Paciência no fim
Os políticos discutem as reformas, os governantes viajam, uma turma de deputados foge da polícia porque foi pega com a boca na botija, outra continua a fazer suas falcatruas. É o que a gente vê o tempo todo no noticiário. Tem que ter estomago forte para aguentar tanta sem-vergonhice. A situação é terrível porque o calvário do povo continua. Há 14 milhões de desempregados que levam uma vida de tormento silencioso e diário, enquanto os donos do poder fazem tudo o que podem para manter o mundo da produção paralisado e sem oportunidades.
O Brasil chegou aos 60 000 homicídios por ano — e responde por 10% de todos os assassinatos cometidos no mundo. Não há esgotos. Há filas nos postos de saúde. Gente morrendo nos corredores de hospitais públicos à espera de um médico que não vem. Não virá. É o caos, mas os políticos que controlam as decisões públicas se matam para ganhar seus joguinhos nos tribunais e em outros terreiros de disputa. A maioria só se preocupa com ela mesma.
O debate político desce às cloacas. Quem não tiver estômago forte não se aproxime. A maioria dos políticos está afundada em investigações cabeludas e denuncias de maracutaias da grossa. Agora mesmo, o novo governo do Ratinho Jr nomeou pessoas que teve que demitir porque estavam condenadas por corrupção Ontem foi a vez de um ex-prefeito de Ibiporã, José Maria Ferreira, do PSD, que meteu a mão no jarro e foi condenado. Pois Ratinho o nomeou como do Fundepar, exatamente no lugar do Mauricio Fanini, que foi preso responde a processo cabeludo por desviar dinheiro que era para a construção de escolas. Imagine o que o Zé Maria ia fazer por lá. Ainda bem que uma juíza resolveu condená-lo e impedir de continuar no cargo público.

Deu chabu
Um novo constrangimento para Ratinho Jr. A juíza, Sonia Leifa Yeh Fuzinato, da Vara da Fazenda Pública, condenou por improbidade administrativa o ex-prefeito de Ibiporã, José Maria Ferreira, do PSD, Também dançou o ex-secretário municipal de Finanças e vereador José Aparecido de Abreu, do PSC. Em sentença proferida nesta quarta-feira (20), a magistrada impõe como pena a perda da função pública dos réus e a suspensão dos direitos políticos por cinco anos. Em janeiro, Ferreira assumiu a presidência do Fundepar (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional), nomeado pelo governador Ratinho Junior. Um lugar emblemático e perigoso. Esse era o cargo de Maurício Fanini, também defenestrado e preso por corrupção no governo Richa.

Ratinho nos States
O governador Ratinho Jr fará sua primeira viagem ao exterior, informa a jornalista Roseli Abrão. De 23 de fevereiro a 11 de março. O comunicado da viagem foi lido na sessão de ontem da Assembleia Legislativa. No programa, reuniões com o agronegócio e encontros com empresários do Vale do Silício. O objetivo é trazer soluções tecnológicas de Agrotech, do cultivo à logística de distribuição, que poderão ser aplicadas no Paraná. Ainda não se sabe de quantos integrantes será a comitiva de Ratinho Jr e quais os nomes já selecionados.

Metalúrgicos protestam
Metalúrgicos de Curitiba protestaram contra o fim da aposentadoria na BR-277, em São José dos Pinhais, na manhã desta quarta-feira (20). O protesto foi pacífico e durou cerca de 1h. Não havia policiamento no local. A mobilização trouxe o lema “Todos contra o fim da aposentadoria”, que paralisou o país na maior greve geral da história do Brasil, em 2017. A manifestação foi porque o governo apresentará, nesta quarta-feira (20), ao Congresso Nacional a proposta de reforma da Previdência Social.

Transição na Itaipu
Começa hoje ou ainda nesta semana a transição na Itaipu Binacional. O general Joaquim Silva e Luna assume a presidência no lugar de Marcos Stamm. Serão definidos os nomes para as diretorias de Administração, Coordenação, Financeira e Jurídica e o PTI (Parque Tecnológico de Itaipu). Os nomes devem ser publicados nas próximas edições do Diário Oficial da União. Os atuais diretores da binacional são indicações de deputados federais paranaenses. Com encaminhamento da Reforma da Previdência ao Congresso Nacional, a expectativa é de que os partidos mantenham as indicações nas diretorias, mas nada está garantido.

