Vereador desde 1988, praticamente em substituição a seu pai João Derosso que durante 25 anos representou o bairro do Xaxim e adjacências na Câmara de Curitiba, João Cláudio, ao tentar vôos mais largos sentiu o peso do que classificou em seu depoimento à Comissão de Ética como “forças ocultas da política”.  De fato o seu “calvário” começou tão logo o de Gustavo Fruet, também tucano como ele, terminou. O Guga e o Caio, ambos do PSDB, serviram às forças dominantes do partido. Enquanto foi conveniente.  Gustavo, deputado federal brilhante, sempre prestigiado pela imprensa que cobre o Congresso, como dos melhores parlamentares do Brasil, prontificou-se a disputar o Senado em 2010, depois que os companheiros, aguardando Osmar Dias para disputar o cargo, foram surpreendidos pela desistência deste, aos quarenta e cinco minutos do segundo tempo,para usar uma imagem esportiva tão ao gosto do ex-presidente Lula. Missão difícil, só aceita por companheirismo, já que tinha uma reeleição de deputado garantido e os demais litigantes, Roberto Requião e Gleisi Hoffmann há muito tempo preparavam-se para o embate. Gustavo perdeu mas não fez feio. Ao revés! Quase alcança Requião e ainda obteve  expressiva vitória em Curitiba. Vencendo de lavada Gleisi e Requião. A situação complicou-se para ele quando, de posse desse capital eleitoral na sua cidade, entendeu ser a oportunidade de disputar o cargo que já fora de seu pai, Maurício Fruet: a prefeitura de Curitiba. Beto Richa, que se elegeu governador, deixando em sua vaga na prefeitura o vice Luciano Ducci, optou por apoiar a este. Utilizando Derosso, poderoso presidente da Câmara como pretendente à vice de Ducci, forçou a saída de Gustavo do PSDB. O pior estaria por vir: afastado o Guga, Caio insistiu em ser o vice, o que evidentemente não está nos planos dos dirigentes do tucanato, como se viu a seguir com os ônus  impostos a Derosso.

Refresco

Para a Assembleia Legislativa, o surgimento de denúncias envolvendo o presidente da Câmara curitibana, foi um alívio. Com os principais problemas da Casa, denunciados e em fase de correção, a imprensa   não dava folga. A mudança das luzes para a Barão com Visconde de Guarapuava, se hoje traz aborrecimentos a Derosso e seus companheiros, dá um pouco de fôlego à Mesa da AL..

Ônus e…

O  depoimento do presidente  João Cláudio Derosso, só não foi mais contestada pela pouca presença de público, impedido novamente de ingressar na Casa.. Derosso como se esperava, debitou parte da responsabilidade sobre as dúvidas administrativas a seus companheiros que aprovaram os Orçamentos dos últimos anos e até ao Tribunal de Contas, que aprovou as despesas hoje contestadas. 

…bônus

Ao afirmar que a publicidade paga pela Câmara e hoje com seus valores contestados, Caio Derosso afirmou que tanto ele como os demais vereadores se beneficiaram da publicidade feita pela Casa. “Quando me elegi em 1988, eu era um vereador do Xaxim. Hoje tenho votos na cidade inteira graças  à divulgação dos trabalhos feitos aqui na Câmara”, afirmou em certo trecho do depoimento. O mesmo vale para os outros 37 vereadores.

Democratas em ação

Hoje os Democratas elegem o deputado Elio Rusch, vice-presidente nos últimos mandatos, para dirigir os destinos do partido nos próximos anos. Num momento de transição em que alguns optam pelo novo PSD, os companheiros antigos, grande parte deles do antigo PFL, permanecem. A expectativa é de novas adesões visando as eleições municipais de 2012.

Em choque

A afirmação do ministro Paulo Bernardo em entrevista de que a eleição de 2014 passa por uma conversa entre Lula e Dilma, foi contestada pelo ex-presidente. Para ele o tempo é de pensar na crise econômica “que é culpa dos países ricos”. Lembrou inclusive o erro cometido pelos EUA ao antecipar em tempo de crise, a disputa eleitoral presidencial de 2012.