Difícil a relação entre as bancadas do governo, de oposição e a dos oportunistas na Assembleia Legislativa. Começa pela atitude dos depois, diante da plateia, radicalizam e não cumprem a palavra para colher simpatias eleitorais.deputados de oposição, que fazem acordos em gabinetes e que há, ainda a turma do meio, que negocia aqui, ali e acolá, aproveitando-se das contradições, para tirar proveitos que, no mais das vezes, são pessoais. Um surto de demagogia tomou conta de setores da Assembleia nesta quarta-feira (10) e colocou sob ameaça um acordo construído a duras penas entre os deputados de situação, de oposição, governo do estado e APP Sindicato que levou ao fim da greve de mais 45 dias dos professores da rede estadual.

O líder do governo, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), fez um discurso duríssimo condenando o jogo duplo e o rompimento da palavra dada. Ressalvou as deputadas, que mantém uma postura impecável, e condenou os homens que “não honram as calças que vestem”.

Os deputados citados fizeram ar de paisagem, calaram, não vestiram a carapuça. Mas a pancada de Romanelli doeu em suas orelhas.

Comovente
É comovente o esforço das oposições política e midiática para envolver o nome do governador Beto Richa em investigações do Gaeco. Pois, pois, Beto Richa reafirmou que o Estado é o maior interessado nas investigações do Gaeco que levaram à prisão de mais um grupo de auditores fiscais da Receita Estadual. “Eu não passo a mão na cabeça de ninguém. Posso te assegurar que o Estado, o governo, é o maior interessado que essas investigações aconteçam, que tudo seja esclarecido. Se houve prejuízo à arrecadação do Estado do Paraná, que seja também levantado e, havendo culpados, que sejam punidos.”

Mais um na cadeia
O ex-secretário municipal de Curitiba para a Copa do Mundo de 2014, Luiz de Carvalho, foi preso em Curitiba, ontem, emação da Polícia Federal para combater lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e organização criminosa. A Operação Vitória deteve mais dez pessoas, entre elas o ex-vice-presidente do Banco Brasil, Allan Simões Toledo. O grupo é suspeito de desviar cerca de R$ 3 bilhões nos últimos três anos.

E o Luiz Abi?
Ninguém sabe, ninguém viu. A Procuradoria ainda espere que ele se apresente. Mas há controvérsias, sobre sua intenção e sobre o seu destino, Abi teria desistido de passar por um processo normal. Se considera um perseguido político. Como ele tem cidadania paraguaia, pode estar no país vizinho. Como está com medo, pode estar nas Arábias.

Substituído
Antes da realização do Mundial, Carvalho foi substituído no cargo de secretário para a Copa por Reginaldo Cordeiro, que executou a função até o fim do torneio.

Greve de fome
O ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, operador financeiro das campanhas do PT no Paraná, começou uma greve de fome na cadeia de Modena, após a confirmação de sua extradição para o Brasil.

Quem tem, tem medo
Ora, pois, chegou a vez das emissores de TV. Os diretores de relações institucionais das TVs abertas têm procurado senadores para saber se a CPI da CBF vai investigar também os contratos de transmissão dos jogos por emissoras nacionais.Querem saber se vai ser final de campeonato, cheio de emoções, ou só mais uma partida para cumprir tabela.

Judas, Cristo ou Cristóvão?
Depois que Dilma Rousseff disse que ele não poderia ser comparado a “um Judas” e do vice Michel Temer comparar o ministro da Fazenda a “um Cristo”, o próprio Joaquim Levy, depois do anuncio do programa de concessões na área de logística, recorreu ao santo protetor dos motoristas: “Agora é São Cristovão, padroeiro dos transportes”.

Santíssima Trindade
Ao mesmo tempo, Rui Falcão, presidente do PT, perguntado da possibilidade de descolamento do PT da presidente, respondeu: “Nós somos uma Santíssima Trindade: Lula, Dilma e o PT”.

Cara de pau
“Para nós, naquele momento, foi (uma marolinha), mas depois a marola se acumulou e virou uma onda (…) Mas sabe por quê? Porque o mar não serenou” Acreditem, é a presidente Dilma Rousseff a explicar a crise brasileira com a teoria“o mar não serenou” porque a economia americana não se recuperou rapidamente. Dilma também disse que a situação econômica do Brasil é reflexo da crise da Europa, que ainda está se reerguendo. Bobagens, Dilma, bobagens.