Ratinho vai zerar
O governo do Paraná promete zerar os pagamentos de advogados dativos referentes a 2018 até o dia 15 de abril. A informação consta em resposta da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) a um requerimento do deputado Homero Marchese. O documento, assinado pela procuradora-geral do Estado (PGE), Letícia Ferreira da Silva, informa que o orçamento do estado em 2019 reservou R$ 45 milhões para o pagamento da advocacia dativa paranaense. De acordo com a PGE, os pedidos de pagamento realizados até 31 de outubro de 2018 serão pagos até 15 de março e, um mês depois, a previsão é de finalizar os débitos referentes ao ano passado.

Pensaram que ia ser moleza?
Só há uma força realmente organizada e com capacidade de mobilização rápida. É a dos professores e seu sindicato, a APP-Sindicato. Entra governo, sai governo, todos acreditam que terão uma relação tranquila com eles. Pura ilusão. A corporação não abre mão de suas reivindicações e se necessário vai a batalha campal, como já fez mais de uma vez no Centro Cívico.

Mais uma comissão
Agora, uma comissão da Secretaria da Educação e o líder do Governo na Assembleia, deputado Hussein Bakri, se reuniram com representantes do sindicato dos professores da rede estadual para ouvir as demandas da categoria e apresentar as propostas para o fortalecimento da gestão pedagógica das escolas. E começaram a sentir que não vai ser mole não. Os professores estão unidos e renitentes em sua pauta de exigências, que vai além, muito além, de temas pedagógicos.

Cattani de volta
Marcelo Cattani volta à prefeitura e na posição de condottiere oficial de Rafael Grecca de Macedo. Não era o mais querido no círculo mais próximo do prefeito. Dos íntimos, só a secretária Monica Santanna defendia sua volta, em manobra para fortalecer sua própria posição. Cattani desafiou gente de alto coturno do entorno de Grecca, como a própria primeira-dama Margarita Sansone, que sempre foi palavra final nessas questões. Contrariou outro nome importante na entourage do prefeito, o advogado Giovani Gionnédis, que o acompanha desde os bancos escolares do Colégio Santa Maria.

Ponderações inúteis
As ponderações foram inúteis. Grecca não quis saber das informações de que Cattani é mal visto na equipe de Ratinho Jr, não só porque fez a campanha derrotada de Cida Borghetti, mas pelas dissensões pessoais que acumulou. Vai para a função de orientador politico de Grecca com cargo na Agência Curitiba. Terá novamente uma oportunidade de vencer sua primeira campanha eleitoral. As anteriores de que participou sempre foram conduzidas por outros marqueteiros. A única em que foi chefe supremos deu com os burros n’água.

Independente
“Não sou da oposição, eu defendo meu povo”, diz Soldado Fruet, O deputado Soldado Fruet (Pros) reiterou nesta quarta-feira, 20, a sua independência na atuação parlamentar e na defesa do que chamou “os interesses do povo de Foz do Iguaçu e região”. Ele confirma uma tendência crescente de deputados que preferem manter independência e autonomia perante o governo de Ratinho Jr.

Praczyk ganha cargo
Edson Praczyk é ex-deputado do PRB, braço politico da Igreja Universal. Pois foi a Universal quem decidiu substituir seus parlamentares por novos candidatos da hierarquia, uma ordem emanada do mais alto escalão, o bispo Edir Macedo. Mas Praczyk não vai ficar no relento. Acaba de virar o sétimo ex-deputado a ocupar cargo no governo Ratinho Jr. Será Assessor da diretoria da Celepar – uma das inacreditáveis 40 vagas desta categoria disponíveis para indicação política na Companhia de Processamento de Dados do Paraná, com salários que vão até R$ 21 mil.

Bode na sala
O ex-senador Roberto Requião (MDB) escreve que a proposta de reforma da Previdência de Bolsonaro (PSL) deve trazer exageros colocados propositalmente para iludir e serem retirados. Segundo ele, o governo quer mesmo é aprovar o sistema de capitalização. “Querem por a mão neste dinheiro de qualquer jeito”.

