por Uziel Barbosa*

Eventos desempenham um papel importantíssimo na economia brasileira. Segundo uma pesquisa da CWT Meetings & Events, a previsão é que o segmento tenha um crescimento de 5% a 10% este ano. Esses números esperados pelo mercado também acompanham a evolução do setor: organizar um evento envolve muito mais que a escolha da programação ou reserva de data e lugares. O setor tem criado, cada vez mais, nichos para atender as demandas. Os números confirmam.

Cada vez mais exigente, o segmento tem encontrado grandes aliados, como as novas tecnologias, que vêm transformando a forma de se fazer eventos. Quando empresas organizam eventos corporativos, normalmente, têm o objetivo de promover suas marcas, gerar autoridade e serem reconhecidas como especialistas no que fazem e, com isso, atrair a atenção dos potenciais clientes. Já no universo acadêmico, o principal objetivo é promover a ciência e a tecnologia. Isso ocorre tanto por meio de palestras, oficinas e outras atividades de exposição, como na produção científica, com a publicação das pesquisas através de artigos em eventos técnico-científicos ou acadêmicos.

Mesmo direcionado a um público segmentado, esse nicho de mercado também só tem a ganhar utilizando a inovação como um grande diferencial para atingir seus objetivos e gerar novos negócios.

Um bom exemplo é o uso de Chatbots (software utilizado para simular conversas humanas, realizar atendimentos e automatizar ações), que podem trazer grandes benefícios para o setor. Além de utilizá-los no atendimento, é possível criar rotinas para engajar os participantes, utilizando essa tecnologia como alternativa para emitir os certificados ou ter acesso a uma palestra, por exemplo. O próprio Facebook possibilista o uso de chatbot dentro do Messenger e do Whatsapp, e você pode implementar as funcionalidades acima nessas ferramentas.

Com o uso de inteligência artificial, já é possível encontrar promotoras holográficas (com projeção mapeada 3D) ou robóticas inteligentes, na recepção de alguns eventos. Por meio dessa tecnologia, é possível que durante um evento, a assistente consiga apresentar produtos e serviço aos participantes, fornecer informações e ainda responder perguntas do público.

Já a realidade virtual é um outro recurso cada vez mais presente em grandes feiras e eventos pelo Brasil, devido à facilidade de aproximar pessoas de serviços e produtos, de forma lúdica. A ferramenta, muito importante para campanhas de marketing, permite que empresas e marcas apresentem conteúdo multimídia e interativo, em um contato personalizado com os participantes com o objetivo ampliar o engajamento daquele evento. Transportando o público para dentro da campanha, oferecendo aos seus consumidores sensações e novas experiências.

Não necessariamente uma tecnologia, mas indispensáveis para os negócios, estratégias que contemplem microinfluenciadores também são muitos importantes para esse mercado. Com perfis em redes sociais que possuem entre 5 e 100 mil seguidores, eles se diferenciam de influenciadores (como celebridades, políticos e atletas) porque falam com um público específico: as pessoas que o seguem por interesse no conteúdo gerado. Imagine utilizar uma dessas redes e a base de seguidores, para criar conteúdo original e divulgar o seu evento? O engajamento e o retorno podem ser muito melhores!

Na hora de tomar decisão sobre qual tecnologia utilizar, tenha sempre em mente que a melhor opção é aquela que vai te fazer economizar tempo, reduzir trabalho e focar no que mais importa: a qualidade do seu evento.

Muitos organizadores perdem tempo com atividades manuais e deixam de pensar no que realmente vai fazer diferença: o design e o planejamento do evento, as estratégias de marketing e vendas e uma experiência incrível. Isso vai fazer toda a diferença!

Uziel Barbosa é CEO e fundador da Doity – Plataforma de eventos.