Suicida?
Preso pelo Gaeco, Amadeu Serapião, denunciado por forjar fiscalização, apreensão de documentos e computadores em uma empresa, tentou o suicídio ao tomar grande quantidade de remédios. Foi para o hospital, mas já está de volta à prisão.

Caiam na real
O impacto financeiro do reajuste dos salários dos servidores estaduais, conforme projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa, será de R$ 5,48 bilhões nos próximos três anos. Pela proposta, o governo vai garantir uma reposição de mais de 12% na remuneração dos 270 mil servidores do Executivo até janeiro de 2016.

Desafio
Dos R$ 8 bilhões que Lula pediu à presidente Dilma que liberasse para a prefeitura de São Paulo, R$ 3 bilhões foram liberados – e Fernando Haddad terá de se contentar com isso. Hoje, a maior dor de cabeça do ex-presidente é a candidatura de Marta Suplicy, que é boa de voto na periferia da cidade e ganhou o apoio da classe média por ter caído fora do PT. Mesmo assim, Lula acha que consegue manter uma aliança entre PMDB, PDT e PSB em torno da Haddad, que tem apoio de Gabriel Chalita (poderá ser vice) e Luis Antonio de Medeiros, que virou secretário das Subprefeituras.

Teste
O empenho de Lula na reeleição de Fernando Haddad, que ele lançou, é fundamental e uma espécie de teste. Se ele não for para o segundo turno, respinga para valer na candidatura do ex-presidente em 2018. As pesquisas internas do PT, hoje, dão Celso Russomano e Marta Suplicy no segundo turno.

Incompetência
A Vila Olímpica do Boqueirão não é mais do Paraná Clube. O terreno do estádio, de 66 mil metros quadrados, foi leiloado na manhã desta quinta-feira (11) por R$ 11,650 milhões, quase metade do valor do primeiro lance, R$ 23,2 milhões. O imóvel foi a leilão para pagar uma dívida de R$ 450 mil do Paraná com o ex-técnico da equipe Ricardo Pinto, que comandou o Tricolor em 2012.

Melhor é ler
O pronunciamento de Dilma em rede nacional, por conta do Dia da Mulher, quando ganhou um panelaço e tanto, teve o dedo do marqueteiro João Santana e o resultado foi pífio. Agora, ela mandou chamar Santana de volta e teve uma reunião com ele e Lula na Granja do Torto. Em sua análise, ele não tirou nenhum coelho da cartola: recomendou paciência, gostou da agenda positiva e do lançamento dos planos e botou fé em viagens internacionais da Chefe do Governo, especialmente para os Estados Unidos no final deste mês. E aconselhou que ela se ativesse a discursos escritos, nada de falar de improviso, quando tem dificuldades de armar sentenças.

Volta mais cedo
Quem mais insistia em deixar Dilma fora do 5º Congresso do PT era a equipe de segurança e pessoal do vôo. O avião não tem autonomia de Bruxelas para Salvador. A Chefe do Governo, pressionada por Lula, mandou rever a rota e os horários. Quer voltar amanhã à noite para encerrar a abertura do evento. No sábado, o congresso estará esvaziado.

Estilo ACM
Na terça-feira, o plenário da Câmara estava vazio e o painel de registro de presenças desligado porque o presidente Eduardo Cunha, ainda não voltara de sua viagem. Chico Alencar (PSol-RJ) não resistiu a comparação: “ACM costumava dizer que “reunião em que eu não estou, não vale”. É o que Eduardo Cunha está fazendo por aqui. Ou, se alguém quiser um exemplo externo, só falta ele fazer como Luis XVI e dizer “A Câmara sou eu”.

Bônus eleitoral
O Instituto Lula não tem fins lucrativos; já a empresa LILS Palestras, Eventos e Publicidade tem. A Camargo Corrêa distribuiu para as duas R$ 4,5 milhões entre 2011 e 2013. Em julho de 2012, a empreiteira envolvida até o pescoço na Lava Jato pagou R$ 1 milhão ao instituto a título de Bônus Eleitorais, que a entidade nega e garante que era para “um trabalho de erradicação da pobreza e fome no mundo”. Da Camargo Corrêa, Lula recebeu mais do que a consultoria de José Dirceu (R$ 866 mil) e da Costa Global, de Paulo Roberto Costa (R$ 3 milhões).