PR pula fora
O partido do mensaleiro Valdemar Costa Neto, o PR, percebeu a fragilidade do governo e pulou fora da base. José Rocha disse à Globonews que já não garante “apoio irrestrito” a Jair Bolsonaro: “Estamos, como todos os outros partidos, apreciando matéria por matéria e estaremos votando aquelas que acharmos importantes para o país”. Com o recuo do PR, a base aliada passou a contar apenas com o PSL.

Comissões Permanentes
A Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) concluiu nesta terça-feira (19) a definição dos integrantes das 26 Comissões Permanentes. “A definição das comissões é imprescindível para o andamento dos trabalhos legislativos, já que as comissões são responsáveis por analisar os projetos que tramitam na Casa”, ressaltou o diretor Legislativo, Dylliardi Alessi. “Comissões como a de Fiscalização da Alep, por exemplo, que é a responsável por analisar as contas do governo e licitações”, observou.

Bolsonaro no Congresso
O presidente Jair Bolsonaro entregou na manhã desta quarta-feira, 20, proposta de reforma da Previdência ao Congresso Nacional. A proposta da reforma da Previdência vai garantir uma economia de R$ 1,164 trilhão em dez anos nas despesas públicas, segundo o Ministério da Economia. O valor da economia foi antecipado pelo Estadão/Broadcast. Nos quatro anos de Bolsonaro, a economia esperada será de R$ 189 bilhões.

Quase embaixador
Jair Bolsonaro não ofereceu apenas uma diretoria em Itaipu (ele ganharia três vezes mais do que o salário da Secretaria-Geral) a Gustavo Bebianno para compensar sua exoneração e encerrar o episódio sem sequelas. Onyx Lorenzoni, chefe da Casa Civil, em nome do presidente, ofereceu ao ex-ministro a embaixada de Roma – e ele recusou as duas propostas.

Fora do tom
Para o ex-presidente José Sarney, a fala de Jair Bolsonaro nas redes sociais sobre a exoneração de Gustavo Bebianno, também fugiu da “liturgia do cargo”: era fora do tom, agradecia a quem havia chamado, horas antes, de “mentiroso”, tinha uma parede lisa ao fundo e evidenciava que ele estava lendo no teleprompter. Mais: Sarney não engole também aqueles cabelos caindo na testa de Bolsonaro.

Outros encontros
O encontro que Gustavo Bebianno teria com Paulo Tonet, de Relações Institucionais da Globo e presidente da Abert – Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, que acabou cancelado, também não foi motivo para Bolsonaro romper com ele. Antes, Tonet já tiveram encontros, devidamente registrados nas agendas, como o general Augusto Heleno (GSI), Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Santos Cruz (Secom).

Engordou
O núcleo central do governo há um certo fascínio com o que aconteceu com o PSL: tinha dois votos na Câmara e agora possui a maior bancada com 52 deputados. Mais: terá 18 vezes mais dinheiro do Tesouro Nacional. Tinha faturamento de seis milhões e alcançou quinze milhões de reais nas safras eleitorais. Virou um negócio de R$ 110 milhões por ano, podendo chegar a R$ 200 milhões.
Para informar
Ciente de que a tragédia de Brumadinho abalou todos os seus funcionários, a Vale colocou aparelhos de televisão e terminais de computador com acesso à internet em diversas áreas de duas unidades operacionais, de modo que as pessoas fiquem informadas sobre as buscas e providências que estão sendo tomadas (embora muito emperradas) pela companhia, nos intervalos da jornada. Na tragédia de Brumadinho, ainda estão desaparecidas 141 pessoas.

Plano original
Quando estava cotado para um cargo de maior importância, Gustavo Bebianno, que já era combatido por Carlos Bolsonaro, queria que o general (três estrelas) Floriano Peixoto, fizesse um pente-fino nos contratos da Secom. Reforçava que era homem certo para essa missão. Depois, Bebianno foi sendo deixado meio de escanteio – e sem acesso à Secretaria de Comunicação do governo, onde reina o general Santos Cruz.

