Para todos

681

No próximo dia 19, a governadora Cida Borghetti entrega a Ordem do Pinheiro para 80 personalidades. Na lista dos agraciados estão a deputada eleita Joice Hasselmann (PSL), o senador Roberto Requião (MDB), os deputados Fernando Francischini (PSL) e Pedro Lupion (DEM) e os ministros Alexandre Baldy (Cidades), Osmar Terra (Desenvolvimento Social) e Valter Casimiro (Transportes).

Também serão homenageados o delegado da Polícia Federal, Maurício Valeixo; a coordenadora do Proncon, Claudia Silvano; a primeira-dama de Curitiba, Margarita Sansone; o coordenação nacional da Pastoral da Criança, Nelson Arns; a empresária Ana Amélia Filizola (RPC); os diretores da Itaipu Binacional, Marcos Stamm (brasileiro) e José Alberto Alderete Rodriguez (paraguaio); a presidente da Organização Mundial da Família (OMF), Deisi Noeli Weber Kusztra; o desembargador João Pedro Gebran Neto; a conselheira do Conselho Nacional da Justiça, Maria Tereza Uille Gomes; o médico e presidente da Fundação Araucária, Paulo Roberto Brofman e o servidor público, Yoshiaki Yamaguchi.

Ratinho fora

A empresa Solumedi, em Curitiba, foi alvo do Gaeco na operação que investiga esquema de propina entre médicos e empresários para furar a fila do SUS no Paraná. A empresa que realiza agendamento para atendimentos médicos teve a participação do grupo do apresentador Ratinho, que fez propaganda para ela, até julho, quando se desfez o vínculo societário. O próprio Gaeco esclarece que não há investigação contra Ratinho Jr ou seu pai.

Maracutaia

De acordo com as investigações do Ministério Público, “foram colhidos indícios de que os suspeitos estavam profissionalizando as práticas investigadas por meio da Solumedi, que buscava facilitar o agendamento de consultas e procedimentos médicos no setor privado, que, depois, ao que tudo indica, eram realizados e custeados pelo SUS”.

Pedágio na chincha

A praça de pedágio em Jacarezinho, no Norte Pioneiro, foi desativada na manhã de hoje após a Concessionária Econorte ser notificada pela Justiça Federal. As cancelas foram liberadas por volta das 10h. A empresa ainda baixou os valores das tarifas nas praças de Jataizinho e Sertaneja. Em 17 dias, essa foi a segunda determinação da Justiça Federal para desativar a praça de pedágio e reduzir as tarifas em 26,75%. A primeira determinação foi cumprida do dia 23 de novembro até quinta-feira (6), quando a liminar foi suspensa pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Patrimônio

A família Bolsonaro é dona de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões, a maioria em pontos valorizados do Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca. Eduardo foi aquele que apresentou maior evolução patrimonial, com crescimento de 432% entre 2014 e 2018. Ainda segundo a reportagem, todos apresentam curvas de bens em ascensão e vivem quase exclusivamente de seus salários, exceto Flávio que é também sócio de uma loja de chocolates.

Lula livre animado

O PT está a cavar todo tipo de evento para ver se consegue reanimar a militância. Hoje marcou ‘um ato’, seja lá o que isso signifique, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. A Fundação Perseu Abramo, braço teórico do partido, está promovendo uma conferência internacional em São Paulo hoje e amanhã. De presenças ilustres, para falar sobre ‘defesa da democracia’, Fernando Haddad, Dilma Rousseff e Gleisi Hoffmann.

Saia justa

Vai sobrar para José Queiroz, ex-motorista de Flávio Bolsonaro, a fatura dos cheques depositados na conta da futura primeira-dama. Sergio Moro conversou com o pessoal d’O Antagonista: “Sobre o relatório do Coaf sobre movimentação financeira atípica do Sr. Queiroz, o Sr. Presidente eleito já esclareceu a parte que lhe cabe no episódio. O restante dos fatos deve ser esclarecido pelas demais pessoas envolvidas, especialmente o ex-assessor, ou por apuração”.

