O Tribunal do Júri de Paranaguá, no Litoral paranaense, condenou por homicídio triplamente qualificado (feminicídio, motivo torpe e meio que dificultou a defesa da vítima) e tentativa de homicídio qualificado (para assegurar a execução do outro crime) um homem que matou a ex-namorada, então com 16 anos de idade, e tentou matar a mãe dela. O crime ocorreu em 30 de maio de 2018.

Inconformado com o fim do relacionamento, o homem foi até a casa da vítima e agrediu-a com uma peixeira. A mãe dela tentou impedir o crime e também foi atacada, sendo salva por um vizinho que entrou na residência e avançou contra o criminoso, impedindo a consumação do segundo homicídio. O vizinho também conseguiu impedir a fuga do assassino, que foi preso em flagrante.

Condenado a 37 anos e 6 meses de reclusão em regime fechado, o réu não poderá recorrer em liberdade. Na decisão, a juíza que presidiu o júri registrou que o réu não teria demonstrado arrependimento pelo crime, denotando frieza, destemor, insensibilidade e extremo machismo.

A 6ª Promotoria de Justiça de Paranaguá, que atuou na acusação do réu, ressalta a importância da condenação e da pena para a prevenção geral de crimes contra a mulher, que apresentam números bastante altos no Litoral paranaense.