Moro é aprovado por 54% da população; Bolsonaro tem a aprovação de 29% dos brasileiros. Diferença significativa preocupa o núcleo duro do time do presidente. Três dias após divulgar índices de aprovação do governo de Jair Bolsonaro, considerado “ótimo” ou “bom” por 29% dos entrevistados, o Instituto Datafolha divulgou nesta quinta-feira 5 um levantamento sobre a avaliação de ministros pela população.

O titular da pasta da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro, apareceu com os melhores resultados da Esplanada: 94% dos entrevistados disseram conhecê-lo e 54% consideram sua gestão como “ótima” ou “boa”. Outros 24% a consideram “regular”, 20% responderam que é “ruim” ou “péssima” e 2% não opinaram.

Em outros índices, Bolsonaro teve 38% de reprovação entre os entrevistados e 30% classificaram seu mandato até aqui como “regular” (2% também não responderam). O Datafolha ouviu 2.878 pessoas em 175 municípios de todas as regiões do país e divulgou que o nível de confiança da pesquisa é de 95%.

Bolsonaro veta

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei do Abuso de Autoridade com vetos a 36 dos 108 dispositivos aprovados pelo Congresso. Os 36 itens vetados estão contidos em 19 artigos. A lei e os vetos foram publicados em edição extra no “Diário Oficial da União”. O projeto foi aprovado pelo Congresso Nacional em agosto e define cerca de 30 situações que configuram o abuso, além das punições correspondentes.

Novos bloqueios de Beto

O juiz federal Friedman Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal de Curitiba, determinou o bloqueio de até R$ 19.960.692,75 em bens do ex-governador do Paraná Beto Richa e mais 16 réus, além da ABCR (Associação Brasileira de Captadores de Recurso) e da consultoria Chiminazzo e Associados.

Propinoduto

O bloqueio se dá em ação ajuizada pelo Estado do Paraná e o DER (Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná) que apura irregularidade em contrato com a concessionária Econorte. Segundo o MPF (Ministério Público Federal), empresas de pedágio no Paraná teriam pago propina para Richa e outros agentes públicos. O ex-governador e os agentes foram denunciados por improbidade administrativa.

Juiz recusa ação

O juiz federal Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal de Curitiba julgou improcedente a ação popular proposta pelo Ministério Público Federal contra o ex-ministro da saúde Ricardo Barros. A ação foi proposta em razão da utilização de avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para fins particulares. O fundamento da ação popular afirmava que Barros, na qualidade de Ministro de Estado, teria realizado oito viagens para fins pessoais com o avião da FAB o que caracterizaria ato de improbidade administrativa a custo do erário. O magistrado entendeu como improcedente o pedido do MPF, uma vez que foram comprovadas nos autos que as viagens deram-se em razão da função pública.

Barbárie

Até quando? De forma covarde, um torcedor do Athletico Paranaense, que voltava da partida entre Furacão e Grêmio, pela Copa do Brasil, foi retirado de um ônibus e espancado até ficar inconsciente, no fim da noite desta quarta-feira (5). As agressões, por um grupo de torcedores rivais que esperavam na área de desembargue de biarticulados, aconteceu dentro do terminal do bairro Cabral, em Curitiba.

Parque privatizado

Uma resolução do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos, publicada no Diário Oficial de terça-feira (3), recomendou que o Parque Nacional do Iguaçu seja incluído no Programa Nacional de Desestatização (PND). A partir disso, os serviços de apoio à visitação, à conservação, à proteção e à gestão do parque poderiam ser concedidos à iniciativa privada. A decisão sobre a inclusão ou não do parque no PND agora cabe ao presidente Jair Bolsonaro.

Concurso na Polícia

O Estado do Paraná em breve lançará o edital para concurso público para contratação de 2,4 mil militares estaduais. A notícia foi confirmada nesta quarta-feira (4) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior. São 2 mil vagas para policiais e 400 para bombeiros. Além disso, o Estado vai selecionar 50 delegados, 300 investigadores e 50 papiloscopistas para a Polícia Civil. Também foram abertas 238 vagas para agentes de cadeia para complementar o quadro do Departamento Penitenciário (Depen).

