemedebistas, para acomodar Garibaldi, será ceder a presidência da Comissão de Infraestrutura da Casa, responsável por analisar obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

O DEM ficaria, além da presidência da CCJ, com a 1ª secretaria do Senado –cargo atualmente ocupado pelo senador Efraim Morais (DEM-PB). O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) briga pelo comando da 1ª. secretaria, embora Efraim já tenha sinalizado que gostaria de permanecer no cargo.

Além da Comissão de Infra-Estrutura, o PMDB também reivindica a presidência da Comissão de Ciência e Tecnologia –já que na Mesa Diretora o único cargo que lhe resta além da presidência é a segunda secretaria da Casa Legislativa. Na eventual vitória de Sarney, o PT deve ficar com a presidência da CAS (Comissão de Assuntos Sociais) e da Comissão de Direitos Humanos.