Uma planilha da transportadora de valores que operou para a Odebrecht em São Paulo indica que ao menos 187 entregas de dinheiro a políticos, marqueteiros e agentes públicos foram consumadas na capital paulista, entre setembro de 2014 e maio de 2015. Na lista, estão os nomes dos paranaenses Beto Richa e Gleisi Hoffmann. O arquivo, que é mantido sob sigilo pelo Supremo Tribunal Federal (STF), revela os nomes dos intermediários que teriam recebido propina ou caixa 2 de campanha e os endereços onde os valores delatados há dois anos pela empreiteira foram pagos.

Consta que os policiais militares que faziam as entregas à paisana pela Transnacional levaram, segundo os registros, nove encomendas no valor total R$ 4,5 milhões na sede da empresa de Bruno Martins Gonçalves Ferreira, que trabalhou na campanha da deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. As senhas são as mesmas que aparecem na planilha da Odebrecht vinculadas ao codinome “Coxa”, atribuído a Gleisi.

Na mesma lista da transportadora há pagamentos cujas senhas estão vinculadas ao codinome atribuído ao ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), que teria recebido R$ 1 milhão.

Maus bofes

Eu e a maioria dos brasileiros andamos de maus bofes. Pudera, a fase de vacas magras piorou. As esperanças minguaram. Projeções de crescimento do PIB estão em queda. Pesquisa de fonte fiel mostra que a vida só melhorou para 7,2% dos brasileiros. Permaneceu chinfrim para 64,6%. E piorou para 26,9%. Até quando?

Milícia em Foz

O Serviço de Inteligência da Segurança Pública identificou e investiga a organização de milícia em Foz do Iguaçu, da qual fariam parte ex-policiais e policiais militares da ativa. Há, segundo as investigações, conexões com comerciantes e até de políticos da região.

Modus operandi

O modus operandi é idêntico ao de milícias como as que atuam no Rio de Janeiro, em São Paulo e em cidades do Nordeste. Exigem pagamento em troca de “serviço de proteção”, procuram dominar territórios, especialmente perto do rio Paraná que faz fronteira com o Paraguai. Dão cobertura e operam contrabando. A investigação procura nexos com o tráfico de armas e de drogas, Da investigação participam também órgãos de segurança e a Polícia Federal.

Diesel mais caro

A Petrobras tenta fazer acreditar em “preço justo” do diesel, divulgando que o valor na bomba está 13% abaixo da média mundial. Mas isso é uma lorota. A comparação deve ser feita com países com produção semelhante. Enquanto no Brasil um litro do diesel custa US$0,91, nos Emirados Árabes o diesel é 25% mais barato (US$ 0,68 o litro), e no Kuwait, que produz menos que o Brasil, custa US$0,38 ou 58% menos. Da coluna do Claudio Humberto.

               No continente

Na América do Sul, Venezuela, Equador, Bolívia, Colômbia, Paraguai e Chile cobram menos pelo diesel e todos produzem menos que o Brasil. O único país que produz mais petróleo que o Brasil e pratica preços mais altos do diesel é a China, mas lá ninguém pode reclamar.

Inquérito vai continuar

Em Lisboa para o evento jurídico do IDP, de Gilmar Mendes, o ministro Alexandre de Moraes também sinalizou que o inquérito aberto por Dias Toffoli para apurar supostos ataques ao STF vai continuar. Do Antagonista.

 

“Nós vamos continuar investigando, principalmente – e esse é o grande objetivo do inquérito aberto por determinação do presidente do Supremo – as ameaças aos ministros do STF.”

Movimento em Itaipu

O feriado prolongado da Páscoa, de 19 a 21 de abril, levou 8.905 visitantes aos atrativos do Complexo Turístico Itaipu (CTI), na margem brasileira da usina, instalada em Foz do Iguaçu (PR). O número é 17,45% superior ao do mesmo feriado no ano passado e superou as expectativas do CTI, que previa um aumento de 5% em relação a 2018.

