O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) voltou a criticar os acordos de leniência feitos entre o Ministério Público Federal e as concessionárias do pedágio. Na última quinta-feira, 19, a Justiça homologou o acordo de leniência entre Ecorodovias (Ecovia e Ecocataratas) e a Lava Jato. A empresa vai devolver R$ 400 milhões – R$ 370 milhões a título de reparação de danos e R$ 30 milhões de multa.

“Reafirmo que falta transparência aos acordos de leniência. A Ecorodovias passou 19 anos lesando os usuários de rodovias e pagará R$ 400 milhões, entre multa e reparação de danos e baixará a tarifa do pedágio em 30% dentro de um prazo de 30 dias. Convenhamos que é muito pouco, diante do valor desviado”, afirmou.

Romanelli também questiona o valor previsto para a retomada de obras suprimidas. “Dos R$ 370 milhões pagos a título de reparação de danos, R$ 220 milhões serão usados para cobrir a redução de 30% na tarifa cobrada nas praças de pedágio e somente R$ 150 milhões serão destinados à execução de obras nas estradas administradas pela empresa”, criticou.

Sem obras

O deputado Romanelli considera que os prazos definidos pelo acordo inviabilizam a realização das obras. “O MPF foi generoso com as concessionárias. Dá um prazo de 90 dias para que as empresas apresentem proposta das obras consideradas prioritárias. E dá 210 dias, ou sete meses, para que apresentem projeto executivo com cronograma de execução. Dificilmente essas obras serão executadas até o fim do contrato, em 2021”, ponderou. O parlamentar também questiona que os acordos de leniência permitem que as concessionárias participem de futuras licitações dos 4,1 mil quilômetros de rodovias federais e estaduais no novo modelo de pedágio no Paraná.

Brincadeira?

“As concessionárias colocam uma placa nas rodovias afirmando que praticaram corrupção, mas se arrependeram, pagarão uma multa, farão algumas obras se der tempo, a tarifa é reduzida por um tempo determinado e elas estarão livres para participar da nova licitação. É um acordo que desrespeita o povo paranaense”, afirma.

Renan 7 x 2 Deltan

Pedido do senador emedebista está para a abertura de processo disciplinar contra procurador da Lava Jato foi acolhido por 7 integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público, e rejeitado por outros dois; julgamento na tarde desta terça, 24, foi suspenso por pedido de vista do presidente do colegiado, Alcides Martins.

 

O presidente Jair Bolsonaro abriu a Assembleia-Geral das Nações Unidas nesta terça-feira, 24, com um discurso em que fez ataques a países como Cuba e Venezuela, ao socialismo e a organizações não governamentais. Fez elogios aos governos dos Estados Unidos e Israel. Confira, abaixo, a íntegra do discurso, com a contextualização dos fatos relacionados aos pontos citados pelo presidente: “Senhor presidente da Assembleia Geral, Tijjani Muhammad-Bande, senhor secretário-geral da ONU, António Guterres, chefes de estado, de governo e de delegação, senhoras e senhores,  Apresento aos senhores um novo Brasil, que ressurge depois de estar à beira do socialismo. Um Brasil que está sendo reconstruído a partir dos anseios e dos ideais de seu povo.

Sala dividida

Na CUT do Paraná, uma modesta sala é dividida por dois ex-tesoureiros do PT: de um lado, Delúbio Soares; de outro, o recém-chegado João Vaccari Neto. Os dois usam tornozeleiras e recebem mensalmente R$ 4,5 mil de salário. Vaccari é aposentado como bancário. Delúbio passou a dar expediente lá depois que deixou a prisão (foi condenado por lavagem de dinheiro) e Vaccari foi beneficiado por um indulto natalino e recebeu o perdão por um processo no qual foi condenado a 24 anos de prisão por intermediação de propinas.

Outras 12 ações

Vaccari Neto ainda pode voltar à prisão. Responde a outras 12 ações penais nas justiças do Paraná, São Paulo e Distrito Federal. Tem ainda mais duas condenações por corrupção passiva, confirmadas no TRF-4 que somam 13 anos e quatro meses. A mais recente, de seis anos e quatro meses, já foi mantida pelos desembargadores e está em grau de recurso. Ele teve de fixar residência em Curitiba (mora na casa de um tio) e sua mulher mora em São Paulo, com filha e dois netos. Vaccari e Delúbio sonham em voltar à militância – ou mais que isso.

