Namastê, Djambi, Gazu e Makoto são as atrações musicais, nesta quarta, da festa de 21 anos do Padrinho Cultural e a intenção é levantar fundos para que o projeto, que leva arte e cultura para pessoas sem acesso a elas, consiga continuar na periferia de Curitiba e Região Metropolitana. Seu criador, o músico Celso Amorim,  diz  que a iniciativa “vai aos bairros, entra em comunidades que não têm acesso à cultura, regiões distantes sem cinema, sem teatro, com, no máximo, um campinho de futebol. Quando você oferece música e teatro chove gente interessada”.

E lembra  que “tudo começou com 15 alunos, número que em três meses ultrapassou as 200 crianças participando das atividades no Jardim Caiuá”. Logo o projeto se espalhou por outros bairros e cidades e se abriu para pessoas de todas idades.

  O Padrinho Cultural figura entre os 30 melhores projetos em concurso promovido pelo Unicef. Viabilizado por parceiras com igrejas, escolas e associações de moradores e venda de produtos doados, conta com professores voluntários, que recebem ajuda de custo.

A maioridade merece uma festa, com Namastê, DJambi, Gazu (ex-Dazaranha), Makoto (ex- Afrikan Band), que também vai levantar fundos para que o projeto que já atendeu mais de 40 mil pessoas consiga continuar. Atualmente, o Padrinho mantém três grupos de teatro e uma orquestra de violões, no Litoral do Paraná.  Além das aulas de música e teatro que seguem em atividade, já ofereceu dança, ioga, inglês, italiano, musicalização e coral para crianças e adolescentes.

Prestigie: Os ingressos promocionais custam R$40 a meia entrada, válida com a doação de um quilo de alimento. Dia 9 de outubro, a partir das 18h, no Tork’n’Roll (Av. Mal. Floriano Peixoto, 1695).