Atração principal

O passeio que mais atraiu visitantes à usina foi a Itaipu Panorâmica, com 5.424 pessoas, ante 4.905 registradas no ano anterior – um aumento de 10,6%. A Sexta-feira Santa foi o dia mais movimentado, com um público total de 3.496 visitantes. Os três dias apresentaram aumento no número de turistas, em relação a 2018, quando passaram pela usina 7.582 pessoas.

Eleva a tensão

Com ataques a militares e à nova política, o vídeo postado e depois apagado do canal de Jair Bolsonaro no YouTube deve não só elevar a tensão entre membros das Forças e olavistas como também ampliar a pressão para limitar o acesso de Carlos, o 02, às redes do pai. O filme, que registra falas de Olavo de Carvalho, também pode inflamar a já insatisfeita bancada do PSL. Ele foi publicado na página de Bolsonaro sábado (20), divulgado por Carlos na manhã deste domingo (21) e deletado às 18h30.

Rastros

A peça foi postada por Carlos Bolsonaro às 10h40. Por volta das 23h, quando o filme havia virado notícia, o filho do presidente escreveu que iniciaria nova fase, “longe de todos que de perto nada fazem a não ser para si mesmos”. “Quem sou eu neste monte de gente estrelada?”, indagou.

Fim de aposentadorias

Enquanto o governador Ratinho Jr estiver na China, a pauta política vai ferver. A começar pela PEC que prevê o fim das aposentadorias de ex-governadores, tema que fere a sensibilidade de muitos deputados comprometidos com a lista de aposentados. A comissão especial criada para tratar do projeto deve se manifestar hoje e a matéria entra em votação. Tanto o texto original como a emenda formulada pelo deputado Homero Marchese (Pros) serão analisados pela comissão na reunião marcada para 13h30. A proposta encaminhada pelo governo extingue as aposentadorias futuras, mas a emenda de Marchese revoga as já concedidas no passado, o que atinge 11 ex-governadores e viúvas.

Roman no Brail-Itália

O deputado federal Evandro Roman (PSD-PR) foi eleito vice-presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Itália durante sessão da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, em Brasília. Criado em 1979, o Grupo Brasil-Itália não tem objetivos políticos e pauta sua atuação na melhoria do relacionamento entre as casas legislativas dos dois países, assim como dos intercâmbios culturais, de informações e de cooperação entre as duas nações irmãs. “Poucos países têm uma relação tão próxima e fraterna quanto Brasil e Itália e, em especial no Paraná e na nossa região Oeste, essa relação cultural é ainda mais próxima e intensa”, avalia Roman.

 “Entre a cruz e a espada”

Há um profundo descontentamento entre os caminhoneiros, mas a categoria se divide sobre a conveniência de uma paralisação no momento. Apesar do pacote de concessões anunciado pelo governo na semana passada, o incômodo dos caminhoneiros voltou a crescer com a efetivação de um aumento de R$ 0,10 no preço do litro do diesel pela Petrobras na última quarta-feira (17), após ter sido suspendido dias antes pelo próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL). Diante do incômodo da categoria, o governo ensaia novos movimentos de aproximação, em uma tentativa de debelar os riscos de uma crise.

Minha Casa Minha Vida

O governo vai liberar R$ 800 milhões adicionais em recursos para evitar a paralisação das obras do Minha Casa Minha Vida, de acordo com reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo neste sábado, 20. A reportagem explica que a liberação da verba ocorre após pressão das construtoras que atuam no programa de habitação popular, que ameaçavam parar com as obras em maio.

Pressão de empresas

A maior pressão vinha das empresas que atuam na faixa 1, que se destina a famílias com renda até R$ 1,8 mil por mês, segmento em que 90% do valor do imóvel é subsidiado com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial.

‘Bunker da propina’

Uma sala comercial no terceiro andar de um prédio na Avenida Faria Lima, principal corredor financeiro de São Paulo, serviu como “bunker” para armazenar notas de dinheiro obtidas por doleiros com lojistas chineses da região da 25 de Março para a Odebrecht pagar propina e caixa 2 a políticos e agentes públicos na capital paulista.

