Ney, Ducci, Goura e Francishini de olho na Prefeitura

379

Ney Leprevost: trabalho consistente; Luciano Ducci: bom currículo; Goura Nataraj: pode surpreender.

Diante de evidentes lutas intestinas dentro da Prefeitura de Curitiba – como a provocada pela “unção” do jovem advogado Lucas Navarro de Souza, 29, como novo preferido e possível futuro chefe de gabinete do prefeito -, esboça-se mais fortemente a questão sucessória de Rafael Waldomiro Greca de Macedo.

Os adversários do alcaide começam a ocupar vácuos da “casa dividida”, como alerta um pastor evangélico da base de apoio a Greca de Macedo.

O Rafael Waldomiro era dado – entre seus partidários – até agora, como invencível em futura eleição.

NEY BEM NA FICHA

Hoje, com a forte e eficiente exposição do secretário de Família, Justiça e Trabalho, Ney Leprevost (PSD, partido de Ratinho Junior), com sua presença ubíqua e operosa em todos os cantos da cidade, as coisas vão mudando.

Greca tem, de novo, um adversário de peso, que não foge à luta.

TAMBÉM LUCIANO

Mas não é só Leprevost que consegue dizer presente à corrida sucessória de 2020. O ex-prefeito Luciano Ducci, que afinal foi criativo e operoso, embora tendo deixado a Prefeitura com caixa muito baixa (como alegou seu sucessor, Fruet) também começa a assestar armas e ganhar aliados dentro do seu PSB.

É um nome nada desprezível politicamente.

Goura Nataraj (PDT) talvez não esteja mesmo interessado em ser prefeito. Mas até agora não desestimulou publicamente sua enorme rede jovem defensora de sustentabilidade urbana, seu grande ponto de apoio.

GOURA, JUVENTUDE

“O Goura não terá nada a perder, e tudo a favor dele, como sua juventude, suas teses renovadoras para a cidade, e a grande aceitação dele no mundo das redes sociais”, diz um jornalista, amigo de Jacques Brand, pai do hoje deputado estadual.

FRANCISCHINI

Um grande pepino para Greca poderá constituir eventual candidatura de Fernando Francischini, que mudou de casa, assumindo mandato de deputado estadual. Teve a maior votação – 400 mil? – dada a um parlamentar local.

O delegado da PF nunca escondeu seu interesse na Prefeitura de Curitiba.

Se levará o projeto adiante, não se sabe. Antes, de qualquer forma, terá de combinar futuros passos eleitorais com o governador Ratinho Junior, de quem depende para eventual candidatura. Hoje, acredita-se, o governador tem suas fichas colocadas em Ney Leprevost.


Curitibano Vinicius Klein vai para o CADE

Vinícius Klein: indicação de Moro

O ministro Sergio Moro cerca-se de paranaenses em diversos escalões de seu Ministério. Agora, por exemplo, indicou – e o nome está em apreciação na Casa Civil – o advogado e procurador estadual do Paraná Vinicius Klein para preencher uma das cinco vagas a serem abertas até outubro no CADE (Conselho de Defesa Econômica).

O processo de preenchimento do cargo deve demorar até três meses.

QUEM É KLEIN

Vinicius Klein possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Paraná (2001), Mestrado em Direito das Relações Sociais pela Universidade Federal do Paraná (2004), Doutorado em Direito Civil pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2013) e Doutorado em Desenvolvimento Econômico pela UFPR. Visiting Scholar na Universidade de Columbia -EUA (2012). Procurador do Estado do Paraná – Procuradoria Geral do Estado do Paraná.

PROFESSOR DA UFPR

Vinicius é também Professor Adjunto de Direito e Economia no Departamento de Economia da UFPR. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Contratual, atuando principalmente nos seguintes temas: direito empresarial, direito e economia, contratos empresariais, direito societário e direito econômico, direito administrativo econômico.


Francischini no comando da CCJ, vital para a Previdência

Felipe Francischini: posição muito relevante; Fernando Francischini: trocando de casa com o filho

Na Assembleia Legislativa do Paraná o jovem Felipe Francischini – filho do também deputado Fernando Francischini – cumpriu um mandato sem grande expressão. Mas não fez feio, teve correção parlamentar.

