OTIMISTA, ALVARO TEM AVALIAÇÕES QUE CONTRARIAM PESQUISAS

693

Alvaro Dias: otimismo (Foto Marcelo Camargo/Folhapress); Edson Gradia: “em solo fértil” (Foto Annelize Tozetto).

 

Edson Gradia, reconhecidamente o grande porta-voz de Alvaro Dias, não se mostra nenhum pouco impressionado com as pesquisas de opinião que, até agora, não têm sido favoráveis ao senador, pré-candidato a presidente.

Para Gradia, o que importa seriam as avaliações internas da campanha, “e o ânimo de Alvaro”. Essas avaliações estariam dando entre 4 e 7 pontos de intenção de votos ao senador do Podemos, situação bem maias confortável que a apresentada nas pesquisas publicadas recentemente.

– O que importa é o ânimo de Alvaro: ele não para, movimenta-se pelo Brasil todo. No final da semana esteve em Recife e adjacências, esteve na festa da Isto É em São Paulo, e tem uma agenda enorme de compromissos. O mais importante: sua pregação tem caído em terreno fértil.


“HISTÓRIA FETICHISTA” HOMENAGEIA O ESCULTOR ESPEDITO ROCHA

Luiz Carlos Rocha e Jessé de Souza: explicando a obra; Gramschi: na base de tudo.

A esquerda tradicional, formada no interior do Partido Comunista Brasileiro, o Partidão, certamente perdeu um round, mas não perdeu a luta. Em sua mais recente obra, o professor Rodrigo Jurucê Mattos Gonçalves, reprisa o embate com o conservadorismo de direita em obra que utiliza o italiano Antônio Gramsci como base teórica para explicar o ocultamento deliberado da luta de classes na sociedade capitalista brasileira. Parece coisa de acadêmico. E é.

FETICHISMO

Gonçalves tem em Gramsci e em petistas como Aloízio Mercadante o seu sustentáculo teórico. Por isso vê em seu livro “História Fetichista” (316 págs.), editado em formato e-book pelo Instituto Brasileiro de Filosofia, um argumento precioso para explicar esse “prazeroso segredo” da burguesia.

COMPANHEIRO DE VIAGEM

A capa e contracapa do livro são uma homenagem à obra do escultor, operário e dirigente comunista Espedito Rocha (1921-2010), amigo de Gonçalves e também seu “companheiro de viagem”, uma expressão com que os bolcheviques tratavam-se mutuamente no longo caminho que os levou às portas e a consolidação da revolução russa, 100 anos atrás.

A ELITE DO ATRASO

Pode-se discordar de Gonçalves, mas jamais desprezar a legitimidade de sua argumentação. É assim com o historiador e é assim também com Jessé de Souza, autor de 27 livros, entre eles o mais recente: “A elite do atraso: da escravidão à lava jato” (Leya, 2017).

EXPRESSÃO LEGÍTIMA DO INTELECTUAL

Filho de Espedito Rocha, o advogado Luiz Carlos da Rocha, que apresenta o “Jogo no Poder”, na CNT, aos domingos, vê na obra de Souza a expressão legítima de um intelectual. A base da formação do cientista social fala por si mesma. Souza é mestre e doutor em sociologia e um dos maiores estudiosos da formação e do comportamento da classe média no Brasil. Em 2009, lastreado por obras icônicas de Gilberto Freire, Sérgio Buarque de Hollanda, Florestan Fernandes e Raimundo Faoro, entre outros, Souza empreendeu pesquisa sociológica em todo o país para confrontar a tese de que havia surgido uma nova classe média no país. O resultado foi a configuração de uma nova nomenclatura que ainda suscita polêmica.

Utilizando-se da informalidade das ruas, o teórico denominou as classes sociais no Brasil como “ralé” (pobres), “batalhadores” (classe média) e “ricos”. Deu o que falar.

VOLTA À CENA

Ainda que não se concorde com ele (e muitos não concordam), a definição serviu para esquentar os ânimos nos meios acadêmicos. A ponto de, recentemente, Souza desafiar um professor da USP para o debate. É manejando o bom argumento que Souza quer convencer seus oponentes.

Gonçalves surge agora com o mesmo propósito. Não há mais dúvida, portanto. A esquerda ensaia uma volta à cena, ainda que desprovida do brilho que fez do Partidão um ninho de intelectuais. Espedito que o diga.


CONSCIÊNCIA NEGRA

Ozeil Moura Santos, cônsul geral do Senegal para PR e SC (Foto José Gomercindo/AENotícias)

Prezado Jornalista:

O CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DO SENEGAL PARA OS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA, cumprimenta-o, e aproveita a oportunidade para agradecer-lhe as suas palavras retratando fielmente o Evento e parabenizando todos os homenageados, pois eles representavam uma elite educacional Paranaense, Brasileira e Africana, na Sessão Solene em Comemoração à Data Nacional da Consciência Negra nos 322 anos da Imortalidade de Zumbi dos Palmares – 22ª Edição, em sua Coluna no Jornal Diário Indústria e Comércio.

Suas palavras nos deixaram sensibilizados, e queremos dizer-lhe que é uma honra para nós fazermos parte do seu rol de amizades.