Provas cabais

Planilha da transportadora de valores Transnacional, usada pela empreiteira no esquema, mostra que R$ 15,5 milhões foram coletados no endereço e levados até a sede da empresa, na Vila Jaguara, em 37 viagens feitas entre setembro de 2014 e maio de 2015. Nos dias seguintes às retiradas de dinheiro, os valores eram entregues por policiais militares à paisana aos intermediários dos políticos em residências, escritórios e quartos de hotéis.

Manobra escondida

Alguns deputados – entre os poucos que, realmente, leram a íntegra do projeto de reforma da Previdência apresentado pelo governo – acabam de descobrir que, em 11 pontos diferentes, está escondida uma manobra inaceitável pelo Legislativo. Estabelece que determinadas alterações no regime da Previdência, desde que aprovado o atual projeto, poderão ser feitas, no futuro, pelo Executivo sem necessidade de passar pela aprovação do Legislativo. Entre outras, idade mínima, tempo de contribuição e sistema de capitalização, só para começo de conversa. Esses deputados acham que o ministro Paulo Guedes tenta lhes passar um “recibo de idiotas”.

“Ouvindo as ruas”

Para defender a ideia de que Bolsonaro não interferiu no novo preço do diesel (já está vigorando aumento ligeiramente inferior), o ministro Paulo Guedes, da Economia, disse que ele se manifestou depois de estar “ouvindo as ruas”. Na realidade, o Chefe do Governo mandou a Petrobras recuar por ameaça de nova greve dos caminhoneiros. Para quem tem memória curta: a greve dos caminhoneiros no ano passado, com diversas consequências, teve o total apoio do pré-candidato Bolsonaro.

 

Condecorado

O Ministro da Defesa vai condecorar com a Medalha da Vitória, dada por referência ao papel do Brasil na Segunda Grande Guerra e missões de paz, o advogado Paulo Henrique Pinto de Mello. Ele é o advogado dos militares que dispararam 80 tiros e mataram o músico Evaldo Rosa, por engano.

 

Saia justa

Se Raquel Dodge, procuradora-geral da República, não recorre ao Supremo contra a censura do ministro Alexandre de Moraes em revista digital e site que, supostamente, teriam veiculado fake news sobre o STF, os jornalistas atingidos recorrerão. Então, para ir a julgamento pelo plenário da Alta Corte a pauta é levada pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli. Se o ministro Edson Fachin não for atendido em seu pedido de informação sobre a censura, também recorrerá ao plenário, o que igualmente depende de Toffoli. Se ele recua, haverá uma ruptura interna no STF.

 

Antes e depois

Em 2015, quando a ministra Cármen Lúcia derrubou a ação que julgava inconstitucionalidade de autorização prévia para biografias, o Supremo a acompanhou por unanimidade. E o ministro Dias Toffoli igualmente votou contra autorização prévia. “A corte está afastando a ideia de censura que, no estado democrático de direito, é inaceitável”. Na semana passada, o mesmo Toffoli mudou: “Liberdade de expressão não é absoluta”.

 

Sem acusação

No depoimento de Marcelo Odebrecht ao MP onde identifica Dias Toffoli como “o amigo do amigo do meu pai”, não há qualquer acusação contra ele. Apenas a informação de que deveria ser procurado para resolver um problema na obra da hidrelétrica do Rio Madeira. Não há ofensa ao ministro, nenhum ataque ao STF, nada que justificasse nem mesmo atenção do presidente no inquérito.

 

Também e-commerce

Se, de um lado, está prestes a fechar a fusão com a Sonae Sierra, de outro, a BR Malls aposta suas fichas no e-commerce. Está garimpando startups, com o objetivo de montar um colar de participações, a exemplo da associação com o Delivery Center, aplicativo de entregas.

 

Nem centavo

O incêndio do Museu Nacional, em setembro do ano passado, fez com que o então presidente Michel Temer, que não apareceu para ver o que sobrara, reunisse empresários e anunciasse “a formação de um grupo com Febraban, Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil, Caixa, Petrobras e Vale” para ajudar com recursos a reconstrução do museu. De lá para cá, não pingou nem um centavo de qualquer um deles.

