OS TUCANOS GRASNAM, MAS RICHA JÁ ESCOLHEU

740

Beto Richa: já decidiu apoio (Foto: Sergio Lima/Folhapress)

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, cumpriu o seu papel. Na terça-feira (2), em evento oficial realizado em Curitiba, deu como certa uma aliança do PP com o PSDB nas eleições de outubro. No cenário pintado por Barros, o governador tucano Beto Richa disputaria o Senado enquanto a vice-governadora Cida Borghetti, que deve assumir o Palácio Iguaçu em abril, concorreria ao governo do estado.

PANELEIROS

Tucanos como Valdir Rossoni (Casa Civil) e Ademar Traiano (presidente da Assembleia Legislativa) batucaram as panelas. Dizem que nada está fechado, mas está. Dizem que não há negociações, mas há.

RICHA DECOLOU

Valdir Rossoni, que um dia acreditou em Collor e se afiliou ao PRN, o que demonstra o quanto suas crenças são duvidosas, disse que “Richa está propenso a permanecer no governo. Até porque ele é engenheiro, gosta de obras e vai viver este bom momento do Paraná”.

ARGUMENTO POBRE

Rossoni não é propriamente uma sumidade em argumentos e Richa é engenheiro, mas nunca exerceu a profissão. Foi político desde que tentou a vereança em Curitiba, nos idos de 80, e saiu derrotado. Para depois decolar como deputado estadual, prefeito e governador.

Ricardo Barros: articulador, sempre; Cida Borghetti: sem problemas; Valdir Rossoni: esperneando; Ademar Traiano: no mesmo coro

FIEL DA BALANÇA

Ricardo Barros fez o seu papel. Até porque é o que lhe cabe. Quanto a Cida Borghetti já anunciou a sua pré-candidatura assumindo ou não o governo do Paraná e Beto Richa é o grande eleitor do Paraná.

Para onde pender Richa, penderá o tucanato paranaense.

SORUMBÁTICOS E MACAMBÚZIOS

Ainda mais há a questão do PSDB nacional, que se lançar Geraldo Alckmin à presidência, precisará contar com duas frentes no estado: uma no governo e outra no palanque. Dificilmente, Richa irá se apoiar na candidatura de Ratinho Jr. para conseguir conquistar os votos para o Senado e ainda alavancar o candidato de seu partido à presidência.

MAIS À ESQUERDA

Quanto a Osmar Dias, ora ele mesmo anda fazendo discursos que dizem mais à esquerda, supondo que pode atrair fatia de tucanos hoje sorumbáticos e macambúzios. Os mais fortes candidatos ao governo do Paraná, portanto, parecem óbvios: Cida Borghetti (PP), Ratinho Jr. (PSD) e Osmar Dias (PDT).

Os tucanos Rossoni e Traiano podem grasnar (na verdade, eles chalram), mas não apitam. Richa já fez sua escolha.


OS NÃO-CORRUPTOS E O CÉUS DOS SALÁRIOS

Aldo Rebelo: ensaio de acordão (Foto: Glauber Queiroz/ME)

Conselheiros do Tribunal de Contas da capital paulista não são juízes.

Alguns sequer advogados ou bacharéis em direito, o que é menos ainda.

Ainda assim, a legislação lhes permite que desfrutem de salário que correspondem a R$ 30,4 mil com o adendo opcional de R$ 4,3 mil de auxílio-moradia, o que somado ultrapassa o teto do funcionalismo público – ministros do STF ganham R$ 33,7 mil – e o salário do prefeito João Dória (R$ 24,1 mil). Em reportagem da Folha de S. Paulo, nesta quinta-feira (4), Maurício Faria, conselheiro do TC municipal, argumenta que, mesmo morando na capital, ele é um “não-corrupto” e precisa do auxílio-moradia para “viver dignamente” diante da depreciação inflacionária dos salários. Dona Luislinda Valois está fazendo escola.

REGRA, NÃO EXCEÇÃO

É difícil crer que um conselheiro de tribunal não consiga viver “dignamente” com um salário bruto de R$ 30,4 mil, mesmo sendo obrigado a pagar os custos de sua moradia. É um retrato de que, com maná, adubando dá. Ninguém percebeu, mas no apagar das luzes do governo FHC e no acender do governo Lula, todos aqueles hospedados em cargos no Judiciário apropriaram-se do teto salarial como referência de vencimento. De tal forma, que contaminou também o Legislativo e o Executivo. Senadores e deputados federais, procuradores do Ministério Público, prefeitos, governadores, todos recebem o máximo que o estado lhes permite. João Dória com seus R$ 24 mil é a exceção, não a regra.

SEM RUMOR

Quando presidente da Câmara dos Deputados, o deputado do PCdoB paulista, Aldo Rebelo, ensaiou um acórdão na calada da noite que permitiria que os parlamentares igualassem seus vencimentos ao dos ministros do STF. A reação da opinião pública os fez recuar. Dois anos depois, a equiparação se fez à luz do dia, sem causar protesto ou rumor. Talvez porque o país surfasse na onda do crescimento econômico – o tsunami da Petrobras só viria depois.