São gestos e atitudes como os seus, que nos animam e nos estimulam a continuar tralhando incessantemente pelo bem das comunidades Paranaenses, Catarinenses, Brasileiras e Africanas.

Sem mais, colocamo-nos a sua inteira disposição para quaisquer eventos futuros.

Conte, Sr. Jornalista Aroldo Murá G. Haygert, com a nossa Amizade, Estima e Elevado Apreço.

Saudações Africanas e Senegalesas,

Dr. Ozeil Moura dos Santos

Cônsul Geral do Senegal para PR e SC


A FORÇA DA ESPECIALIZAÇÃO

José Dionísio Rodrigues (fundador da OpusMúltipla), Zeh Henrique Rodrigues, Peter Gerritsen e Rodrigo Havro Rodrigues (atual presidente da agência). (Foto: Francisco Martins)

A OpusMúltipla comemorou nesta terça-feira seus 45 anos com um evento que reuniu o mercado de comunicação local no Espaço Torres. O 4º Fórum de Comunicação Integrada – A Força da Especialização com o Poder da Integração, reuniu profissionais e parceiros para celebrar a trajetória da agência e acompanhar a palestra “O futuro da comunicação e o relacionamento das marcas com o novo consumidor”, proferida por Peter Gerritsen, presidente da TAAN Worldwide, rede global de empresas de comunicação presente em todos os continentes, da qual a OpusMúltipla faz parte.


EMPRESÁRIOS DO MERCOSUL IRÃO AO RETAIL’S BIG SHOW

Zeh Henrique Rodrigues

Mantendo a tradição, o Grupo OM, formado pelas empresas OpusMúltipla, HouseCricket, Brainbox e Tailor Media, levará uma caravana de empresários e executivos de marketing do Brasil, da Argentina e do Paraguai à 107ª edição do Retail’s Big Show. O evento, considerado o mais importante do segmento varejista, é promovido pela NRF –National Retail Federation – e acontecerá em Nova York, de 14 a 16 de janeiro de 2018.

VISUAL MERSHANDISING

Além do Big Show, o grupo terá uma programação exclusiva e totalmente adaptada para as necessidades dos participantes da delegação. O conteúdo extra inclui palestras com renomados consultores nacionais e internacionais de store design, visual merchandising, e-commerce e gestão de canais, além de um roteiro de visitas, meticulosamente preparado, nas mais interessantes operações de varejo da ilha de Manhattan.

BONS SINAIS A VISTA

“Estamos muito animados com o grupo deste ano, principalmente pela pluralidade dos profissionais que vêm do varejo e da indústria. O cenário econômico brasileiro começa a dar sinais de recuperação e manter-se conectado com o que existe de mais relevante em inovação e tendências, o que é fundamental para as empresas que desejam continuar competitivas”, explica o diretor-presidente da Brainbox, Zeh Henrique Rodrigues (foto), coordenador do grupo ao lado de Fabiano Cruz, da HouseCricket.


EVANGÉLICO DE PONTA GROSSA

Mais um hospital filantrópico, o Evangélico de Ponta Grossa, entregou os pontos, assoberbado por compromissos e impossibilitado de fazer face a muito compromissos. Basicamente mantido pela Comunidade Luterana da cidade, ele agora foi locado para um grupo de médicos.

Ponta Grossa, vista geral

SEMPRE SURPRESAS EM WITMARSUM

Colônia Witmarsum: vista geral

Um dos importantes pontos turísticos da região dos Campos Gerais, a Colônia Menonita de Witmarsum é parada obrigatório na rodovia 277.

Pequena, acolhedora, com suas terras férteis plantadas e pecuária, o local não tem mais que 1.800 habitantes. Oferece paisagem humana única, com os menonitas de gerações mais velhas comunicando-se basicamente no alemão – não clássico, e colocando à venda seus produtos alimentícios, como queijos, broas, pães integrais, mel.

Na escola pública, as novas gerações têm aulas de alemão. Em casa, o idioma é a língua corrente das famílias.

“MUITA FÉ”

Curiosidade expressa por menonita, dona de uma confeitaria local: “Mesmo eu sendo religiosa, para meu gosto temos igrejas demais, são nove”.

Explicação: além de templos menonitas, há igrejas para outras correntes de fé, como católica e dos membros da Assembleia de Deus. Estas são basicamente frequentadas pelos empregados que lá trabalham, não menonitas.


MÓRMONS TERÃO CANDIDATO EM 2018

Joseph Smith: o fundador; Exemplar do Livro de Mórmon

“Não só os evangélicos, nós também queremos ter representantes na Assembléia Legislativa”, disse à coluna uma liderança mórmon de Curitiba – representativa de uma das chamadas Estacas (distritos) da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Segundo a mesma fonte, reuniões preliminares entre membros da igreja interessados em participar com “pelo menos um candidato mórmon nas eleições de 2018,” já foram realizadas.

Com uma observação: a iniciativa não é da Igreja, como instituição. Mas de membros dessa religião, que não é evangélica tradicional, pentecostal ou neopentecostal. Mórmon é mórmon. Ponto.