Bolsonaro e a Receita

Outro aspecto do escândalo da semana passada sobre a grana que rolou de um lado pro potro entre ex-motorista e a família Bolsonaro, é aquele do leão do Imposto de Renda. Bolsonaro terá que se acertar com a Receita Federal por não ter declarado os R$ 40 mil recebidos do ex-assessor de seu filho, Fabrício José de Queiroz. O dinheiro, segundo ele, refere-se ao pagamento de um empréstimo e não foi declarado “porque foi se avolumando”.

Duas opções

Diante do imbróglio, o presidente eleito tem duas opções para resolver a pendência com o fisco. Uma delas é retificar sua declaração de Imposto de Renda, acrescentando o recebimento dos R$ 40 mil. Desta forma, ele não seria punido. A segunda seria esperar que a Receita entre em contato exigindo explicações. Se isso ocorrer, Bolsonaro terá que pagar o imposto e uma multa por conta da omissão.

Onyx sobre caixa 2

Onyx Lorenzoni estava na TV no início da madrugada de hoje a responder perguntas no programa Canal Livre, da Band. Foi questionado sobre o caso de caixa 2 que recebeu, respondeu que o mais importante para ele é se “resolver com Deus”, mostrou a tatuagem, a dizer que depois que marcou o braço com a frase bíblica, se sentiu em paz: “Aqui está o João 8:32: ‘A verdade vos libertará’. Isso é para me lembrar do dia que eu errei. Isso é para mim,

 

Escola militar para ministro

O futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, frequentou na semana passada um cursinho no Exército. O lance levou o pomposo nome de media training, mas em bom português trata-se de aprender como responder questionamentos feitos pela imprensa.

Munição da grossa

No santinho de campanha que Ricardo Salles, o próximo ministro do Meio Ambiente, distribuiu para tentar se eleger deputado federal em 2018, ele associou seu número de candidato ao da munição calibre 30-06. Sua munição era contra, entre outros, a ‘praga do javali’, o que ele deverá arrumar meios para tratar em seu ministério.

Meio Ambiente

O advogado Ricardo Salles será o ministro do Meio Ambiente. Os ruralistas gostaram; os ambientalistas, não. Salles tentou ser deputado estadual em 2010 pelo PP de São Paulo, não conseguiu. Candidatou-se em 2018 a deputado federal pelo Novo, também não rolou. Ele é um dos criadores do Movimento Endireita Brasil; foi diretor da Sociedade Rural Brasileira, entidade em permanente atrito com os círculos ambientalistas; foi secretário do Meio Ambiente do governo Alckmin e é réu na Justiça por alterações no plano de manejo de área de proteção do Rio Tietê.

Novos prefeitos

Eleitores de três municípios do Paraná – Congonhinhas, Japira e Rancho Alegre – , no Norte Pioneiro, voltaram às urnas neste domingo (9) para escolher novos prefeitos. A votação fora de época deu-se por problemas distintos com os eleitos em 2016, envolvendo morte e abuso de poder econômico. De acordo com o TRE-PR), Rancho Alegre elegeu Fernando Carlos Coimbra (PSDB). Congonhinhas elegeu Valdinei Aparecido de Oliveira (PTB), e Japira elegeu Angelo Marcos Vigilato (PSD0.

‘Se o povo quiser’

Com o ano se encerrando, Curitiba também vê chegar à metade o mandato do prefeito Rafael Greca (PMN). Eleito em 2016 com 462 mil votos (53,25% dos votos válidos), Greca ainda não garante que será candidato à reeleição. Mas para quem o escuta falar é evidente que ele não deverá abrir mão do cargo tão facilmente. “Eu adoro ser prefeito. Se o povo pedir e quiser, pensamos mais adiante”, diz.

Aval de Ratinho

Otimista, Greca aposta na boa relação com o futuro governador Ratinho Junior (“Estamos numa lua de mel em queijo dourado”) e na expressiva votação alcançada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro na Capital paranaense para garantir que Curitiba terá o apoio necessário para se desenvolver. Ao mesmo tempo, trabalha para ampliar a capacidade de investimento do município, que diz ter “recuperado plenamente” após 2018.

