o encontro 2

Depois da estreia nacional, com todos merecidos aplausos na noite de domingo de Páscoa, a peça O Encontro das Águas, na qual Leonardo Miggiorin se revela diretor, teve apresentação ao meio-dia de segunda-feira e ganha mais duas apresentações, nesta terça e na quarta, no Fringe/Festival de Curitiba.

Escrita por Sérgio Roveri, encenada pelos atores Patrícia Vilela (Safo, Os Cantos de Maldoror e Whisky e Hambúrguer) e João Fenerich, que atuou em Brutal, do paranaense Marcelo Bortolotto, a peça aborda um momento de decisão entre a vida e a morte.  Roveri, autor premiado com o Shell de Teatro pelo texto de Abre as Asas Sobre Nós, faz uma abordagem interessante sobre o acaso e a morte, pois que usa de poesia e contida ironia em contraponto.

Em início de carreira pelos palcos, O Encontro das Águas ainda vai encontrar ou acentuar outros tons, mas já nasce com muitos méritos.

O Encontro 1Dois personagens em cena: o artesão  Apolônio, vivido pela atriz Patrícia Vilela, e o angustiado Marcelo, um jovem suicida à beira da ponte. O diálogo entre os dois, de intensas revelações, é pontuado pelo cenário (do próprio Leonardo Miggiorin), como se também contracenasse com o elenco, e pelo jogo de luz e sombra. Cenografia e iluminação conferem nuances de dramaticidade e remetem aos mistérios da poesia de William Blake (1757-1827), autor de um poema declamado na peça.

A opção de dar o papel de Apolônio a uma atriz é um aspecto especial da montagem, diante do drama subliminar embutido no texto. Mais o medo do que o desespero proposto pelo ator ao seu personagem também revela-se uma boa leitura do texto, pois que rima com o fim da história. Interessante o nome dos personagens: Marcelo porque traz o mar no próprio nome, Apolônio porque remete ao grego andarilho, filósofo de vida misteriosa, mas exemplar.

Em abril, a peça será levada à SP Escola de Teatro, em São Paulo. Em Curitiba, dá para conferir ainda no Mini-Guairinha, nesta terça dia 29, às 15h e quarta-feira 30, às 18h. Duração: 50 minutos. Ingressos a 40 e 20 reais. Classificação 14 anos.