O Paraná é o Estado com maior número de empresas de alto crescimento da região sul. Curitiba, 30-06-15. Foto: Arnaldo Alves / ANPr.O Paraná é o Estado com maior número de empresas de alto crescimento da região Sul. De acordo com a mais recente pesquisa Demografia das Empresas, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no início do mês, 5.560 empresas paranaenses foram classificadas nessa categoria em 2013, número acima do Rio Grande do Sul (5.507) e Santa Catarina (4.266).

Pelo conceito do IBGE, empresas de alto crescimento são aquelas com dez ou mais empregados assalariados, cujo número de funcionários avançou mais de 20% ao ano por um período de três anos. Trata-se de um indicador que ajuda a medir o dinamismo das empresas e de segmentos produtivos de uma determinada região.

NO PAÍS – No ranking nacional, o Paraná só está atras de São Paulo (23.310), Minas Gerais (7.651) e Rio de Janeiro (6.577).

“O Paraná vem conseguindo apresentar um resultado muito positivo e um dinamismo maior do que os demais estados do Sul”, diz o presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Julio Takeshi Suzuki Junior, que analisou os dados do IBGE.

Em 2012, o Paraná estava em quinto lugar em número de empresas de alto crescimento (5.361), atrás do Rio Grande do Sul (5.538).

EMPREGOS – Como referem-se a 2013, os números do IBGE ainda refletiam um momento mais positivo da economia brasileira. A expansão das empresas de alto crescimento pode ser comprovada quando se verifica o ritmo de geração de vagas medido pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), de acordo com Suzuki Junior.

“O crescimento foi marcado pelo desenvolvimento do Interior do Paraná, sobretuto pela agroindústria”, diz. O Paraná fechou 2013 com um saldo de 90 mil empregos entre admitidos e demitidos.

TRANSFORMAÇÃO – Em âmbito setorial, o Paraná se destaca na indústria de transformação, com 995 empresas de alto crescimento, e nas atividades financeiras e de seguros, com 165 companhias. Em ambos os casos, o Estado ocupa a terceira posição no ranking nacional, sendo o primeiro do Sul. O setor de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas é o que tinha a maior concentração de empresas, com 2.204.