Jovem, que trocou com o pai de posição, agora na Câmara dos Deputados Felipe vai presidir a mais importante comissão da Casa, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que nestes dias avulta em importância, pois decidirá sobre a admissibilidade do projeto de Reforma da Previdência; o que significa: ela dirá se o projeto está de acordo com os princípios da Constituição.

Francischini (PSL) estará acompanhado na CCJ de mais seis deputados de seu partido e seis suplentes da mesma legenda.

A líder do Governo no Congresso, Joice Hasselmann, confirmou nesta sexta-feira, a escolha de Felipe para presidir a CCJ.


20/07/2019, nova data para o fim do mundo

A jornalista Mônica Moreira, de SP, enviou a colaboração que segue sobre tempos apocalípticos que estariam chegando. Leia:

“O ano de 2019 iniciou-se com vários desastres no país, o que abriu espaço para discussões de algumas teorias conspiratórias, uma delas envolve o médium Chico Xavier. Segundo ele, desde que o homem pousou na Lua em 20 de julho de 1969, forças extraterrestres teriam estipulado um prazo de 50 anos para que a humanidade encerrasse as guerras e os conflitos.

‘DEAD LINE’

O prazo acaba em 2019 e caso conseguíssemos cumprir as condições, passaríamos a viver uma fase de regeneração marcada por um evento que envolvesse seres de outros planetas, já que estaríamos prontos para entendermos e aprendermos novos níveis de tecnologia, outros níveis de conhecimentos em novas esferas das dimensões e afins.

‘SERÁ UMA BÊNÇÃO’

Segundo a autora Patrícia Cândido, professora e pesquisadora na área da espiritualidade há 20 anos, a Data Limite seria uma benção para humanidade pois “entraríamos em um momento de evolução e para progredirmos com o universo, precisamos elevar nosso padrão moral, sermos boas pessoas e nos mantermos em oração. Então, se aplicarmos esse conceito para a vida, tudo será mais leve e feliz.”

O futuro se altera o tempo todo, então, precisamos entender o evento da Data Limite como mais uma possibilidade do cosmo. A autora acredita que devemos viver e nos preocuparmos com o presente, pois essa é a única forma de garantirmos um futuro próspero.” Para ver um pouco mais sobre a temática, veja o vídeo da autora: https://www.youtube.com/watch?v=q6JqdPX9x2w


DOS LEITORES (1):

Marionetes e o mágico na história do Bamerindus…

Aroldo,

Mágico Delfus: atraia aprendizes; Eloi Zanetti: fértil memorialista.

a propósito da sua nota sobre o Teatro de Bonecos Dada, tenho uma boa história sobre o Teatro Dadá e o Euclides e uma de mágico. Leia, a seguir:

ELOI ZANETTI, Serra da Mantiqueira, Minas Gerais

1) TEATRO DADÁ

Na década de 70 o Bamerindus apoiava muito o Teatro Dadá contratando seus shows para ações promocionais da Caderneta de Poupança Apepar. Um dia o Euclides me perguntou se o banco poderia ajudá-lo com duas passagens para Paris para um Encontro de Marionetes. Conversei com o sr. Edson Vieira, presidente do banco, e passei o fone do Euclides para a secretária da presidência. Se saísse alguma coisa ela avisaria. Dois meses depois, a moça me pergunta: Eloi, o teu amigo não veio aqui pegar as passagens, já avisei ele que estão à disposição. Falei com o Euclides: Você não foi pegar as passagens para Paris, o banco liberou e já te avisaram. Resposta dele: Esqueci.

2) UM MÁGICO ESCONDIDO

Outro que tinha muito apoio do Bamerindus era o Delfus, um mágico de uma simplicidade incrível. Seus shows para a Loja Apepar eram muito disputados.

Um dia, conversando com outro mágico, um ilusionista de fama e prestigio internacional, o Celio Animo, que de passagem por Curitiba me disse que queria visitar o Delfus. Perguntei, mas você conhece o Delfus? Sim. Ele é uns melhores mágicos do mundo em manipulação de baralhos, muitos mágicos vêm à Curitiba para aprender com ele. Quem diria que o Delfus, na sua extrema simplicidade e bondade, morando em uma casinha no Capão da Imbuia, era referência no mundo dos mágicos?