Confiando no mundo

No meu governo, o Brasil vem trabalhando para reconquistar a confiança do mundo, diminuindo o desemprego, a violência e o risco para os negócios, por meio da desburocratização, da desregulamentação e, em especial, pelo exemplo.

Muito próximo

Meu país esteve muito próximo do socialismo, o que nos colocou numa situação de corrupção generalizada, grave recessão econômica, altas taxas de criminalidade e de ataques ininterruptos aos valores familiares e religiosos que formam nossas tradições. Em 2013, um acordo entre o governo petista e a ditadura cubana trouxe ao Brasil 10 mil médicos sem nenhuma comprovação profissional. Foram impedidos de trazer cônjuges e filhos, tiveram 75% de seus salários confiscados pelo regime e foram impedidos de usufruir de direitos fundamentais, como o de ir e vir.  Um verdadeiro trabalho escravo, acreditem… Respaldado por entidades de direitos humanos do Brasil e da ONU!

Deixaram o país

Antes mesmo de eu assumir o governo, quase 90% deles deixaram o Brasil, por ação unilateral do regime cubano. Os que decidiram ficar, se submeterão à qualificação médica para exercer sua profissão. Deste modo, nosso país deixou de contribuir com a ditadura cubana, não mais enviando para Havana 300 milhões de dólares todos os anos.

Pau no Mais Médicos

O presidente se referiu ao programa Mais Médicos, lançado em 2013, que contou com 14 mil médicos, dos quais 8 mil eram cubanos. Cuba decidiu encerrar a parceria pouco antes de Bolsonaro tomar posse, citando declarações “depreciativas e ameaçadoras” do presidente brasileiro.  A história nos mostra que, já nos anos 60, agentes cubanos foram enviados a diversos países para colabora com a implementação de ditaduras. Há poucas décadas tentaram mudar o regime brasileiro e de outros países da América Latina. Foram derrotados!  Civis e militares brasileiros foram mortos e outros tantos tiveram suas reputações destruídas, mas vencemos aquela guerra e resguardamos nossa liberdade.

 ‘Bolsonaro está delirando’

Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez rebateu o discurso de Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU nesta terça (24). “Eu rejeito categoricamente as calúnias de Bolsonaro sobre Cuba. Ele está delirando e anseia pelos tempos da ditadura militar. Ele deveria cuidar da corrupção de seu sistema de justiça, governo e família. É um campeão do aumento da desigualdade no Brasil”, disse Rodríguez.

 

Olho no mandato

O bloco “Muda Senado”, que anda assistindo Davi Alcolumbre e é considerado a melhor novidade da legislatura, quer aprovar PEC estabelecendo prazo de oito a dez anos para mandato de ministros do Supremo Tribunal Federal.

 

Entra na fila!

Viralizou na internet um vídeo mostrando o ex-senador Aloizio Mercadante, acompanhado de sua mulher, dizendo para uma funcionária de empresa área (tentava escapar da fila) no aeroporto de Lisboa: “Você sabe com quem está falando?”. E ela, “Sei e entre na fila!”. E o petista (filmado à distância por outro passageiro, por celular) engole o golpe da carteirinha e vai para o final da fila, sem pestanejar.

 

Despedida

Sérgio Chapelin, ex-âncora do Jornal Nacional, 78 anos, sem plásticas ou botox e um dos homens mais elegantes da TV, se despede na sexta-feira do programa Globo Repórter, que apresentou durante 23 anos com competência e elegância. A Globo achou que ele deve descansar – por ele, continuaria e agradaria mais os telespectadores. Será substituído por Gloria Maria e Sandra Annenberg.

 

Ele e outros

Bolsonaro falou sobre ambiente da ONU, dias depois em que milhões de pessoas em mais de 150 países foram às ruas (nos Estados Unidos, foram 800 atos) por conta da crise ambiental. Na ONU, o presidente brasileiro não repetiu o que disse em julho: “A questão ambiental só importa aos veganos que só comem vegetais”.

 

Desequilíbrio

Wilson Witzel, governador do Rio, lamentou a morte da menina Agatha sem fazer autocritica, absolveu os PMs por antecipação e disse que “a polícia age sempre na legitima defesa da sociedade”. E elogiou o pacote de Sérgio Moro, que amplia o excludente da ilicitude em favor dos policiais que matam em serviço. No mesmo dia, mais tarde, preocupado com os protestos contra a brutalidade da polícia, diante da TV, fingiu chorar: “Eu não sou um desalmado. Sou uma pessoa com sentimento”. Só anda acompanhado de seis seguranças.