Caricatura
Outro tropeção da Globo: a novela Verão 90 não emplacou e está sendo comparada aos dramalhões mexicanos. É uma sequência de esquetes de humor rasteiro, resultando numa caricatura geral. Os cenários são os primeiros a serem modificados por decisão superior. Do elenco, nem Cláudia Raia escapa.

Figura obscura
Na Câmara do Rio de Janeiro, o vereador Carlos Bolsonaro, chamado de “pitbull” pelo pai, é rotulado de “poodle” por seus pares. Está no quinto mandato, não tem protagonismo na Casa, não usa a tribuna e nem participa de debates importantes como a saúde do município ou o IPTU. Nas redes sociais, Carluxo, como também é chamado pelo presidente, é alvo das mais diversas gozações e até ganhou um ditado adaptado: “Quem nasceu pitbull nunca chega a labrador”.

Amigo de Lula
Em recuperação judicial, a usina sucroalcooleira São Fernando, em Dourados, em Minas Gerais, já demitiu mais de 300 funcionários nos últimos três anos. é mais um capítulo doloroso da empresa que pertence a familiares de José Carlos Bumlai, o amigo de Lula, condenado pela Lava Jato. No primeiro governo Lula, Bumlai era a única pessoa que tinha livre entrada (e circulação) no Planalto e podia ser recebido pelo então presidente sem marcar hora.

Balanço
Desde 2001, os ex-presidentes FHC, Lula, Dilma Rousseff, Michel Temer e o presidente Jair Bolsonaro já criaram nada menos do que 872 Medidas Provisórias, que vigoram por 120 dias sem necessidade de aprovação do Congresso. Nesse período, Fernando Henrique foi o campeão com 102 MPs, média de 6,8 por mês. Em números absolutos (149 MPs) Lula é o recordista. No primeiro mês de governo, Bolsonaro editou três MPs.

Inspiração
A sempre discutida ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, agora diz que também é feminista em discussões sobre salários, violência contra a mulher e até que “ama gays e travestis”. E pode sair até em manifestação pública, só que “sem peito de fora”. A inspiração vem de Sara Winter, ex-integrante do Femen, agora funcionária da Secretaria da Mulher e que vivia exibindo o busto nu nas ruas como forma de protesto.

Sem futuro
A esquerda dá sinais de vida no campo das ideias. Pesseu Abramo (PT), Mauricio Grabois (PCdoB), João Mangabeira (PSB) e Lauro Campos (PSOL) articulam a formação de uma frente programática e o “acordão ideológico” até poder sair. Complicado será dar alguma consequência prática a ele.

Vende-se
O novo presidente da Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos), Omilton Visconde Jr. tem recebido ofertas tentadoras para venda da Cellera Farma, uma das maiores fabricantes de dermocosméticos do país, criada em 2017 em parceria com o fundo Victoria Capital Partners. Ele já vendeu a Biosintética em 2005 para o Aché por R$ 600 milhões e depois a Segmenta, fabricante de soro fisiológico, também vendida à Eurofarma por mais de meio bilhão de reais.

Outro conselho
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema tem alimentado a ideia de criar uma espécie de Conselho de Administração do governo mineiro, composto por notáveis empresários locais. Josué Gomes da Silva já foi sondado – e polidamente, recusou.

Nas nuvens
Azul e United Airlenes estão conversando para ver se dividem entre vis pedaços da Avianca. A ideia original da Azul era ficar com operação brasileira da Avianca por inteiro. A United ajudaria a costurar a colcha de retalhos aéreos, aportando recursos na Avianca Colômbia, por meio de um fundo que já detém ações da companhia.

Almanaque
Recentemente, durante conversa reservada com Mauricio Macri, ao ouvir do presidente argentino que os governos de ambos não têm direito de errar, o Capitão tratou logo de emendar: “Se não, a Cristina (Kirchner) e a turma do PT podem voltar…”. E soltou sua tradicional e estridente gargalhada.

Anêmica
As primeiras votações da Câmara não só o tamanho mais expressivo da bancada de Jair Bolsonaro, como todo recém-eleito, mas também o tamanho anêmico da oposição, que não teve capacidade de reunir nem 100 votos. Requerimento da oposição para salvar projeto do governo Lula retirando-o da pauta, por exemplo, teve apenas cinco votos.