 

Primeira

Na semana passada, a primeira contribuição de pessoa física para reconstrução da parte destruída pelo incêndio da Catedral Notre-Dame partiu da brasileira Lili Safra que, há anos, reside na França. Ela doou R$ 88 milhões.

 

Quer mais

O presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa, anuncia, esta semana, resultados de 2018 da estatal e aproveita para pedir aumento de verbas. Suas pesquisas resultaram num ganho para a cadeira do agronegócio de R$ 43 bilhões no ano passado. E mais: para cada real aplicado pelo governo, a Embrapa gerou o equivalente a R$ 12,16 para a sociedade. O ministro Paulo Guedes, da Economia, não terá como negar: pelo menos, é o que espera o pessoal da Embrapa.

 

Vale até oração

Nesses dias conturbados pela censura imposta pelo ministro Alexandre de Moraes à revista digital Crusoé e ao site O Antagonista, ele e o presidente do STF até teriam rezado para que nenhum oficial militar graduado, espontaneamente ou induzido, se posicionasse sobre o assunto. No geral, a mídia generaliza as declarações e, dessa forma, o que seria dito por um general, brigadeiro ou almirante, da ativa ou da reserva, seria tratado como pensamento de toda corporação. O risco de uma crise poderia ser fatal.

 

Olho no Peru

O suicídio do ex-presidente do Peru, Alan Garcia, é a consequência trágica do esquema de corrupção que a Odebrecht espalhou pela América Latina e África. No Peru, Pablo Kuczynski, ex-presidente de direita, está preso devido às delações da empreiteira brasileira, no Brasil e Estados Unidos. E também outros dois ex-presidentes enfrentam investigações: Alejandro Toledo, de direita, e Ollanta Humala, de esquerda. E Fujimori também está preso por outro caso de corrupção.

 

Aluno

Abram Weintraub, novo ministro da Educação, é considerado um dos alunos mais aplicados do ex-astrólogo Olavo de Carvalho.

 

Também quer

A indústria sucroalcooleira de São Paulo vai encaminhar a Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e do Planejamento do governo João Doria, propostas para dar fôlego ao setor. Se o pedido for de renúncia fiscal, é certo que o pacote vai parar no triturador de papel de Meirelles.

 

Brinde

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, providenciará um brinde, esta semana, aos mais de 200 parlamentares da bancada ruralista. Vai pautar a votação em plenário do projeto de lei que revalida os subsídios da energia elétrica para o produtor agrícola. A proposta foi aprovada a toque de caixa na Comissão de Minas e Energia na Câmara, na semana passada.

 

Super esquema

Para quem não tem nem ideia: o escândalo de propinas da Odebrecht foi exportado para diversos países, além do Brasil: Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Panamá, Peru e Venezuela. A atuação da empreiteira (em muitos países, ao lado do BNDES nacional) na construção de hidrelétricas, aqui e em países da América Latina e África aumentou o volume de corrupção. E muitos governantes de esquerda estão presos ou sendo processados.

 

Refresco

O governador Wilson Witzel estuda a restituição do IPVA de proprietários de veículos destruídos pelas chuvas da semana passada no Rio. E foi aconselhado por assessores para isentar do tributo os veículos novos adquiridos em substituição aos carros perdidos. O argumento é que a renúncia fiscal será um refresco de impacto positivo sobre a imagem do governo, que já não é lá essas coisas.

 

Contra

Veteranos do PSDB, entre eles FHC, José Serra e Geraldo Alckmin, são contra a mudança de nome do partido, o que João Doria quer fazer se emplacar Bruno Araújo na presidência da sigla no mês que vem. Só que ninguém se atreve a enfrentar o governador de São Paulo.

