O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que o governo não tem mais dinheiro e seus ministros estão fazendo “milagres” para tentar sobreviver a este ano. Bolsonaro foi questionado sobre o corte de 4,5 mil bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) por falta de orçamento.
“O Brasil todo está sem dinheiro. Em casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão. Os ministros estão apavorados, estamos aqui tentando sobreviver no corrente ano. Não tem dinheiro. Eu sabia disso, estamos fazendo milagre, conversando com a equipe econômica para ver o que a gente pode fazer”, disse o presidente. “Não é maldade da minha parte. Não tem dinheiro, só isso.”
Perguntado sobre o que se pode fazer para recuperar o Orçamento, Bolsonaro afirmou que o governo está trabalhando com privatizações, está cortando consultorias e “programas absurdos” para tentar economizar. Desde o início do ano, o governo já bloqueou mais de R$ 30 bilhões. O primeiro contingenciamento foi de R$ 30 bilhões, em março, e afetou principalmente a educação. Em julho, mais R$ 1,4 bilhão. De acordo com o Ministério da Economia, falta dinheiro porque a economia brasileira em ritmo lento tem feito a arrecadação vem abaixo pelo projetado.

Segunda Ponte
Dentro de 20 dias deve começar a movimentação do transporte pesado de equipamentos para a construção da cabeceira no lado paraguaio da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, financiada pela margem brasileira da Itaipu Binacional. O maquinário será transportado em grande parte por balsas, de Foz do Iguaçu a Presidente Franco (Alto Paraná – Paraguai). Só uma pequena parte do material seguirá pela Ponte Internacional da Amizade, entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este, para interferir o menos possível no fluxo de cargas e no movimento de pedestres e carros.

Até que enfim
Finalmente o Congresso aprovou um projeto de lei que criminaliza o abuso de autoridade. Era uma necessidade institucional de longa data, reconhecida, por exemplo, em abril de 2009, por ocasião do II Pacto Republicano de Estado por um Sistema de Justiça mais acessível, ágil e efetivo, assinado pelos chefes dos Três Poderes. Entre as matérias prioritárias de estudo, o pacto incluiu a “revisão da legislação relativa ao abuso de autoridade, a fim de incorporar os atuais preceitos constitucionais de proteção e responsabilização administrativa e penal dos agentes e servidores públicos em eventuais violações aos direitos fundamentais”.

Devagar com o andor
O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), é pressionado a pautar projeto que enquadra como nepotismo a indicação de parentes do presidente para embaixadas ou ministérios. Ele tem pedido calma. Durante transmissão ao vivo em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez um comentário citando indiretamente o apresentador da TV Globo, Luciano Huck. Mencionando a suposta ‘caixa-preta’ do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o presidente disse que vai “mostrar tudo que ele [Huck] fez”, referindo-se à compra de um jatinho particular da Embraer por parte de Huck, a qual contou com um financiamento do BNDES. As informações são do UOL.

Agro na estaca zero
O ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse, em entrevista ao jornal Valor Econômico, que vê riscos para o agronegócio no discurso do atual governo em relação a questões ambientais. Maggi, afastado da política desde que deixou o Ministério no ano passado, avaliou que mercados podem ser fechados e que pode haver uma demora maior na entrada em vigor do acordo entre Mercosul e União Europeia, assinado há pouco mais de um mês.

Substituível
“Não tem essa de que o mundo precisa do Brasil. Talvez precisem dos agricultores brasileiros em outros países, mas somos apenas um “player” e, pior: substituível. O mundo depende de nós agora, mas, daqui a pouco se inverte e ficamos chupando o dedo”, disse Maggi, na quinta-feira (15).

PCdoB de pé vermelho
Nos últimos 20 anos o PCdoB sempre foi na esteira do PT e não deslanchou no Paraná como poderia, mesmo bem organizado entre os estudantes e ter conquistado uma cadeira na Câmara Municipal de Curitiba, em 2005, com o vereador Luizão Stellfeld, com histórico de ter passado pelo PFL, partido de direita e hoje representado pelo Democratas. Mas no que vem, em Maringá e Londrina, o partido não vai repetir o erro histórico da capital paranaense e está indo na base para buscar candidatos que o representem para disputar as prefeituras e as Câmaras de Vereadores de Curitiba, Maringá e Londrina. Na cidade canção, a pré-candidata é a Professora Ana Lúcia e em Londrina, o partido ainda procura um nome respeitado e com histórico de luta pelos menos favorecidos.

