Dados econômicos decepcionantes da China e da Alemanha espalharam uma nova onda de pessimismo pelos mercados financeiros, responsável por levar o dólar para acima de R$ 4, e as principais Bolsas globais a tombos que chegaram a 3%. Além disso, a curva de juros americana se inverteu durante o pregão, fenômeno que pode antecipar, na avaliação de investidores, uma recessão econômica.
Indicadores econômicos desses países trouxeram novos sinais de que a guerra comercial travada entre Estados Unidos e China há mais de um ano tem impacto sobre as economias de outros países e pode forçar uma desaceleração global.
Na China, o varejo e a indústria cresceram menos que o esperado, enquanto na Alemanha o PIB (Produto Interno Bruto) encolheu 0,1% no segundo trimestre ante os primeiros três meses do ano, deixando o país à beira de uma recessão.
“É a realidade que a gente começou a traçar no começo do ano, a desaceleração econômica está no radar, e não tem vencedor [nesse cenário]”, afirma Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest.
O cenário negativo para a economia real espalhou essa reação típica de aversão a risco nos mercados financeiros, quando investidores vendem ativos de maior risco e se refugiam em investimentos que consideram seguros. O resultado é um tombo nas Bolsas e desvalorização de moedas emergentes ante o dólar.
A moeda americana fechou o dia cotada a R$ 4,0410, alta de 1,780%, no maior patamar desde 23 de maio, período que havia sido turbulento para investimentos.
O real terminou como a terceira moeda emergente que mais perdeu valor ante o dólar, atrás do peso argentino, ainda sob efeito da surpresa política com o avanço da chapa kirschnerista, de esquerda, na disputa presidencial deste ano, e do rand sul-africano.
As Bolsas americanas e a brasileira tombaram ao redor de 3%, em um termômetro da fuga de investidores de investimentos arriscados.
Por aqui, o Ibovespa cedeu 2,94%, a 100.263 pontos.
Outro indicativo que investidores andam pouco dispostos a deixar recursos em ativos de risco, como são os país emergentes, é o saldo de retiradas da Bolsa brasileira. O volume sacado por estrangeiros ultrapassa os R$ 17 bilhões, acima dos R$ 11,5 bilhões que foram retirados durante todo o ano de 2018.
A B3 divulga os dados com dois dias de atraso, portanto sem o impacto do pregão desta quarta.
O principal termômetro da aversão a risco no exterior é, no entanto, a inversão da curva de juros dos Estados Unidos. Nesta quarta, os juros de 10 anos ficaram abaixo dos de dois anos durante o pregão, um prenúncio de recessão, na avaliação de investidores. Ao final do dia, terminaram praticamente empatados.
Quando a curva se inverte, isso significa que o mercado financeiro espera menor crescimento ou recessão a longo prazo. E investidores aceitam receber menos pelo dinheiro, contando que fique aplicado em um ativo seguro.