Menos fusões
O número de fusões e aquisições realizadas por empresas brasileiras, segundo levantamento do KPMG, caiu no primeiro trimestre do ano para 63 operações. A média de operações em igual período nos anos anteriores era de 80 transações domésticas. O estudo sinaliza maior queda para os próximos meses, devido à diminuição da atividade econômica e percepção de riscos maiores.

Muitas risadas
No lançamento da nova etapa do Programa de Investimento em Logística, um pacote de quase R$ 200 bilhões, a maioria dos presentes na área principal e especialmente Dilma, Michel Temer e Joaquim Levy, apareceram em fotos dando risadas. Há quem aposte que eles teriam considerado o evento – e mais ainda o próprio plano – como uma grande piada.

Sem responsabilidade
Nove entre dez analistas políticos lúcidos (coisa rara no país) acham que o PMDB está unido e se transformou no maior bloco de oposição a Dilma. E quem acredita que o pior já passou, não tem nem idéia do que vem por aí. A unidade do partido tem por objetivo manter a presidência sob seu controle. Com uma vantagem: sem nenhuma responsabilidade. O ônus fica todo para a Chefe do Governo.

20 anos
A mulher de José Maria Marin, Neusa, hoje com 76 anos de idade, tem sido amparada por poucos amigos, nessa fase difícil em que seu marido está preso em Zurique. Nesses dias, chegou a passar mal quando um dos advogados de lá, contratado para a defesa do ex-presidente da CBF, chegou a dizer que, caso ele seja condenado numa corte americana, poderá pegar até 20 anos de prisão e que o ideal seria partir logo para uma delação, como forma de reduzir essa suposta pena.

Preocupado
O ex-deputado e ex-secretário de Esportes Walter Feldman, contratado para ser secretário da CBF, depois de um período de vacas magras quando voltou a trabalhar em seu consultório, tem mais preocupações caso Marco Polo Del Nero renuncie ou seja obrigado a renunciar se for atingido pelas investigações nacionais e internacionais. Feldman ganha lá R$ 80 mil mensais (fora verba de representação para viagens e afins) para ajudar Del Nero na área legislativa federal. Mais: ele quer contratar um especialista em media training para o chefe.

Com ou sem ressalvas
Pela primeira vez na história do TCU as contas de um presidente podem ser reprovadas em relação a 2014. O ministro Augusto Nardes, relator da matéria, levará a parecer ao plenário no próximo dia 17. O Planalto está na torcida para transformar o que ficou conhecido como pedalada fiscal em ressalva. Contudo, a disposição da corte não é essa. O TCU quer mostrar que não é mais aquele que diz amém a tudo, ressalvados os pecados. Depois da votação do TCU, as atenções se voltarão para a Comissão Mista do Orçamento, que há mais de 20 anos não analisa contas de presidentes da República.

Super-prejuízo
A Petrobras teve de decidir pelo abandono dos projetos das refinarias Premium no Maranhão e no Ceará, lançadas no governo Lula, sem cobertura orçamentária para conclusão. E nesse capítulo, a estatal engoliu um prejuízo de R$ 2,8 bilhões.

Nas entrelinhas
No enterro do ex-ministro Leônidas Pires Gonçalves, o comandante do Exercito, general Eduardo Villas Boas, não deixou por menos: “Os soldados do seu exercito não consentirão que a retidão de seu caráter e a transcendência de sua alma sejam maculadas por versões históricas capciosas e tentativas de impor verdades de ocasião”. Um recado para a Comissão Nacional da Verdade e outro para Lula que, há algum tempo, resolveu alardear a eficácia do “exercito de Stédile”.

Renata 2018
O PSB não abre mão de ter candidatura própria à Presidência em 2018. O vice da legenda, Beto Albuquerque, garante que já tem um nome que simboliza a renovação: é o de Renata Campos, viúva de Eduardo Campos que, a propósito, nem foi consultada e já avisou, anteriormente, diversas vezes, que não entra nessa. Tem filhos para cuidar.

Não gosta
O ministro da Educação, Renato Janine, não gosta de dar entrevistas para um monte de repórteres com microfone na mão. Sempre que pode, escapa, para irritação dos profissionais, sem nem mesmo cumprimentá-los. Quer adotar a postura de apenas se manifestar por notas oficiais.