Gleisi na delação
No anexo 12 de sua delação, Antonio Palocci revela que a atual presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, recebeu, de três empreiteiras, a quantia de 3,8 milhões de reais na campanha de 2010, quando se elegeu senadora pelo Paraná. Como se revelou em 2017, quando o ministro ainda negociava uma possível delação com a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, a empreiteira Camargo Corrêa repassou 1 milhão de reais a Gleisi como parte de um acordo para sepultar a Operação Castelo de Areia no STJ.
A Odebrecht repassou à petista 2 milhões de reais, via caixa dois, e a OAS, do empreiteiro Léo Pinheiro, pagou 800.000 reais. É a primeira vez que um documento do Supremo confere contornos concretos à principal frente da delação do ex-ministro Antonio Palocci fechada com a Polícia Federal e homologada pelo ministro Edson Fachin, chefe da Lava-Jato no STF.
A partir desse documento, descobre-se que o acordo firmado pelo ex-ministro no Supremo tem 23 anexos, que tratam de 12 políticos, entre ex-ministros de Estado, parlamentares e ex-parlamentares – além de grandes empresas.

Gilmar suspende ação
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou suspender uma ação penal da Lava Jato no Rio de Janeiro que tem entre os réus o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral, com base na decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, que determinou em julho a paralisação de casos em que tenha havido compartilhamento de dados fiscais e bancários de investigados sem prévia autorização judicial. O motivo foi a utilização de um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). AS informações são do Estadão.

Sala de aula
Com o Plenário da Assembleia totalmente lotado, mais de 700 estudantes da rede estadual de ensino acompanharam nesta semana mais um “aulão” especial preparatório para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Milhares acompanharam a aula pela TV Assembleia e pelas redes sociais. É o “Assembleia no Enem”, projeto desenvolvido pela Diretoria de Comunicação da Assembleia Legislativa do Paraná que também disponibiliza gratuitamente mais de 500 videoaulas com matérias que vão ajudar o desempenho dos estudantes no exame.

Em defesa da Lava Jato
Um projeto de lei, que prevê punição a abusos de autoridades, visto por muitos como um projeto prejudicial a operações policiais como a Lava Jato, foi aprovado na Câmara dos Deputados e agora segue para sanção ou veto do Presidente Bolsonaro. O Deputado Boca Aberta (PROS-Paraná) lutou nos bastidores do Congresso para a não aprovação da matéria. Inclusive votou a favor da urgência em se discutir o projeto, mas foi voto vencido durante votação simbólica que aprovou o texto.

‘Nota Paraná’
O secretário da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, entregou R$ 400 mil para as três instituições de assistência social cadastradas na Secretaria de Justiça, Família e Trabalho e premiadas no 45º sorteio do programa Nota Paraná, programa desenvolvido pela Secretaria de Estado da Fazenda. “Foi uma emoção enorme por parte das representantes das instituições no momento da ligação na qual demos a notícia”, destacou o secretário Ney Leprevost.

Renan defende abuso
— Renan Calheiros (@renancalheiros) 15 de agosto de 2019: Com a lei de abuso de autoridade não haverá mais usurpação de competências das Cortes superiores pela 1ª instância, como ocorreu com @LulaOficial e até com @FlavioBolsonaro.#leideabusodeautoridadesim Ao defender o projeto de abuso de autoridade aprovado no última quarta-feira, 14, na Câmara dos Deputados, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) colocou o ex-presidente Lula e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) juntos como possíveis beneficiados pela nova lei.

Fase escatológica
O presidente Jair Bolsonaro tem dado novas manifestações que comprovam que está envolvido no que poderia se chamar de fase escatológica. Depois do “cocô dia sim, dia não” e do “cocô petrificado”, agora mistura comunistas com excremento. Na cidade de Parnaíba, nesses dias, não deixou por menos: “Vamos varrer a turma vermelha nas próximas eleições. Vamos acabar com o cocô do Brasil. O cocô é essa raça de corrupto e comunista”. E depois, postou em sua rede social.

