Neymar na reserva

602

A decisão de Thomas Tuchel de colocar Neymar como opção no banco de reservas no duelo do Paris Saint-Germain contra o Real Madrid na noite da terça-feira (26), no Santiago Bernabéu, pela Liga dos Campeões, gerou irritação no brasileiro.
O anseio do jogador em participar da partida era grande, e nem a oportunidade de atuar nos 45 minutos finais foram suficientes para amenizar a situação. Em campo, a atuação do camisa 10 foi pouco destacada no empate por 2 a 2.
Neymar foi informado por Tuchel sobre a presença no banco de reservas logo pela manhã na concentração do time em Madri. Segundo apurou a reportagem, não houve discussão entre eles, mas, sim, um posicionamento claro do brasileiro de que se sentia preparado para atuar os 90 minutos.
“Não tenho medo de perder o Neymar por essa suplência. Nós temos uma relação clara. Falei com ele hoje o que pensava, que é ter ele para finalizar o jogo. Eu não tenho o Neymar por 90 minutos por questão física, e sou responsável por gerir isso. Já usei essa mesma postura com o Mbappé contra o Galatasaray e o Brugge”, disse Tuchel, citando as duas ocasiões em que o francês ficou no banco de reservas por estar voltando de lesão
“Fui claro com o Neymar para dizer o que penso. Nada mais é do que querer ele para finalizar um jogo duro. E essa é a maneira que eu penso, e ele precisa de paciência”, completou o técnico.
O pedido de paciência acontece por Neymar já ter demonstrado um descontentamento com o treinador alemão ao ser substituído na vitória contra o Lille por 2 a 0 na última sexta-feira (22), pelo Campeonato Francês. Na ocasião, o camisa 10 foi direto aos vestiários e não conversou com o elenco após o jogo.
O silêncio tem sido a postura adotada por Neymar atualmente no PSG. No Santiago Bernabéu, ele rapidamente deixou os vestiários após o jogo e não atendeu aos diversos pedidos dos jornalistas por entrevistas.
Outra postura de Neymar que chamou a atenção foi o fato de o jogador optar por nem participar do aquecimento do time ao lado dos outros reservas. Juntos a ele estiveram Cavani e Paredes, outros jogadores que estão descontentes com as escolhas de Tuchel para o time titular.
Com informações de JOÃO HENRIQUE MARQUES (UOL/FOLHAPRESS)