TECNOLOGIA BRASILEIRA ENSINA ANATOMIA

Gravação de aula de anatomia em 3D

A startup brasileira Csanmek, especializada em sistemas e soluções para o mercado educacional, acaba de fechar dois contratos com universidades peruanas para o fornecimento da plataforma multidisciplinar 3D para aulas de anatomia. Com as novas aquisições internacionais (da Universidade Católica Santa Maria, de Arequipa, e Universidade Nacional Mayor de San Marcos, de Lima), a empresa deve fechar o ano com cerca de R$ 2,5 milhões em negócios no exterior.

BRASIL, EUA E MÉXICO

Utilizado em 30 cursos de medicina (humana e veterinária) no Brasil, Estados Unidos e México, o simulador 3D da Csanmek funciona como uma mesa que exibe modelos tridimensionais altamente detalhados e anatomicamente corretos de todos os sistemas do corpo humano para treinamento de cirurgias virtuais.


O CÉU PODE ESPERAR. ATÉ QUANDO?

O bispo Rodovalho, presidente da Igreja Sara Nossa Terra, e também presidente do Conselho Nacional de Ministros Evangélicos do Brasil, escreveu na Folha de São Paulo que está na hora de os evangélicos pensarem em eleger um presidente da República. Teriam votos suficientes para isso, disse o religioso.

ESQUECE O MAIS IMPORTANTE

No entanto, Rodovalho não entrou no exame do que mais importa – muito mais que sigla religiosa: têm os chamados crentes projeto para o Brasil, capaz de fazer o país fugir dessas ratoeiras que habitam a vida nacional, como as bancadas “temáticas” no Congresso?

BANCADAS “TEMÁTICAS”!

As bancadas evangélica, a da bala, a do agronegócio não são exatamente exemplares para a cidadania. Isso sem falar nas bancadas dos radicais da esquerda e da direita espalhadas por diversos partidos. Elas também têm de ser citadas, não são inocentes, participam da montagem do caos brasileiro de forma persistente.

BANCADA CATÓLICA

Também anote-se a existência da pouco expressiva bancada dita católica, que se guia por muitos dos princípios fundamentalistas do evangélicos.

Um dos expoentes desse grupo católico é um “eterno jovem” – já cinquentão – Heros Biondini, deputado federal por Minas Gerais, notabilizado por ser um cantor de músicas de acento espirituais. E tem também outros tipos no mínimo estranhos, como o deputado federal de Goiás chamado de Carimbão…

CANÇÃO NOVA DÁ APOIO

Biondini tem o apoio do poderoso novo movimento católico Canção Nova, hoje com ação nacional, e trabalhos em diversos países, como Portugal, Itália, França, Estados Unidos, Israel. Sua rede de televisão e rádio tem ouvintes – milhões – fidelíssimos.

EXEMPLO DE LONDRES

Não descarto a importância de qualquer homem público ter uma sólida formação religiosa. Advogo mais que isso: que tenham formação espiritual. Mas que ela seja conectada com a realidade do país, que ajude a mudar o ciclo de exploração política e pobreza em que o Brasil vive mergulhado desde 1500.

Quero lembrar o exemplo de Londres, uma capital europeia ainda cristã (pelo menos, pertence ao mundo cristão ocidental): a cidade é governada por um prefeito muçulmano. E vai se saindo sem dificuldades para governar.

GEISEL, UM LUTERANO

Ernesto Geisel: primeiro evangélico; Heros Biondini: música

O general Ernesto Geisel foi o presidente do regime ditatorial iniciado em 1964. Caracterizou-se pelo projeto de abertura democrática, que implantou e garantiu até o fim.

Geisel, gaúcho de Estrela, RS, nacionalista extremado, estatista consumado, era luterano. Pertencia, assim como a mulher e a filha à Igreja Evangélica da Confissão Luterana (Sinodal). Foi o primeiro presidente evangélico do Brasil. Se bem que alguns referenciais históricos indicam que João Café Filho, vice de Getúlio Vargas que assumiu a presidência com a morte de GV, seria evangélico, metodista. A conferir.

UMA IGREJA ÉTNICA

A primeira igreja étnica a instalar-se (não oficialmente) no Brasil foi a luterana. Lá por anos 20 do século 19 eles estavam num projeto experimental de colonização, na Bahia. O projeto não vingou.

O que se tem de observar quando se citam evangélicos: antes da onda de igrejas protestantes de missão (como as assembleias de Deus, Congregação Cristã, metodistas, etc) o brasileiro só identificava como evangélicos os luteranos.

Com dois ramos no Brasil (Igreja da Confissão Luterana, a pioneira) e a Luterana do Brasil, os luteranos, via de regra, não são sempre muito bem aceitos pela maioria evangélica do país.

FORA DO REBANHO

E eles também se excluem do “rebanho” por uma mesma razão: os filhos de Lutero, luteranos, seguem uma linha social muito atrelada à da CNBB, pedindo que a fé seja geradora de mudança da sociedade.


