Duas mulheres se destacam na passarela do DFB Festival: a clássica rendeira Almerinda Maria e Camila Arraes, a alma da marca Rendá. Elas ilustram a resistência e a beleza da renda no mundo da moda.

Na edição 2019 da semana de moda conceitual, Almerinda traz a coleção Tropical Chic – Chica, chica bom chic, em que babados de renda remetem à Carmen Miranda. No encontro do clássico com o atual, se avistam linho, voil de algodão e gaze de seda em cores alinhadas tanto ao branco como aos tons de frutas, como a goiaba.

E, embevecida, a plateia delicia-se com a sofisticada simplicidade dos shapes femininos adornados por  bordado richilieu, renda renascença, bilros e labirintos. Na moda desde 1988, a rendeira cearense se reinventa sempre.

De existência mais recente, a marca Rendá por Camila Arraes caracteriza-se por uma  releitura da renda renascença, introduzindo diferentes matérias-primas que dão um toque moderno às composições. E nessa edição não deixou por menos: sua coleção fez jus ao título, Bordado Richilieu da França ao Ceará. Entre os trinta looks apresentados, a renascença  aparece em composição com o couro bordado em richellieu  e estampas exclusivas.

Orgulha-se Camila Arraes:  “Cada fio produzido pelas rendeiras e bordadeiras da nossa marca representa muito mais do que peças de roupa, colocamos muito amor em tudo que produzimos. Nas peças da Rendá, estão oportunidades e sonhos de muita gente”.