Nas férias, cresce preocupação com segurança patrimonial

340

A sensação de insegurança dentro de casa fez aumentar o número de residências que investiram em sistemas de segurança nos últimos 12 meses no Brasil. É o que indica a Pesquisa Nacional sobre Segurança Eletrônica encomendada pela Associação Brasileira de Empresas de Segurança Eletrônica (Abese). De acordo com o levantamento, 69% dos prestadores de serviços atenderam projetos para residências. Entre as principais solicitações estão vídeomonitoramento e sistemas de alarme com e sem fio. Outro dado indica que o segmento movimentou mais de R$ 6 bilhões em 2018.
Porém, alerta o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), o projeto, a instalação e a manutenção de aparelhos de segurança, como câmeras, sensores de presença e cercas elétricas requerem a atuação de um profissional habilitado. “O profissional habilitado pelo Crea-PR é quem vai garantir que todas as normas e leis sejam cumpridas, indicando o tipo correto de equipamento a ser utilizado. Não procurar um profissional pode gerar prejuízos físicos e materiais”, alerta o Engenheiro Eletricista e Conselheiro do Crea-PR, Fernando Felice.
O Engenheiro afirma que é necessário exigir do profissional ou da empresa que irá executar os serviços de projeto, instalação ou manutenção do sistema eletroeletrônico a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica). “Um cenário diferente gera uma situação irregular perante a Resolução nº 1025/2009 do Confea – Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, podendo acarretar riscos de contratar serviços sem garantia e sem confiabilidade. Além disso, o equipamento usado deve ser certificado pelo Inmetro”, afirma Felice.
Para orientar a população, o Crea-PR elaborou cadernos técnicos sobre segurança eletrônica e cercas eletrificadas. Eles podem ser acessados gratuitamente no site do conselho, e têm como objetivos informar a sociedade quanto aos procedimentos necessários para a instalação de equipamentos eletrônicos e cercas eletrificadas nos perímetros dos imóveis, bem como alertar sobre os perigos de uma instalação mal projetada e conscientizar a população quanto à importância da contratação de profissionais devidamente habilitados e empresas instaladoras registradas no Crea-PR.

Normas em Curitiba
Dados divulgados pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) apontam 5.851 ocorrências (roubos e furtos) registradas de janeiro a setembro de 2018 (dados do último trimestre ainda não foram divulgados).

“Números como esses assustam a população, que busca de alguma forma proteger seu patrimônio. Porém, em Curitiba, a instalação de cercas elétricas deve ter licença fornecida pela prefeitura e atender as exigências do Decreto 705/2014 que regulamenta a Lei 11.035/2004. É obrigatório um engenheiro eletricista assinar a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). A prefeitura fiscaliza o cumprimento das regras, enquanto o Crea fiscaliza a atividade exercida por quem assinou o projeto”, explica o Conselheiro do Crea-PR.

O Engenheiro Eletricista comenta que as normas técnicas estabelecem que a cerca deve ter corrente elétrica de, no máximo, 5 mil amperes, com intervalo de 1,2 segundos entre um choque e outro. “Deve ser realizada manutenção a cada 12 meses, e o laudo só pode ser feito por Engenheiro Eletricista”, comenta.

Felice ressalta ainda que é necessário colocar placas amarelas voltadas para a parte externa do imóvel, alertando que a cerca transmite choque. De acordo com o decreto municipal, o primeiro fio deve estar instalado a 2,4 metros de altura em relação ao maior nível do solo e possuir de quatro a seis fios energizados. A instalação pode ser feita em muros, grades, paredes, marquises e fachadas de edifícios, mas deve respeitar o afastamento de pelo menos 1,5 metros em relação a portas, porta-janelas ou janelas de fachadas.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), autarquia que este ano comemora 85 anos, é responsável pela regulamentação e fiscalização da atuação de profissionais e empresas das áreas da Engenharias, Agronomias e Geociências. Além de regulamentar e fiscalizar, o Crea-PR também promove ações de atualização e valorização profissional por meio de termos de fomentos disponibilizados via Editais de Chamamento.