Falcatruas

Somente em despesas com a venda de férias de servidores do Poder Judiciário, o Brasil gasta mais de R$2 bilhões por ano.  O custo da venda de férias, sobretudo a magistrados, corresponde ao dobro das despesas com “auxílio-residência”, prestes a ser suspenso. São inúmeros os truques que permitem ganhar um dinheiro extra, para além de penduricalhos nos salários.

Cachorro grande

É uma briga, como se diz popularmente, de “cachorro grande”, esse embate entre Eduardo Bolsonaro, deputado eleito por 1,8 milhão de votos e Joice Hasselmann, também deputada federal eleita (um milhão de votos) em torno da eleição para a presidência da Câmara, ano que vem. De cara, ela diz que ele teve “votação estrondosa com o sobrenome que tem” e ela também fez “sem sobrenome”. A guerra, por enquanto, é via WhatsApp. Ele acha que ela é “sonsa” e sempre teve “fama de louca”. E Joice revida: “Cresça! E ponha-se no seu lugar!”. A presidência da Câmara já tem oito deputados candidatos: Eduardo é contra Rodrigo Maia e Joice quer ser presidente da Casa.

Apex afasta auditor

O chefe de auditoria interna da Apex Brasil foi afastado após dar início a investigação na área de marketing. Fábio Valgas, servidor da Controladoria-Geral da União e ex-chefe das controladorias do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Amazonas, teve de suspender seu trabalho após começar a devassa nas prestações de contas de eventos e contratos de promoção de exportações da Apex, conhecido reduto petista. A agência ignorou os nossos pedidos de esclarecimentos.

Registros secretos?

Servidores denunciam que o auditor Fábio Valgas foi afastado após “mexer nos registros” da gerência de marketing. A gerência de marketing é poderosa, decide tudo sobre patrocínios. A diretoria só é consultada sobre gastos acima de R$5 milhões. A área de marketing da Apex Brasil, essa caixa preta, tem sido criticada por controvertidos patrocínios ligados a seu ex-presidente Davi Barioni.

Impeachment

O jurista Modesto Carvalhosa, que lidera o pedido de impeachment do ministro Ricardo Lewandowski, não espera muito do Senado atual. “Esperamos que venha a ser eleito um presidente decente, no Senado, que respeite o regimento interno e submeta requerimento ao plenário”.

Fogueira das vaidades

Figuras experientes em transição estão impressionadas com a guerra de vaidades entre os do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Em nada lembram a figura do presidente eleito, que cultua a simplicidade.

Lobby do atraso

Lobistas de empresas de telefonia estão indóceis, tentando ”reunião urgente” para tentar demover o governador eleito do DF, Ibaneis Rocha (MDB), de dotar Brasília de internet livre e gratuita.

Ele de novo

Secretário de Mobilidade do DF, Fábio Damasceno assume a mesma pasta na gestão de Renato Casagrande (PSB-ES), em 2019. Ele foi condenado pelo Tribunal de Contas quando ocupou esse cargo no passado: ressarciu R$ 220 mil ao erário, e pagou multa de R$ 10 mil.

Musa do impeachment de Dilma e deputada de 2 milhões de votos, Janaina Paschoal (PSL-SP) aderiu à campanha #RenanNão, contra o retorno de Renan Calheiros (MDB-AL) à presidência do Senado.

Vozes das catacumbas

É da Força Sindical, do deputado Paulinho da Força (SD-SP), o protesto de centrais em São Paulo, nesta terça (11), contra a extinção do anacrônico Ministério do Trabalho.

TCU é de Pernambuco, visse?

Esta terça é dia de festa pernambucana no Tribunal de Contas da União (TCU), com a posso do ministro José Múcio em sua presidência e a ministra Ana Arraes na vice. O presidente Michel Temer deve ir.

23 milhões nas redes

Somando as principais redes sociais, o presidente eleito Jair Bolsonaro tem mais de 23 milhões de seguidores; 10 milhões no Facebook, 8 milhões no Instagram; 2,7 milhões no Twitter, 2,3 milhões no YouTube.