DOS LEITORES (2):

“Quanto e para quem pagaram propina?”

Caro professor,

Ericoh Mórbiz: está confuso

Acabo de ler em todos os sites, que a Lava Jato fechou acordo com a concessionária CCR Rodonorte. Milhões pra cá, milhões pra lá, multas, obras, desconto de 30% na tarifa.

Mestre, estou confuso. Bom ler isso. Mas será isso mesmo? Pagaram propina?! Quanto? Pra quem? E mais estranho: acordo sigiloso!

Sabe, não sei se aplaudo!?

Por quê sigiloso?

Quais foram os critérios? Que parâmetros usaram? Por quê só 30% de queda na tarifa?

Sabe, está escrito que a Justiça irá homologar. Mas eu quero saber mais. Não aceito esse papo de acordo secreto.

Olha, Professor Aroldo, eu não mudei. A concessionária confessou que é criminosa, que pagou propina e que não fez o que estava no contrato.

Mudou a Lava Jato? Receberam carta branca pra negociar? De quem?

Que tal uma nota oficial, esclarecendo tudo isso?

Ficam dúvidas. Ouso dizer que com esse sigilo, pode ser levantada a hipótese de nova propina? Ou não? Onde a garantia de que não houve?

A Bolsa de Valores já registrou alta de suas ações. Então fez bom negócio. Pra eles!

ERICOH MÓRBIZ, pequeno empresário, Curitiba


DOS LEITORES (3):

Faltam nomes da Prefeitura. Como o de Mônica Santana

Senhor jornalista,

Jornalista Mônica Santana: nome indispensável na Prefeitura

Foi de muito boa qualidade o material jornalístico apresentado na quarta-feira por sua coluna sobre a crise intestina que vive a administração do prefeito Rafael Greca de Macedo. Oportuno foi o adendo-pergunta, que seu espaço fez sobre, afinal, que papéis oficiais têm a senhora Margarita Sansone e o advogado Giovani Gionédis na condução da administração de Curitiba. Esse é um assunto tabu, pois os dois, é público, mandam, às vezes, até mais que sua excelência, o Prefeito.

NINGUÉM SABE

Curioso é que o novo homem forte da prefeitura – a se levar em conta a informação de sua coluna/blog -, o jovem advogado Lucas Navarro de Souza, é quase um desconhecido nos círculos de poder e em grupos decisórios de Curitiba. Afinal, que é o preferido do alcaide?

MÔNICA, COMPETENTE

É estranho também que seu blog não tenha colocado o nome da jornalista Mônica Santana, muito competente, extremamente ligada aos fatos políticos, uma das melhores partes da atual administração.

Só gostaria que alguém me informasse com quem fica a Mônica, nesse imbróglio no qual muitos se digladiam contra o neo-poderoso (e futuro chefe de gabinete de Greca), o advogado Lucas.

CENÁRIO DE TREMOR

A jornalista, conhecida pela influência que exerce junto ao prefeito e dona Margarita, além de aliada de Gionédis, deve estar tendo um papel importante nesse cenário de “temor e tremores” que ocorre no Palácio 29 de Março.

Afinal, sabe-se, ela não é de parar, participa ativamente desse governo municipal que apenas começa mostrar suas lutas e fragilidades interiores. É alguém que, com discrição até (pois é carioca…), manda de fato na Prefeitura. Até agora, atua para o bem, segundo consta.

GLADESTONE MAYRINK DA COSTA, São Paulo, SP

Prefeitura de Curitiba

FATO/FOTOS

‘Ideias’ mostra papel do negro na civilização paranaense

Feitores açoitando negros na roça, Jean-Baptiste Debret – 1828

O jornalista Diego Antonelli, em sua última reportagem da série publicada pela Revista Ideias que retratou os imigrantes e as etnias do Paraná, escreve sobre os povos africanos em nosso estado. Uma homenagem mais do que justa nesses tempos que vivemos. Uma população que foi arrancada de sua pátria para ser escravizada em território brasileiro e que deixou um imenso legado social e cultural para a nossa sociedade.