 

Discurso

Megan Rapinoe, a bonita campeã dos Estados Unidos na Copa do Mundo da França, foi homenageada pela Fifa como “a melhor jogadora”. No discurso, aproveitou para defender as jogadoras do bloco LGBT nos campos. Ela vive, desde 2017, com a jogadora de basquete Sue Bird. Como na seleção brasileira, igualmente na americana o maior volume de jogadoras é composto por lésbicas.

 

Estilo Pilatos

O diretor da Funarte, Roberto Alvim, chamou Fernanda Montenegro, que completa 90 anos dentro de dias e que acaba de lançar sua biografia, de “sórdida” e “mentirosa”. A veterana atriz ganhou solidariedade nacional e até mesmo um pedido de desculpas na Funarte. Já o ministro Osmar Terra lavou as mãos, dizendo que não se posicionaria “por se tratar de uma opinião pessoal”.

 

Campanha

O ministro Paulo Guedes, da Economia, continua sua campanha pela adoção de tributo sobre movimentações financeiras. Reclama que “a bagunça virou baile funk, deram um tiro para cima e começou a correria no salão” porque Câmara e Senado criaram suas próprias propostas e disputaram o protagonismo sobre o tema, “inclusive com o Executivo”. Ele acha que o afastamento de Marcos Cintra “acalmou tudo”.

 

Trio de ouro

Douglas Tavolaro, CEO da futura CNN Brasil, quer colocar Reinaldo Gottino, Monalisa Perrone e William Waack como titulares do principal noticioso da emissora. Esses e outros poucos terão grandes salários, o que não será a tônica da CNN daqui que deverá ter 400 funcionários. Rubens Menin, da MRV e dono do canal, não quer criar imagem de super salários na corporação.

 

Risco

“Bolsonaro é um risco para a democracia”. Quem diz é o ex-juiz Baltazar Garçon que, quando magistrado da Central da Instrução de Instância Máxima na Espanha, em 1998, mandou prender Pinochet, revolucionando o Direito Internacional. Veio para um evento promovido pela OAB e pelo Instituto Vladimir Herzog.

 

Adiada

Agendado para ser votada ontem a reforma da Previdência na CCJ do Senado, foi adiada para a próxima terça, 1º de outubro. Segundo Davi Alcolumbre, a decisão foi tomada pelos líderes do Senado, que querem esperar a volta do presidente Jair Bolsonaro que está nos Estados Unidos.  É a segunda vez que a pauta é adiada.

 

“Louco”

Num trecho do livro que está sendo lançado pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot, o autor conta que foi chamado ao Palácio do Jaburu na época em que Michel Temer era vice-presidente. Ele teria pedido que arquivasse um processo contra Eduardo Cunha, chegando a dizer que o deputado “era louco e que poderia explodir a nação”. Em outro trecho, Janot lembra que Bolsonaro foi o único que elogiou Cunha no dia do impeachment de Dilma, como também elogiou Brilhante Ustra. O atual presidente disse: “O senhor entrou para história”.

 

Quem preparou

O discurso de Bolsonaro na ONU foi preparado com auxílio do ministro-chefe do GSI, Augusto Heleno e pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro. O chanceler Ernesto Araújo também estava lá, mas não abriu a boca, como procede com certa frequência.

 

Estratégia

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, tem usado para permanecer no posto a mesma estratégia que adotou no governo Temer: paparica a primeira-dama. Foi assim com Marcela Temer e tem sido assim com Michele Bolsonaro. No governo, qualquer cerimônia do Ministério do Desenvolvimento Social, ele chamava Marcela; agora, na Cidadania, ele repete a convocação com Michelle.

 

Melhorou

Muitos observadores apostam que melhorou a confiança de Bolsonaro em Onyx Lorenzoni e até mesmo no vice Hamilton Mourão, que estão seguindo, religiosamente, sua cartilha. Mas, já tem gente apostando no Planalto para ver quanto tempo dura.

 

Substituto

O nome do senador Eduardo Braga (MDB-AM) já andou no círculo político como possível substituto de Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), na liderança do governo no Senado. Só tem dois problemas: Bolsonaro não gosta muito da ideia e Braga não quer.