Progressões

Na cerimônia, o governador assinou um decreto autorizando as progressões de mais 143 policiais militares. Em julho, ele já havia assinado os avanços de carreira de 1.582 policiais militares e civis.

               Palocci entrega tudo

Empresários com interesse em comprar medidas provisórias, durante o governo Lula, já chegavam às reuniões para tratar do assunto levando o texto a ser assinado pelo presidente da República e o então ministro da Fazenda, Guido Mantega. Esta é uma das revelações mais contundentes de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda do governo Lula, ao relatar como empresários com dívidas bilionárias em impostos compraram a MP 470, autorizando o parcelamento desses débitos.

Valor da propina

Odebrecht pagou R$50 milhões pela MP 470 e totalizou R$14 milhões o suborno pago por Benjamin Steinbruch, da CSN, diz o ex-ministro. O magnata do setor de distribuição de combustíveis Rubens Ometto também participou da compra da MP 470, segundo acusa Palocci. “Eles trabalhavam intensamente até na redação (das MPs)”, afirmou Palocci, durante seu depoimento em acordo de delação premiada.

Pagou, levou

“Muitas vezes, empresas como a Odebrecht levavam a redação da MP pronta”, reforçou o ex-ministro durante depoimento a procuradores.

‘Acordo’ com Sistema S

O secretário de Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, aos poucos consolida a reputação de um contador de lorotas. Acusado de fazer pedidos pouco republicanos ao ex-presidente da ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) Augusto Ferreira, o secretario divulgou haver fechado um suposto acordo para reduzir em 20% a contribuição para o Sistema S. Mais uma lorota: o “acordo” foi negado por todas as confederações consultadas.

Petit comitê não pode

A reunião do tal “acordo” trombeteado por Carlos da Costa foi só com Carlos Melles, do Sebrae Nacional, e um presidente de confederação. Acordo com o Sistema S Para será legítimo apenas com a participação das 27 confederações que representam 5.174 sindicatos patronais. O ex-presidente da ABDI Augusto Ferreira prometeu revelar mais sobre Carlos da Costa, que o parceiro Paulo Guedes levou para o governo.

Dilma desfila

Dilma Rousseff esteve no Congresso “contra privatizações” de Bolsonaro, mesmo tendo feito a maior sequência de privatizações da História. Foram mais de 20 trechos rodoviários e ferroviários, os cinco mais rentáveis aeroportos e todo o petróleo no campo de Libra. No Itamaraty, desde junho um embaixador tenta provar que está vivo, no recadastramento anual obrigatório, para continuar recebendo a aposentadoria. Mas os burocratas não lhe dão ouvidos.

Que crise?

Mandachuva na Globo, Boninho foi à festa de aniversário do “pré-político” Luciano Huck, no Rio, em um Lamborghini Urus, SUV da marca de ultra luxo italiana. O modelo de entrada custa R$2,4 milhões.

Caminho de volta

Livre das acusações e filiado ao PTB, o ex-senador petista Delcídio do Amaral (MS) tem recebido afagos de políticos que o ignoravam há tempos. “Meu celular nem vibrava mais. Agora, pula minuto a minuto.”

Bancada do holofote

Com mais de 250 grupos temáticos formados apenas este ano, as frentes parlamentares se proliferam pelo Congresso como ocorreu com sindicatos no Brasil. Todo mundo quer uma frente para chamar de sua.

Casa de ferreiro

Na terra de Geraldo Alckmin, Vito Ardito Lerário (PP) promete levar a prefeitura pela quinta vez. Também nasceu em Pindamonhangaba, Ciro Gomes mas após beber água de outros lugares, deu no que deu.

Há 135 anos

Antes Nestor Forster, hoje no cargo esquentando a cadeira de Eduardo Bolsonaro, o mais recente encarregado de negócios em Washington foi José Gurgel do Amaral Valente. Nos tempos do imperador Pedro II.

Os vices se salvam

Todos os ex-governadores do Rio de Janeiro desde redemocratização chegaram a ser presos, mas não os vice. No samba do crioulo doido da política fluminense, os vice é que deveriam ser efetivados.

Estão faltando eles

A mais recente delação do ex-ministro Antonio Palocci mostrou que ainda falta gente no presídio de Curitiba.

