MÔNICA BERGAMO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) –

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), decidiu esticar a corda em relação ao deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), presidenciável pelo partido nas eleições de 2014.
Covas defende a expulsão do parlamentar do partido por causa das acusações de corrupção que pesam contra ele. E chegou a dizer, nesta quarta-feira (10), que o PSDB terá que optar: “Ou eu ou ele”.
A afirmação foi feita durante a manhã, quando o prefeito acompanhava o governador de São Paulo em exercício, Rodrigo Garcia (DEM), em uma entrega de trens da CPTM no Brás, na capital paulista.
No meio da cerimônia, os jornalistas questionaram Covas sobre o fato de o diretório do PSDB em Belo Horizonte defender a permanência de Aécio, em resposta ao fato de o PSDB municipal de São Paulo sugerir a expulsão dele.
“Já [me] manifestei diversas vezes no sentido da expulsão do deputado Aecio Neves do partido”, afirmou Covas.
“Recentemente, o diretório municipal aqui da capital [São Paulo] também enviou oficio à direção nacional do partido, solicitando que fosse aberto um processo dentro do conselho de ética do PSDB. E, se o diretório do PSDB de Belo Horizonte quer a minha expulsão, essa é uma boa decisão, então, que fica agora para o PSDB nacional: ou eu ou Aécio Neves no partido”, seguiu o prefeito.
“É um ou outro?”, perguntaram os jornalistas. “É um ou outro. É incompatível”, finalizou Covas.​