 

Mordaça

O ministro do STF Marco Aurélio Mello defendeu que o Ministério Público Federal recorra ao Supremo para que o caso de censura imposta pelo colega Alexandre de Moraes a revista digital Crusoé e ao site O Antagonista vá ao plenário. Mais: ele acha que a condução de Alexandre de Moraes e de Dias Toffoli, presidente da Alta Corte, foi errada. “Precisam tirar o pé do acelerador. O excesso de autoestima é prejudicial”. E acrescentou: “Mordaça, mordaça. Isso não se coaduna com os ares democráticos da Constituição de 1988”. Juntos com Mello deverão estar Cármen Lúcia, Rosa Weber, Celso de Mello, Edson Fachin, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso

 

Precisamos da mídia

Em discurso no Dia do Exército, na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro, de uma forma bem discreta criticou a postura do ministro do STF Alexandre de Moraes e do presidente da Alta Corte, Dias Toffoli, no caso da censura a revista digital Crusoé e ao site O Antagonista. “Prezados integrantes da mídia, em que pese alguns percalços entre nós, nós precisamos de vocês para que a chama da democracia não se apague. Precisamos de vocês cada vez mais. Palavras, letras e imagens que estejam perfeitamente emanadas com a verdade. Nós, juntos trabalhando com esse objetivo, faremos um Brasil maior, grande e reconhecido em todo o cenário mundial. É isso que nós queremos”.

 

Contra-ofensiva

Dias Toffoli, presidente do Supremo, resolveu atirar direto contra a Crusoé e O Antagonista: “Tem de lembrar quem financia esses sites. Isso não é imprensa livre. É imprensa comprada”. Os atingidos estão abrindo processo contra o ministro.

 

Sem cocar

Na semana passada, Jair Bolsonaro recebeu grupo de índios e avisou que “se a Funai não fizer o que eles querem, cortará toda diretoria do órgão”. Na ocasião, o Chefe do Governo não topou colocar na cabeça um cocar oferecido pelos indígenas. Usou a desculpa dos cabelos, mas não queria mesmo era se arriscar à “maldição do cocar” que diz que, quem coloca na cabeça e não é índio, enfrenta grandes problemas.

 

Enxurrada

Já são sete os recursos contra o inquérito secreto de Dias Toffoli para investigar ofensas ao STF. Sorteado como relator, o ministro Edson Fachin já recebeu quatro dessas petições. As outras ainda não foram distribuídas. A enxurrada de recursos desaguará no plenário do Supremo, forçando os outros nove ministros a se posicionarem sobre o inquérito ordenado por Toffoli e os despachos emitidos por Alexandre de Moraes.

 

Genérico

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), também chamado de “chanceler genérico”, passou pela Hungria, onde conversou com o primeiro-ministro Viktor Orbán. Queria conhecer o sistema de imigração do país, um dos mais fechados à entrada de islâmicos. E na Itália, deverá se reunir com o vice-premier Matteo Salvani.

 

Estão se derrubando

O deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) protocolou pedido de impeachment contra o vice-presidente Hamilton Mourão, que, ao seu ver tem tido comportamento indecoroso e vê crime de responsabilidade. Diante do pedido, o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que o governo está batendo cabeça e os desentendimentos internos são maiores do que se pode ver. “Não deu nem 4 meses de governo e eles estão se derrubando. As crises e o bate-cabeça batem recorde e prejudicam o País. Parece fake news, mas não é”.

 

Unindo

Ainda sobre o episódio da censura: para o líder do Cidadania (antigo PPS) Daniel Coelho a decisão adotada pelos ministros do Supremo Dias Toffoli e Alexandre de Moraes conseguiu unir grande parte da esquerda e da direita novamente no mesmo assunto. “O mais grave no erro de avaliação de Toffoli e Alexandre de Moraes é pensar ser possível controlar as críticas da rede. Conseguiram unir pela primeira vez, desde a última eleição, a esquerda e a direita em um assunto”.

 

Indenização

O deputado federal Alexandre Frota foi condenado a pagar R$ 50 mil ao cantor Gilberto Gil. Frota teria feito insinuações de racismo e injuria ao insinuar que Gil teria roubado os cofres públicos e que ele não poderia mais se beneficiar dos recursos da Lei Rouanet, já que havia sido ministro da Cultura.

Frases

“Liberdade de expressão não é absoluta. As liberdades não são incondicionais.”

Dias Toffoli, presidente do STF.