A Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) foi alvo nesta quinta-feira (11) da Operação E O Vento Levou, que apura suposto desvio de R$ 40 milhões da estatal de energia.
A Polícia Federal investiga o repasse para a Renova Energia por meio de contratos falsos. A empresa teria utilizado parte do recurso em contrato superfaturado com a empresa Casa dos Ventos, a qual repassou o valor a outras empresas.
A investigação apura o envolvimento de membros de Cemig, Codemig, Andrade Gutierrez, Renova e Casa dos Ventos, além de operadores financeiros e outras empresas usadas para escoar o dinheiro.
Eles devem responder pelos crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa, falsidade ideológica, evasão de divisas e desvio de recursos públicos.
Segundo a Polícia Federal, o esquema está ligado a uma estrutura muito maior de lavagem de dinheiro.
Eles apontaram alguns dos operadores como sendo os mesmos da primeira fase da Operação Descarte, de março de 2018, em que o Consórcio Soma foi investigado por transações com fornecedores que operavam fraudes com notas fiscais frias para a Prefeitura de São Paulo.
Procuradas, a Cemig e a Casa dos Ventos informaram que estão colaborando com as autoridades.
A Andrade Gutierrez afirmou que se coloca à disposição para esclarecimentos.
A Renova Energia informou que irá cooperar com as informações necessárias.