Honorário

E por falar em Rodrigo Maia, ainda presidente da Câmara: no final da semana passada, ele recebeu na Câmara Municipal do Rio o título de Cidadão Honorário da Cidade, iniciativa de seu pai, o ex-prefeito e vereador César Maia. Como se sabe, o deputado nasceu em Santiago do Chile, durante o exílio do seu pai.

 

Cheia de posição

A futura ministra da Mulher, da Família e Direitos Humanos, pastora Damares Alves, assessora de Magno Malta (a bancada evangélica diz que não é indicação dela, não), chega causando. No YouTube, tem uma gravação de Damares cheia de frases surpreendentes: já chamou um debate do Supremo de “palhaçada”, acha o Congresso “uma instituição pirada” e quer a volta das Bíblias nas escolas do país. E brada: “É o momento da igreja governar. Se a gente não ocupa esse espaço, Deus vai cobrar”.

 

Come formiga

A pastora e futura ministra Damares Alves tem um a filha adotiva índia, do povo Kamyurá. Foi adotada aos 6 anos de idade, tem 20 hoje e se prepara para o curso superior. Damares sempre recebe a família biológica dela em Brasília e ela mantém sua identidade cultural: se pinta, dança, canta, come formiga. E a futura ministra define: “Sou uma mulher divorciada, mãe de uma filha adotiva. Essas famílias existem e está aí no Brasil”.

 

Memória

Na época em que o Supremo discutia descriminalização de porte de drogas para consumo próprio, a futura ministra Damares Alves disse: “Onze homens que não foram eleitos pelo povo brasileiro vão decidir se a gente libera ou não o consumo de drogas”. O que faz lembrar conhecida posição de um dos grandes nomes do Direito no Brasil, Ives Gandra da Silva Martins, sobre o STF: “Onze pessoas não podem querer mandar no país”.

 

“Insuficiente”

Enquanto o novo governo garante que o Banco Central terá autonomia, um projeto de lei complementar que tramita na Câmara dos Deputados poderá ser aprovado nos próximos dias – e com possíveis e surpreendentes efeitos. Tem um artigo que diz que o presidente ou diretor do BC poderá ser exonerado “se apresentar desempenho insuficiente de suas funções”. Nele, não é detalhado quem e como se registra o suposto “desempenho insuficiente”.

 

Fim de linha

Está no projeto de recuperação judicial da empresa: a Abril quer pagar apenas 8% de sua dívida em 18 anos, o que significará dar um calote de R$ 1,6 bilhão. Seus maiores credores são Itaú, Bradesco e Santander. Para funcionários, quer pagar até 250 salários mínimos por pessoas em 12 meses. Acima disso, no mesmo esquema para credores. E quer três anos de carência. Detalhe: há dois grupos interessados na compra da Editora Abril (demais empresas, não). André Esteve cobiça a revista Veja.

 

Tropeção

Reinaldo Azevedo andou criticando esse período de transição do futuro governo e o presidente eleito Jair Bolsonaro resolveu rebater escrevendo no Twitter que “pessoas más intencionadas ainda não se conformaram com sua vitória”.

 

Chute

Futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, vem repetindo que, por suas estimativas, o governo Bolsonaro começará o ano que vem com uma base aliada de cerca de 350 parlamentares no Congresso. Ninguém sabe de onde ele tirou esse número e o general-vice é o mais direto, em rodas mais íntimas. Considera “chute”.

 

Efeitos

Dados do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre-FGV): a arrecadação com imposto sindical caiu de cerca de R$ 2 bilhões de janeiro a setembro de 2017 para aproximadamente R$ 250 milhões no mesmo período de 2018.

 

Outros motivos

As atribuições que, inicialmente, foram cogitadas para o controle do vice-general Hamilton Mourão, evaporaram, ou melhor, tiveram outros destinos. O isolamento dele também inclui restos de desconfiança surgida depois do atentado sofrido por Bolsonaro, quando ele rapidamente se prestou a substituir o titular em debates e compromissos de campanha. Agora, surgiu novo desconforto: é a presença nos circuitos do poder de Levy Fidelix, presidente do PRTB, partido de Mourão. Bolsonaro quer vê-lo à distância.