Olhos nos irmãos
Bolsonaro, insatisfeito com o trabalho de Marcos Cintra na Secretaria da Receita Federal, garantiu, em Miracatu, interior de São Paulo, que seus três irmãos que mexem com venda de móveis estavam sendo perseguidos pela Receita e por repórteres de um jornal carioca. Já Renato Bolsonaro, um dos irmãos do presidente, desconhece quaisquer problemas com o Fisco. Ele tem lojas de móveis em Miracatu, Juquiá e Iguape, todas no Vale da Ribeira, interior de São Paulo.
A cabeça de Marcos Cintra, secretário da Receita (é uma indicação de Luciano Bivar, presidente do PSL), já esteve por diversas vezes à prêmio, mas ele sempre conseguiu escapar, depois de fazer juras de amor e obediência a Jair Bolsonaro. Agora, o Chefe do Governo diz que “ele não tem nenhum poder sobre os auditores da Receita” e deverá fazer modificações no órgão – e dizer adeus a Cintra.
Longe
Para Bolsonaro, que não se envolveu no problema da avó de sua mulher Michele, Maria Aparecida Firmino Ferreira, num hospital da periferia de Brasília, “parente bom é parente longe”. E a própria primeira-dama também não fez comentários sobre a situação da avó, que vive numa favela em Ceilândia. Michele também se mantém afastada de sua mãe, Maria das Graças Firmino e de seu pai, Vicente de Paulo, casado há muitos anos com Maisa Torres, a quem Michele chama de “segunda mãe”. A primeira-dama sempre chama o pai de “meu negão”.
Desnorteado
Mauricio Macri, candidato à reeleição à presidência da Argentina, está desnorteado: lança pacote com aumento de salário mínimo, bônus para funcionários públicos, redução de carga tributária para a classe média e congelamento por 90 dias nos combustíveis. Não dará certo. Todas as pesquisas apontam para Alberto Fernandes, que tem como vice Cristina Kirchner, sobre os quais Bolsonaro dispara sua metralhadora.
“Bandido”
Tentando ajudar Macri, Bolsonaro chama Alberto Fernandes de “bandido de esquerda” e insiste em atacar o favorito das eleições na Argentina pelo lado da ideologia, o que acaba prejudicando o próprio Macri. Na história do país, ditadores da direita sumiram com oposicionistas, fazendo nascer – e atuando até hoje – as “Mães de maio”, que procuram onde seus filhos estão enterrados.
Filho e pai
Enquanto Eduardo Bolsonaro diz que a justiça não pode intervir em sua indicação para embaixador em Washington, seu pai Jair Bolsonaro ainda não mandou para a frente a indicação do filho para o Senado. Teme uma derrota.
Barrada no Baile
Solange Gomes, 42 anos, ex-garota da banheira do antigo programa de Gugu Liberato, está proibida de divulgar seu livro “Sem arrependimentos”, onde passa em revista seus embates sexuais, no SBT. Foi convidada e desconvidada para o The Noite, de Danilo Gentili. Ela agora conta que, em sua época de glória (ela deixou a banheira há 13 anos), foi convidada a “uma noite de loucuras” com um presidente da República. “Fiquei fascinada pela oferta e quase aceitei”.
Outros tempos
Os mais saudosistas telespectadores que não perdiam o quadro da “garota da banheira” no programa de Gugu Liberato estão lembrando que, na época, a grande favorita das travessuras aquáticas era mesmo Luisa Ambiel – e a mais bonita, entre 1994 e 1998.
Reforma
Também a jornalista Mariana Godoy, ex-Globo, que mantém um programa semanal na Rede TV!, está aparecendo em anúncios com novo visual: cabelos mais compridos, repicados e com tudo no lugar. Adeus aos cabelos curtinhos e comportados, quando casou com um ex-padre.
Cidadãos do bem
A chef Paola Carosella, vítima de patrulha constante nas redes sociais, resolveu rebater: “O processo de higienização do Brasil continua dando muito certo. Cidadãos do bem, armados até os dentes, cidadãos do bem que matam em nome de Deus, que discriminam em nome de Deus, que desmatam em nome da Pátria, que assassinam lideranças indígenas, mulheres, negros, em nome de paz”.
Divorciado
O ex-senador Magno Malta, que sonhou em ocupar um ministério (e ainda sonha) no governo Bolsonaro está oficialmente divorciado. Casado desde de 2013 com Lauriete Rodrigues, viu seu casamento chegar ao fim. Ele não toca no assunto, mas a ex-mulher confirmou. “Não gosto de falar do meu casamento porque acredito que não há necessidade. Já me divorciei, já foi. Estou divorciada oficialmente. Então a gente encerrou o casamento sem briga, nada no litigioso, tudo tranquilamente. Não era para ser assim. Pelo menos eu não pensei. Ninguém casa para separar, mas acontece”.
Vende-se
Há quem diga que, na época, tinha dinheiro para queimar e Michael Klein, que não entende nada de aeronaves, criou a Icon Aviation, com mais de 30 aviões e helicópteros. Numa super decolagem, virou a maior frota de táxi aéreo da América do Sul, ficando como única rival a Líder Táxi Aéreo. Agora, Klein atravessa fase difícil e não tem a quem vender sua empresa (a própria Líder enfrenta sua pior fase). Por enquanto, o que tem alcançado altos voos na Icon são os números de sua dívida.