PRESENTES NO PR

Ao longo da história do Paraná, milhares de pessoas negras escravizadas estiveram presentes na construção da área que forma o atual território paranaense. Desde meados de 1550, os europeus decidiram pelo tráfico de moradores da África para servirem aos senhores brancos que habitavam o Brasil. Vinham do Congo, da Angola, Moçambique e Etiópia. Forçados ao trabalho escravo, eles atuaram em mineração, construção e cultivo de erva-mate, além das tarefas no campo, na lida com o gado e ainda em afazeres domésticos. Também eram empregados nas oficinas de carpinteiro, sapateiro e alfaiataria.

COMPRAR A LIBERDADE

O Paraná tornou-se um dos tantos celeiros deste episódio que manchou a história do país por quase três séculos. Vale ressaltar que o Brasil foi o último país das Américas a abolir oficialmente a escravidão, em 1888.

Antonelli realiza uma retrospectiva desses tempos sombrios que marcaram o território brasileiro. Conta histórias de escravos paranaenses que foram presos e também sobre os que trabalharam duro para conseguir comprar suas liberdades.

Além disso, o jornalista traz nomes de pessoas influentes na sociedade que contribuíram e muito para o desenvolvimento do nosso estado.


“Caixa D’Água” atenderá 5 mil famílias

Caixa d’água em casa de baixa renda

Em reunião realizada nesta quinta-feira na sede da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf), ficou acordado entre o secretário da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, o diretor de investimentos da Sanepar, Joel de Jesus Macedo, a coordenadora do programa da Sejuf “Família Paranaense”, Letícia Reis, e seu assessor, Everton de Oliveira, a retomada do programa “Caixa D’Água”, que beneficiará mais de 5.600 famílias paranaenses em 2019.

FALTA O ESSENCIAL

Foi constatado que de cada 5 casas de pessoas de baixa renda, atendidos pelo programa Família Paranaense, 1 casa não tem caixa d’água e, devido a este motivo, o fornecimento pode ser interrompido a qualquer momento, causando graves transtornos.

VOLTANDO JÁ

“Através do programa Família Paranaense e da Sanepar, durante o governo de Carlos Massa Ratinho Junior, nós vamos o mais rápido possível retomar o projeto Caixa D’Água levando saúde, abastecimento e cidadania para as famílias carentes do Paraná. Nossa expectativa neste ano é atender 5.600 famílias”, disse Ney.


ESTILO DE VIDA

Por que um adolescente não deve ingerir bebidas alcoólicas

Adolescentes e o perigo da dependência de álcool

Pesquisas mostram que o álcool causa mais danos ao cérebro em desenvolvimento dos adolescentes do que se acreditava

Javier Fiz Pérez | Aleteia

Pesquisas recentes podem ajudar a explicar por que as pessoas que começam a beber em idade precoce correm um grande risco de se tornarem alcoólatras.

De acordo com os resultados de uma pesquisa realizada nos EUA com 43.093 adultos e publicada em 3 de julho na revista Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine, 47% das pessoas que começam a beber antes dos 14 anos desenvolvem uma dependência em algum momento sua vida, em comparação com 9% daqueles que esperam pelo menos até os 21 anos de idade. A correlação é mantida mesmo quando os riscos genéticos do alcoolismo são levados em conta.

Entre todos os processos de desenvolvimento durante a adolescência, há dois que são de interesse especial.

O primeiro é a melhora sináptica, que ocorre gradualmente ao longo do período da adolescência. Refere-se ao aperfeiçoamento de sinapses ou conexões entre as células cerebrais. Ao nascer, cada célula do cérebro está conectada a outras dez mil, mas nem todas essas conexões serão necessárias. Assim, dependendo do tipo de atividade em que a pessoa está envolvida, as conexões desnecessárias desaparecem e o restante é aperfeiçoado. Assim, o córtex cerebral e a massa cinzenta experimentam uma redução no final de uma adolescência saudável.

O segundo é a mielinização da substância branca. Os axônios são extensões dos neurônios através dos quais o impulso nervoso circula para ativar o processamento da informação no cérebro. Esses axônios são cobertos com uma substância chamada mielina, que favorece que a informação seja processada de forma mais eficiente dentro do cérebro.