Big business
InBrands e Restoque voltaram a conversar: daí pode sair a criação de uma holding com faturamento anual de quase R$ 2 bilhões e um Ebitida na casa dos R$ 400 milhões. Do lado da InBrands, tem Richards, Ellus e Herchcovitch; do lado da Restoque, Le Lis Blanc e Dudalina.

Mago
Mais um musical em fase de produção para estrear logo no Rio e depois em São Paulo, no segundo semestre, reporta-se aos tempos do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda. O espetáculo chama-se Merlin, nome do mago conselheiro do soberano e figura principal em cena. Na montagem – quem diria- o papel de Merlin será defendido pela atriz Vera Holtz.

Últimas horas
O TRF-4 deverá julgar hoje os embargos de José Dirceu. Depois disso, o líder petista e ex-ministro de Lula deverá ser preso mais uma vez.

Questão de limite
No sábado (16), em Búzios, casaram-se Bruno Chateubriand, ex-André Ramos e Diogo Bocca e Jojo Todynho, madrinha do casório, levou os presentes às gargalhadas. Antes da cerimônia disse: “Tô apertada. Preciso por a giganta para chorar”. Depois, no altar, emendou: “Quem tem limite é município. Narcisa não sabe o que é isso”, referindo-se a Narcisa Tamborindeguy, discretíssima perto de Jojo.

Monoglota
O ex-deputado Jean Wyllys não vai mais morar na Espanha. Está em Berlim, morando de favor na casa de amigos, sem dinheiro e sem emprego. E acha que vai ficar mesmo é por lá: poderá dividir seu tempo entre uma ocupação e estudos de seu doutorado. O problema é que Wyllys não fala uma palavra em alemão. Na Espanha, dava para ir levando na base do portunhol.

Aliada
A deputada federal Joice Hasselmann almoçou, nesses dias, com a diretora da Fiesp: é a nova aliada da entidade contra os planos de Paulo Guedes de reduzir verbas do Sistema S. De quebra, acha que Paulo Skaf, que não sairá para concorrer à prefeitura de São Paulo, poderá apoiá-la. Joice é candidatíssima à sucessão de Bruno Covas.

Terceiro grau
Ainda Joice Hasselmann: depois da crise gerada pelo episódio de Gustavo Bebianno, ela acha que o governo de Jair Bolsonaro está com uma “queimadura de terceiro grau”. Ela era contra a saída de Bebianno.

Sensatez
Analistas políticos acreditam que a exoneração de Gustavo Bebianno foi um erro grave cometido por Jair Bolsonaro e logo na largada de seu mandato. Para tentar amenizar, acham que o Chefe do Governo deveria afastar de seu governo seus filhos, principalmente Flávio Bolsonaro, que está sendo acusado de receber repasses de seus ex-funcionários da Alerj e Carlos, que é vereador no Rio e não tem nada que dar pitaco em Brasília, e sim ocupar seu cargo e cumprir suas funções. Eduardo poderia até circular, por ser deputado federal, desde que não atacasse de novo de chanceler.

O certo
Ainda os analistas políticos acreditam que o episódio de Bebianno teria sido menos prejudicial se o ex-ministro tivesse sido trocado na minirreforma que Bolsonaro pretende fazer nos 100 dias de seu governo, mesmo que ele fosse o único demitido.

Elegância
O designer de moda alemão e diretor criativo da Chanel, Karl Lagerfeld, será mais uma perda insubstituível. Uma das figuras mais queridas do mundo fashion, morre aos 85 anos sem deixar herdeiros. Ficou consagrado por suas criações e por suas celebres frases. Uma delas se referia a elegância: “Elegância não tem a ver só com roupas. Se você é uma pessoa elegante, você é elegante em jeans e camiseta. Se você não é, você fica vulgar em jeans e camiseta. É uma questão de atitude”.

Nem ele
O episódio do presidente Jair Bolsonaro ter recebido sua equipe econômica e despachado com camisa do Palmeiras (falsa) e chinelo não desceu para os principais consultores de moda. Um deles recomenda ao Chefe do Governo, que contrate um profissional da área para ajudá-lo. Outro lembra que nem o ex-presidente Lula, que sempre foi considerado do povão, usou trajes assim quando estava no exercendo seu oficio.