“A Amazônia é nossa”

Jair Bolsonaro arrumou novo chavão para tentar recuperar a popularidade em queda: “A Amazônia é nossa”. E repetirá esse bordão no discurso que pretende fazer na abertura dos trabalhos da ONU. Detalhe: a Amazônia não é apenas do Brasil. Tem mais sete países que participam da região que Bolsonaro finge que não existem. Agora, aproveitando o Sete de Setembro, a Presidência lança (a ideia é de Fábio Wajngarten) uma campanha publicitária para exaltar “as cores da bandeira” e também uma promoção tipo Black Friday chamada “Semana do Brasil”, quando mais de quatro mil estabelecimentos oferecerão descontos, o que a maioria deles já faz por conta própria – e sem patriotada.

Verde e amarelo

Bolsonaro quer que todos vistam verde e amarelo nas comemorações do Sete de Setembro, mesmo arriscando que muitos poderão repetir episódio de 1992 no governo Collor quando os brasileiros preferiram se vestir de preto. Luciano Hang, chamado de “o véio da Havan” estará ao lado de Bolsonaro no desfile, com seu terno verde e gravata amarela. Também o Chefe do Governo usará uma gravata nessas cores e há quem aposte que a primeira-dama Michelle igualmente exibirá modelito no estilo.

Café da manhã

No Planalto, o presidente Jair Bolsonaro não está mais passando doce de leite no pão no café da manhã: passa manteiga. E come regularmente cuscuz, daqueles com sardinha e ovos.

Olho nas canetas

Por conta do episódio com Emmanuel Macron, Bolsonaro não usa mais caneta Bic porque é francesa (fundada em 1945). E adotou a Compactor de origem alemã, fabricada por braço da Schneider. Angela Merkel agradece a consideração.

Candidato, não

Bolsonaro ainda não mandou para o Senado a indicação de Eduardo, seu filho, para a embaixada brasileira em Washington porque sabe – e ainda mais por ser votação secreta – que seu nome seria vetado. Até pensou em lançá-lo prefeito de São Paulo (ganhava estourado no primeiro turno, diz o pai), mas sabe que há um dispositivo constitucional sobre inelegibilidade por parentesco.

Homenagem

O ministro da Educação, Abram Weintraub escreve “suspenção” dessa maneira. Deve ser uma homenagem à cedilha.

Outro “foro”

Em sua passagem por Assunção, com objetivo de colar o escândalo do acordo de Itaipu no governo Bolsonaro, Zeca Dirceu contou com o apoio de integrantes da esquerda do Parlasul. Representantes do Paraguai e da Bolívia ajudaram o filho de José Dirceu a estabelecer pontes com a CPI instalada no Congresso Paraguaio. Mais: Bolsonaro já anda chamando o Parlasul de “novo Foro de São Paulo”.

Sob encomenda

A área social do governo trabalha num projeto feito sob encomenda para ser pilotado pela primeira-dama Michelle Bolsonaro, dedicada à expansão da linguagem de libras. Especialistas em comunicação por sinas serão selecionados e treinados para atender eleitores com deficiência auditiva, medida entrará em vigor já no pleito municipal do ano que vem.

Em prol das bolsas

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, disse que ainda não recebeu nenhum retorno ao pedido feito para garantir o pagamento de 84 mil bolsas do CNPq.  Por isso determinou que recursos de fomento do Conselho sejam transferidos para pagamentos das bolsas em setembro. “Estamos, na verdade, cortando projetos de fomento em prol das bolsas. Mesmo essa solução temporária depende do Ministério da Economia para aprovar o limite financeiro orçamentário para esses R$ 82 milhões transferidos”.

 

Pires na mão

Com o corte de orçamento em vários ministérios, seus titulares já estão de olhos em outros recursos. Um deles seria o fundo da Petrobras, resultante do acordo da Justiça dos Estados Unidos que permitiu que a multa bilionária da estatal (R$ 2,5 bilhões) ficasse totalmente no Brasil. O destino dos recursos está nas mãos do ministro do Supremo, Alexandre de Moraes.

 

É o Brasil!

É o Brasil – e de Bolsonaro. As verbas do Ministério do Meio Ambiente destinadas à prevenção e ao controle de incêndios florestais caíram 34% no Orçamento de 2020, de R$ 45,5 milhões para R$ 29,6 milhões. O dinheiro se destina à contratação de brigadistas e a aluguel de equipamentos.