Durante a adolescência, muitos desses processos de desenvolvimento ocorrem, estando localizados principalmente na região dos lobos frontais. Se tudo evolui normalmente durante a adolescência, o cérebro ganha efetividade em termos de transmissão de informações com vistas à maturidade.

PROBLEMAS DE ATENÇÃO E VELOCIDADE

O que acontece então se o álcool é introduzido no corpo durante este período de desenvolvimento significativo?

Os níveis de atenção são significativamente mais baixos em adolescentes que bebem bebidas alcoólicas. Além disso, devido à sua fase de desenvolvimento, o fígado de um menino ou uma menina não está pronto para metabolizar o álcool até os 18 anos. E quanto ao sistema imunológico, o álcool o enfraquece, o que torna o organismo mais vulnerável a todo tipo de doença.

Há também evidências de deterioração na velocidade dos testes de processamento de informações. Esses resultados coincidem com outras investigações, que descrevem uma deterioração no desempenho ao processar informações rapidamente e manter a atenção.

SINAIS DE ALARME

Vejamos alguns dos sintomas para reconhecer se um adolescente está com problemas com álcool.

– Mudanças súbitas no comportamento sem motivo aparente.

– Muito tempo sozinho ou trancado no quarto.

– Chegadas tardias. Atrasos a ausências não justificadas.

– Mudanças significativas no desempenho escolar.

– Falta de interesse em amigos, esportes, entretenimento.

– Perda de apetite.

– Comportamento depressivo.

– Hiperatividade ou fadiga.

– Negligenciar a maneira de vestir ou a higiene pessoal.

– Escapa de casa.

A CHAVE PARA TUDO ESTÁ NOS PAIS

A presença dos pais é de importância crucial.

Você tem que estar presente. Ouça os adolescentes. Saiba o que eles fazem, onde estão e com quem. Definir limites significa cuidar. Os limites são necessários. Eles permitem diferenciar entre o bem e o mal, o que precisa ser feito e o que não deve ser feito. Sem limites, há vazio, solidão e confusão.

Os pais devem ser as referências em que as crianças e os adolescentes podem se sentir seguros, valorizados e apreciados. A autoridade é valorizada quando expressa com carinho, ternura, abraços e decisões firmes, com a garantia de que amanhã nossos filhos irão apreciar muito a nossa forte presença nos seus anos de crescimento e desenvolvimento.


AÇÕES DE GOVERNO

Governador em exercício recebe cônsules de 14 países

O governador em exercício com 13 cônsules de países da Europa, Ásia e das Américas e com o Chefe do Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores no Paraná, embaixador Igor Kipman. Curitiba (Foto: Gilson Abreu/ANPr)

No encontro, representantes disseram que países veem com interesse investimentos nas áreas de infraestrutura e agronegócios. Nova ponte em Foz do Iguaçu foi destacada.

O governador em exercício Darci Piana se reuniu nesta sexta-feira (8) com 13 cônsules de 14 países da Europa, Ásia e das Américas. A reunião no Palácio Iguaçu também contou com a participação do Chefe do Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores no Paraná, embaixador Igor Kipman.

O governador em exercício destacou que o Paraná é o “Estado da vez” para investimentos em infraestrutura e agronegócios. Ele disse que o Estado deve receber um novo ciclo de investimentos nos próximos anos com as concessões de quatro aeroportos e rodovias federais e estaduais, feitas pela União, além de parcerias para absorver tecnologia para a produção de leite, grãos e frangos, e negócios na área de segurança das fronteiras.

Darci Piana ressaltou a viagem do governador Carlos Massa Ratinho Junior aos Estados Unidos e disse que o Paraná prepara a instalação de um escritório no Vale do Silício, além de parcerias com universidades e institutos de tecnologia para engrandecer o papel da Celepar.

“O Paraná tem um potencial extraordinário de crescimento. Essa nova fase dos governos estadual e federal, com a perspectiva da reforma da Previdência, dá a segurança de que o país vai melhorar. A impressão que eu tenho é que o Paraná é o Estado da vez”, afirmou Piana. “Muitos empresários e bancos mundiais têm chegado ao nosso governo para conversar a respeito de investimentos”.

