MPF – Combate às fake news deve começar com a educação do receptor, afirma vice-procurador-geral Eleitoral em seminário da BBC

262

“Em lugar de atuar sobre os emissores é melhor atuar sobre a qualificação dos receptores, com a educação”. Esse é o caminho proposto pelo vice-procurador-geral Eleitoral (PGE), Humberto Jacques de Medeiros, para combater a disseminação de notícias falsas na internet. A fala foi proferida durante o evento Beyond Fake News – Em Busca de Soluções, promovido pela British Broadcast Corporation (BBC), em São Paulo, na terça-feira (12).

No debate, o vice-PGE defendeu que o Estado deve permanecer isento em relação à informação. Para ele, a liberdade de expressão deve ser plena, mesmo que seja necessário o enrijecimento das sanções a quem de modo criminoso se utilizar dela. “Essa solução paternal de invocar o Estado para resolver esse problema alavanca o despertar do Estado, que se levanta e diz: me chamaram para isso, e agora posso ser o dono da verdade e ter o monopólio da informação”, apontou.

Mesmo com o fenômeno crescente das fake news na internet, o vice-PGE defendeu que a censura jamais deverá ser aceita sob o risco de limitar o poder de denúncia e o exercício pleno do direito do cidadão de se expressar. “O caminho da censura é tentador e perigoso mas não deve ser trilhado, ainda que o preço seja um excesso de ruído e desconforto. Mas isso resolve-se com mais informação, com direito de resposta, com indenizações. Jamais com censura e repressão”, asseverou.

Medeiros também enfatizou a responsabilidade inerente a cada cidadão no combate à disseminação de informações falsas. Para ele, fomentar o debate enriquece as discussões, tornando os cidadãos críticos e preparados para reconhecer e combater informações de caráter duvidoso. “É claro que a grande imundície necessita de uma companhia de limpeza, mas a sujeira e a poluição nascem de cada um de nós, é responsabilidade de cada cidadão. É muito melhor que existam muitas verdades e versões, e que o debate na arena pública e na comunicação social de qualidade separe e decante o joio do trigo”, defendeu.

Fonte: www.mpf.mp.br