Mal de audiência
Cinebiografia de Edir Macedo, da Igreja Universal e dono da TV Record, Nada a perder, foi campeã de bilheteria no ano passado, com mais de 10 milhões de espectadores, com ingressos distribuídos para os fiéis. Esta semana, na terça-feira (13) exibida na Record, não teve boa audiência. Ganhou cinco pontos em São Paulo, ficando atrás da Globo e do SBT.
De fora
Depois de dez anos, Bianca Bin não teve seu contrato renovado na Globo. Havia recusado o papel de Josiane (hoje vivido por Agatha Moreira) em A dona do pedaço. Ela é casada com Sérgio Guizé, o Chiclete da mesma novela e teria de contracenar também com a ex-dele Nathalia Dill, que interpreta Fabiana.
Ao vivo
Com muita discrição, Glenn Greenwald está pedindo à Justiça permissão para uma nova entrevista com o ex-presidente Lula em sua sala-cela na Superintendência da PF em Curitiba. E quer transmissão ao vivo pelas redes sociais. Ou seja: é um pedido sob medida para ser vetado.
Último capítulo
O apresentador Luciano Huck deu uma palestra em Vila Velha, Espírito Santo para 300 jovens e opinou sobre o governo de Jair Bolsonaro. “Com todo respeito a esse governo, que foi eleito de forma democrática, não acredito que ele é o primeiro capítulo da renovação, mas o último capítulo do que não deu certo”.
R$ 3,8 milhões
O ex-ministro Antonio Palocci resolveu mesmo entregar todo o esquema de propina praticada pelo ex-partido, o PT em suas delações. Ele garante que a sigla recebeu cerca de R$ 270 milhões entre 2002 e 2014 em propina em negociações feitas pelo ex-tesoureiro João Vaccari em troca de favores. E garante que só Gleisi Hoffman, presidente do PT recebeu R$ 3,8 milhões na campanha de 2010 para o Senado.
Levando bronca
O senador Flávio Bolsonaro deixou seu pai muito bravo na noite de quarta-feira (14) porque ele deu uma entrevista para Andreia Saddi na GloboNews, canal fechado da emissora que seu pai considera inimiga. Os assuntos foram os mais variados. Entre eles o relatório da Coaf que indica suas movimentações financeiras supostamente ilegais “O relatório não é mentiroso, mas é ilegal. Eles deram informações detalhadas. Se eu pedisse um extrato bancário, não viria tão detalhado, e os caras pegaram isso e compartilharam”.
Um golaço
Ainda sobre a entrevista de Flávio Bolsonaro a GloboNews: se, por um lado Jair Bolsonaro ficou bravo pela entrevista, por outro lado gostou de ver o senador defendendo a indicação de seu irmão para a embaixada em Washington. “Eu acho que é um golaço para o Brasil. E completou: “Eu acho que o Brasil vai ganhar demais, e eu tenho a convicção de que o Senado também já compreendeu isso, e não vai usar uma situação como essa para dar recado para presidente. Tem um limite, essa disputa política, que é o interesse nacional, é o interesse do Brasil”.
Apresentador
Nesses dias, Luciano Hang, dono da Havan, participou do programa de Silvio Santos e depois, nos bastidores, o homem do baú disse ao empresário que ele daria um ótimo apresentador de um programa de prêmios. E até citou como referência Marcelo Carvalho, sócio da Rede TV! que, sem experiência, pulou para a frene das câmeras e deu certo. Hang, a propósito, já é um dos principais patrocinadores do SBT – e é bolsonarista ferrenho.
Mal da foto
O novo secretário de imprensa da Presidência, Paulo Fona, permaneceu apenas sete dias no cargo. Havia sido nomeado por Fábio Wajngarten, secretário de Comunicação, que o núcleo próximo de Bolsonaro acha que “está mal na foto”. O próprio presidente mandou afastar Fona, depois de ouvir reclamações e agiu rápido. De quebra, blindou o porta-voz Rêgo Barros de subordinação a Wajngarten: fica na Secretaria do Governo, comandada pelo general Luiz Eduardo Ramos.
Excesso
Fábio Wajngarten é quem teve a ideia de entrevistas matinais de Bolsonaro, à saída do Alvorada, todos os dias e do café semanal com jornalistas que, durante algum tempo, tiveram relativo sucesso. Só que o presidente fala além da conta nessas ocasiões e, vira e mexe, desperta discussões até em áreas triviais. Ou seja: há exposição em excesso. Muitos colunistas confessam publicamente, que não aguentam mais falar de Bolsonaro – e sempre por conta de seus desatinos.
Ainda não
Rodrigo Maia, presidente da Câmara, avisou o deputado Roberto de Lucena (Podemos-SP), que seu projeto sobre nepotismo só será votado depois que o Senado debater a indicação de Eduardo Bolsonaro, para embaixada em Washington: antes sem chance. Ou seja, afagou o ego de Jair Bolsonaro, do ataque de dias atrás.
Evento
Por falar em Eduardo Bolsonaro: apesar de seu nome ainda não ser oficialmente indicado como embaixador em Washington ele já vem de uma certa forma agindo na área. Em seu Twitter anunciou que o Brasil irá sediar pela primeira vez nos dias 11 e 12 de outubro em São Paulo o CPAC – Conservative Political Action Conference, o maior evento conservador do mundo. Entre os convidados está o presidente norte-americano, Donald Trump