 

Não provam

Alcides Martins, presidente interino da PRG, disse em seu parecer enviado ao STF que seja negado o recurso da defesa de Lula que pede sua inocência, por causa das mensagens hackeadas entre Deltan Dallagnol e outros procuradores da Lava Jato. “No mesmo sentido, ainda que se admitisse a utilização, nestes autos, da ‘prova ilícita’ de que ora se trata, isso não beneficiaria Luiz Inácio Lula da Silva nos moldes pretendidos pelos impetrantes, e, tampouco, teria o efeito de lhe devolver a liberdade”.

 

Deve ser ouvido

O senador Eduardo Girão (Podemos-RS) um dos integrantes do grupo “Muda Senado” acredita que o STF não está ouvindo a sociedade é isso é muito ruim para o país. “O único lugar onde não pode faltar justiça é no Supremo. O Supremo não é investigado e se coloca acima dos outros Poderes”. Mais: conta que o grupo ainda não desistiu da CPI Lava Toga.

 

Outro objetivo

O senador Álvaro Dias disse que não existe conversa de seu partido, o Podemos, sobre a filiação de Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública. “Não existe isso. Se fôssemos articular politicamente com ele, nós dificultaríamos a vida dele dentro do governo. Os objetivos dele são outros, que eu imagino. Minha percepção é que o objetivo dele é retornar à Justiça na Corte maior. É o que ficou explicitado”. Sobre a possibilidade de Moro ser candidato a presidente em 2022, foi direto: “Tem de conversar com ele, porque nós não conversamos em respeito à condição dele de ministro da Justiça de um governo”.

 

Era outro

Quem vai a Buenos Aires hoje se surpreende com a revitalização da área onde está Puerto Madero, acrescentada agora com o novo hotel Alvear Icon e com o Faena Art Center. Quem se interessa em saber de onde vem o dinheiro que mantem a cidade tão dinâmica, responde que essa pujança toda foi impulsionada por Mauricio Macri. E não em seu período como presidente: como prefeito de Buenos Aires durante oito anos.

 

Quase parando

No começo do governo Bolsonaro, pesquisa qualitativa indicava que ele teria 24 meses para começar a gerar emprego e promover crescimento, sem trazer de volta a inflação. Já se passou um terço desse prazo e não há sinais entusiasmantes, as perspectivas são modestas e – nem chega a ser surpresa – a tensão entre Bolsonaro e Paulo Guedes, da Economia, começa a se manifestar. O presidente cobra, o ministro enrola e diz que “no quarto ano, estaremos em pleno voo”.

 

Nem pensar

A ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, conversou com dirigentes da Fiesp, tentando angariar apoios financeiro de empresários paulistas para programas sociais de sua Pasta. Ouviu de algumas reclamações da ideia de Paulo Guedes de colocar as mãos no orçamento do sistema S e também ouviu promessas que seus pedidos seriam estudados. Damares achou que será melhor esperar sentada.

 

Implosão

O ministro Paulo Guedes, da Economia, que batizou a pretensão do novo tributo da CPMF de “feio”, disse que a ideia do imposto foi mal interpretada, resultando, por enquanto, na implosão dele. “Nossa proposta estava praticamente pronta, nós íamos lançar e ela se ‘auto implodiu’ com o mal-entendido a respeito do imposto de transações. O nosso secretário sai, nós temos que reprogramar os cálculos todos”.

 

Reaproximação

A ex-senador Marta Suplicy está se reaproximando de seu antigo partido, o PT. Ela anda conversando bastante com a presidente da sigla, Gleisi Hoffmann. Só que garante que não tem interesse de se candidatar e que a aproximação é de amor à Pátria. As conversas giram em torno de seu apoio ao “Lula Livre”. “Temos que fazer uma frente e é a ela que estou me dedicando. Não estou em nenhum partido e não sou candidata a nada. Mas quero colaborar para que a gente possa fazer uma frente ampla como já tivemos no Brasil quando Carlos Lacerda se juntou a João Goulart e Juscelino. A primeira etapa é a eleição para a prefeitura de São Paulo. Temos que isolar o bolsonarismo. Será um aperitivo para 2022.”