PARCERIAS

Para Andreas Hoffrichter, cônsul honorário da Alemanha, o Paraná é benquisto pelos investidores internacionais. “A Alemanha o vê com interesse. Sempre foi um Estado que se destacou, teve crescimento de PIB superior à média brasileira. Os empresários alemães estão querendo investir no Paraná, tem muitas oportunidades de negócios”, destacou.

No encontro, Hoffrichter também afirmou que o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, virá ao Paraná no fim de março para buscar parcerias para a indústria de energias renováveis.

Já Blanca Hernando Barco, cônsul honorária da Espanha, disse que o país tem interesse em negócios da área de infraestrutura e logística. “É uma nova era em que muitos investimentos voltarão para o Paraná. A Espanha tem investimentos muito grandes em parques eólicos, trens e aeroportos. Tem interesse na infraestrutura como um todo”, afirmou.

A cônsul também destacou que Curitiba vai receber neste mês o Smart City Expo 2019 em parceria com a espanhola FIRA Barcelona. O congresso vai trazer empreendedores de todo o mundo ao Paraná.

PONTES

O governador em exercício e o cônsul-geral do Paraguai, embaixador Carlos Fleitas Rodriguez, frisaram no encontro que a parceria estratégica entre os países pela fronteira paranaense possibilitará a construção da segunda ponte em Foz do Iguaçu para desafogar o tráfego pesado de caminhões da Ponte Internacional da Amizade.

A ponte que vai ligar Foz do Iguaçu a Presidente Franco já foi licitada e a obra contratada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura (Dnit), em 2014. O projeto, no entanto, não teve continuidade e agora será retomado com recursos de Itaipu. A obra tem custo previsto de R$ 302,5 milhões (considerando estrutura e desapropriações), além de R$ 104 milhões para a construção de uma perimetral no lado brasileiro.

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, se encontrarão novamente em Brasília na próxima semana para acertar os últimos detalhes do acordo.

AGRONEGÓCIO

O Paraná também se prepara para modernizar a produção de frango e carne vermelha para abrir novos mercados no Oriente Médio e Europa Oriental. Segundo o cônsul honorário da Turquia, Luiz Alberto Lenz César, o Estado pode ampliar a oferta de frigoríficos capazes de abater frango no modelo halal, que respeita o ritual muçulmano. Ele também destacou que o Paraná deve começar a enviar gado vivo para o Oriente a partir do porto de Paranaguá, nos moldes de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O cônsul honorário da República Tcheca, Rui Lemes, disse que os empresários do país têm interesse em vacinas veterinárias e que o país europeu e o Brasil já conversam sobre a troca de tecnologias nas áreas de produção de leite e segurança.

Darci Piana destacou que os produtores do Paraná precisam de novos mercados para ampliar os seus investimentos. “O caminho é o diálogo, a conversa, mostrar nosso potencial, receber as propostas e também ajudar a vender, que é a nossa missão. Fazer com que os empresários do Paraná tenham mercado e possibilidade de expandir as suas vendas para o comércio exterior”, acrescentou.

PREVIDÊNCIA

Segundo Thomas Augusto do Amaral Neves, presidente do corpo consular e cônsul honorário da Albânia e da República Dominicana, o Paraná tem 45 representações consulares e pode expandir seus negócios nesse novo ciclo de investimento. Ele citou, no entanto, a necessidade de aprovação da reforma da Previdência.

“Essa integração entre governo e os países aqui representados é muito importante para incrementar ainda mais os negócios e também o intercâmbio cultural entre os universitários dos países aqui representados. O Paraná é um Estado muito bem-visto, mas o Brasil ainda precisa definir algumas coisas, como a reforma da Previdência, para que os países se sintam mais confortáveis em fazer investimentos nesse momento”, afirmou.

A reforma foi apresentada em fevereiro pelo presidente Jair Bolsonaro e aguarda aprovação do Congresso Nacional.

PARTICIPAÇÕES

Também participaram do encontro o cônsul-geral do Japão, Hajime Kimura; e os cônsules honorários da Áustria, Tércio Gritsch; de Bangladesh, Marcelo Grendel Guimarães; de Filipinas, Kiyoshi Ishitani; da Guatemala, Norberto de Castilho; da Síria, Gourg Abdullah; e da Ucrânia, Mariano Czaikowski.