Na barreira
A bancada da bala no Congresso já trabalha para enfrentar a CPI do Esporte, pedido protocolado há dias pelo senador Jorge Kajuru. A missão é tirar os holofotes do futebol e especialmente da CBF e mirar confederação de esportes olímpicos. Nessa retranca, jogam o senador Major Olímpio, líder do governo no Senado e o deputado Marcelo Aro, que se divide entre a Câmara e a diretoria de Relações Institucionais da CBF.

Bijuteria
Nos corredores do Ministério Público Federal corre a informação, sujeita até a gozações, de que o ex-governador Luiz Fernando Pezão, do Rio, havia tentado fechar uma delação premiada. Só que até agora, só havia oferecido bijuteria como moeda de troca.

Mudança
A Vivo vai virar fintech: a operadora está desenvolvendo uma nova plataforma de pagamentos eletrônicos via celular. A ideia é montar centenas de parcerias com rede de lojas e sites de e-commerce. O negócio já sairia do chão com um universo potencial de 70 milhões de clientes a ser prospectado – o número de celulares ativos da companhia.

Rápido
Para melhor ilustrar o funcionamento da Câmara: esta semana, a lei de abuso de autoridade não estava na pauta. Aí, Rodrigo Maia, presidente da Casa, inclui o requerimento de urgência à tarde e, horas depois, os deputados já estavam votando o mérito. Nada de negociação envolvendo cargos e emendas, como aconteceu para aprovar projetos como o da Previdência. Quando eles querem – e um sabe comandar – tudo funciona rapidamente.
Frases