A corrupção no Brasil chegou a um nível extremo. Os comportamentos ilícitos e vergonhosos, enraizados na cultura do país desde a sua colonização, foram aumentando, inovando-se e contagiando todos os setores da sociedade de um jeito tão profundo que, nos dias atuais, todas as classes estão afetadas – sendo a política uma das principais. Essa quantidade imensa de corrupção mudou até a maneira como muitas pessoas enxergam e julgam os outros. Parece que não é mais possível crer que existam pessoas honestas. Quando alguém dá sinais de bom comportamento, logo surge outro para duvidar desta pureza, insinuando que há, por trás, alguma intenção ilegal.

Quando algum juiz, por exemplo, mostra que faz seu trabalho com isenção, sem interesses políticos, seguindo apenas a lei, logo é taxado de parcial e igualmente corrupto. Isso é fruto do nível extremo de criminalidade que tomou conta de toda a sociedade. É possível que haja corrupção no Poder Judiciário? Claro que sim! Mas generalizar é atitude preconceituosa e equivocada. Medidas eficazes e amplas precisam ser criadas e aplicadas o tempo todo. Só assim o discurso da honestidade deixará de ser apenas teórico, como tem sido, e passará a ser defendido como algo digno de ser praticado.