 

Ameaçados

Numa decisão que prejudica o Nordeste, ameaçando quase 500 mil empregos, o governo elevou em 25% a cota de importação de etanol americano com imposto 0%, passando de 600 para 750 milhões de litros anuais. O Brasil vai abrir mão de R$ 270 milhões em impostos de importação. É outra vitória dos distribuidores, atravessadores de mercado, para enfraquecer os produtores do Nordeste. Eduardo Bolsonaro contou essa história a Donald Trump.

 

Enaltecendo

Ana Paula de Moura Souza, secretária-executiva do Conselho Nacional da Área de Preservação Ambiental Costa dos Corais, em Pernambuco, defendeu um fiscal removido por “aplicar multas bem pesadas” porque passava muito tempo fumando maconha. Ela acha que “para ser fiscal nessa merda chamada Brasil, tem de fumar muita maconha mesmo’.

 

Curta

O ex-governador do Rio, Anthony Garotinho e Rosinha Mateus, libertados pela Justiça, ficaram menos de 24 horas na cadeia.

 

Abra o olho

Depois de ser demitido da presidência da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Luis Augusto de Souza Ferreira, mandou recado ao presidente Jair Bolsonaro pelo Twitter. “Acabo de ser demitido. Sem apuração. Por ser correto. E ok, o que eu já previa. Os covardes cada vez mais tomam conta do governo. Agradeço ao presida Jair Bolsonaro. Espero que Deus possa iluminar suas decisões. E que abra seus olhos. E rápido”. Igor Calvet assumiu o lugar de Souza Ferreira, por indicação do ministro Paulo Guedes, da Economia.

 

Maior prazo

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, vai pedir ao presidente Jair Bolsonaro que prorrogue a permanência das Forças Armadas, que termina dia 24 de setembro, na Amazônia. A prorrogação seria de mais um mês.  “O que a gente quer é isso, uma Amazônia que possa conjugar proteção ambiental com desenvolvimento econômico”. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, apoia o pedido.

 

Rompimento

Não convidem para o mesmo jantar as deputadas Joice Hasselmann e Carla Zambelli, as duas do PSL. Anteriormente já trocaram farpas públicas e agora a relação azedou de vez porque Joice escreveu no Twitter: “Pai bendito, que vergonha!” Referia-se ao episódio do filho da deputada Carla Zambelli matriculado no sexto ano do ensino fundamental do Colégio Militar de Brasília, sem que tivesse passado por processo de seleção.

 

Fracasso

As promessas de Paulo Guedes naufragaram. Com um número positivo para o PIB no segundo semestre de (+ 0,4%), o país escapou da recessão técnica. Mas o Itaú prevê que o terceiro trimestre será vermelho e com isso, o crescimento não virá em 2019 e será tímido em 2020, se vier.

 

Jamais verás!

“Criança, jamais verás uma Câmara como essa!”. Na calada da noite por 263 votos a favor e 144 contra os deputados aprovaram liberar o fundo partidário para pagar advogados na defesa de parlamentares quando acusados de corrupção. A oposição tem apenas 141 deputados.

 

Outra ONG

O Tribunal de Contas da União investiga dinheiro do Fundo da Amazônia distribuído pelo gestor BNDES que rendeu R$ 19 milhões a uma ONG CTI, dedicada ao “trabalho indígena”. Auditoria do Ministério do Meio Ambiente entregue ao tribunal revela que não foi encontrada qualquer “consultoria” e tampouco beneficiários de tanto dinheiro. A CTI diz ter gasto R$ 19 milhões em eventos, mas não exibe sinais de nenhum deles.

 

Contágio

A crise na Argentina começa a afetar países vizinhos. As exportações brasileiras para a Argentina se comparada ao mesmo período do ano passado, caíram 40,42%. São dados do Ministério da Economia.

 

Indicação

Ao que tudo indica, ao contrário que vinha sendo especulado, Jair Bolsonaro deve apresentar o nome do procurador-geral da República ainda esta semana. Estariam no páreo cinco nomes: a atual procuradora Raquel Dodge, Augusto Aras, Paulo Gonet e Mário Bonsaglia e procurador-regional Lauro Cardoso. “Espero que de hoje para amanhã nasça a criança, aí, que está com nove meses e meio”. E brincou: “Eu não posso falar homem nem mulher, pode ser um transexual também”, provocando risos.