 

Fé isenta

O Ministério Público do Rio está exigindo que Marcelo Crivella divulgue a relação dos templos religiosos isentos de pagamento de IPTU. O benefício está previsto em lei, mas o número de templos atingidos disparou nos últimos dois anos, sem exibição dos critérios adotados. Nesse período, mais de 420 templos foram incluídos no cadastro de imunidade e a relação não é nem mesmo divulgada no portal da transparência da prefeitura.

 

Mais popular

A artista mais popular do Brasil hoje é Marília Mendonça, a “rainha da sofrência”, segundo a Playax, que compila dados do streaming, rádios e redes sociais (venda de discos não entra), criando novo processo para classificar popularidade dos artistas. Em segundo lugar, Gustavo Lima, seguido de Zé Neto e Cristiano. Em sétimo, Anitta e em nono, Luan Santana.

 

Muito espaço

Os gabinetes dos ministros do Superior Tribunal de Justiça são imensos. Alguns medem quase 1.200 metros quadrados, nem tem o que colocar lá. É que foram previstos 66 ministros, quando projetaram o luxuoso prédio do STJ. Mas são apenas 33 que foram incorporando o espaço disponível.

Alvos de hackers

Divulgada uma lista de 84 pessoas que, segundo as investigações da Polícia Federal, foram alvos dos hackers que roubaram informações de procuradores da Lava Jato. Além dos nomes ligados à operação que já tiveram conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil – como Sergio Moro e Deltan Dallagnol – há três parlamentares do Paraná na lista: os deputados federais Gleisi Hoffmann (PT) e Felipe Francischini (PSL); e o deputado estadual Fernando Francischini (PSL).

Não consegue

A perícia da PF ainda não conseguiu detectar quais celulares foram de fato hackeados e quais não foram. A lista mostra que o celular de Gleisi sofre 7 tentativas de invasão, o de Felipe Francischini, 8, e o de seu pai, 9.

Modelo cívico-militar

Estados e municípios têm até sexta-feira (27) para manifestar interesse em aderir ao modelo de cívico-militar proposto pelo governo federal. A gestão híbrida compartilhada com civis e militares será implementada, em 2020, em 54 escolas. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), as escolas devem manifestar interesse junto à secretaria estadual de Educação. Serão selecionadas duas instituições de cada estado e do Distrito Federal.

Veto presidencial

O Congresso Nacional se reúne em sessão conjunta nesta terça-feira para votar o veto do presidente Jair Bolsonaro à franquia de bagagens, dentre outros projetos. A expectativa é que os parlamentares não derrubem o veto, depois de intensa mobilização das autoridades do setor da aviação civil, diante da promessa de que a medida vai ajudar a reduzir o preço das passagens.

Abuso de autoridade

Deputados e senadores vão analisar, nesta terça-feira, 24, os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei que pune o abuso de autoridade. Além disso, a sessão do Congresso Nacional convocada para as 15 horas deve votar um projeto que abre um crédito de R$ 3,042 bilhões no Orçamento e que facilita a liberação de emendas parlamentares.

Cida destaca

A ex-governadora do Paraná, Cida Borghetti, destacou, nesta terça-feira (29), o centenário do Hospital Pequeno Príncipe. Fundado em 1919 com o nome de Instituto de Higiene Infantil, o Pequeno Príncipe conta hoje com 370 leitos, sendo 68 de UTIs, atende 32 especialidades e realiza cerca de 22 mil cirurgias pediátricas por ano. Além de tratamentos de alta complexidade, como os oncológicos, hemodiálises e transplantes de medula óssea.

Semana literária

Curitiba e mais 23 cidades paranaenses recebem a 38ª edição da Semana Literária do Sesc. Com o tema central “Literatura: vozes para (re)criar o mundo”, a semana terá mesas-redondas, oficinas, apresentações, exibição de filmes, lançamentos e vendas de livros. Ao todo, serão 400 atividades. Além de Curitiba, a programação será realizada em Apucarana, Campo Mourão, Cascavel, Cornélio Procópio, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Guarapuava, Ivaiporã, Jacarezinho, Londrina, Marechal Cândido Rondon, Maringá, Matinhos, Medianeira, Paranaguá, Paranavaí, Pato Branco, Ponta Grossa, Rio Negro, São José dos Pinhais, Toledo, Umuarama e União da Vitória.

Frases

 “Vocês preferem a perversidade dos encargos trabalhista do que o imposto feio? O imposto sobre transação é feio, o outro é cruel. Você prefere o feio ou o cruel?”

Paulo Guedes, ministro da Economia,