 

Uns e outro

Quando convidou Paulo Guedes e Sérgio Moro para serem super-ministros em seu governo, sempre teve alguém que soprou ao ouvido de Bolsonaro: “Não contrate ninguém que não possa ser demitido”. Na cabeça do futuro Chefe do Governo, isso não teria muita lógica: se, um dia, for necessário, ele demitiria. No caso de Hamilton Mourão, a cena é diferente: vice não pode ser demitido.

 

Cadeira pronta

A presidência do Conselho do Sesi Nacional, em Brasília, está sendo oferecida ao ainda senador-gospel Magno Malta. Até agora, a cadeira era ocupada pelo ex-deputado João Henrique Souza, novo presidente do Sebrae. Nos oitos anos de lula, o ex-líder sindical Jair Meneghelli ocupava o posto: ganhava cerca de R$ 25 mil, mais carro e despesas, viagens e demais penduricalhos. Nem dava as caras: estava mais do que confortável.

 

Estimulante

Aos 61 anos, Christiane Torloni mantém uma presença mais do que estimulante na novela O Tempo não para.

 

Amadores

O futuro chanceler Ernesto Araújo está formando sua equipe e convocando grupo de amadores. Leticia Catelani (PSL-SP) é uma e o número 2 do ministério é Filipe Pereira, conhecido como “assessor internacional do PSL”, uma versão menos vivida de Marco Aurélio Garcia, em anos petistas. De quebra, um terceiro-secretario chamado Diego Campos, cuja mulher Marcela é tradutora da equipe. Com experiência, apenas o diplomata Flavio Sapha.

 

Em formação

Nesses dias, a TV Globo exibiu imagens do governador Luiz Fernando Pezão na cadeia, em formação ao lado de outros presos, assistindo o hasteamento da bandeira. Usava camiseta e bermudas – e chinelo de dedo. Não tem nenhuma mordomia embora ocupe sozinho uma cela de 15 metros quadrados. Os cabelos (poucos) também foram cortados.

 

Plano

A revista Veja diz que, depois de passar a faixa presidencial para Bolsonaro, Michel Temer pode se mudar para Portugal, onde lecionaria na Universidade de Coimbra. Temer acredita que, morando na Europa, tanto ele, quando Marcela e o filho Michelzinho “teriam mais privacidade”. A PF está avisada.

 

Outro embate

O futuro chanceler Ernesto Araújo anunciou o nome de Alexandro Carneiro para presidência da Apex – Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos, que permanecerá vinculada ao Itamaraty. E derrotou Paulo Guedes que tinha outro nome para o cargo e queria vincular a Apex ao Ministério da Economia.

 

Em paralelo

Em paralelo a briga entre os deputados eleitos Eduardo Bolsonaro e Joice Hasselmann, outros deputados eleitos do PSL já procuraram o ainda presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para discutir o futuro espaço da sigla na Mesa Diretora e em comissões chave da Casa.

 

Por recomendação

O presidente eleito Jair Bolsonaro iria participar de cerimônia de formação de cadete da Academia da Força Aérea em Pirassununga, São Paulo, mas por recomendação médica teve que cancelar sua presença. E no Twitter explicou: “Em razão da extensa rotina e agenda nos últimos dias e poucas horas de sono, em conversa com a equipe médica que me acompanha, recebi recomendação expressa de, no dia de hoje, repousar”.

 

Ainda falta

Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados na sexta (7) ainda restavam algumas vagas para serem preenchidas pela lacuna deixa pelos médicos cubanos que deixaram o programa Mais Médicos. Apenas 115 não haviam sido preenchidas e 300 profissionais inscritos haviam desistido. Mais: 3.949 já haviam se apresentado as prefeituras das cidades aonde vão trabalha e 2.315 já estava trabalhando.