 

Novo casal

Solteiros há algum tempo, Grazi Massafera e Caio Castro teriam ficado, sem nenhum constrangimento, aos beijos na festa de aniversário de Luciano Huck. Apesar do clima quente, os dois deixaram o local separados.

 

Doador

Preso pela Polícia Federal na Operação Vagatomia, o empresário Fernando Pinto da Costa, dono da Universidade Brasil doou meio milhão de reais para a campanha de João Doria ao governo paulista. Ele é acusado de comandar esquema de fraude na concessão do Fies e também na comercialização de vagas e transferência de alunos do exterior, principalmente Paraguai e Bolívia, para o curso de medicina em Fernandópolis (SP).

 

Sete encontros

Bolsonaro teve mais um encontro com Augusto Aras nesses dias, o que faz estimar que o subprocurador é um dos candidatos mais fortes à sucessão de Raquel Dodge na PRG. No total, foram sete encontros dos dois, na residência oficial, nos últimos meses.

 

Vai de preto

A UNE organiza atos contra o governo para o dia 7 de Setembro, pedindo que as pessoas se vistam de preto e tentando reviver os “caras pintadas” da época de Collor. A entidade diz que “significa o luto pela situação da Amazônia e da educação”. E mais: “É um grito de quase morte por causa dessas políticas”. Hoje, a UNE está longe de ter a força de décadas atrás, especialmente por sua relação com os governos petistas.

 

Obstinado

Eduardo Jorge sustentou ação contra os procuradores Guilherme Scheib e Luiz Francisco de Souza, que perseguiram por ser ministro de Fernando Henrique Cardoso. Depois de 17 anos, a Justiça lhe deu razão. Só que os R$ 100 mil (na época) de indicação sairão do Tesouro. Da dupla, nem vintém.

 

Cadê?

O ministro Paulo Gudes, da Economia, tem mais razões para se sentir decepcionado – e imagine-se a decepção dos contribuintes – também com resultados das privatizações anunciadas. Na época, prometeu-se R$ 1 trilhão. Mais: Guedes prometeu zerar o déficit em 2019, mas o rombo não apenas permaneceu como ameaça paralisar o governo em 2020. A nova CPMF é a tábua de salvação – e um tanto desesperada.

 

Muita fé

Domingo passado (1º), depois de assistir na Catedral Metropolitana do Rio, o subprocurador Alcides Martins, candidato à PGR, encontrou um amigo que logo lhe perguntou sobre as chances de substituir Raquel Dodge. Martins respondeu: “Ainda não perdi a fé”. Dois dias antes, à propósito, no Rio, havia participado de banca de mestrado em Teologia Bíblica da Faculdade de Educação Fatun, ligada à Assembleia de Deus. Era um nome “terrivelmente religioso”.

 

Dois em um

O ex-presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, recebeu um convite casado para assumir um assento não apenas no Conselho de Administração da Light, mas também da Cemig, sua controladora. Para quem tem memória curta: Monteiro, como diretor financeiro da estatal, esteve à frente do processo que culminou com a privatização da BR Distribuidora.

 

Duas canoas

Bolsonaro diz que Joice Hasselmann, pré-candidata à prefeitura de São Paulo está com os pés em duas canoas. Quer dizer que é também queridinha de João Doria, mas ele não a apoiará se sentir que sua candidatura tem a mão do governador paulista.

 

Substituto

A jornalista Monalisa Perrone pediu demissão da Rede Globo, e deixou de comandar o Hora Um, primeiro noticioso do dia. Monalisa está indo para CNN Brasil e comandará um telejornal à noite. Para seu lugar foi escalado Roberto Kovalick, que estava sendo cogitado para dividir a bancada com Maria Julia Coutinho, que em breve assumirá o Jornal Hoje. Com essa mudança, Kovalick deixa o rodizio de apresentadores do SPTV, mas entrará no rodizio do Jornal Nacional.

Frases

 “Dória não tem apelo popular. Ele não tem chances nas eleições presidenciais de 2022 porque é uma ejaculação precoce.”

Jair Bolsonaro