PROMESSAS DE GRECA, NADA MAIS

A Folha de S. Paulo, em sua edição de terça-feira (2), destaca quatro prefeitos de capital que jogaram palavras ao vento em suas campanhas. O prefeito de Curitiba, Rafael Waldomiro Greca de Macedo, está entre eles.

Greca prometeu reduzir o número de comissionados da administração direta que batia em 497 quando assumiu a prefeitura em janeiro de 2017.

A princípio, ensaiou um espetáculo de austeridade. O número de barnabés caiu para 270, mas, inexplicavelmente, subiu de novo, fechando o ano com 463, segundo dados obtidos pela Folha via Lei de Acesso à Informação.

PELA TANGENTE

Procurado, Greca saiu pela tangente ao afirmar que reduziu a estrutura administrativa e que a prefeitura de Curitiba figura agora com o menor número de comissionados entre as capitais do país. Quanto à promessa de campanha, bem, tratou-se de uma promessa, nada mais.

Prefeitura de Curitiba, vista aérea (Foto: Nani Góis/SMCS)

COMO PERDER R$ 18 MILHÕES

Rafael Cordeiro: Universidade Positivo

Raphael Cordeiro (*)

Pesquisas indicam que 70% dos apostadores que ganharam fortunas em prêmios de loterias perderam tudo em poucos anos. Na maioria dos casos, as pessoas caem na mesma cilada, acreditam que o dinheiro vai durar para sempre e que todos os seus desejos e de seus familiares poderão ser conquistados. Para o dinheiro durar para sempre, há apenas uma saída: gastar apenas o rendimento real, acima da inflação.

Nesta Mega-Sena da Virada tiveram 17 vencedores – e cada um deles ficou com R$ 18 milhões. Muito dinheiro, não é? Porém, há enormes chances de 9 deles não terem mais nada dentro de alguns anos. O vencedor poderia aplicar tudo em títulos do Tesouro IPCA+ (NTN-B) e receber líquido trimestralmente em sua conta pouco mais de R$ 120 mil. Isso é muito, se for para bancar apenas os gastos correntes, como supermercado, manutenção da casa, combustível, restaurantes, etc. Porém, se colocarmos na conta compra de bens, viagens extravagantes e mimos caros, o dinheiro começará a sumir.

COMO EVITAR “SUMIÇO”

Quanto custaria comprar um carro e um apartamento para cada integrante da família? Com esse montante de dinheiro será que se contentariam em possuir apartamentos de R$ 400 mil e carros de R$ 50 mil? Se o cidadão comprar um baita apartamento, uma casa na praia e dois carros de alto padrão, já poderá ir 8 dos R$ 10 milhões, que gerarão despesas próximas de R$ 15 mil mensais. E, nesse caso, sobrará apenas R$ 10 milhões para os investimentos, que darão apenas para gerar R$ 35 mil mensais de renda. Considerando que o ganhador poderá fazer maus investimentos por não entender do assunto e aceitar sugestões de outros maus entendedores, pronto! Estará condenado a ser mais um que irá para a estatística dos 70% que perdem tudo em poucos anos.

O que fazer então para que o dinheiro não suma? Simples: ter o recurso investido em coisas sólidas e gastar apenas o rendimento. Minha sugestão é que a família defina um orçamento para compra de bens e depois aplique parte do dinheiro em investimentos que paguem os rendimentos em conta corrente. Um desses últimos ganhadores, por exemplo, poderia destinar 20% para compra de bens e doações e aplicar o restante. Se comprar títulos públicos e fundos imobiliários com R$ 15 milhões, terá rendimentos depositados na conta, mensalmente, equivalente a R$ 60 mil, corrigidos periodicamente pela inflação. Além disso, os outros R$ 5 milhões continuaria crescendo indefinidamente.

VIVENDO POR IMPULSO

Parece fácil, mas por que as pessoas não conseguem executar um plano assim? As duas principais razões são: 1) falta de conhecimento financeiro, não apenas da pessoa, mas também de pessoas que supostamente o assessoram; 2) a emoção incentiva a viver por impulso, investindo em furadas e comprando “brinquedos” que só geram despesas. O maior segredo é segurar os impulsos, tentando viver de forma não tão diferente do que se vivia antes do apostador ganhar o prêmio e buscar ajuda de um profissional fora da família – um consultor independente e ético que, de fato, entenda de investimentos.

PLANEJADOR FINANCEIRO

Nos últimos anos, a profissão de Planejador Financeiro e Consultor de Investimento Independente ganhou bastante espaço e tornou-se viável a contratação de profissionais qualificados e independentes. No site da CVM, é possível verificar os Consultores de Valores Mobiliários credenciados para atuar profissionalmente: http://sistemas.cvm.gov.br/.

No site da APIMEC é possível consultar os Analistas de Investimentos registrados:

http://www.apimec.com.br/Apimec/Default.aspx.

E no site da Planejar há uma lista dos Planejadores Financeiros certificados:

https://www.planejar.org.br/certificacao/planejador-financeiro/busca/.

(*) RAPHAEL CORDEIRO é consultor de investimentos, sócio da Inva Capital, coordenador do curso de EAD em Finanças Pessoais da Universidade Positivo (UP) e autor do livro “O Sovina e o Perdulário”.