O segredo da eficiência das formigas é a ociosidade

310

Por Javier Arevalo*

Recentemente, compartilhei meu interesse no artigo “O Segredo da Eficiência e Ociosidade”, publicado no New York Times por James Gorman, e como Eli Goldratt o apresentou como uma das principais questões a serem contestadas em Operações no âmbito da Teoria das Restrições: “Um recurso ocioso é um desperdício”.

Em um estudo recente sobre o comportamento das formigas, perceberam que a alta velocidade e eficiência na construção de túneis estão diretamente relacionados a uma construção irregular da carga de trabalho. Ou seja: uma parte da população do formigueiro trabalha incessantemente para construir a rede de túneis, enquanto outros estão “disponíveis” a maior parte do tempo. A descoberta surpreendente é que a proporção mostra que apenas 30% das formigas trabalham de modo ininterrupto e as 70% restantes permanecem sem se aproximar do local do trabalho. A questão é: o que é que as leva a se comportar dessa maneira? Faz algum sentido? Sendo como a natureza é, deve haver uma boa explicação!

A resposta? Parece que essas formigas conhecem a Teoria das Restrições (TOC) e os Princípios do Fluxo descritos pelo Dr. Eli Goldratt, físico nascido em Israel e autor de best-sellers no mundo da gestão e administração.

Se as formigas se comportassem sob os atuais paradigmas de gestão, causariam um engarrafamento no túnel e reduziriam a produtividade ao mínimo. Esses insetos “sabem” que a produtividade máxima é obtida com o fluxo máximo. E que o fluxo máximo depende do nível de tráfego no chão de fábrica. Esse tráfego é equivalente a veículos em uma estrada ou às tarefas de produção e as ordens abertas no chão da fábrica. Ao limitar o tráfego máximo de formigas no túnel, o movimento é rápido e progride de forma constante. Se o número de formigas for aumentado, o trabalho é interrompido e a cabeça de perfuração não pode ser alcançada facilmente.

Desta forma, um dos 4 princípios fundamentais de fluxo de Henry Ford, de limitar a superprodução, é cumprido na natureza, já que há um mecanismo para evitar o excesso de formigas no túnel. Ou seja, limitar o trabalho em andamento garante o fluxo máximo. Quando essas condições de ócio para a maioria das formigas foram reproduzidas com robôs, aqueles que seguiram a lógica de ter considerado tempos ociosos produziram o melhor resultado. Além disso, quando as formigas escavam um túnel, o espaço é restrito. Por conseguinte, a população e a capacidade de encapsulamento devem ser sujeitos a restrição, com o objetivo de maximizar a taxa de transferência do sistema (velocidade do túnel escavada).

Estes princípios aplicados à produção – que foram disciplinados na aplicação dos princípios de Lean Manufacturing ou outras metodologias de melhoria – podem, com a metodologia de Teoria das Restrições, produzir avanços maiores e substanciais. Pela lógica usada por Lean, os 70% de capacidade ociosa seriam claramente considerados como um desperdício e, portanto, teriam sido eliminados. Seja no universo das formigas ou no universo empresarial, a capacidade ociosa pode ser dedicada a funções e processos para ter capacidade protetiva ou excedente. É o que garante o melhor fluxo e sobrevivência ou sucesso do sistema.

*Javier Arevalo, é partner da Goldratt Consulting da América Latina