 

Sem frustração

Como ministério de Bolsonaro praticamente fechado e sabendo que não ganhará nenhuma pasta o ainda senador Magno Malta  disse que não está arrependido de suas escolhas, que não existe frustração e seguirá fiel a Jair Bolsonaro no que ele precisar. “Não sou um homem de frustração. Sou um homem de luta e luta pelo que acredito”.

 

Castigo

Nos círculos políticos de Brasília existem boatos de que o senador Magno Malta não ganhou nenhum ministério no futuro governo como uma espécie de castigo de Jair Bolsonaro, que não se conformou de Magno não ter aceitado o convite para ser seu vice. Na época, Magno tinha certeza que conseguiria se eleger senador e por isso não aceitou.

 

Recorde

A defesa do ex-presidente Lula exagera e os juízes não aguentam mais. Até agora, impetrou mais de 140 habeas corpus para tentar soltar o petista condenado por lavagem de dinheiro e corrupção: todos negados. Levantamentos indicam que quase 180 magistrados em certa de 150 instâncias foram mobilizados para julgar manobras do presidiário. O ministro Gilmar Mendes pediu vista do último HC impetrado a favor de Lula porque sabia que o ministro Celso de Melo votaria com Edson Fachin e Cármen Lúcia.

 

Fake news

A internet está cheia de informações (falsas) segundo as quais o ex-ministro Antônio Palocci teria tentado se matar quatro vezes na cela nesses dois anos que ficou preso. Até teria retirado meias de sua cela para impedir quaisquer tentativas de enforcamento. Fake news distribuídas por quem quer tentar desmoralizar Palocci por conta de sua delação. A última inclui o filho de Lula no rol dos denunciados.

 

Três envelopes

No livro Uma certa ideia do Brasil: entre passado e futuro, que reúne artigos de Pedro Malan entre 2003 e 2018, um tem por título “Escrevendo ao sucessor” e conta a piada dos três envelopes que quem deixa o cargo entrega a seu sucessor, para serem abertos, um de cada vez; em diferentes momentos de crise. O primeiro traz o conselho: “Não deixe que a crise o atinja; jogue toda a culpa em seus antecessores”. No segundo recomenda: “Não permite que a crise o alcance; livre-se de pessoas-chave de sua equipe” e no terceiro, a sugestão: “Escreve três cartas para seu sucessor”.

 

Sem isolamento

Edinho Silva, o ex-ministro, ex-tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff em 2014 e atual prefeito de Araraquara está tentado encontrar um caminho para o PT na atual situação. “O maior erro do PT hoje é ir para o isolamento. Claro que haverá uma ofensiva contra o PT. Tudo o que nossos adversários querem é nos levar para o gueto. Se formos, fica ainda mais fácil: eles nos matam”.

 

Na presidência

Petistas querem ver o candidato derrotado ao Planalto, Fernando Haddad na presidência, pelo menos da sigla. Muitos não aguentam mais Gleisi Hoffmann.  Um dos apoiadores de Haddad é o ex-governador Tarso Genro (PT-RS). “O próximo presidente do PT precisa ser uma pessoa como o Haddad, alguém ligado aos movimentos sociais e à intelectualidade. Tenho conversado com pessoas de visão semelhante tanto de dentro do Mensagem ao Partido como de fora e eles são favoráveis”.

 

Prioridade

O ainda presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que espera ser reeleito no ano que vem, disse que independente da posição que ocupar na Casa a prioridade deverá ser a reforma da Previdência. “Não haverá nenhuma outra agenda nos próximos 12 meses que possa superar tirar da pauta, a reforma da Previdência. Nada do que a gente possa discutir aqui ou em qualquer ambiente pode superar o tamanho do problema previdenciário”.

 

Troca de nome

Tereza Cristina, a futura ministra da Agricultura sugeriu ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, que troque o nome da pasta que irá ocupar para Ministério do Alimento e do Desenvolvimento Rural. Ele não vai topar.

 

Resposta

O presidente eleito Jair Bolsonaro resolveu responder à declaração dada pelo ex-presidente Lula a BBC de que ele só havia ganhado porque não havia concorrido com ele. Bolsonaro foi direto: “Só não concorri com Lula porque ele está preso, condenado por corrupção”.